Home Editorial F-X2: sem perspectivas de definição, FAB pode comprar caças F-16 usados

F-X2: sem perspectivas de definição, FAB pode comprar caças F-16 usados

835
118

Militares da FAB vão para o Arizona avaliar estado das células. Opção seria por aviões Block 40/42

 

5428420815_8b4c5c09fd_b

vinheta-exclusivoUma fonte do blog Poder Aéreo informou que um grupo de militares do Comando da Aeronáutica está indo para os Estados Unidos para avaliar células estocadas de F-16 no deserto do Arizona. Centenas de caças F-16 que pertenceram à USAF/ANG estão armazenados no 309th Aerospace Maintenance and Regeneration Group (AMARG), localizado na Base Aérea de Davis-Monthan, próximo de Tucson, Arizona. O objetivo é selecionar algumas destas células usadas para equipar a FAB em função da aposentadoria próxima de parte da frota atual.

É possível que este número seja superior à quantidade necessária para a formação de um esquadrão (12 aviões aproximadamente), podendo chegar a dois esquadrões. A busca é por modelos das versões C/D Block 40/42. Seriam aeronaves construídas na época da Guerra do Golfo (1990/1991) e, portanto, células com mais de 20 anos.

5429027350_442d99261c_b
Centenas de caças F-16, como os da foto acima, estão estocados no deserto do Arizona

 

Longo namoro

O F-16 é um caça há muito desejado pela FAB. No final da década de 1980 o Brasil interessou-se por aeronaves dos modelos A e B, assim como eram os recém-adquiridos F-16 da Venezuela. Naquela época o Brasil buscava recompletar sua frota de caças Mirage III e F-5, mas estava totalmente inserido no programa de desenvolvimento do caça AMX, que consumia uma parcela razoável dos recursos do então Ministério da Aeronáutica (segundo algumas informações da época, o preço de um AMX era próximo do preço “flyaway” do F-16).  Com a verba que sobrou do programa AMX  foi possível comprar apenas células usadas de Mirage III que pertenciam à Força Aérea Francesa e F-5E usados provenientes dos esquadrões “Aggressors” da USAF.

Já na década de 1990 a Lockheed Martin cogitou a possibilidade do Brasil produzir, sob licença, o F-16 nas instalações da Embraer. Naquela época o programa F-X dava os seus primeiros passos e, paralelamente, Chile, Argentina e Peru também buscavam novos caças no mercado internacional. A ideia da Lockheed Martin era produzir o caça para suprir esta demanda na América Latina. O Chile acabou escolhendo o F-16 e o Brasil cancelou o seu programa F-X.

CRUZEX V F-16 chile 2- foto sgt jbarros-FAB
O F-16 venceu a concorrência no Chile em 2000. Aviões poderiam ter sido construídos no Brasl

Quando o Comando da Aeronáutica lançou o programa F-X2, a Lockheed Martin (LM) foi mais uma vez convidada para participar da concorrência internacional. O Brasil pediu, inicialmente informações sobre o F-35. A LM respondeu com o F-16BR. A proposta da LM não foi incluída na shortlist elaborada pela COPAC.

Desde janeiro de 2010, quando o relatório da COPAC foi entregue ao Ministério da Defesa, a decisão sobre o vencedor vem sendo sucessivamente adiada. Os caças Mirage 2000, adquiridos como “tampões” em 2005, deveriam parar de voar em 2011, mas tiveram suas carreiras esticadas para até o final deste ano.

Em função dos sucessivos adiamentos, a FAB passou a trabalhar com um “Plano B” para evitar ou minimizar o “apagão dos caças”. Em setembro de 2011 o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Juniti Saito, visitou na República Tcheca a Base Aérea Tática de Caslav, sede do Esquadrão 211, e obteve informações sobre a operação de caças Saab Gripen e sobre o leasing dos aviões. Ainda em 2011, militares da FAB estiveram nos Estados Unidos testando caças F-16 operacionais da USAF, segundo informado por outra fonte do Poder Aéreo.

Block 40/42

O primeiro F-16C Block 40/42 foi apresentado nas instalações da LM em Fort Worth em dezembro de 1988. Esta variante incorporou modificações importantes que tornaram a aeronave capaz de atuar sob todas as condições climáticas e também à noite, sem restrições. Muitos até deram o apelido de “Night Falcon” para o avião.

Foi exatamente para operar à noite, sem restrições, que a variante Block 40/42 incorporou, dentre outros itens, os dois  casulos do sistema LANTRIM (Low-Altitude Navigation and Targeting Infra-Red for Night). O trem de pouso sofreu pequenas mudanças para a aeronave operar com segurança o casulo. As pernas do trem de pouso foram alongadas e os cabides, reforçados. As portas do trem foram modificadas para receber rodas e pneus maiores e as luzes de pouso foram posicionadas na porta do trem dianteiro.

