Home Noticiário Internacional Modernização do F-16: Taiwan ficou na mão

Modernização do F-16: Taiwan ficou na mão

278
19

F-16 Taiwain via TaiwanAirPower

Programa CAPES, que modernizaria 300 caças F-16 dos Estados Unidos e 146 de Taiwan, não tem financiamento previsto no ano fiscal de 2015, o que deixa o país asiático com opções difíceis pela frente

Segundo o site Defense News, não foi incluída na proposta de orçamento de defesa dos EUA para o ano fiscal de 2015 o programa CAPES –  Combat Avionics Programmed Extension Suite. Pelo programa, seriam modernizados 300 caças F-16 dos Estados Unidos e 146 de Taiwan, com novos sistemas que incluem radares AESA (varredura eletrônica ativa). Além de ser um grande problema para Taiwan, a falta de financiamento para o programa também é considerada um grande revés para a Lockheed Martin e a Northrop Grumman, a primeira a principal contratante do programa e a segunda a fornecedora do radar SABR (scalable agile beam radar) do tipo AESA.

A decisão americana leva em conta a priorização em comprar novas capacidades ao invés de modernizar aviões antigos. Haverá dinheiro para realizar algumas modificações-chave nos programas dos velhos caças, de forma a mantê-los prontos para operação, mas foi decidido não financiar grandes modernizações como o CAPES.

Agora, Taiwan terá que tomar decisões difíceis. Poderá continuar financiando o programa CAPES sozinha ou abrir uma competição entre BAE Systems, Boeing e Lockheed Martin para integração de sistemas, além de uma concorrência secundária para o radar AESA, entre a Northrop (SABR) e a Raytheon (RACR – Raytheon advanced combat radar) (RACR).

F-16 A Taiwan - foto J Tu - TaiwanAirPower

Segundo fontes no ministério da Defesa de Taiwan, autoridades taiwanesas estão constrangidas e começando a entrar em pânico, pois não haveria mais divisão de custos com os Estados Unid0s para a modernização dos caças F-16, sendo que, anteriormente, havia uma garantia dos EUA de que o programa CAPES estava garantido, com risco zero. Deve-se levar em consideração também que Taiwan foi forçada a aceitar as condições do programa CAPES, que incluía fornecimento único dos equipamentos (em outras palavras, Taiwan teria que seguir o padrão de modernização e fornecedores escolhidos pelos EUA para a modernização dos F-16 da USAF), após o governo norte-americano responder negativamente aos pedidos de caças F-16 novos, feitos por Taiwan.

A expectativa é que os custos de Taiwan com o programa subiriam entre 30 a 60 por cento com a decisão americana de não financiar o CAPES. O custo unitário dos equipamentos subiria sem o ganho de escala de 300 caças dos EUA para se somarem aos 146 de Taiwan, e os Estados Unidos também não assumiriam custos adicionais não recorrentes de engenharia, pelo programa de vendas militares ao exterior (FMS). A diminuição da escala também afetaria o custo do ciclo de vida, sendo que o padrão de modernização dos F-16 de Taiwan  seria único no mundo. Por fim, as verbas de Taiwan para o núcleo do programa foram limitadas a 3,8 bilhões de dólares, e não há espaço político para aumentar esse valor.

Ainda assim , a Northrop e a Lockheed Martin se movimentam para manter Taiwan nessa modernização dos caças F-16, buscando assegurar ao cliente que não haveria escalada de custos após os EUA não terem incluído o CAPES no orçamento de 2015.

FONTE: Defense News (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em inglês)

FOTOS: TaiwanAirPower

VEJA TAMBÉM:

19
Deixe um comentário

avatar
16 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
13 Comment authors
AlmeidaMarceloObservadorJustin CaseGuilherme Poggio Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Lyw
Visitante
Member
Lyw

Será que os israelenses não poderiam oferecer um pacote de modernização de menor custo para Taiwan?

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

Pode até ser de menor custo, mas será que o radar israelence é tão bom quanto o fornecido pela Northrop?

Marcos
Visitante
Member
Marcos

off topic Voo comercial Farra Aérea Brasileira é a forma pela qual alguns militares descontentes com o uso inédito dos aviões têm traduzido a sigla FAB. A referência ganhou força na semana passada, depois que a Força Aérea Brasileira foi escalada para fazer o transporte de cargas de Rondônia para o Acre, que está isolado por causa das enchentes do Rio Madeira. Acostumados a atuar em missões humanitárias, os militares viram-se envolvidos no trabalho de FRETE DE CARGAS PARTICULARES para abastecer o comércio acriano. Entre 24 de fevereiro em 4 de março, a FAB transportou 152 toneladas de alimentos em… Read more »

Lyw
Visitante
Member
Lyw

O Elta 2052 é um excelente radar, provavelmente não é tão bom quanto modelo da Northrop, mas melhorará e muito a capacidade de combate dos F-16 de Taiwan frente os novos caças chineses (J-10/J-11).

