Home Força Aérea Brasileira Equipe da FAB treina combate BVR em centro de simulação na Suécia

Equipe da FAB treina combate BVR em centro de simulação na Suécia

350
27

Equipe da FAB treina BVR na Suécia - foto IIIFAE - Notaer - FAB

Notícia está no novo número do Notaer, da FAB, que traz também declaração do comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, de que a decisão de desativar os caças Mirage 2000 é ‘irrevogável’

O portal da FAB destacou, entre as notícias que fazem parte da nona edição (setembro) deste ano do jornal Notaer, matéria sobre o treinamento de táticas e técnicas BVR que equipe da III FAE (Terceira Força Aérea) realizou em centro de simulação na Suécia. Segue a matéria, que também pode ser lida, assim como toda a edição, clicando-se no link ao final.

III FAE treina em centro de simulação na Suécia

Doze pilotos operacionais de quatro unidades de primeira linha da Aviação de Caça, além de quatro controladores militares, sendo dois de uma Unidade de Controle e Alarme em voo e outros dois do Departamento de Controle do Espaço Aéreo, treinaram, durante uma semana, táticas e técnicas aplicadas ao combate BVR, do inglês Beyond Visual Range, ou seja, além do alcance visual. Tudo isso ocorreu em um dos mais modernos centros de treinamento simulado do mundo localizado na Suécia.

No Centro de Simulação de Combate sueco, oito pilotos podem atuar simultaneamente dentro de um ambiente onde vários fatores podem ser configurados: desempenho da aeronave, tipo e quantidade de armamentos, tipo de radar etc. Nesse mesmo ambiente, os controladores podem interagir com as aeronaves como se estivessem em suas posições rotineiras, com a vantagem de acompanhar, pessoalmente, tanto a preparação quanto a crítica da missão. Além disso, podem visualizar, juntamente com os pilotos, toda a arena de combate em modo tridimensional, tornando o aprendizado no treinamento muito eficiente.

Além das aeronaves “pilotadas”, o Centro de Simulação de Combate permite a inclusão de aeronaves de diversos tipos no cenário tático, aumentando a quantidade e a complexidade dos combates aéreos. Tudo isso dentro de um mundo virtual que utiliza o datalink. Essa tecnologia permite que diversas aeronaves troquem, automaticamente, informações entre si, aumentando a capacidade dos pilotos em perceber o ambiente à sua volta – a chamada consciência situacional.

Junto com os pilotos e controladores brasileiros, pilotos e controladores suecos participaram do treinamento, interagindo desde o preparo da missão, execução e, finalmente, a crítica de cada “voo” realizado. “Esse foi um ponto importante, pois todos operaram como uma equipe, trocando experiências, e permitindo uma avaliação das táticas e técnicas empregadas por nossos pilotos de combate e controladores de voo”, afirma o Coronel Aviador Jefson Borges, comandante da missão.

Número 9 do Notaer também traz a “palavra do Comandante”, cujo tema principal é a desativação do Mirage 2000 (F-2000).  Seguem alguns trechos selecionados:

F-2000 - foto Cecomsaer via Notaer FAB

“A retirada de serviço dos caças Mirage 2000 é uma decisão irrevogável.”

“Se por um lado esta saída representa uma retração dos meios disponíveis para o cumprimento da missão, abre-se também uma janela de oportunidade para os militares da Força Aérea Brasileira mostrarem seu profissionalismo e dedicação. Longe de existir uma descontinuidade da aviação de caça brasileira, o que há, isto sim, é a constante busca de aperfeiçoamento.”

“O Comando da Aeronáutica não deve, atento aos seus princípios de Hierarquia e Disciplina, fazer pressão. Não é essa a nossa forma de trabalhar. Reportamos realidades e nos mantemos preparados. Temos bases aéreas adequadas, equipes de solo capacitadas e os melhores pilotos para ocupar as cabines de comando. Estou certo de que estes são os principais elementos para uma Força Aérea dar orgulho para seu efetivo e para a população.”