Além disso, esta versão incorporou um HUD (visor ao nível dos olhos) holográfico,GPS (Global Positioning System – na época uma novidade), radar APG-68V(5) melhorado, contramedidas ALE-47 e controles digitais de voo (nas versões anteriores, o sistema era analógico). Porém, mesmo entre aeronaves desta versão existem variações.

A diferença entre o Block 40 e o Block 42 é apenas na motorização. No primeiro emprega-se o General Electric F110-GE-100 e no segundo o Pratt & Whitney F100-PW-220. Por mais que a célula permita a possibilidade de empregar um ou outro motor, eles não são facilmente intercambiáveis. Somente a USAF escolheu o Block 42 (embora também tenha comprado a versão Block 40). Todos os clientes externos dessa versão (Turquia, Bahrein , Israel e Egito) optaram pelo Block 40.

Modernização

Como são células já defasadas para a moderna guerra aérea, principalmente em relação à suíte de aviônicos, os caças precisarão ser modernizados. Além da revitalização da estrutura, existe a possibilidade das aeronaves serem modernizadas com aviônicos de origem israelense. Isto colocaria os jatos em pé de igualdade com o que há de mais moderno na América Latina, mas demandaria um tempo que a FAB não dispõe. No final deste ano, os Mirage 2000 do 1º GDA serão desativados e, em 2017, os primeiros F-5 começarão a dar baixa.

Independentemente do que acontecer, uma eventual compra de caças de segunda mão, como é o caso do F-16C da USAF exposto acima, cancelaria por completo o programa F-X2. Na melhor das hipóteses adiaria a concorrência em, pelo menos, dez anos.

Reabastecedor

Além dos F-16, o pacote “made in USA” pode incluir aeronaves de reabastecimento aéreo KC-135 para a FAB. Como foi amplamente divulgado, o esquadrão Corsário, unidade da FAB que emprega aeronaves KC-137, está com a sua dotação muito reduzida, prejudicando o transporte estratégico da força e as atividades de reabastecimento aéreo, sobrecarregando as já antigas células de KC-130 (atualmente o Brasil só conta com uma aeronave de reabastecimento aéreo em operação).

A vinda de uma ou duas células do KC-135 taparia parcialmente a lacuna no reabastecimento aéreo até que o projeto do KC-390 da Embraer entre em operação (assim como o programa KC-X de novos aviões de reabastecimento), além de auxiliar no transporte de longo curso. O KC-135 também resolveria a questão do reabastecimento em voo dos caças F-16, já que essas aeronaves utilizam o sistema “flying boom” da USAF, ao contrário do “probe and drogue” atualmente em operação na FAB. Recentemente a Força Aérea do Chile incorporou três KC-135 para operar conjuntamente com os seus F-16.

VEJA TAMBÉM:

NOTA DO PODER AÉREO: como o governo parece cada vez menos disposto a tocar os programas de reequipamento das Forças Armadas, resta às mesmas apelar para soluções “tampão”. A Marinha segue pelo mesmo caminho.

118 COMMENTS

  1. como eu ja venho comentando ha algum tempo, o FX2 acabou e a realidade é que nao existe vontade politica, vamos de F-16 mesmo com o radar AESA.

  2. depois de 18 anos vamos adquirir F16 usados ????? se vierem os 36, que mal serviriam para cobrir a lacuna de baixas da FAB, vai demorar quantos anos até o último estar operacional aqui ???? 5 anos ???
    é um absurdo….

  3. É MUITO AMADORISMO !

    TANTO ANOS ARROTANDO ARROGÂNCIA !

    É ToT PRA LÁ ! ToT PRA CÁ ! NADA AMERICANO ! NADA DE PRATELEIRA ! YANKES GO HOME ! FRANÇA MON AMOUR !

    AGORA…

    EEUU dava pra você me fornecer uns F16’s que já quiseram fabricar por aqui lá atrás e eu vomitei arrogância e não quis…, porque me achava além do que sou…, então, dava pra me dar unszinhos pra eu não ficar sem nada…

    20 ANOS PRA SE CHEGAR AO ÓBVIO…

  4. no Naval há uma matéria que a MB pode comprar fragatas usadas, agora a FAB…. será que se pedirmos os EUA não erram o disparo de um tomahawk e acertam o palacio do planalto ????

  5. é um absurdo…. Mas esse e o M.O do Brasil, com seu governo de patetas!!! Podiamos ter comprado pelo menos 60 F-16 faz 20 anos atraz, e problema resolvido. Outra vez, o Brasil esta fazendo o ridiculo no exterior. Mas isso nao e o pior. Falta ver quantos F-16 chegarao, e em que condicoes. Espero que nao sejam so uma duzia para proteger a Bruxa Do Planalto…

  6. Mas o que é isso? A FAB voltou pro FX-1? Mirage 2000, F-16…
    Daqui 5 anos a gente arrenda os Gripen Tchecos.
    VERGONHA!

