Home Força Aérea Brasileira CRUZEX – Despedida do Mirage

CRUZEX – Despedida do Mirage

364
20

Mirage 2000 na CRUZEX 2013 - foto Icaro

A CRUZEX Flight 2013 é a última com a participação dos caças Mirage (F-2000) da Força Aérea Brasileira. As aeronaves, conhecidas pela asa em formato de delta, serão retiradas de serviço no final de dezembro. As missões de defesa aérea desempenhadas pelo F-2000 no Brasil ficarão a cargo dos caças F-5E modernizados, que também participam da CRUZEX.

Operados pelo 1º Grupo de Defesa Aérea, o Esquadrão Jaguar, cinco Mirage 2000 participaram do exercício. Além das missões de combate, eles também realizaram procedimentos de reabastecimento em voo com aviões-tanque KC-130 da Força Aérea Brasileira e KC-767 da Fuerza Aérea Colombiana.

FONTE: FAB

NOTA DO EDITOR: dos cinco Mirage 2000 que participaram do exercício (todos aparecem na foto acima), dois eram do modelo biposto (aliás, os únicos dois que a FAB possui).

20
Deixe um comentário

avatar
16 Comment threads
4 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
9 Comment authors
Rinaldo NeryNickbittFernando "Nunão" De Martinieduardo pereira Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Iväny Junior
Visitante
Member
Iväny Junior

Ainda há esperança para o mirage 2000d na FAB. O Qatar estará se desfazendo de 12 brevemente. Aí podem vir e prolongar a demanda até o fx-3, que por sua vez, licitará mais de 100 aeronaves de combate, provavelmente incluindo até os f35 e o T-50 plenamente funcionais. Claro que há a possibilidade de compra dos avançados F4 phantom e F5 tiger estocados no arizona, bem como, demais sucatas de f5 que sejam desativadas ao redor do mundo. E assim caminha o governo federal. Porque fhcâncer privatizou tudo, a nova ideologia é “dar de graça” mesmo. Já imagino a Venezuela… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“Qatar estará se desfazendo de 12 brevemente.”

Como o Qatar ainda não se decidiu, e nem parece próximo de faze-lo, então esses M-2000 felizmente não estão disponíveis.

“…avançados F4 phantom e F5 tiger estocados no arizona, bem como, demais sucatas de f5 que sejam desativadas ao redor do mundo.”

Existem algumas centenas de F-16 disponíveis lá no deserto, assim não precisamos nos preocuparmos c/ o F-4.
Já o F-5, até por ser o que a FAB tem condições de manter e operar, ainda deverá nos assombrar por um bom temo.
Especialmente enquanto o desgoverno petralha insistir em não resolver o F X-2.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Há comentários que, na medida em que os A-1 forem sendo modernizados, serão os substitutos em definitivo dos M2000.

eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

Tomara que de todos os museus que vcs falaram ,em caso de tampao, escolham o F-16.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

“Não existem mais F-5s na FAB armados com dois canhões?” Não, pois o último modernizado dos 46 dos dois primeiros lotes da FAB já foi entregue em março deste ano. http://www.aereo.jor.br/2013/03/07/fab-recebe-ultimo-f-5em-modernizado-do-primeiro-lote/ E, uns bons anos antes disso, o último exemplar não modernizado em operação já havia sido entregue à Embraer para modernização. Mas, tecnicamente e teoricamente, existem ainda quatro… No PAMA-SP, ainda passam por trabalhos de revitalização etc as quatro células derradeiras de F-5E ex-jordanianos, mas que na prática não estão mais armadas, pois os equipamentos foram retirados para a revitalização. O que há é a parte anterior da fuselagem… Read more »

