Home Operações Aéreas A-1A e A-1M lado a lado

A-1A e A-1M lado a lado

683
45

A-1 e A-1M na CRUZEX 2013 - foto Icaro

Na foto acima aparecem o AMX original (um exemplar do segundo lote) e o AMX modernizado (também do segundo lote) lado a lado durante o Exercício internacional CRUZEX 2013. Você consegue identificar as mudanças externas?

45
Deixe um comentário

avatar
39 Comment threads
6 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
18 Comment authors
juarezmartinezGuilherme PoggiobittG-LOCBaschera Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Adriano Bucholz
Visitante

A pintura!! hahahahaha

Marcos
Visitante
Member
Marcos

É, a pintura é uma delas!

As outras:

O estado de conservação dos tanques.

O radome do radar do A-1M é maior.

Sistema ótico do A-1M, à frente do cockpit.

Há uma protuberância na lateral do A-1M, que não sei identificar o que é.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

No A-1M há um compartimento (elétrico? de inspeção? sei lá) que não fecha mais. Está lá, aberto.

🙂

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Não entendi a piada… Que compartimento aberto que não fecha mais? Não estou vendo corpartimento aberto nenhum no A-1M. Não está confundindo com o A-1A, mais atrás?

Quanto aos tanques externos, era de se esperar que reservassem os tanques em melhor estado para instalar no avião mais novo, para ficar bonito nas fotos.

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

Os “caroços” devem ser do sistema de alerta de lançamento de mísseis. No dorso dá para ver pelo menos 2 antenas diferentes. O radome é maior e pode ser impressão minha mas o HUD parece ter uma armação diferente também.

Edgar
Admin
Member

Esta “correia” atrás do A-1M é a munição do canhão sendo recarregada?

Marcos
Visitante
Member
Marcos

É, o A-1A. Me confundi!

Blind Man's Bluff
Visitante
Blind Man's Bluff

Não apenas o HUD, mas todo o painel de instrumentos parece diferente.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

A “correia” é a mangueira de reabastecimento.

Justin Case
Visitante
Member
Justin Case

Amigos,

Ou, mais provavelmente, mangueira de ar sob pressão para a partida.
Abraços,

Justin

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Edgar,

Se houvesse um cofre para munição lá atrás, o A-1 seria um avião com fogo no rabo!

O máximo que pode ter lá, perto do rabo, é um “cofrinho”, rsrsrsrsrs

Edgar
Admin
Member

hehehehe Nunão, verdade!!

O canhão dos italianos eu vi aqui no site:

AMX-Vulcan

http://www.aereo.jor.br/2010/01/20/vulcan-o-canhao-do-amx-italiano/

Vocês já viram fotos dos AMX brasileiros recarregando a munição? Ou, no caso, não usam e não precisam recarregar? 😀

Galeão Cumbica
Visitante
Galeão Cumbica

Caro Justin,

qual a pressão de ar exigida nesta mangueira?

sds
GC

Nautilus
Visitante
Nautilus

As antenas do sistema MAWS (de alerta de mísseis) nas laterais da fuselagem, o sensor do IRST à frente e à direita do parabrisa e o radome maior, no caso do A-1M são as diferenças externas mais notáveis. Internamente, nem se fala! E no A-1M a antena dianteira de UHF é inclinada para trás, enquanto no A-1 é reta. E a pintura novinha, é claro! Kkkkk

Justin Case
Visitante
Member
Justin Case

GC, boa tarde. Não sei a pressão. Mas não é algo especial, uma vez que todos os aviões que usam esse sistema de partida, como o F-5, por exemplo (e até aeronaves comerciais) compartilham o mesmo equipamento de apoio no solo. A maioria dos aviões atuais utiliza uma fonte interna (APU) para gerar esse ar para a partida. O F-5 não tem e depende desse equipamento de apoio para a partida. As versões iniciais do nosso AMX acho que também não tinham APU, que veio mais tarde. Alguns aviões comerciais também podem requerer esse sistema de solo, atualmente apenas como… Read more »

Justin Case
Visitante
Member
Justin Case

Ah!

E, se quiser ver um equipamento desses, você pode encontrar tanto no GALEÃO como em CUMBICA.
Abraço,

Justin

Galeão Cumbica
Visitante
Galeão Cumbica

Justin

obrigado pela explicação, mas ter este APU as vezes pode nao ser uma vantagem, pelo seu peso, podendo ser trocado por algum equipamento mais importante.

abraço
GC

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

Nautilus, acho que a protuberância à frente do para-brisas não é um IRST não. Deve ser outro sensor do MAWS.

