Viaturas na pista impediram pouso de emergência em Maricá, diz testemunha

    921
    3

    Partes de aeronave caída em Maricá - foto R Bastos - Lei Seca Maricá via G1

    Duas pessoas morreram no acidente, o piloto e um juiz federal

    ClippingNEWS-PAUma denúncia anônima sobre as condições de voos no Aeroporto de Maricá, na região dos lagos do Rio, pode mudar os rumos das investigações sobre a queda de um monomotor na Lagoa Marine, na segunda-feira (21). Duas pessoas, o piloto e um juiz federal, morreram no acidente. Testemunhas informaram que o piloto do avião tentou fazer um pouso de emergência no aeroporto da cidade, mas não conseguiu, pois viaturas da guarda municipal de Maricá estariam trafegando irregularmente na pista do local.

    O avião partiu do Aeroporto de Jacarepaguá, zona oeste do Rio, e realizava um voo de instrução. Impedido de pousar, o piloto Aldemo Louzada de Sousa, de 46 anos, arremeteu a aeronave, que caiu a 1 km dali. Na queda, Adelmo e o juiz Carlos Alfredo Flores da Cunha, de 48, morreram.

    A denúncia partiu de um piloto que não quis se identificar. Ele informou que é constante a presença das viaturas da guarda no pátio e na pista e disse que, se a pista estivesse livre, o acidente poderia ser evitado. Até a noite de terça-feira (23), os corpos das vítimas permaneciam no IML da região. Os destroços continuavam na lagoa.

    Em nota, a Guarda Municipal disse não poderia se pronunciar por ordem da prefeitura da cidade. Por sua vez, a Prefeitura de Maricá informou que a corporação tem autorização e competência para transitar no aeroporto. A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) está investigando a queda.

    Retirada de partes de aeronave caída em Maricá - reprodução Inter TV via G1

    Avião que caiu começa a ser retirado da água em Maricá, no RJ

    Partes soltas da fuselagem, como as asas, já foram retiradas 

    Começou a ser retirado da água nesta quarta-feira (23) o avião que caiu dois dias antes em Maricá, no litoral do Rio. Quatro mecânicos do AeroClub do Brasil, proprietário da aeronave, estão no local acompanhados de investigadores do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

    Eles já pegaram algumas partes soltas da fuselagem, como as asas do avião. Para retirar toda a aeronave, será preciso colocar boias para fazer o avião flutuar e depois rebocá-lo com um guincho. A previsão é que o trabalho possa ser concluído ainda nesta quarta.

    Duas pessoas morreram após a queda do avião bimotor na Lagoa do Marine, em São José do Imbassaí, distrito de Maricá. Carlos Alfredo Flores da Cunha, de 48 anos, Juiz de Direito da 5ª Vara de Órfãos e Sucessões da Capital, e Adelmo Louzada de Souza, 26, não resistiram à queda.

    Segundo a Secretaria de Aviação Civil (SAC) o plano de voo do bimotor tinha como destino inicial e final no aeródromo de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, e não mencionava passagem por Maricá. A secretaria não soube informar se houve pedido de pouso de emergência, que não pode ser negado. Se um pedido de pouso de emergência tiver sido negado pela prefeitura, esta responderá criminalmente pelo ato.

    TJ vai acompanhar investigações

    O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ) decidiu, por meio da Comissão de Segurança Institucional do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro (Coseg), acompanhar as investigações sobre o acidente. Na manhã desta quarta-feira, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) divulgou nota à imprensa informando que o Aeroporto de Maricá está aberto para pousos e decolagens, apesar do decreto do prefeito da cidade, Washington Quaquá (PT), que proibiu as operações aéreas desde 11 de setembro, quando um instrutor de voo morreu e o aluno ficou ferido após um monomotor cair no Centro da cidade.

    Pilotos e dono de escola de aviação denunciam carros na pista

    Um dia depois do acidente, o dono de uma escola de aviação que atua na cidade, Luiz Sérgio Guimarães, e alguns pilotos revelaram que veículos da Guarda Municipal de Maricá ficam constantemente na pista do aeroporto, o que colocaria em risco manobras de pousos e decolagens. A Prefeitura, no entanto, negou a informação por meio de nota, dizendo que os veículos ficam em pontos afastados sem interferir nas manobras.

    FONTES: R7 e G1 (também fotos)

    3
    Deixe um comentário

    avatar
    3 Comment threads
    0 Thread replies
    0 Followers
     
    Most reacted comment
    Hottest comment thread
    3 Comment authors
    MarcosFranco FerreiraBogaz Recent comment authors
      Subscribe  
    newest oldest most voted
    Notify of
    Bogaz
    Visitante
    Member
    Bogaz

    A reportagem esta falando de um bimotor. Mas pelo que vi pelas cores da aeronave seria o tupi do aeroclube.

    Franco Ferreira
    Visitante
    Member
    Franco Ferreira

    (1) Consta que foi um Sêneca em voo local a partir de Jacarepaguá (instrução?); (2) A se aproximar para pouso mono-motor (real ou simulado?); as viaturas teriam entrado na pista, impedindo-o; (3) Em caso de pane real, os motores do Sênecas I não têm potência suficiente nem para fazê-lo voar (na ausência do segundo). Nestes casos, o motor remanescente leva o avião ao local do acidente. (4) Em caso de “treinamento de voo mono-motor”, a instrução de arremetida também requer prática e habilidade, devendo ser feita com os dois motores. (5) A interdição de pista para operações se faz através… Read more »

    Marcos
    Visitante
    Member
    Marcos

    Isso não é a primeira vez que acontece nesse nosso Brasil.
    Já teve acidente fatal com Bandeirante por conta de gente na pista.