    Mas o SH tá vindo aí minha gente 😉

  7. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!! Meu desculpem rir, mas é que o que deve ter de “anti americanófilo patológico” dando piti com essa notícia… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!! E lá vamos nos novamente recorrer a quem realmente sabe fazer material bélico de qualidade e que cumpre com aquilo que acertar com vc, sem sustos e surpresas posteriores.

    Agora, vão ter um black out sim até a chegada dos primeiros. E, né por nada não, torço pra algo aconteça enquanto isso só pra esfregar na cara daqueles que desdenharam da importância dos Jaguares… Torço mesmo…

  8. “Mas o SH tá vindo aí minha gente”
    Rsrsrs!!!! Depois deste parto de quase duas decadas, quanto nascer o F-16 usado, o SH vai ser enterrado junto com o FX-2.

  9. F 16 do deserto que ainda tem que ser modernizado?!?! Bem melhor seria pegar os Gripens C/D da África do Sul ou dos estoque suecos. Viriam mais rápido e estariam prontos, podendo ser equipados com diversos armamentos.

  10. Putz, meu. Incompetencia total na area de defesa, ein??? Tenho a impressao de um monte de oficiais da FAB, sem falar um com o outro, correndo pra tudo que e lugar, procurando uma solucao para o fim do mundo… E so rindo pra nao chorar, mesmo.

  11. Curto F-16 e se vierem como super tampoes que serao , que sejam bem vindos,mas ainda creio na vinda do SH e alguns usados pra esperar a chegada dos novos !!

  12. Daquia pouco iremos ver Sr Gilberto Rezende em seus delírios PTremens e devaneios de “ Brasil-PuTênfia“ cortando os pulsos e xingando o Comte Saito de ser Fanboy dos EUA…rs!

  13. Arrotaram Rafale, esnobaram o Super Hornet, desdenharam o Gripen e vamos ficar com “lixo” abandonado no deserto?
    Nesse caso o Brasil esta agindo como aquele sujeito maltrapilho que meio louco finge ser rico esnobando todas as melhores produtos da feira só esperando acabar para revirar os restos jogados atrás das barracas.
    Por que é que não estou muito surpreso?

  14. KCX??
    E tem contrato?
    Não cancelaram em favor do A330 MRTT e A340 da Presidência?
    Tem comentários sobre o assunto em outros posts.

  15. Pela foto imagem, ainda restam uns “meia-vida” reluzentes assim como tem uns mulambos por lá!
    Torço para que os militares voltem com um sorriso melhor!
    Aproveitem para trazerem dois bons bombardeiros que tem um montão lá e vocês irão saber para o quê!

  16. Será o “tampão do tampão”. Como os colegas de comentários já estavam prevendo tempos atrás.
    O Brasil é um país extremamente previsível.

  17. Mas é uma pouca vergonha mesmo!

    Isso é negócio de Paraguai, Bolívia, Equador. Olhem o tamanho de nossa economia, o tamanha de nosso território, o tamanho de nossas fronteiras, o tamanho de nossas florestas, o potencial de nossas riquezas naturais, etc, essa cambada de representantes incompetentes (políticos) só envergonham o Brasil.

    O que fazem com todo o dinheiro que pagamos em impostos? Gastam tudo com altos salários. Nossos vagabundos, digo políticos, e nossos funcionários públicos, são muito muito caros.

    Mas não podemos esquecer que não é só caças que estão faltando em nosso país, são também presídios, muitos hospitais, ferrovias, hidrovias e estradas boas. Além é claro de leis que mantenham os vagabundos os bandidos e os corruptos separados das pessoas de bem e que estas possam viver tranquilas sem precisar viver enjauladas em suas casas.

  18. INACREDITÁVEL! (10000 X)

    O cara da Lockheed Martin que disse que o FX2 não era sério e seria cancelado estava certo????

    E 20 anos depois estaremos adquirindo a aeronave que esnobamos lá atrás?

    Esse é o Bravfil-PuThânfia dos esquerdopatas… Arrota, arrota, late, late mas no final mete o rabicó no meio das PaTinhas e vai gemendo implorar pro Tio Sam nos vender a xêpa, rsrsrsrs…

    Se isso acontecer eu vou rir muito, rárárá…

  19. Tomara que ao menos por serem usados comprem uns 60 ,bem mais que dois esquadroes pois trabalharao até as peças começarem a soltar em voo !!

  20. Perguntar não ofende. Se o negócio for fechado ainda este ano, quanto tempo demoraria para estarem voando por aqui, uns dois anos para os primeiros recebimentos?

  21. Roberto F Santana disse:
    29 de agosto de 2013 às 16:46

    Prezado Roberto,

    Aprecio seus comentários, sinceramente!

    Mas dizer que alguem “já nasce assim” e “é naturalmente melhor”

    É um pensamento determinista e retrógrado.