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz
Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

O A-1 já era um avião formidável antes da modernização, pela capacidade bélica e pelo alcance. É o nosso avião estratégico. Agora, modernizado, ficou melhor ainda. O radar SCP-01 superou as expectativas. Quando cursei a ECEMAR, em 2005, fizemos uma visita à MECTRON, onde pude vê-lo in loco, bem como o MAR-1. O vôo mais longo em aeronave de caça, no Brasil, foi realizado por um par de A-1 do Centauro, tripulados pelo Ribeiro, da minha turma, (Operações do Esquadrão, à época), e pelo Kabzas. O vôo teve duração de 10:50h, com vários REVO no KC-137, comandado pelo Parente (também… Read more »

Joner
Visitante
Joner

Vou me atrever a fazer uma pergunta à uma situação hipotética;
Modo viagem on:

Digamos que a FAB pudesse escolher entre um M-346, um YAK 130 ou a fabricação de NOVOS AMX com novo motor e aviônicos, qual seria melhor, se é que pode-se compara-los, e levando em conta que a Embraer deve ter o ferramental guardado.
Qual seria mais barato, eficiente, em fim, viável.

Modo viagem off.

Sds.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

“Joner em 14/11/2013 as 23:56” Joner, Tem um ponto que precisa ser esclarecido antes de se buscar a resposta à sua pergunta. A Embraer não fabricava o A-1 por inteiro, ela participava de um consórcio Ítalo-Brasileiro. Ou seja, a Embraer fabricava algumas partes (notadamente asas e mais algumas outras partes – veja a série http://www.aereo.jor.br/2010/04/29/amx-a-concepcao-do-projeto-parte-4/) que fornecia à Aeritalia e Arcmacchi da Itália para a linha de montagem final existente lá, e dessas empresas italianas recebia outras partes (notadamente as da fuselagem) para a montagem final em sua própria linha em São José dos Campos. Assim, havendo ferramental guardado, ele… Read more »

nunes neto
Visitante
nunes neto

Teoria de barzinho, vamos lá: Com certeza o mais barato seria o YAK-130; o AMX , mais caro custando duas vezes o valor do M-346 no mínimo (custo Brasil,novo projeto estrutural para comportar um novo motor, a aviônica já temos, mas se for introduzir outra $$$$$),acho que eficiente todos são, o mais viável, é co-produção,licença de produção do avião Russo, mais barato e já projetado como avião de ataque, já sabemos o que pega no produtos deles, são mais baratos ,mas os motores tem vida mais curta, a assistência técnica é uma maravilha (apesar de se produzido aqui, a coisa… Read more »

champs
Visitante
champs

Sim Nunão, mas e quando surgirem os caças de geração 4,5 na FAB, vamos continuar pulando do A-29 para eles, ou vai se fazer isso via A-1M ou F-5M?

Eu acho que a partir do momento em que se define o F-X2 surge a necessidade do LIFT, nada muito grande, 24 treinadores já estariam de ótimo tamanho.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

“champs em 15/11/2013 as 12:06” Sim Nunão, mas e quando surgirem os caças de geração 4,5 na FAB, vamos continuar pulando do A-29 para eles, ou vai se fazer isso via A-1M ou F-5M? Champs, A princípio, é mais fácil pular de um A-29 para um caça de geração 4,5 do que para um F-5M, no que diz respeito às características de voo. Apesar da atualização da aviônica, da apresentação dos dados ao piloto etc, que tornam parte da transição muito mais fácil, a pilotagem do F-5M continua relativamente arisca como sempre, com características de pouso e restrições / carga… Read more »

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Você está muito otimista, Champs. Se for só um Esquadrão, reduz pra 12.

Baschera
Visitante
Member
Baschera

O AMX-M tem um leque enorme de novas capacidades e equipamentos…e listar todas aqui ficaria demorado….

Fora as excelentes matérias já colocadas aqui no P.A….eu recomendaria, para quem gosta de ler tudo, a matéria do link abaixo…..

http://sistemasdearmas.com.br/amx/amx02sensor.html

Sds.

champs
Visitante
champs

Pois é Rinaldo Nery, otimismo puro.

Explico, este cenário de 24 treinadores seria para uma quantidade de 72 caças (tenho o defeito de sempre pensar o F-X2 com um provável 2º lote de 36 caças sendo exercido pela FAB), percebi que sou um dos poucos que acredita nisto.

Você esta certo, para 36 F-X2, 12 treinadores seria mais adequado.

Abçs

Joner
Visitante
Joner

Senhores, obrigado pelas respostas, mas no que diz respeito a introdução de algum LIFT na FAB, eu me refiro exatamente como treinamento avançado e não como jatos para substituirem os F-5.
O A-29 é fabuloso, mas se a FAB possuise um esquadrao de LIFT para fazer a transição dos pilotos seria formidavél.

Modo esperança on:

E temos que concordar, o M-346 e o YAK-130 são belissimos!!! 🙂

Modo esperança off.

