Home Noticiário Internacional Novos caças J-10 têm melhorias extensas e não parciais, segundo projetista chinês

Novos caças J-10 têm melhorias extensas e não parciais, segundo projetista chinês

778
17

J-10B - 3

Segundo matéria publicada em 12 de novembro pela edição em inglês do People’s Daily Online, no último dia 6 o chefe de projeto do caça chinês J-10, Zhang Jigao falou publicamente pela primeira vez sobre as melhorias da aeronave. As declarações foram dadas no centro de testes de voo da AVIC. O projetista disse que o desempenho global do J-10 será extensamente melhorado em áreas como perfil aerodinâmico, sistema de missão e filosofia de manutenção.

Em março de 2009, fotografias do modelo melhorado do J-10 apareceram pela primeira vez na Internet, gerando a alcunha de “J-10B” para a aeronave. Ao longo dos últimos 5 anos, diversas imagens dos J-10B de testes apareceram online, o que atraiu atenção generalizada de entusiastas militares e da mídia de outros países.

O especialista em Forças Armadas dos EUA, Richard Fisher, recentemente destacou que o J-10B está na chamada “quarta geração e meia” de caças, sendo equipado com tecnologia embarcada moderna e sistema avançado de radar, estando também prestes a ser entregue para a Força Aérea Chinesa (Força Aérea do Exército Popular de Libertação – PLAAF).

J-10B - 4

Zhang Jigao, porém, discorda do termo “quarta geração e meia”, sugerindo que os atuais critérios internacionais de classificação de gerações são mais aplicáveis. Ele destacou que o combate “um contra um” é raro na guerra moderna, e que a maioria dos casos agora envolve sistemas de combate e operações em rede, pelo que as capacidades de um caça dependem de vários fatores. Segundo o projetista, “isso não significa que a otimização de um radar de um caça, de aviônicos e dos alcances de detecção de mísseis estão limitados a melhorias no desempenho operacional.”

Concluindo, Zhang Jigao disse que mais melhorias no desempenho do J-10 focarão no perfil aerodinâmico do avião e sistemas de missão, além da filosofia de manutenção: “O desenvolvimento de aeronaves requer constante otimização e melhorias, e nossas modificações serão extensas e não confinadas a uma área especifica.”

FONTE: People’s Daily Online (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em inglês)

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
eduardo pereira
eduardo pereira
6 anos atrás

Quando estiver totalmente operacional vai dar um caldasso este aviao !!!

Depreciadores de produtos chineses em 3,2,1,0!!kkk

Sds. Eduardo o observador otimista e esperançoso.

eduardo pereira
eduardo pereira
6 anos atrás

Faltou o aprendiz !!rs

Marcelo
Marcelo
6 anos atrás

Parabéns para eles. Avançam muito rápido, bem mais que o ocidente consegue, com a estrutura criada. Lembrando que são uma ditadura, portanto mais fácil de impor o ritmo desejado pela liderança. Não quero isso aqui…(a ditadura, os aviões pode ser).

Nick
Nick
6 anos atrás

Receber a classificação de geração 4.5+ para o J-10B por um oficial americano é algo a ser comemorado.

Um exemplo que um certo país ao sul do Equador não quis levar adiante.

[]’s

Clésio Luiz
Clésio Luiz
6 anos atrás

Após a 2ª Guerra Mundial, Índia e China eram países atrasados tecnologicamente, arrisco a dizer que mais que o Brasil. Hoje produzem (bem ou mal) seus próprios caças possuem programas espaciais de dar inveja por aqui.

Baschera
Baschera
6 anos atrás

No Brasil….. rrroooonnncccc…. ZzzzZzzzzzZzzzz…..

Sds.

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
6 anos atrás

Marcelo
13 de novembro de 2013 at 14:31

Avançaram rápido pq não partiram do zero…
Da mesma forma em q os vencedores da 2GM, de certa forma, partiram da tecnologia alemã, os chineses partiram da tecnologia russa, algo q eles ainda são dependentes…

Ivan
Ivan
6 anos atrás

Clésio,

Ao final da 2ª Grande Guerra Coréia e China eram países libertados do julgo imperial japonês (pelos yankees) e a Índia sofria como a parte mais pobre do Império Britânico, conquistando sua independência em 47 a duras penas.

Nosso Brasil fazia parte dos libertadores, mesmo que alinhando apenas uma divisão de infantaria e um esquadrão de caças. Nosso território intacto, com água, terra, sol e paz em abundância.

Em 1946 era assim.

Vai entender.

Sds.,
Ivan.