    Não precisamos de ufanismo, de devaneios….precisamos de praticidade!

    É por isso que estamos patinando há décadas!

    Desculpem o desabafo

  22. Roberto F Santana, quem esta criticando nossos oficiais da FAB?
    Da minha parte acredito que eles merecem bem mais do que a missão de revirar restos empoeirados e deteriorados no deserto do Arizona .

  23. Amigos,

    Tampão de novo? Sem escolher o que vem depois?
    Será que vão dizer que é por cinco anos e ficar com ele duas décadas?
    Já conhecemos essa história.
    TAMPAX NUNCA MAIS! 😡
    Abraços,

    Justin

  24. “INACREDITÁVEL! (10000 X)

    O cara da Lockheed Martin que disse que o FX2 não era sério e seria cancelado estava certo????

    E 20 anos depois estaremos adquirindo a aeronave que esnobamos lá atrás?

    Esse é o Bravfil-PuThânfia dos esquerdopatas… Arrota, arrota, late, late mas no final mete o rabicó no meio das PaTinhas e vai gemendo implorar pro Tio Sam nos vender a xêpa, rsrsrsrs…

    Se isso acontecer eu vou rir muito, rárárá…”

    foi o Presidente da LM que disse isto, e falou bem no inicio do FSX2

    para tanto – nao havia necessidade de sabedoria oracular, bastou observar a realidade de Brasilia, alias, a IAI esta preparando uma nova vercao do Kfir, apos a espetacular passagem dos Kfir da Colombia pela Red Flag.

    Quanto aos F-16 – nao e’ lixo nao, os que estao la, estao por conta de cortes no orcamento da USAF, eles podem ser fornecidos a custo zero desque que a FAB os modernize, um verdadeiro negocio da China.

  25. Se o negócio for fechado ainda este ano, quanto tempo demoraria para estarem voando por aqui, uns dois anos para os primeiros recebimentos?

    Caro Asbueno,

    Espero eu que não demore os mesmos dez anos dos P-3AM

  26. Roberto,

    Acho melhor você comentar o seu post anterior.
    Se não explicar que é ironia, tem gente que vai pensar que você está falando sério.
    Abraço,

    Justin

  27. Caro Cristiano
    Os salários dos políticos e dos funcionários públicos até pode contribuir minimamente para o rombo dos cofres públicos. Mas não se esqueça dos famosos programas sociais: bolsa esmola, bolsa faculdade, bolsa presídio, bolsa ONG, bolsa Cuba, bolsa COPA, entre outros “desperdícios”. Esses sim causam grande impacto.
    Com tanto dinheiro pra repassar, não iria sobrar muito das às FA. Aliás, é sempre assim, a retórica é a mesma: para que gastar $ em armas se não vamos entrar em guerra??? Só somos uma grande potência em recursos naturais e energéticos. Quem poderia estar interessado? O resto do Mundo???
    😉

  28. nao de Israel, mas dos EUA que tem um pacote de atualizacao para o F-16 recem aprovado, a FAB pode pegar no deserto de 60 a 100 F-16C/D Block 40 com motor GE sem problemas, substitui os Mirage 2000 e F-5 sem problema.

    e ainda podemos integrar os Derby, Python 4 sem problemas …

  29. Roberto F Santana…

    ” lembre-se que um país sozinho venceu outros cinco, usando um punhado de aviões velhos.” Como assim? Quem foi? Israel??? Explica ai…

  30. Senhores, vamos trabalhar com a realidade, e na minha opinião, não há o que dizer sobre o F-16, pois no caso do FX-2, só fica atras do F-18!!!
    Tudo bem que vai ser velho, mas se modernizarem nos USA, fica show!
    Esqueça Israel, faça a modernização com o proprio fabricante, (eles tem AESA), os americanos são que podem apronta-los mais rápidos!
    Uma vez li algo como U$ 15 milhões por aparelho, mais uns U$ 15 a 20 para apronta-los ( TUDO MADE IN USA)! Não me lembro para que padrão iria, mas tinha AESA, e era uma pré oferta para algum país!

  31. “Esqueça Israel,”

    que nada – se a FAB puder, faz o que fez com o P-3, compra as celulas e refiorma com tecnologia a qual o Brasil e a FAB tem acesso, que e’ a tecnologia de Israel.

    Infelizmente, nao acho que vai ser assim, vai mesmo com um pacote de modernizacao dos EUA.

    mas … para os EUA tanto faz, pode ser que eles liberem uma modernizacao feita por Israel, com o novo radar AESA deles o EL/M-2052 … isto sim seria uma maravilha.

  32. Espero que a “fonte” desta matéria seja a mesma fonte desacreditada que plantou aquela matéria do Valor sobre os Black Hawk de dois dias atrás….

    Caso não seja…. RIP Fx-2….. avisaremos nos próximos dias onde será realizada a missa de sétimo dia do defunto.

