Home Noticiário Internacional Lockheed Martin trabalha em sucessor para o avião-espião SR-71

Lockheed Martin trabalha em sucessor para o avião-espião SR-71

602
10

Comparativo SR-71 e SR-72 - Aviation Week via Tecmundo

Nova aeronave, que deve entrar em operação a partir de 2030, é capaz de voar à velocidade Mach 6

ClippingNEWS-PAConsiderada como uma das aeronaves mais impressionantes já feitas pela humanidade, o SR-71 Blackbird está prestes a ser substituído pela fabricante Lockheed Martin. O avião, construído totalmente em titânio, se tornou famoso por sua capacidade de viajar a alturas tão altas que seus pilotos eram obrigados a vestir roupas espaciais em seu interior.

O novo veículo militar, que será conhecido como SR-72, está sendo desenvolvido no laboratório Skunk Works, local de nascimento de algumas das aeronaves mais modernas do mundo. A expectativa é a de que o novo avião faça voos à velocidade de Mach 6, algo que será possibilitado por uma combinação de turbinas convencionais com um motor Scramjet.

Embora o Blackbird tenha sido desenvolvido com o objetivo único de registrar fotografias de territórios inimigos, seu sucessor apresentará a capacidade de fazer ataques com mísseis. Apesar de o conceito da aeronave já estar pronto, deve demorar um tempo considerável até ela ser empregada pelas forças armadas dos Estados Unidos: os primeiros testes do veículo devem ser iniciados em 2018, com previsão para terminar somente em 2030.

FONTE: Tecmundo (texto em português, assim como imagem do alto, a partir de original do site Aviation Week)

COLABOROU: Groo

VEJA TAMBÉM:

 

10
Deixe um comentário

avatar
10 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
9 Comment authors
Tadeu MendesclsaraujoOganzaMayuanFighting Falcon Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Mayuan
Visitante
Mayuan

Até onde entendo, Blackbird foi tornado obsoleto pelos satélites que tiram hoje, fotos muito melhores que as que ele tirava no ápice de seu uso. A coisa foi tão banalizada que hoje em dia é open source intel em alguns casos.

Agora, seu sucessor despejando carga bélica me fez pensar… na concepção da USAF, o que está tornando o B2 obsoleto? Será que os radares atuais já não possibilitem tanta furtividade quanto no passado? Será que se tornaram caros demais?

Nick
Visitante
Member
Nick

Caro Mayuan

No caso a velocidade de resposta combinado com alcance fazem parte da estratégia dos Estados Unidos terem uma capacidade de atacar qualquer ponto do planeta em 1 hora. Sem usar nukes. 🙂

[]’s

Blind Man's Bluff
Visitante
Blind Man's Bluff

Na verdade nenhum satélite tornou o SR-71 ou qualquer aeronave de reconhecimento, obsoletos. Os satélites tem a vantagem de operarem em orbita, em constelações, porém possuem a desvantagem de circularem em orbitas praticamente fixas, sejam eles geoestacionários ou não, sendo muito difícil, até mesmo na maioria dos casos, impossível ou inviável alterar suas orbitas, o que significa que muitas vezes eles não podem estar no lugar certo na hora certa. Sobre o B-2, pode-se se dizer que incrivelmente ele já está beirando a obsolencência, mesmo que ainda seja um dos aviões mais modernos em atividade. No entanto, os EUA já… Read more »

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Será que em 2030, quando esse ai entrar em operação, já decidiram o FX2, 3, 4…?

Edgar
Admin
Member

Sempre falei aqui no Aéreo que considero o SR-71 o maior feito da indústria aeroespacial, além de ser também, em minha opinião, a aeronave mais bonita já criada. Fico triste em saber que o SR-72 será não-tripulado (http://rt.com/usa/lockheed-announces-sr72-spy-drone-112/), pois perde, em minha opinião, o brilhantismo e o “romantismo” de seu antecessor, que levava sua tripulação aos limites do espaço. Tudo bem que, para alcançar Mach 6, limites humanos de Gs serão invariavelmente ultrapassados, mas mesmo assim este vetor será menos brilhante que o Blackbird. Agora, um fato que é interessante é como um projeto muito mais simples como o U-2… Read more »

Fighting Falcon
Visitante
Fighting Falcon

Para mim nada mais é que um novo XB-47.
Mais um natimorto.

Mayuan
Visitante
Mayuan

Ok, nem todos os aviões de reconhecimento foram enterrados pelos satélites. Os satélites mataram os aviões de reconhecimento e os Vants fizeram o velório e enterraram.

Não vejo hoje uma nação que opere eficazmente com Vant arriscando uma aeronave caríssima e sua tripulação para fazer reconhecimento. Os últimos acontecimentos mostram isso. É certo que os U2 ainda operam mas em que condições? Serão substituídos? Nos hot spots de verdade eles só mandam Vant. Tudo indica que o caminho siga o mesmo no que diz respeito aos bombardeiros. Isso explicaria o desenvolvimento desse projeto e suas perspectivas de quem irá substituir.

Oganza
Visitante
Oganza

Na boa, esse SR-72 nem precisa do desempenho de mach 6, se ele igualar o SR-71 já cumprirá a missão, coloca uns 24 em Diego Garcia, 24 em Guam, 24 no Alasca e o resto em solo americano. PRONTO.

Basta ter a autonomia do B-2 e super cruseiro para se aproximar da TO e ai acelera a mach 3 e cumpri a missão.

A missão desse ai, será a destruição dos HAS nas montanhas da China e da primeira “casca da cebola” nas defesas dos inimigos que as posuírem, o resto vai ficar na mão dos F-35 com a cobertura dos F-22.

clsaraujo
Visitante
clsaraujo

Um detalhe para este SR-72 ele será remotamente controlado e em 2030 provavelmente a tecnologia IA já estera bem aperfeiçoada no qual ele fará uso certamente poderá até superar o march 6 sem piloto.

Tadeu Mendes
Visitante
Member
Tadeu Mendes

Amigos,

E possivel que os Drones SR-72 sejam parte do sistema, ou talvez seje o unico vetor para foi designado pelo Pentagono de PGS.(Prompt Global Strike).

O PGS sera um sistema de armas que pode atacar qualquer ponto do planeta em menos de 1 hora, usando ogivas convencionais.

O SR-72 e produto de um conceito desenvolvido pela DARPA.

Com uma velocidade de Mach. 6, ou seja praticamente impossivel de se interceptada por misseis SAM, , esta plataforma promete ser um sistema revolucionario, devido as capacidades instaladas de vigilancia, reconhecimento e ataque.