sábado, dezembro 3, 2022

Gripen para o Brasil

Caça da Força Aérea Alemã é o 400º Eurofighter entregue

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Eurofighter Typhoon - 400 entregues - marcas da Força Aérea Alemã - foto Eurofighter

Acaba de ser atingido o número de 400 jatos Eurofighter Typhoon entregues. A 400ª entrega é de um caça recebido pela Força Aérea Alemã na última quarta-feira, 4 de dezembro, em cerimônia especial realizada no Centro de Sistemas Aéreos Militares da Cassidian, na cidade de Manching, no sul da Alemanha. Compareceram ao evento diversas autoridades, altos executivos e oficiais.

Na Força Aérea Alemã, o caça entregue na quarta-feira representa a 112ª unidade recebida. Segundo nota do consórcio Eurofighter, a entrega é um marco no maior programa de defesa da Europa, e o foco agora está em reforçar as campanhas de exportação, para a conquista de novos contratos e clientes para o caça, o que se tornou ainda mais importante devido aos tempos difíceis vividos pela indústria de defesa.

O Eurofighter Typhoon opera em seis nações, que são os quatro parceiros originais,Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido, além da Áustria e da Arábia Saudita. A primeira entrega de um Typhoon deu-se no final de 2003, para a Força Aérea Real britânica, que também foi o cliente do 100º caça entregue (em setembro de 2006). A aeronave de número 200 correspondeu a uma entrega à Força Aérea Alemã, em novembro de 2009, enquanto o 300º Eurofighter foi recebido pela Força Aérea Espanhola, em novembro de 2011.

Eurofighter Typhoon - 400 entregues - marcas da Força Aérea Alemã - foto 2 Eurofighter

Quanto a esquadrões que operam o caça, na atualidade esse número chega a vinte: sete no Reino Unido (4 em Coningsby, 2 em Leuchars e 1 em Mount Pleasant, nas Falklands / Malvinas); cinco na Itália (2 em Grosseto, 2 em Gioia del Colle e 1 em Trapani), três na Alemanha (Laage, Neuburg e Nörvenich), três na Espanha (2 em Morón e 1 em Albacete), além de uma unidade na Áustria (Zeltweg) e outra na Arábia Saudita.

Nesses dez anos desde a primeira entrega, a frota acumulou mais de 210.000 horas de voo, entre missões reais de combate e de treinamento operacional. Atualmente, estão sendo desenvolvidas novas capacidades na chamada “Fase 1 de Aprimoramento”, que são a integração do míssil ar-ar Meteor, do novo radar E-Scan, além de novos armamentos.

FONTE / FOTOS: Eurofighter (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em inglês)

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

26 Comments

Subscribe
Notify of
guest

26 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Carlos Alberto Soares

Aqui teremos TAMPAX K-FIR Block 60, F-5M, MIRAGE III-M,
quem sabe até mesmo o Cheetah – Block MBR-60 e por ai vai … vem mais lambança e não vai demorar muito.

Wagner

Um caça excepcional ! Um símbolo da integração européia !

equipado com os mais modernos sistemas ( norte americanos) !!

kkkkkkkkkk !!!

🙂

Carlos Alberto Soares

Wagner

é verdade e a preço de ….. deixa pra lá.

Lá vem JF – 17 com os mais modernos sistemas (sic),
sistemas ?

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk em dobro !

Clésio Luiz

Aliás tem muita peça chinesa em aeronaves americanas. Mas é como o Nunão disse, são componentes pequenos, chips, parafusos, mas não sistemas inteiros.

Iväny Junior

O melhor avião do mundo entregue a melhor força aérea do mundo. Sobre os sistemas, vou refrescar um pouco a memória: – O primeiro motor a reação (jato) foi feito na Alemanha; – O primeiro radar foi feito na Alemanha; – O primeiro míssil guiado foi feito na Alemanha; – O projeto delta, apesar de ser executado com mais alarde na frança com os mirages, é de Kur Tank, quando este trabalhava na Messerschimit. Depois da segunda guerra, a Alemanha estava proibida de fabricar armamentos, e, logo na década de 50 foi “desimpedida” pelos próprios algozes, dada a excelência dos… Read more »

juarezmartinez

Caro Ivany! Com certeza uma grande aeronave, principalmente com o pitaco ´tecnico dos” Deutchs”, mas com custos operacionais quase impagaveis…..

