segunda-feira, maio 17, 2021

Gripen para o Brasil

‘ShinShin’ está atrasado, mas deve voar ainda este ano

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

ATD-X ShinShin - foto Kosuke Takahashi

Segundo o Grupo Jane’s, projeto ATD-X poderá dar origem a um caça de sexta geração japonês

O ministro da Defesa japonês Itsunori Onodera reafirmou os planos do país para um primeiro voo do caça Demonstrador de Tecnologia Avançada-X (ATD-X) em 2014: protótipo de um caça futuro que deverá substituir o Mitsubishi F-2 na Força Aérea do Japão (JASDF).

“Em fevereiro eu mesmo visitei a fábrica da Mitsubishi Heavy Industries (MHI) em Komaki Minami onde o ATD-X está sendo construído”, Onodera disse ao Comitê da Câmara Alta de Negócios Estrangeiros e de Defesa em 10 de abril. “Lá eu fui informado de que o primeiro voo deverá ocorrer este ano”.

O ATD-X, também conhecido como Shinshin (‘Coração de Deus’), está sendo desenvolvido pelo Instituto de Pesquisas e Desenvolvimento Tecnológico (TRDI), com o principal contratante do projeto sendo a MHI. Ele foi projetado para ser um caça de superioridade aérea furtivo com maior capacidade de manobra. O Ministério japonês da Defesa (MoD) vai usá-lo para pesquisar tecnologias avançadas e integração do sistema, e depois disso planeja produzir um caça de “sexta geração” englobando conceitos i3 (informação, inteligência e instantâneo) e capacidades anti-furtivas.

“Originalmente a MHI planejava o roll-out do ATD-X em maio, logo após o feriado de Golden Week do Japão, seguido do primeiro voo teste”, informou um funcionário da TRDI para o grupo IHS Jane’s em 15 de abril. ” Agora está vários meses atrasado”.

Onodera também disse que o Ministério da Defesa vai decidir em FY18 a possibilidade de construir o seu futuro caça furtivo no país ou se parte para o desenvolvimento conjunto internacional, com base em parâmetros como realizações tecnológicas e rentabilidade.

Os planos do Japão para desenvolver um “F-3” a partir do ADT-X no entanto poderiam ter oposição dos Estados Unidos, que bloquearam tentativas anteriores de Tóquio em desenvolver um caça local.

O programa do avião de combate FSX da década de 1980 foi bloqueado por Washington, que pressionou Tóquio devido a preocupações de que o crescimento da indústria da aviação japonesa poderia afetar a dos Estados Unidos. A pressão levou ao co-desenvolvimento do F-2: uma plataforma baseada na Lockheed Martin F-16C.

Autoridades disseram que com o desenvolvimento de caças de quinta geração como o Chengdu J-20 e o Sukhoi PAK-FA T-50, da China e da Rússia respectivamente, o desenvolvimento do Japão de um caça furtivo japonês está se tornando vital para a defesa aérea nacional.

“Nós sabemos que os nossos 28 sites de radar são eficazes na detecção de caças de terceira e quarta geração a longa distância, mas com o surgimento de caças de quinta geração nós não sabemos como eles irão se comportar”, disse o tenente-brigadeiro Hideyuki Yoshioka, então diretor do Air Systems Development da TRDI, à IHS Jane’s em novembro de 2011.

O Ministério da Defesa alocou 2,7 bilhões de ienes (US $ 26,5 milhões) para pesquisa sobre sistemas de radar e sistemas de controle de fogo capazes de detectar, rastrear e responder a aeronave furtiva no ano fiscal de 2014.

FONTE: IHS Jane’s (tradução e edição do Poder Aéreo a partir do original em inglês)

VEJA TAMBÉM:

 

- Advertisement -

19 Comments

Subscribe
Notify of
guest
19 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.
Mauricio R.
Mauricio R.

Sem “leme”, com “leme”; afinal esses caras não sabem ou não sabem o que querem???

(http://snafu-solomon.blogspot.com.br/2014/04/japanese-advanced-stealth-fighters.html)

PS: Sorry, pelo bombardeio de imagens!!!

Tadeu Mendes

Amigos,

Nao entendi bem….jetfighters de sexta geracao???? No way.

O de sexta geracao serao UCAVs/AI. Sem piloto e com autonomia decisoria total. (no man in the loop).

eduardo pereira

Poxa galera rolam dois vetores diferentes no video, qual será o da real hein?

Rogério

Nesse vídeo mais longo mostra os F-3 com leme em missão AA e os sem leme em missão AS, e mostra tb um Nae com F-35 C, pena que a resolução é baixa.

Rogério
Ozawa

Rapaz… vendo esse vídeo o que diria Yamamoto de sua Rengō Kantai XXI ?

E pensar que essa nação, há 70 anos, estava completamente destruída e humilhada…

E nossos vídeos promocionais navais resumem-se a NAe São Paulo, NaPaOc Amazonas e A4’s (nosso “NãoNão” que significa ジルマ尻*…

* O deles é “Coração de Deus”, o nosso é o inverso da nossa deusa…

Nick

Os caças de 6ª geração ainda terão pilotos. E em outras versões não.

Ou poderão ser uma mescla de ambos, algo como um X-Fighter: Um caça tripulado, com um co-piloto “virtual”, um R2-D2. 🙂

Sobre o ATD-X apesar do atraso, acredito que ainda se tornará um rival potencial para o F-35, se é claro os japas resolverem exportar o mesmo.

[]’s

joseboscojr

Independente de como os japoneses classificam seus caças, nitidamente o futuro F-3 será um caça que por essas bandas é classificado como sendo de 5ªG.

Iväny Junior

A indústria japonesa é ótima.

Control

Srs O que parece estar nos planos nipônicos é, numa primeira fase, constituir uma capacidade de ataque com os F35 e produzir um caça de superioridade aérea stealth derivado do Shinshin. E, numa segunda fase, produzir um avião de ataque stealth japonês. Daí a confusão de dois diferentes designs. Observem que há sinais da busca, pelo Japão, de uma maior independência dos EUA, isto devido a uma crescente desconfiança das garantias de defesa dadas por ele; desconfiança que cresceu muito depois dos recentes eventos na Ucrânia, onde tanto os EUA como a GB não honraram o tratado que assinaram com… Read more »

joseboscojr

O que é interessante é que parece o caça irá adotar o sistema de vetoramento de empuxo 3D com 3 painéis articulados, usado pelo avião demonstrador X-31.

joseboscojr

Há basicamente 3 tecnologias usadas para vetoramento 3D do empuxo: o sistema de 3 painéis articulados usado no X-31; o sistema de bico articulado usado no Su-30 e o sistema sanfonado usado no F-16 Vista.

Há uma relação de “custo” (preço, peso extra, complexidade, etc.) x benefício, que deve ser bem analisada. Os russos parece que são mais flexíveis quando fazem essa análise do que o Ocidente, que até hoje não adotou o conceito em nenhum de seus caças.

Além dos sistemas de vetoramento 3D tem o vetoramento 2D como usado no F-22.

joseboscojr

Sistema TVC proposto para o Typhoon:
http://www.youtube.com/watch?v=ss96tsbG5KY

joseboscojr
joseboscojr
joseboscojr

Reportagens especiais

Poder Aéreo visita o ‘The National WWII Museum’ em New Orleans

Nova Orleans, cidade no estado americano de Lousiana, foi o lar do historiador e autor Stephen Ambrose, que escreveu...
- Advertisement -
- Advertisement -