    Mas ….. e a ToT…. e os Off´Set ???

    Eita paisinho de imcopetêntes e políticos sem-vergonha este !

    E a gerenta heim…. vai ter que ficar de quaro pro tio Obama….. bem feito. Até hoje não UM único projeto que esta picareta tenha entregue que tenha valido meus impostos pagos.

    No mais, Israel deveria cobrar o triplo por esta reforma….. quem mandou ser trouxa !

    Passa a régua…. lembrando que as eleições vem aí !!

    Sds.

  33. É o mais sensato, regionalmente é muito bom, o preço é bom, esse FX não sai nunca mesmo, os militares estão acuados. Pra fazer frente a qqr forca aérea de primeiro mundo 36 rafales, F18E ou Gripens não fariam diferença nenhuma além de adiar o inevitável.

  34. Guilherme Poggio disse:
    29 de agosto de 2013 às 17:06

    Poggio “dez anos” é o que vão levar para ter isto aí operacional…. e depois vão usar até cair os pedaços por mais 20 anos…. até que as células tenham a mesma idade dos primeiros F-5 que serão aposentados… 50 anos !!

    O positivo é que Tio Sam vai nos “convidar” para integrar-mos o CS da ONU….. como serviçais, limpando o banheiro e servindo cafezinho !

    No discurso de abertura da próxima assembléia geral da ONU a PresidentA deveria ir abrir os trabalhos usando aquele chapéu de burro….

    Sds.

    • Baschera,

      Se batessem o martelo na aquisição de 24 aeronaves até o final do ano e se fosse possível operar metade deles no curto prazo, sem qualquer modernização (apenas revisão básica etc para ficarem em condições de voar com segurança e cumprir o papel de interceptadores), ficaria minimizado o “gap” da baixa dos Mirage 2000 – é o tempo do pessoal do 1º GDA ir para os EUA, treinar na aeronave, assim como o pessoal da manutenção, enquanto colocam em condição de voo uma dúzia de células, e na volta já trazerem as primeiras pra cá.

      Enquanto isso, um par de F-5 de Santa Cruz ou de Canoas, desdobrados, cumprem alerta em Anápolis, como já foi feito por alguns anos após a baixa dos Mirage III em 2005 enquanto os jaguares aguardavam receber todos os Mirage 2000. Acho que nem precisaria tanto tempo assim de transição, desta vez. Quem sabe até o final de 2014 já haveria uns dois pares de F-16 voando em Anápolis, com o resto dos 12 primeiros apenas revisados chegando até o final de 2015.

      Ao mesmo tempo, outra dúzia de aeronaves seguiria direto do deserto para a revitalização / modernização completa.

      Quando essas outras 12 ficassem prontas, modernizadonas, uns dois anos depois, os jaguares trocariam suas 12 iniciais sem modernização pelas modernizadas e mandaria as não modernizadas para passar pelo mesmo processo.

      Quando acabasse a modernização dessas 12 restantes, seria provavelmente o tempo certo de cobrir a baixa dos primeiros F-5 mais gastos de algum de seus esquadrões operadores (de Santa Cruz, Canoas ou Manaus), a partir do final de 2017.

      O resto se resolve enxugando a aviação de caça de primeira linha da FAB para 6 esquadrões: dois com F-16M, dois com F-5M (a serem substituídos nos primeiros anos da próxima década por outro lote de tampões) e dois com A-1M, aguardando dias melhores e governos mais comprometidos com a nossa primeira linha de defesa no ar.

      Em tempo: não gosto dessa ideia.

      Prefiro muito mais qualquer concorrente do F-X2 (na época do F-X1, gostava do F-16, mas novo, e não tampax usado).

      Apenas meu lado plastimodelista iria gostar. Tenho um F-16 escala 1:48 pintado genericamente mas ainda sem decalques, esperando desde a época do F-X1 para ver que decalque ponho nele… (é o mesmo que o coelhinho da Páscoa segura no post que acabou de sair de novo…)

  35. Gente estamos em um País que um soldado de fronteira na Amazônia, não tem o minimo de condições para seguir em frente, onde suas armas estão caladas por mais de um ano, pois não tem munição para tiro de adestramento, muitos já esqueceram como usar aquelas parafernalhas de + ou – 40 anos.onde se bebe agua dos rios,onde toma-se banho no mesmo rio,não tem geladeira, ar-condicionado hahahahahah ! Gente eu tenho um filho que passa necessidade no meio da mata,que passa fome, que o exercito esqueceu em um canto qualquer,onde governantes parecem surdos aos apelos dos militares que dão suas vidas a patria,Um dia , muito em breve isso vai mudar, e as forças armadas vai voltar ao poder pelas mãos do povo, esta bem perto este acontecimento.Com a mesma quantidade de dinheiro que foi investido em um estadio no Amazonas daria pra comprar esta merreca de aeronaves que nos discutimos aqui.Esquenta não governantes de _________um dia a casa cai e eu vou estar aqui novamente ,neste mesmo blog para rir e muito da cara de vocês,

    EDITADO

  36. “um grupo de militares do Comando da Aeronáutica está indo para os Estados Unidos para avaliar células estocadas de F-16 no deserto do Arizona.”