Control
Control
6 anos atrás

Srs Em 1950 a Coréia era um país devastado pela guerra com a maioria da população analfabeta. Em 1980, o PIB brasileiro era superior a soma dos da China, Coréia e Taiwan e hoje? Apesar da crença, eu diria até empenho de alguns em desacreditar da capacidade de nossos engenheiros e técnicos, o país tem pessoal e tecnologia para desenvolver um caça supersônico no que tange a estrutura, aerodinâmica e sistemas de controle. A coisa complica quanto a motores e aos radares, áreas que exigiriam um bom esforço para o país adquirir o devido conhecimento. O que falta é a… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
6 anos atrás

Este avião é um divisor de águas, os chineses acostumados a clonarem designs russos, sem produção própria de expressão, foram por força das circunstâncias obrigados a deixarem sua zona de conforto e procurarem soluções p/ os inúmeros problemas enfrentados ao longo de seu acidentado desenvolvimento.

Sniper
Sniper
6 anos atrás

Ô bichinho FEEEEIO! Rsrs

Ivan
Ivan
6 anos atrás

“Este avião é um divisor de águas…” Concordo Maurício. Com uma ajuda remunerada dos israelenses, mas sem dúvida um importante avanço para a indústria aeronáutica chienesa. É curioso observar que eles oferecem apenas os F-7M Airguard (cópia melhorada do MiG21) e os CAC FC-1 Xiaolong exclusivos para exportação. Outra curiosidade: Ainda há vários “clássicos” como os Shenyang J-8 (~18), Chengdu J-7 (~380) e aviões de ataque Nanchang Q-5 (~240). Mas a People’s Liberation Army Air Force já alinha muita aeronave moderna, como os Sukhoi Su-27SK/UBK (~70) e Sukhoi Su-30MKK (90 a 100). Entretanto há uma série de novos caças nacionais?… Read more »

Gutex
Gutex
6 anos atrás

”É curioso observar que eles oferecem apenas os F-7M Airguard (cópia melhorada do MiG21) e os CAC FC-1 Xiaolong exclusivos para exportação.”

Lembrando que a produção do F-7M foi encerrada este ano, e que, ao menos aos aliados mais próximos como o Paquistão, eles irão exportar uma versão do J-10B.

Wagner
Wagner
6 anos atrás

excelentes comentarios, parabéns a todos !!

A vc Control, excelente análise !

é preciso coragem para afirmar essas coisas, já que o mito do ” povo 100% trabalhador, honesto e sagrado” ainda perdura no Brasil…

Mayuan
Mayuan
6 anos atrás

Control e Wagner, Desculpem mas discordo. Essa de jogar a culpa da cultura brasileira ser como é nos índios foi de lascar. Quando da colonização do Brasil, por falta de voluntários, Portugal mandava pra cá os condenados e as prostitutas. Esse mesmo país teve em suas mãos uma colônia riquíssima que lhe permitiu receber um fluxo enorme de ouro, pau brasil e pedras preciosas. Mesmo assim, torrou toda essa riqueza comprando manufaturados da Inglaterra pois Portugal só tinha produção majoritariamente agrícola, ou seja, uma balança comercial eternamente deficitária. Desde então, a outrora poderosa nação foi ultrapassada pela enorme maioria dos… Read more »

Control
Control
6 anos atrás

Srs Jovem Mayuan A culpa não é dos índios. A cultura do índio coletor ou se preferir, do ser humano cuja vida e cultura se fundamenta em viver do meio ambiente através da coleta de produtos naturais (extrativismo) com pouco planejamento para o futuro, é conseqüência das condições ambientais. Com condições ambientais propícias (abundância de alimentos disponíveis, clima ameno) o ser humano não sofre o “incentivo” que condições ambientais mais duras exigem. Basta ver o exemplo dos índios dos Andes e dos índios do resto do continente. Premidos pelo ambiente os índios dos Andes desenvolveram a agricultura, construíram cidades e… Read more »

Mayuan
Mayuan
6 anos atrás

Beleza Control, concordo com o que você disse quando é sobre o fato de que as dificuldades é que formam um espírito mais aguerrido e que isso seria fundamental aqui. Concordo 100% que essa cultura precisa ser mudada. Na faculdade, tive uma matéria na qual estudamos bastante sobre os índios brasileiros e é um fato que seu papel na história do Brasil foi contado de forma equivocada. Aquela clássica coisa sobre a história ser contada pelos vencedores. Na verdade, o índio não era indolente como nos fizeram crer e muitos foram usados em várias obras pelo país afora. O que… Read more »