Grande abraço

PS aproveitando o tópico, a algum tempo atras durante embróglio FX, um forte lobista da EADS quase conseguiu articular um lote de T 1 por estas paragens.

Iväny Junior

Caro juarezmartinez Consta que o rafale também é caríssimo e notoriamente com desempenho inferior (pouco, mas inferior). Ou seja, a menos que fosse o rafale m (que tem a vantagem de operar embarcado), na nossa realidade e na arena multimissão mundial, o Typhoon é o melhor avião. O que me chateia, por assim dizer, é a boeing não oferecer o que há de melhor, por exemplo (se o fx2 saísse um dia), uma vez que as diversas versões de F-15 disponíveis atualmente superam em praticamente todos os quesitos o “super lobby” f-18 (fora o mesmo operar embarcado). De todo modo,… Read more »

Soldat

Ótima matéria.

Esse Caçar é demais mas infelizmente para o Brasil caro de mais…

A força aérea alemã é uma das melhores do mundo com esse emblema fantástico então nem se fala.

ICH LIEBE Deutschlandlied

Mauricio R.

“O melhor avião do mundo entregue a melhor força aérea do mundo.”

Sim de fato o avião é o que há, mas este exemplar não foi entregue p/ a RAF.

bitt

“ICH LIEBE Deutschlandlied” Que eu saiba isto pode querer dizer ou “Eu adoro a canção alemã” ou “Eu adoro o Hino da Alemanha”. Nas duas hipóteses, companheiro, tvz se deva ao fato d sua cultura musical ser infinitamente menor do que sua cultura aeronáutica… “Sim de fato o avião é o que há, mas este exemplar não foi entregue p/ a RAF.” Provavelmente pq a maior parte do custo e do prejuízo que implica este projeto é arcado, atualmente, pela Alemanha. O preço final do Typhoon se deve aos complicados fatores de composição de custos adotados na Zona do Euro… Read more »

bitt

“Um caça excepcional ! Um símbolo da integração européia ! equipado com os mais modernos sistemas ( norte americanos)!!” Isto poderia ser dito, mas apenas parcialmente, do Gripen, cuja planta de potência é de origem norte americana (produzida lá sob licença) e incorporar alguma propriedade intelectual de origem alemã e inglesa (por sinal, originalmente o projeto era para ser um consórcio entre Suécia e Inglaterra, que não deu certo por diversos motivos. O Typhoon é todo europeu (como esclareceu o De Martini), por motivos de política local, mas é mto provável que tamb incorpore patentes originadas nos EUA – eu… Read more »

bitt

Ivany, Interessante comentário. Mas não me parece que sistemas modernos, como o radar ou o computador possam ser atribuídos a este ou aquele inventor neste ou naquele país. Falando com relação à 2ª GM, os projetos revolucionários da indústria aeronáutica alemã não se devem a nenhuma “genialidade inata” dos alemães, ao contrário do que costuma a insinuar a literatura de vulgarização. Os “projetos revolucionários”, durante a guerra, dentre outros motivos deveram-se ao fato de que os nazistas passaram quatro anos dominando a indústria europeia e se apropriando das pesquisas desenvolvidas em laboratórios franceses e holandeses imediatamente antes da guerra. Boa… Read more »

Groo

O desenvolvimento dos eurocanards demorou tanto que quando ficaram prontos não estavam mais no topo.

Quando vejo esses caças eu me lembro de caças como o Bearcat ou Tigercat.

Mas quem poderia ter previsto que a URSS iria acabar?

Max

Tem um artigo muito interessante que ilustra bem pontos do comentário do Bitt :
http://bayourenaissanceman.blogspot.com.br/2009/03/weekend-wings-33-jack-northrops-flying.html

Carlos Alberto Soares

Max

O link colocado é muito interessante, mas creio que alguns
comentários extrapolam a especifidade técnica.