Abraços

G-LOC
Visitante
G-LOC

Joner, a Itália tem muitos AMX desativados. Poderiam ser modernizados para funcionar como LIFT.

bitt
Visitante
Member

“O A-1 já era um avião formidável antes da modernização, pela capacidade bélica e pelo alcance. É o nosso avião estratégico.” Minha pergunta é exatamente essa – quais são as capacidades reais dos A-1M neste quesito? “Estratégico” implica alcance, carga bélica e capacidade independente de navegação. Isto, hoje em dia, não é problema, pelo mns não em tempos de paz. Qual o alcance máximo num perfil de missão com essa característica? E outro problema, suponho,maior: navegação a longa distância implica em acesso a NAVSAT. Não temos um desses – suponho q dependamos de satélites norte-americanos. Como resolveríamos isso numa crise… Read more »

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Respondendo ao companheiro que perguntou sobre NAVSAT, as modernas aeronaves de caça (e outras) utilizam inercial a laser, com ¨update¨ GPS ¨stand alone¨. Quanto ao uso dos satélites, o MUNDO os utiliza. Os EUA não vão paralisar a aviação comercial mundial por conta de um conflito armado. Interessante essa conversa sobre o LIFT, mas, quem disse que a FAB o necessita? Esse é um assunto muito controverso. Os senhores estão partindo de uma premissa que não é totalmente verdadeira. Quem sabe a taxa de atrito nas Unidades da primeira linha? Eu não sei. Só a III FAE sabe. Vou perguntar… Read more »

Galeão Cumbica
Visitante
Galeão Cumbica

Poggio

no presal 100% precisa do GPS para manter o sistema de posicionamento dinamico das plataformas acima do poço.

sds
GC

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

eão Cumbica 14 de novembro de 2013 at 14:53 #

Caro Justin,

qual a pressão de ar exigida nesta mangueira?

sds
GC

Seis atmosferase, normalmente são feitos com compressores de parafuso assimétrico

Grande abraço

bitt
Visitante
Member

Agradeço a resposta. Já ouvi falar nas capacidades GPS implícitas nas modernas aeronaves de combate, assim como na dependência desse sistema para quase todas as atividades que impliquem georreferenciamento de precisão – eu mesmo uso essa coisa o tempo todo.Pois bem – “os EUA não vão paralisar a aviação comercial do mundo por conta de um conflito armado”. Tá, concordo, mas e de parte do mundo? Não sou antiamericano, mas acho que essa questão Churchill resolveu ao afirmar que “uma nação não tem amigos, tem interesses”. A questão da espionagem na rede aponta, pelo mns em minha opinião, para o… Read more »

Galeão Cumbica
Visitante
Galeão Cumbica

Juarez, muito obrigado pela explicação, mais uma aprendida hoje.

Poggio, vc tem razão, muita propaganda em cima do nome pre-sal, tão utilzando o nome para conseguir muitas coisas.

e so de curiosidade a lamina de agua para estas plataformas do pre sal são de 2200 metros em media.

sds
GC

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

O que define se uma aeronave é estratégica são os alvos que ele ataca. O A-1 é a única aeronave da FAB com alcance e carga bélica para atacar alvos em profundidade, na Tarefa de Superioridade Aérea. Não é retórica, como alguém disse acima. Se formos atacar uma hidrelétrica na Venezuela, ou o QG daquela Força Aérea, será com o A-1.

Justin Case
Visitante
Member
Justin Case

Interessante,

Fui procurar e descobri que o padrão requerido pela IATA para ASU (Air Starter Units) é de 3 bar (ou 3 atm) = 42 psi de vazão constante. Esse é o valor exigido também para várias aeronaves militares.
Será que o A-1 requer o dobro de pressão?
Abraços,

Justin

Justin Case
Visitante
Member
Justin Case

Completando,

Ou a pressão de 6 atm é o máximo que a mangueira pode aguentar?
Juarez pode explicar?
Abraços,

Justin

Rinaldo Nery
Visitante
Member
Rinaldo Nery

Eh obvio que a distancia do alvo nao define o que eh tatico e o que eh estrategico. Se o inimigo for o Uruguai todos os alvos, taticos ou estrategicos, estarao proximos.

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

6 de novembro de 2013 at 20:06 #

Completando,

Ou a pressão de 6 atm é o máximo que a mangueira pode aguentar?
Juarez pode explicar?
Abraços,

Justin

Caro Cel, foi ol que eu entendi da pergunta do colega, ou seja, a mangueria tem que aguentar até 6 ATM, agora cada motor necessita maior ou menor pressão, por exemplo as J 85, principalmente os motores que estavam quase no “ponto” de TBO necessitam uma “gas” maior para “girar”, mas o padrão dos motores modernos guira entre 3 e 4 Atms.

Grande abraço

bitt
Visitante
Member

Poggio, obrigado pela resposta – é totalmente sensata. É obvio então que o A-1 é um caça tático que pode, eventualmente, ser utilizado contra alvos estratégicos, como uma usina hidrelétrica ou coisa assim. Isso não o caracteriza com aeronave estratégica. E, ao que me consta, era previsto que o Tornado IDS cumprisse missões contra os escalões de retaguarda das forças blindadas do Pacto de Varsóvia, em missões de penetração em voo ultrabaixo. Nos exercícios realizados nos anos 1970-1980, geralmente o raio de missão era de 700-800 km. EM 1983, durante o exercício Able Archer (que quase resultou numa lambança monumental),… Read more »