Home Aviação de Caça Tecnologia de caça Gripen pode ser usada em jatos comerciais

Tecnologia de caça Gripen pode ser usada em jatos comerciais

486
5

Gripen NG demo - foto Saab

Para especialista, Embraer tem oportunidade de desenvolver projetos com peças em carbono

ClippingNEWS-PAApontado por colegas como um dos maiores especialistas brasileiros em projeto aeronáutico, o professor Alvaro Martins Abdalla, da Escola de Engenharia da USP-São Carlos, afirma que a escolha do caça Gripen para renovar a frota das Forças Armadas representa uma oportunidade para o Brasil reduzir sua dependência tecnológica no setor.

Para o professor, dependendo do acordo entre a Embraer e a Saab, a parceria pode resultar em vantagens não só para a aviação militar, mas também para a aviação civil.

Abdalla esteve recentemente na Europa, como pesquisador, para desenvolver projeto conceitual de aeronave militar. Lá, manteve contato com a empresa sueca. Confira abaixo as respostas enviadas, por e-mail, pelo professor às questões feitas pelo R7:

R7 – O governo acertou ao escolher comprar o caça Gripen?

Alvaro Abdalla – Sem dúvida. Apesar de as três aeronaves selecionadas cumprirem todos os requisitos do programa FX, a decisão pela compra do Gripen foi acertada. Pilotos, engenheiros e a Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate da FAB fizeram uma avaliação detalhada das propostas e escolheram o Gripen. A aeronave tem baixo custo unitário e operacional, sistemas relativamente simples, o que facilita a integração de armamentos de diferentes tipos e fabricantes, inclusive nacionais.

R7 – Qual a importância, para o Brasil, da transferência de tecnologia?

Abdalla – A Saab garantiu total e irrestrita transferência de tecnologia do Gripen para a indústria brasileira. Além disso, a empresa se comprometou em ter a indústria brasileira integrada em todas as fases de desenvolvimento da aeronave. Mas, mais do que a transferência de tecnologia, é importante o fato de o Brasil poder ser parceiro no desenvolvimento da aeronave. O Gripen NG não está totalmente pronto. Poderemos aprender a projetar, a modificar e a aperfeiçoar uma aeronave de combate. É uma oportunidade para o Brasil reduzir sua dependência tecnológica no setor. A escolha do Gripen NG proporciona a base para o desenvolvimento de uma aeronave militar supersônica brasileira.

R7 – A Embraer deve participar do projeto. O senhor acredita que a empresa possa usar o conhecimento adquirido também em novos jatos comerciais?

Abdalla – Tecnicamente sim, mas dependerá do tipo de acordo firmado entre a Saab e a Embraer. Uma das tecnologias críticas que poderia beneficiar a Embraer seria o projeto e a manufatura de estruturas em material composto principalmente de carbono. Hoje, há uma tendência em construir grandes partes estruturais de aeronaves comerciais com cabono.

R7 – Há, porém, crítica ao fato de boa parte dos componentes do Gripen ser de fabricação americana. Isso pode anular a transferência tecnológica?

Abdalla – Penso que seria difícil anular totalmente. E, havendo problemas com o fabricante, a SAAB tem de garantir o fornecimento, tem de negociá-los. Há a alternativa de modificar o projeto da aeronave e trocar esses componentes por componentes de outros fabricantes. Não é uma tarefa simples para todos os componentes, mas não é impossível.

R7 – Pode haver problemas no cronograma de entrega?

Abdalla – Se houver problemas no fornecimento de componentes, por exemplo, pode, sim, haver atrasos.

Gripen NG para F-X2 - cronograma de entregas e de pagamentos - imagem via apresentação Saab em Brasília 6mar2013

R7 – Há risco de boicote por parte de algum fornecedor?

Abdalla – Acredito que nenhum país tenha interesse em boicotar ou prejudicar o desenvolvimento e a fabricação da aeronave no Brasil porque todos têm relações comerciais e interesse em produtos fabricados pela Embraer. Um fator importante é que as partes mais sensíveis da aeronave, como a manipulação e a decodificação do sistema de armamento, serão feitas no Brasil.

R7 – Qual é o risco que o Brasil corre pelo fato de o caça ser, por enquanto, um protótipo? Os testes já feitos são suficientes?