Iväny Junior
Visitante
Member
Iväny Junior

Caro Mauricio R. Foi um comentário jocoso de minha parte. Afirmo a questão do Qatar por considerar que eles decidirão o FX deles antes do governo postergar pela 5ª vez o nosso, e depois cancelar com uma nova solução tampão resto de prateleira. Quanto aos f4 e f5, chamá-los de “avançados” auto-explica o negócio, embora, a Alemanha esteja com um lote de f4 prontos para serem doados a alguma nação amiga, e como voce mesmo afirmou, os f5 estarão presentes durante muito tempo na realidade banânica. O f16 aparenta ser uma solução barata e estável, a melhor no caso de… Read more »

bitt
Visitante
Member

Ainda que os 2000-5 do Qatar estivessem disponíveis a curto prazo, não creio que o GF viesse a se interessar pelos ditos. Mas que seria uma boa notícia, seria. Sendo um upgrade do 2000C usado pela FAB, os caçadores não teriam problemas com ele. Não seria uma má aquisição, pois inclui um radar multimodo, glass cockpit e pode receber armamento bastante avançado. É claro, se trata de um caça da geração 3,5 , portanto, uma geração atrás das aeronaves previstas para o FX-2. Ainda assim, o 2000-5 não perde para esses em capacidade de manobra: em certas condições, pode chegar… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

“O que eu não saberia dizer é se o radar RDY, projetado para atuar com o míssil MICA, comandaria de modo eficaz os míssieis do inventário do 2000C, o Magic 2 e o Super 530 D.” Isso não significa problema algum. Por um lado, os Magic 2 (isso se os da FAB já não estiverem vencidos) podem ser disparados por Mirage 2000-5, tanto que eram o míssil ar-ar padrão deles antes da versão IR do Mica estar disponível. Por outro lado, o Super 530 D não é usado mais sequer pela Força Aérea Francesa, tem quantitativo absolutamente ridículo no no… Read more »

Nick
Visitante
Member
Nick

São belos caças, e é uma pena a França ter descontinuado os mesmos em favor do Rafale.

E poderia ser de base para um desenvolvimento de uma versão BR(AESA, aviônicos IAI/Elbit, motor F-110 229, maior % de compósitos, DSI)

Desde que com todas as licenças cedidas graciosamente pela Dassault.:)

[]’s

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“E poderia ser de base para um desenvolvimento de uma versão BR(AESA, aviônicos IAI/Elbit, motor F-110 229, maior % de compósitos, DSI)”

Vade retro, Satanás!!!

Nick
Visitante
Member
Nick

Caro Mauricio R.,

Por que não?

😀

rsssssss

[]’s

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Tive a oportunidade de voar no F-2000 com o meu amigo Arnaldo, à época comandante do GDA, num combate BVR entre quatro F-2000 e dois F-5EM. Formidável aeronave! O líder era o Cap Paul, da Armé de L´Air, instrutor no GDA. Aliás, o maior ganho na compra do F-2000 foi a presença do Paul por dois anos no Brasil. Foi ele quem, de fato, introduziu o combate BVR na FAB. A vinda do israelense ao Brasil para instruir sobre o Derby não ensinou nem metade. Outra coisa: os senhores já se perguntaram porque a FAB comprou o lixo dos F-5… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Rinaldo,

Já me perguntei diversas vezes, mas minha mente não conseguiu respostas mais interessantes do que as desculpas (oficiais) das quais não me convenci até hoje, sobre a falta de bipostos no lote etc, nem as informações sobre irregularidades diversas ligadas ao negócio com os suíços.

Não ficaria chateado em ouvir mais uma versão!

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Nunão, você é inteligente. Nem imagina? Estamos no Brasil.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Eu imagino sim, não disse que não imaginava – pelo contrário, disse que não considero o que imagino, a respeito, como suficientemente interessante. Isso porque a realidade, no Brasil, costuma surpreender mais do que a imaginação.

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Não quero ser leviano, mas a ausência da França tem a ver com a confusão que o Lula criou com o anúncio precipitado da aquisição do Rafale. Os franceses magoaram… A realização da CRUZEX no Brasil teve seu início com a visão prospectiva do TB Burnier, que, como Coronel, Chefe do Estado-Maior do COMDABRA, foi à França participar da Operação ODAX, como observador. Ele conseguiu convencer o COMGAR a enviar para a França, Base Aérea de Taverny, vários oficiais para realizarem o curso de planejamento e condução de campanha aérea, nos moldes da OTAN. Planejou e coordenou a realização da… Read more »