Home Espaço Brasil e China devem lançar novo satélite em 2014, diz ministro

Brasil e China devem lançar novo satélite em 2014, diz ministro

219
14

CBERS-3 integrado ao Longa Marcha 4B - foto INPE

ClippingNEWS-PABrasília – O Brasil e a China devem lançar no ano que vem um novo satélite para substituir o que foi lançado recentemente, mas não ficou em órbita, por causa de falhas no lançamento. Segundo o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, o projeto de construção do satélite já previa que todas as peças fossem feitas em duplicidade, e elas já foram enviadas à China, agora só falta decidir se o novo equipamento será montado naquele país ou no Brasil.

“Agora não tem o que fazer, aconteceu, foi uma tragédia, ficamos com uma deficiência muito grande, mas tem outro satélite já fabricado e pronto, estava no orçamento do projeto, previsto para ser lançado em 2015. Agora estamos vendo a possibilidade de lançar em 2014”, disse hoje (17) Bernardo.

O satélite, construído em parceria com a China, servirá para mapear e registrar os territórios e atividades agrícolas, desmatamento, mudanças na vegetação e expansão urbana.

Bernardo explicou que a falha que resultou no fracasso do lançamento do satélite foi na mistura do combustível com oxidante que controla o nível de desempenho do foguete. Isso resultou no desligamento do terceiro motor dez segundos antes do necessário, por isso o foguete não teve velocidade suficiente para se manter em órbita.

CBERS-3 finalizado - foto INPE

Ainda não está definido quem vai arcar com o custo do novo lançamento. “Quando fizemos o contrato para lançar, não estava dito o que aconteceria se não desse certo, mas com certeza será negociado”, explicou o ministro.

Paulo Bernardo também comentou pela primeira vez a decisão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em relação às empresas Telefonica, Vivo e TIM. Segundo ele, o Cade estabeleceu um parâmetro, de que uma mesma empresa não pode controlar duas operadoras no Brasil. Segundo ele, a Anatel analisou o aspecto regulatório do mercado de regulação e o Cade avaliou as questões de competições, então não houve divergências entre as posições dos dois órgãos regulatórios. “Temos que esperar, ver o que vai acontecer. Não temos intenção de contribuir com especulações sobre esse assunto”, disse o ministro.

Bernardo participou hoje (17) da posse de Igor Vilas Boas de Freitas como membro do Conselho Diretor da Anatel, com mandato até 5 de novembro de 2017. Freitas é consultor legislativo do Senado Federal e graduado em engenharia eletrônica. Foi membro do Conselho Consultivo da Agência e assessor do Conselho Diretor da agência.

FONTE: Agência Brasil (reportagem de Sabrina Craide)

FOTOS: INPE

VEJA TAMBÉM:

14 COMMENTS

  1. Dessa vez o “Zé eletricista” vai com a kombi e a “caxa” de ferramentas.

    “Santana Denis
    17 de dezembro de 2013 at 17:46 #

    Osso vocês hein!
    Não entendo, é o dinheiro de vocês, não deveriam estar pensando positivo? SAI URUCUBACA SAI!”

    Fica tranquilo, o Partidão acha que o dinheiro é “delles”.

  2. Ainda que mal pergunte, sem querer requentar a sopa com mais tutano proveniente de ossobuco oxidante:

    São no mínimo MUS$280 jogados no espaço- terra:

    a) alguém poderia por favor me dizer se há alguma publicaçao, algum site, algum pronunciamento com detalhes técnicos e oficiais a respeito do acidente?

    b) a tragédia teria ocorrido a apenas 10 segundos do ex-satelite atingir a altitude/velocidade compatíveis com a órbita final a ser atingida. E que teria sido decorrente de uma falha na mistura do oxidante com o combustível. Esse fato é uma versão contada para brasileiro crer ou nós conseguimos monitorar os parâmetros do lançamento e concluir por nossos próprios meios?

    c) há algum órgão público que possa divulgar de forma transparente quais são e onde foram gastos esses recursos? Tais recursos foram efetivamente empregados nos DOIS satélites?

    d) Entendo que o segundo satélite (que seria lançado, pelo menos até onde me lembro, somente em 2015) seria uma complementação e backup ativo do primeiro e não mera reserva passiva em solo. Portanto deve-se pensar urgente em uma contratação “emergencial” para sanar os problemas decorrentes desta perda. Certo?

    e) a quem poderia interessar uma falha no lançamento? O monitoramento do território brasileiro diretamente por brasileiros é bom para brasileiros mas seria para terceiros? Principalmente agora, com “amazônia azul” dominada pelos principais vendedores de equipamentos de exploração petrolífera marinha?

    Tenho que convir que o mais provável é ter ocorrido uma falha. Mesmo após certas fontes afirmarem que este 35
    lançamento foi precedido por 34 eventos bem sucedidos. Mas, por outro lado, parece muito conveniente dizer que só houve uma menosprezivel falha nos utlimos dez segundos. Essa deve ter sido a história ouvida pelo Marcopolo quando foi explorar as iguarias orientais ,,,e foi esfolado pelos “ingênuos ” comerciantes de porcelana e exímios fabricantes/inventores da pólvora, macarrão, etc e tal. Pecinha só solta para quem não controla o que compra….

  3. “rommelqe
    17 de dezembro de 2013 at 22:00 # ”

    “esfolado pelos “ingênuos ” comerciantes de porcelana e exímios fabricantes/inventores da pólvora, macarrão, etc e tal. Pecinha só solta para quem não controla o que compra…”

    Parece que o vinho também….ou teria sido os egípicios ?

    Caso alguém encontre as respostas aos questionamentos do colega rommelqe de fonte absolutamente fiável, vai ganhar um passeio no foguete iraniano no lugar do macaco.

  4. Quanto mais leio sobre o ocorrido mais “paranóico” fico. JÁ pensava e estou começando a ter certeza que isto não passa de bomba de fumaça. Esta última desculpa do combustível é sofrível heim??!! Sei que tudo é calculado nos cagagésimos..mas…bem deixa pra lá…sou paranóico memso…kkkkkkkkkkkkkk…o satélite tá lá em órbita….pronto!

  5. Desconsiderando a versão de falha do controlador da mistura combustível-oxidante repassada pelo ministro e sendo paranoico ao extremo temos duas hipóteses de teoria de conspiração igualmente válidas.

    1) os próprios Chineses estão com o saco cheio da falta de comprometimento do Brasil no programa e dos atrasos gerados pelo parceiro e resolvem sabotar seu próprio foguete para dar um sacode no parceiro e possibilitar um negociação dura do tipo dá ou desce para que o programa CBERS entre num ritmo mais chinês que brasileiro;

    2) os AMERICANOS resolvem dar um lição nos brasileiros e chineses abusados e resolvem testar o módulo canhão laser do seu Boeing X-37B da USAF que está em órbita desde 11/12/2012. Estava ele em órbita próxima quando do lançamento e falha do CBERS-3 ???

    De qualquer forma estranho o argumento do ministro, SE as peças sobressalentes produzidas no Brasil já foram enviadas para China é ÓBVIO que pela pressa de relança-lo o satélite reserva terá de ser montado lá e mais um set reserva de peças tem de ser ordenado de ser produzido. Este tipo de manifestação reforça a tese conspiratória 1 de TÃO atentatória a lógica dos fatos atuais…

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here