    “Ainda em 2011, militares da FAB estiveram nos Estados Unidos testando caças F-16 operacionais da USAF.”

    (a)Eles foram. ou eles irão?
    (b)Ou eles foram olharam e agora estão indo novamente?
    Se for a opção (b), agora seria para bater o martelo?

  37. Foram em 2011 para visitar esquadrões.

    E, segundo nossas informações, estão indo de novo, só que agora para visitar o deserto.

  38. Prosuper fazendo água, FX-2 sendo abatido. Falta a notícia ruim do Forte Pobre Brasil dependente da vontade de governantes do quilate dos que nós temos.Desde cadete (lá nos anos setenta!) que ouço a mesma ladainha: “O Brasil tem as Forças Armadas que pode ter e não as que gostaria de ter”. Após tantos anos passados e tantos governos descomprometidos com a nossa defesa chego à conclusão, infelizmente, de que ” o Brasil tem as FA que ELES QUEREM QUE TENHA e não as que PODERIA E DEVERIA TER” se tantos bilhões não fossem para o ralo. Enfim, ,melhor que seja de segunda mão do que nenhum, como os M-60 que o EB também foi buscar no deserto. E o Donadon, sem perder o mandato, ainda reclama que a “chepa” da Papuda é ruim! Pobre país!

  39. Cansei… Até de fazer piada, infelizmente.
    Então vai control C + control V do Naval.

    Já disse uma vez aqui, mas não custa dizer de novo:

    Nós. EU, VOCÊ E TODOS os brasileiros que vieram antes, NUNCA tivemos que lutar por NADA, absolutamente NADA.

    Tudo na história das ditas “CONQUISTAS” brasileiras SÃO MENTIRA, TODAS ELAS.

    TODAS AS BOLSAS – MENTIRA (populismo para perpetuação no PUDER)
    Caras Pintadas – MENTIRA (massa de manobra)
    Constituinte – MENTIRA (ata de formação do CARTEL)
    Nova República – MENTIRA (COROAÇÃO do bem sucedido plano do GM)
    Diretas JÁ – MENTIRA (ULTIMA fase do plano de devolução do GM)
    Estado Novo – MENTIRA (primeira tentativa de perpetuação no PODER)
    CLT, CUT, CGT – MENTIRA (fundação da MAIOR empresa brasileira – ESQUERDOPATIA S/A)
    Proclamação da República – MENTIRA (meia dúzia de DESCULHONADOS afim de arranjar um OTÁRIO para assinar – Recompensa? Seu nome vai para os livros de história)
    Independência do Brasil – MENTIRA (puro desentendimentos familiares)
    Descobrimento de Banarnia Putênfia – VERDADE

    Se o Brasil tem alguma UNIDADE, essa é a de não ter unidade. Não temos senso de prioridade ou do que é essencial. Na escravidão, o brasileiro médio não tinha o que comer, mas tinha um escravo. Hoje, o brasileiro médio não tem uma casa, mas tem um carro com o IPVA atrasado e anda charlando de iPhone Pré-pago.

    Temos um complexo de grandeza (não sei de onde veio isso), mas cultivamos um antiamericanismo, embora comemos, vestimos, assistimos, ouvimos, falamos e invejamos tudo que seja Made in USA, mas não admitimos, não publicamente. Bonito é a Europa, afinal nós somos EUROPEUS, viemos de lá uai. Então desejamos um ESTADO europeu, com políticas principalmente as assistencialistas, européias e os nossos “LIDERES” prometem e nós acreditamos.

    Nós somos VAGABUNDOS PREGUIÇOSOS, afinal de contas, nós queremos um ESTADO SOCIALISTA que nos garanta trabalho, saúde, educação, casa e se der roupa lavada e uma gostosa que faça barba, cabelo e bigode sem reclamar. Mas e a qualidade? Uai, se tiver 13ª, 14ª, PLP, abono, licença prêmio e recesso, precisa dessa tar d`qualidade não ué.

    Brasil, uma piada de mau gosto.

    Temos que tomar porrada, ser invadido, temos que perder alguma coisa. Roraima para Venezuela, Acre para o Peru ou Bolívia, e os Americanos podiam tomar o Marajó e colocar uma MEGA BASE na foz do Amazonas. Ou podemos falir de verdade, ter um crash econômico, uma crise de 29 em Banarnia.

    Já passei fome em uma fase da minha vida, não quero e não desejo isso pra ninguém, mas se eu soubesse que teria que passar fome de novo, dormir em uma temperatura de 28º e ainda sim ter calafrios por causa da desnutrição, eu passaria TUDO de NOVO, se eu soubesse que o brasil se tornaria BRASIL.