FONTE / FOTOS: FAB –  Notaer de setembro de 2013 (clique no link para acessar)

27
Deixe um comentário

avatar
26 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
17 Comment authors
Fighting FalconMaxasbuenoVaderthomas_dw Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
phacsantos
Visitante
Member
phacsantos

Mera coincidência ou o treinamento é na Suécia por ser o país da SAAB?

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Sim. Não tenha dúvida de que se trata do paineld e Gripen (atrás dos militares da foto).

De outra forma não vejo como treinar BVR na Suécia se o Gripen não estiver envolvido.

A pergunta é: por que na Suécia e não em outro lugar onde normalmente ocorrem intercâmbios dessa magnitude também?

Antonio M
Visitante
Member
Antonio M

Será que se trata de uma “boa notícia” mesmo?

Sai um “grifo” dessa “mitologia” ?!?

phacsantos
Visitante
Member
phacsantos

Segue um link explicativo sobre o FLSC:
http://www.militaryphotos.net/forums/showthread.php?84527-Gripen-News-Thread/page100

Gostaria de ouvir que isso é um sinal de final da novela……

eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

Essa me deixou com uma pulgossaura rex atrás da orelha ! Se vierem seres mitologicos alados desse curso básico ae de brinde, nao vai ser ruim nao hein !!
Sds.

eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

Phacsantos também gostaria de ouvir o mesmo,mas, no texto de seu link também explica que o curso serve tanto para outras aeronaves como também p/ outros grupos de controle via monitoramento por radar .
Mas nao percamos as esperanças;
— Hornet, Eu Acredito !!!!! rs

ricardo_recife
Visitante
Member
ricardo_recife

É a FAB dizendo com todas as letras o que quer, de onde quer. Mas a Presidenta Dilmaladra não ouve, é surdinha. Claro, se for para falar mal dos EUA e bem da Bolívia ela ouve bem e tem ótima visão.

O treinamento para os operadores do Gripen neste centro é de um mês.

Pergunto: O que raios falta para termos um centro destes aqui? Resposta: GOVERNO DECENTE!

Corsario137
Visitante
Member
Corsario137

Mas é irrevogável mesmo ou é a lá Mercadante?

Desculpem, não pude me furtar da piada.

eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

Nao esqueçamos que F-16 modernizado,com AESA, também combate BVR .

eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

Nessas horas que me orgulha os iranianos que voam o Tomcat até hoje por seus próprios meios, desenvolveram um novo caça através do F-5 e tudo mais mesmo sendo embargados de tudo que é geito (isso só no campo aéreo, nem se fala dos outros meios) e aqui onde defesa da naçao nao conta e nao tem importancia …..só se gasta com o que da votos ou dindin ,triste fato!

Sds.

Joner
Visitante
Joner

Sempre gostei da proposta do NG para o Brasil, mas depois dos valores demonstrados pela África do Sul, mudei minha opinião, pois com esses valores, é melhor operar um caça como o F-16, cuja oferta de peças é enorme, tem vários fornecedores de cada peça, (para motor tem dois) e é muito mais capaz que o Gripen, quer seja o atual ou o NG, afinal, quem mais neste planeta tem duas marcas de radar AESA para escolher, pois fora os americanos, ninguém tem se quer uma marca (PRONTA)!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! 🙂 Mas quanto ao treinamento da FAB na Suécia, com certeza agrega… Read more »

Hamadjr
Visitante
Member
Hamadjr

Beleza agora só falta comprar as 36 aeronaves para o dissabor daqueles que preferiam os outros