Abdalla – Já existem várias forças aéreas operando a aeronave: Suécia, África do Sul, República Tcheca, Tailandia e Suíça também elegeram o Gripen como seu caça.

R7 – Será necessário treinar os pilotos brasileiros para que lidem com o novo caça? Como deve ser feito esse treinamento?

Abdalla – Sim. Isso deverá ser feito com modelos da aeronave Gripen para treinamento. São modelos com assentos duplos em “tandem” (posicionados um a frente do outro).

R7 – O Gripen é menor e mais leve que os concorrentes. Qual é a vantagem dessa característica?

Abdalla – A principal vantagem, a meu ver, seria a capacidade de operar em pequenas pistas. O Gripen poderia atender à Marinha brasileira, operando no porta-aviões São Paulo, o que o Rafale e outros concorrentes não poderiam fazer.

Sea Gripen

R7 – Mas há quem critique o Gripen justamente por não poder ser usado em porta-aviões.

Abdalla – De fato, a versão naval do Gripen ainda está na fase conceitual, mas existe uma grande possibilidade de ser apresentada em breve. O caça tem muitas características de aeronave naval. Ele possui, por exemplo, “canards” relativamente grandes. Os “canards” são aquelas pequenas asas que ficam à frente da asa. Eles têm várias funções. Além de tornarem o Gripen uma aeronave mais ágil, também funcionam como freios. O modelo, então, decola de pistas de menos de 900 metros e pousa em 500 metros. Isso levou a Saab a estudar a versão naval.

R7 – A autonomia de voo do Gripen é menor que a dos concorrentes. Em um país de dimensões continentais, como o Brasil, isso não pode prejudicar as operações?

Abdalla – O Gripen NG terá a sua autonomia aumentada com a modificação do trem de pouso principal, que resultará em um espaço suficiente para alojar um tanque de combustível de 1.200 litros, aumentando o raio de combate para 1.300 quilômetros (o raio original é de 800 quilômetros).

Gripen D e Gripen NG Demo - decolagem mostrando diferenças trens de pouso - foto Saab

R7 – É realmente necessário renovar a frota das Forças Armadas?

Abdalla – Sim. A frota de aeronaves Mirage 2000 já era para estar aposentada há anos. Só foi possível esticar seu tempo em serviço graças a peças de reparos – obtidas, talvez, por meio de “canibalização” de outras aeronaves (retirada de peças de um avião para consertar em outro).

R7 – E o número de aeronaves que devem ser adquiridas é compatível com a necessidade do Brasil?

Abdalla – Não. Eu penso que uma quantidade maior de aeronaves seria necessária. Com um maior número de aeronaves, uma melhor distribuição dentro do território poderia ser feita. Assim, o problema do alcance seria minimizado, reduzindo também os custos operacionais.

FONTE: R7 (reportagem de Alvaro Magalhães)

IMAGENS: Saab

Subscribe
Notify of
guest
5 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos
Marcos
6 anos atrás

“Há, porém, crítica ao fato de boa parte dos componentes do Gripen ser de fabricação americana. Isso pode anular a transferência tecnológica?”

– Chega uma hora que certas coisas começam a irritar, tipo essa dai. Fica essa ladainha de que porque é americano então não haverá transferência de tecnologia e em não sendo as portas do paraíso estarão abertas.

Nick
Nick
6 anos atrás

O bom disso tudo, é que de maneira geral, a repercussão da compra dos caças e especialmente o Gripen NG, tem sido positiva.

[]’s

_RJ_
_RJ_
6 anos atrás

Hoje vejo o Legacy 500 (pronto, em campanha de certificação) e o KC-390 (projetado, protótipo já sendo construído) e penso:

Já fabricamos aeronaves extremamente avançadas,
com muitas peças em material composto,
com sistemas full fly by wire,
com aviônica integrada com software certificado desenvolvido no Brasil…

O que sobrou para a SAAB (ou o que teria sobrado para Dassault ou Boeing) ensinar para a gente?

Mauricio R.
Mauricio R.
6 anos atrás

Mas vc faz “avião de caça” c/ tecnologia e peças de Legacy???
Não!!!
Eis o que sobrou p/ a Saab ensinar, ao contribuinte brasileiro pagar e a Embraer aprender.