Lyw
Visitante
Member
Lyw

Melhoraria*

Ozawa
Visitante
Member
Ozawa

Talvez esse período pelo qual vivem os EEUU seja o período com as perguntas estratégicas mais complexas e vitais do que as respondidas por eles mesmos nos anos 30… E responderam errado naquela época. Tanto que na eclosão da II WW detinham um Exército pífio, O 16º do mundo, uma Marinha desatualizada, ainda orbitando ao redor dos Dreadnoughts, e uma Força Aérea, com muito esforço, parcamente tática, a estratégica incipiente… Agora, no limiar de um novo tempo, com vetores revolucionários arranhando as possibilidades, mas ainda em uma evolução complexa, e não operacionais, e o cobertor financeiro curto… O que fazer… Read more »

Aldo Ghisolfi
Visitante
Member
Aldo Ghisolfi

EEUU não vão deixar Taiwan na mão, podem apostar.

É um grande aliado na Ásia e está permanentemente ameaçado pela mordida do Dragão esfomeado, que está cada vez mais forte e prepotente.

Penso que se Taiwan for reabsorvida pelo poder de Pequim, bábaus p’ros EEUU na sua geopolítica de comércio e poder naquela região da Ásia; a sua área de influência fica comprometida, pois a ilha é peça chave na movimentação militar do Tio Sam na região, penso que quase tanto como o Japão, apesar das Filipinas estarem em cima do lance.

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

Solução para a linha do F18 SH……

Grande abraço

Carcará 01
Visitante
Member
Carcará 01

Só uma pergunta: pq vcs chamam o EUA de EEUU e as Forças armadas de FFAA??

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Só uma pergunta: pq vcs chamam o EUA de EEUU e as Forças armadas de FFAA??

Eu também não entendo.

Até onde o meu conhecimento vai, as abreviações de nomes próprios no plural na língua espanhola dobram a primeira letra de cada palavra. Assim temos:

Fuerzas Armadas = FFAA
Estados Unidos = EEUU

Em português eu não vejo muito sentido ou explicação para o uso.

Justin Case
Visitante
Member

Carcará, boa noite.

Antigamente, no Manual de Símbolos e Abreviaturas das Forças Armadas, nas abreviaturas (ou melhor, nos acrônimos, formados pelas iniciais das palavras da expressão) o plural era indicado pela duplicação das letras, ou seja: singular FA (Força Armada), plural FFAA (Forças Armadas).
Abraço,

Justin

Observador
Visitante
Observador
Aldo Ghisolfi
Visitante
Member
Aldo Ghisolfi

Carcará 01, bom dia. De Bellator: apesar de que no português as abreviaturas não vão para o plural, no caso a repetição do “F” e do “A” indicam o plural; mesmo que não previsto tal norma na língua portuguesa, isso é uma forma usual e corriqueira empregada em Leis e normas para indicar o plural. No Estatuto dos Militares por exemplo, é constante o emprego do termo FFAA; então repete-se o F para indicar Forças e A para indicar Armadas, sendo que caso semelhante na gramática ocorre, quando se quer indicar mais de um parágrafo (indicado por §) de um… Read more »

Marcelo
Visitante
Marcelo

Taiwan pode contratar a mesma modernização que a Coréia do Sul irá implementar nos seus F-16, que tem como integrador a BAe.

Almeida
Visitante
Almeida

Taiwan deveria comprar uns Gripen just in case…

Lyw
Visitante
Member
Lyw

O problema dos taiwaneses não é a falta de opções, com certeza os EUA não negariam a venda de uns aviões novinhos a eles. O problema é grana! A força aérea de Taiwan ia conseguir esta modernização “0800”, financiada com recursos dos ianques, agora a fonte secou e terão que buscar alternativas de baixo custo, por isto citei a alternativa israelense. “…poderiam levar até três dúzias de caças por cerca de 4 bi…” Nunão o peso de três dúzias de caças F-16C/D no cenário das necessidades de defesa atuais da ilha asiática seria mínimo, porque não dizer quase nulo. Eles… Read more »

Lyw
Visitante
Member
Lyw

A dificuldade dos EUA em “negar” os caças para um país tão importante estratégicamente é que tem levado a toda esta discussão sobre qual será a alternativa para a Força Aérea de Taiwan. É difícil deixar Taiwan na mão, é uma escolha muito difícil a se fazer… “Não seria “0800″, Lyw. Teria uma ajuda generosa, mas pelo menos 3,8 bi do orçamento de Taiwan seria gasto nisso. Ao menos é o que foi informado várias vezes em notícias anteriores.” Por esta razão escrevi “0800” entre aspas! “…ainda podendo contar com os F-16A/B como segunda linha (e que, mesmo velhos, são… Read more »