Carlos Alberto Soares

“Por isto, qdo se fala em ToT, ao preço do produto tem mesmo de ser exorbitante, visto que incorpora anos e anos de pesquisa pura (totalmente financiada pelo estado), de P&D industrial.” Há outras variáveis: – Há financiamento público mais incentivos e renúncias fiscais etc, – financiamento privado que tem que ser pago, por meio ou por outros artifícios, – os países envolvidos com uma legislação trabalhista e suas coberturas amplas, – muito amplas na seguridade social dos seus cidadãos e – eles também trabalham com a “TIR”. Realmente fica pouco competitivo, o ToT nada mais é do que tudo… Read more »

Carlos Alberto Soares

Corrigindo, especificidade

Soldat

Senhor bitt

De fato foi um erro de minha minha parte eu quis dizer:

ICH LIEBE Deutschland

Mas também gosto da musica Alemã e de sua cultura, linguá(to aprendendo online porque é muito caro rs..)etc.

Em relação a parte Aeronáutica eu estou no blog para aprender com as informações e com os caros colegas pois sou fascinado pela área militar.

Enfim Senhor Bitt um grande abraço.

Rinaldo Nery

O primeiro radar aeroembarcado não foi o Tellefunken do JU-88, versão caça noturno? Era tecnologia holandesa?

Iväny Junior

Caro bitt Aqui eu não falo de “genialidade inata”. Falo de cientistas, arquitetos e engenheiros que dedicaram suas vidas a projetos revolucionários. É uma cultura de educação e excelência. Os projetos geralmente são desenvolvidos em paralelo, em todo o tipo de tecnologia, mas nas bélicas isso é mais visível porque está se disputando um mesmo T.O. e ao adquirir uma tecnologia mais rapidamente, pode significar vitória. Sobre os radares e os projetos “delta”, você pode ver a série de documentários “Dogfight” do History Chanel (não é a melhor das referências, mas como é claramente tendenciosa, os créditos ficam bem claros).… Read more »

Iväny Junior

Caro Mauricio R. Também sou entusiasta da RAF. Principalmente aquela RAF da segunda guerra, que levou nos dentes a responsabilidade de enfrentar a temida Luftwaffe. Mas no fim, a alemã estava com uma inferioridade de quase 1000:1, e mesmo assim, ainda foi uma grande fabricante de ases (a única que produziu abatedores acima de 300 aeronaves), e daí a minha preferência pela Luftwaffe. Mas a doutrina da RAF também é impressionante, inclusive, operando o que há de melhor hoje em dia: Panavia Tornado GR4, Gripen, Typhoon e o velho e confiável Harrier GR9, afora os equipamentos americanos (operaram um Phantom… Read more »

Guilherme Poggio

Mas a doutrina da RAF também é impressionante, inclusive, operando o que há de melhor hoje em dia: Panavia Tornado GR4, Gripen, Typhoon e o velho e confiável Harrier GR9

Gripen?

Iväny Junior

Caro Poggio

Me equivoquei quanto ao Harrier (parece que só a marinha o utiliza agora). Mas quanto ao Gripen, existe um acordo entre Saab, Governo da Suécia e RAF em que pilotos do reino unido voam os Gripen na Suécia, operando-os de certa forma, ainda que a RAF não disponha dele em seu arsenal.

http://www.saabgroup.com/en/about-saab/newsroom/press-releases–news/2008—2/saab-signs-new-agreement-with-uks-test-pilots-school/

Max

Caro Iväny,
A Sig Sauer é Suiça , mas concordo a respeito da genialidade e capacidade Alemã, mesmo porque tenho bisavós alemães por parte de mãe. Tenho que ser um pouco tendencioso nessa questão hehe.

Iväny Junior

Caro Max Os rifles, em específico, resultaram da incorporação da Sauer & Sohn nos anos 70. Alias, essa aquisição foi tão importante que mudou o nome original da companhia (que antes era só SIG), afora que a empresa original (hoje uma holding) fica na parte alemã da Suíça, que compartilha muito da cultura e, principalmente, do design Bauhaus. http://www.sigsauer.com/AboutUs/Default.aspx?tabid=1 Fast-forward to the 20th century. The SIG P49, the forerunner of the SIG P210, was developed for the Swiss Army and destined to become a legend on the battlefield as well as the competition field. The P220 made its appearance as… Read more »

Últimas Notícias

VÍDEO: Documentário ‘Highway’ sobre operações aéreas em rodopista na Tchecoslováquia, em 1980

O documentário "Highway" foi filmado pelo Checoslovak Army Film no outono de 1980 durante um exercício militar entre os...
Parceiro

LAAD 2023

- Advertisement -
- Advertisement -