terça-feira, junho 15, 2021

Gripen para o Brasil

Brasil admite negociar caça com a Rússia, mas no futuro

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

PAK FA ascendendo - foto Sukhoi

ClippingNEWS-PAO ministro Celso Amorim (Defesa) admitiu hoje a possibilidade de o Brasil entrar no projeto do caça de quinta geração da Rússia, o Sukhoi T-50. Ele tinha acabado de se reunir com seu colega russo, Sergei Shoigu, que visitou Brasília para fechar a venda de US$ 1 bilhão em baterias antiaéreas – o contrato deverá ser assinado em meados do ano que vem.

Shoigu não fez oferta direta de caças para a Força Aérea Brasileira, mas Amorim fez o comentário separando a licitação em curso hoje (o F-X2) e eventuais projetos futuros.

O F-X2, processo que vem do governo Lula, prevê a compra de 36 aviões de combate para servir de base para a FAB. Disputam três modelos de quarta geração, ou seja, que incorporam integração digital de sistemas e têm capacidade de combate “além da linha do horizonte” com mísseis: o F-18 americano, o Rafale francês e o Gripen sueco.

A Rússia foi eliminada, com seu Sukhoi-35, desse processo. O ministro brasileiro foi enfático em dizer que o processo atual está valendo e deve acabar brevemente.

Protótipo Su-35 - foto Sukhoi

Agora, Amorim pela primeira vez falou em cooperação na próxima geração de caças, a quinta, que usa computadorização ainda mais intensiva e tecnologias para voo furtivo, próximo do invisível aos radares.

Só os EUA têm um caça de quinta geração em operação, o F-22. A Rússia já tem cinco protótipos voando de seu modelo, o Sukhoi T-50, que terá uma versão de exportação desenvolvida em conjunto com a Índia. O avião poderá estar operacional por volta de 2016.

Além da compra de três baterias antiaéreas Pantsir-S1, altamente eficazes, e de duas baterias com mísseis portáteis Igla-S para complementar o estoque brasileiro do material, a Rússia formou com o Brasil um grupo de trabalho para segurança cibernética.

A iniciativa vem na esteira das denúncias de espionagem por parte dos Estados Unidos. A presidente Dilma Rousseff cancelou sua visita de Estado a Washington devido à revelação de que suas comunicações foram monitoradas. E a Rússia abriga temporariamente o delator do caso, Edward Snowden.

FONTE: Folha de São Paulo (reportagem de Igor Gielow)

FOTOS: Sukhoi

COLABOROU: Tiagobap

NOTA DO EDITOR: destaques em negrito do Poder Aéreo

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

13 Comments

Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Latino dark

Meu filho ,se o fx-2 já faz anos que tá rolando e não sai ;imagina caças de 5 geraçaõ não vai ter ninguem vivo dos amigos aqui do aereo pra contar a noticia .

corta pra 18 .

sds

Nick

Se o FX-2 já estivesse fechado com o Gripen E/F, nada impediria um acordo com os russos.

Seria perfeito: Um caça pesado furtivo mais um caça leve de 4.5ª geração.

Infelizmente, o FUTURO no Brasil não quer dizer NADA.

[]’s

joseboscojr

Quando o “futuro” chegar nos estaremos negociando caças de 4,5ª ou 5ªG e os russos já estarão na 8ªG.
Ou seja, num futuro distante e incerto estaremos negociando caças do passado remoto.
Mais do mesmo!!!

Baschera

Não conheço a linha editorial do Sr. Korotchenko… mas a do Pravda…. rssss !!

Bem, então se for verdade os dizeres da matéria do veículo de comunicação russa… não é pouca coisa ser considerado pelos russos com uma nação “strategic partner”….

Aliás, neste quesito, Tio Sam esta perdendo feio…. apesar dos elogios proferidos pelo Vice-Presidente Biden ao nosso pais.

Porém, vamos com calma, pois enquando os americanos são mais desconfiados ou mais paragmáticos… os russos são mais vorazes e impetuosos.

Sds.

Observador

Senhores, Primeiro, os russos vão chamar de “parceiro estratégico” qualquer país que possa ajudar a bancar o T-50. Estão desesperados por um parceiro com dinheiro porque a economia do parceiro atual (Índia) está fazendo água ainda mais rápido do que a Economia Brasileira, o que pode afetar muito a capacidade de investimentos em defesa dos indianos. Segundo, o ministro barbudinho foi diplomático: disse que poderia haver conversações apenas no futuro, com a desculpa de que existe ô FX-2 ainda em curso. Não disse nem sim nem não. Agora cá entre nós: o “em curso” só pode ser “em curso de… Read more »

Felipe Augusto Batista

imagina caças de 5 geraçaõ não vai ter ninguem vivo dos amigos aqui do aereo pra contar a noticia

Fale por você, eu espero viver mais uns 50 anos e sou paciente.

Edgar

O Brasil está “admitindo negociar caças com outros países, mas no futuro” há quase duas décadas…

Wagner

Da onde isso ??

A economia indiana está crescendo mais que a nossa !

Não é um desequilibrio temporario deles, só desse ano, que vai afunda-los.

A industria lá se expande e eles atraem bem mais investimentos estrangeiros.

O BR está estagndado…

Wagner

ops, estagnando…

Vader

A questão do T-50 para o Brasil depende: vai rolar quanto de caixinha pro ParTido? Dependendo do jabá, pode até rolar uma graninha pros russos tentarem terminar seu protótipo. Lembrando que no governo aparelhado tudo tem que ter uma caixinha de 30% pro ParTidão pagar o marketeiro… Mas quem sabe o governo do PT não consegue pelo menos ajudar a fazer o que os russos não conseguem, a saber: industrializar o radar AESA e os aviônicos e produzir um motor definitivo? Só não pode dar uma de “ISS” dizer que vai fazer a janelinha e o braço, e depois nem… Read more »

champs

O caminho mais viável, para uma cooperação Brasil/Russia, é este mesmo.

Se decide o FX-2, de preferência com o Gripen que é um caça médio/leve e o que tem mais chances de ser adquirido em mais de um lote, fazendo uma carreira parecida com a F-5.

E se joga num projeto de 5ª geração com os russos (se só temos dinheiro para dar de contrapartida paciência, mas vamos aprender alguma coisa), como a Marinha fez com seu Sub-nuclear.

E talvez em 2025 a FAB fosse composta de 72 Gripens e 36 PAK-Fa.

Reportagens especiais

Mock-up do AMX, fabricado pela empresa Aermacchi em 1984, apodrece em ferro velho em São Paulo

O fotógrafo Anderson Kindermann registrou ontem imagens do "mock-up" do jato de ataque AMX, fabricado pela empresa AerMacchi em...
- Advertisement -
- Advertisement -