  40. Por que a FAB vai atrás do F-16?

    Pelo mesmo motivo que Saboia tirou o Senador boliviano de lá as escondidas. Coisas precisam ser feitas e, chega um momento, quer vão ser feitas, de um jeito ou de outro.

  41. Pergunta:

    E o GF vai fazer o quê com as três Propostas que está em suas mãos?

    E sabe quando o Brasil vai conseguir novas Propostas se cancelar a atual?

    Nunca!!!

  42. Será?

    Se for verdade, deveriam ao menos ser convertidos para o padrão Viper versão LM de exportação dos Block-60 dos EAU. Devidamente retrofitados com pelo menos mais 20 anos de operação. E 36 é pouco. Bora pegar uns 72 Vipers para serem convertidos. E aposentar todos os F-5EM.

    []’s

  43. Guilherme Poggio disse:
    29 de agosto de 2013 às 23:17

    Não esconda o leite, Poggio. Pode dar a notícia que frustrados já estamos todos.

  44. Senhores, sem querer duvidar do sr. Fontes, mas tem certeza que a FAB consideraria como tampão F-16 block 40, com o Chile operando block 50 já há um bom tempo?

    Não vejo também o menor sentido em usar aviônica israelense, ao invés de ficar com a americana que a USAF, o resto da OTAN e o todo mundo (menos Israel) usa.

    E KC-135? Chuta que é macumba…

  45. Galera, se utilizamos até hoje aviões produzidos na década de 1970 (40 anos!!!) e esperamos utilizá-los por mais 15-20 anos (Sessentões em ação!!!), por quê falar mal de um avião produzido na década de 1990???

    Eles vão ser praticamente Zero bala perto do que temos…

    Eu particularmente não gosto do F-16, mas se não vier ele, vai vir o quê???

    Com esse (DES)governo que está aí??? Não acredito em mais nada.

    Ainda li a notícia de compra de Fragatas da classe OHP (Americana) ou da Maestrale (Italiana), quando nos foi oferecido os CT da classe Arleigh Burke e nós dissemos que não compramos de prateleira…

    Aquele post sobre um jogo de aviação desenvolvido no Brasil em que os A-29 enfrentam F-35 está mais real do que nunca!!!

    Sinceramente, eu DESISTO.

    ST.

    P.S.: Poggio, por favor nem dê a notícia!!! Rsrsrsrsrsrs

  46. São notícias… no plural !!

    Infelizmente, acho que vamos voltar ao tempo em que faltava até papel higiênico nas FFAAs.

    Eu ia dizer que o pior esta para vir na Marinha…. mas acho que será parelho….

    Eu sempre disse que o Brasil do futuro será a Argentina de hoje !

    Sds.

  47. Se for verdade, e acho que é, a covarde (a propriedade e marionete do 9 dedos) matou o FX-2 e a FAB como é formada por pessoal militar, sério e comprometido com a missão, de fato está trabalhando com as possibilidades que tem. Se isso for verdade, esqueçam caças novos.

    Isso tem um aspecto positivo. Estes aviões iriam acrescer e representam o despertar da FAB em vista das enganações e mentiras deste governo mentiroso, manipulador e pilantra.

    Tanto no FX-2 como no Prosuper, estavam só manipulando pra mídia, e o “sub” so anda porque tem empreiteira no meio ( as eleiçoes estão ai né?).

    Estes vermes, dilma, lula e a corja que se vende a eles me desperta instintos primitivos.

  48. Baschera disse:
    30 de agosto de 2013 às 1:06

    “Aliás, na MB, para salvar um braço… cortarão duas pernas !!”

    Baschera, como o programa de submarinos já começou e não há como voltar atrás, presumo que o braço salvo seja o PROSUB. E se essas duas pernas forem o São Paulo e a aviação naval, então as notícias são excelentes rsrsrs

  49. Alguém na Lockmart, deve estar c/ um sorriso bobo no rosto…
    Não é uma má escolha, poderia ser bem pior, já pensaram em outra baciada de M-2000???

    Socorro!!!

    O F-16 é tranquilo, a USAF quer reformar uns 300-350, Taiwan vai remendar 145 no mesmo padrão, é só não inventarmos moda fazendo novamente da Embraer; nossa contratante principal!!!

  50. Tomara que comprem no mínimo uns 60 e façam como supôs o Nunao e ao invés de estarem modernizando 12 enquanto usamos alguns eles já continuam a modernizar todos os que ficaram do total comprado e nos liberam os caças em pacotes de 4 em 4 ou 8 em 8 até termos os 60 (no mínimo) e assim ja aposentarmos o Forever-5 . Nossos pilotos em caças com radar AESA serao ,ainda mais,insuperáveis !!