Penguin
Visitante
Penguin

Explicação do custo da hora de voo da SAAF: Sept 4/13: JAS-39 fighters. South Africa’s iOL News offers testimony saying that the SAAF decided against storing any Gripens because of the up-front costs. They’re maintaining the entire fleet, but rotating them in and out of flying duties. Gen. Bayne also provides a snapshot of JAS-39C/D operational costs per flight hour (CPFH) for the South African Air Force: “[SAAF Director of Combat Systems] General John Bayne… said the “dry costs” (without fuel) for a Gripen were R104 600 per flying hour and fuel cost R30 800, giving a total “wet cost”… Read more »

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Caro Penguin

Os custos que estão nesta reportagem que você indicou são os mesmos que estão no post abaixo (não poderiam ser diferentes, pois a fonte é a mesma)

http://www.aereo.jor.br/2013/09/05/voar-um-gripen-a-africa-do-sul-custa-us-13-245-por-hora/

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

O nome deste exercício deveria ser “Mursilhol”, porque é literalmente um
uma encheção de linguiça, pois quando voltarem. não terão condições de exercitar a doutrina ou sequer mantê-la, por questões que todos conhecemos bem.

Grande abraço

Penguin
Visitante
Penguin

Sim, mas o interessante é a explicação do CPFH (costs per flight hour) no último parágrafo.

[]s

sergiocintra
Visitante
sergiocintra

No meu “walpaper” tenho uma foto c/ R-99a e b, A-29, A-1 e F-5, ou seja um sistema de armas “Hi-mid-low” que com as devidas modernizações/ atualizações e integração via datalink (Br), tem-se uma situação de “domínio” dos meios – falando-se nos recheios – e olhando estrategicamente o que está sendo feito com esse treinamento – mencionado diferentes aeronaves, radares e armas – e sabendo que o integrador de testes do A-darter é o Grippen (sul-africano) não é de se espantar termos ido a Suécia e Nunão acho que o seu “..(apenas um chute)..” não o foi. Assim como o… Read more »

thomas_dw
Visitante
thomas_dw

eduardo pereira disse: 18 de setembro de 2013 às 17:25 Nessas horas que me orgulha os iranianos que voam o Tomcat até hoje por seus próprios meios, desenvolveram um novo caça através do F-5 e tudo mais mesmo sendo embargados de tudo que é geito (isso só no campo aéreo, nem se fala dos outros meios) e aqui onde defesa da naçao nao conta e nao tem importancia …..só se gasta com o que da votos ou dindin ,triste fato! Sds. ————————x os F-14 voam , os menos de 20 que sobram, as custas de canibalizacao e contrabando de partes.… Read more »

Joner
Visitante
Joner

Nunão, talvez eu tenha me expressado mau, queo dizer que o Gripen é muito bom quando seus valores ficam dentro dos quase U$ 5.000 propagados pela SAAB, é um valor formidável. Mas quando seus valores de operação se aproximam dos U$ 20.000, é mais vantajoso operar um F-16, mesmo este custando ainda mais, pois o caça americano de 30 anos traz inúmeras vantagens, que vão desde capacidade de carga, passando por aviônica disponível e não menos relevante, os armamentos já homologados. No que diz respeito ao “ Quase Falecido” FX2, o NG é o melhor custo beneficio para o Brasil,… Read more »

Vader
Visitante
Member

Fernando “Nunão” De Martini disse:
18 de setembro de 2013 às 18:24

Lembrando que a frota de F-16 da USAF está envelhecida, e que os custos são mais altos por conta disso.

Sds.

asbueno
Visitante
Member
asbueno
eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

Tomas_dw,
mesmo que sejam protótipos, eles estao tentando e nao parados como nós aguardando a mais de uma década por míseros 36 caças, vejamos se após o KC-390 aparecerá algun projeto de caça nacional!!

Max
Visitante
Max

O Irã agora é exemplo de empreendedorismo!!!!
Nem se compara o que o Brasil já produziu em termos de aviação militar com a propaganda vazia e ufanista feita para Xiita ver .

Fighting Falcon
Visitante
Fighting Falcon

Olha o inicio de intercambio…
Que venha o Gripen