    Poggio libera a noticia (o resto ) ruim ae, o que poderia ser pior?? Só se formos comprar mais 50 EC725 por trocentas milhas a unidade novamente (ou M-2000 usadaço e superfaturados ao estilo francês)!!rs

    Sds.

  51. Póggio, vocês estavam na festa Av. Naval?? Se estiveram devem ter ouvido coisas muito ruins para o futuro da mesma, pois o pessoal dos “aviãozinhu” que estavam por lá ouviram e parece que a merd…vai começar a pegar preço na MB….

    Unifil, xiiiii não tem mais navio em condições e nem orçamento para aguentar o tranco da missão……..

    NAE SP hummmmm, pode ser que os A 4 tenhma pousar solamente em terra firme, no hay plata para consertar tudo que precisa, xiiiiii

    Haiti, xiiii não tem mais aviões para ressuprir, vamos de 67 da ONU alugado.

    Tem mais coisas ruis, mas vamos deixar por aí se não o pessoal pode infartar……

    Grande abraço

  52. “Tem mais coisas ruis, mas vamos deixar por aí se não o pessoal pode infartar……”

    a Marinha do Brasil esta nas ultimas – as Fragatas, caso alguem tenha alguma duvida, estao no fim e mesmo que se queira, substituir todas as 9 demoraria algo como 15 a 20 anos.

  53. “Não vejo também o menor sentido em usar aviônica israelense, ao invés de ficar com a americana que a USAF, o resto da OTAN e o todo mundo (menos Israel) usa.”

    a da OTAN é uma avionica de 15 ou 20 anos atras, a mais moderna é a da Polonia

    A de Israel é usada por eles e Singapura – e só agora os EUA estao chegando ao mesmo patamar devido a necessidade de um programa paralelo ao F-35.

  54. Mauricio R. disse:
    30 de agosto de 2013 às 1:46

    “Não é uma má escolha, poderia ser bem pior, já pensaram em outra baciada de M-2000???”

    —————–

    Cacete, Maurício! Vira essa boca – ou esses dedos – para lá!

  55. thomas_dw disse:

    Até onde eu sei, somente os USA tem radar AESA em uso e pronto para o combate! E se não me engano, existem dois fabricantes de AESA para o F-16, enquanto Israel não o tem!
    Não acredito que Israel pode estar a frente de quem fabricou quase 4000 desses jatos, e sua força aérea o opera em maior número.
    Talves o preço israelensse seja melhor, mas acredito que um dos pontos fortes do F-16 seja a compatibilidade de peças quando se precisar!

  56. ctrl c ctrl v

    OGANZA! Perfeita sua análise da “terra brazilis”. É isso mesmo, sem tirar nem por! Brasil é uma fod…. mal dada! O país da mentira repetida e sempre reeditada. O país manco, servil que arrota grandiosidade para seu povo mequetrefe sentir-se GRANDE.
    Esta fórmula dá certo. Pessoas que ousam discordar e colocar tudo na mesa são taxadas de babacas e raivosas.
    QUEREM MUDAR TUDO ISSO??! Via dar trabalho e demorar uns 50 anos…. novo.org.br! Ajudem a construir e a FORMAR UMA NAÇÃO no qual nunca fomos. Com disciplina, persistência, MERITOCRACIA tudo com muita formação educacional.
    Para isso precisamos vencer a guerra com as oligarquias sangue sugas que habitam este país somente para entrega-lo aos interesses estrangeiros.
    O Brasil não é um país! Nunca foi! Somos meramente caseiros de um terreno extrativistas dos VERDADEIROS países que tem os 4 fundamentos acima entranhados em seus sangues. novo.org.br PASSEM DAS PALAVRAS PARA A AÇÃO!

  57. São por estas notícias que eu não tenho mais ânimo nem empolgação pra comentar…

    Estou sempre acompanhando as notícias e comentários, mas debater neste nível não dá, sem FX-2, tampão do tampão, F-5, deserto, etc…

  58. Amigos, a se confirmar a notícia, não será de todo ruim. Ao contrário.

    Em primeiro lugar de se pontuar que o TB Saito afirmou no Congresso que a FAB tinha verbas para adquirir os caças do FX2, desde que o governo do PT decidisse.

    Assim, se supõe que a FAB tenha verbas para comprar estes caças agora, que são muito mais baratos que qualquer um do FX2, e modernizá-los.

    Os F-16 C/D são caças EXCELENTES e com a maior escala de produção da 4a geração. Quem lembra do vídeo produzido pelo Aéreo da Cruzex 2011 (?) com os F-16 da FACh ou da ANG levantando vôo? Caras, os F-16 corriam menos pista que os Rafale!

    Podem ser modernizados no Tio Samuel Wilson a toque de caixa e por preço de banana, pela própria LockMart. Aqui via Embraer/Elbit, com a demora de sempre. Na OGMA em Portugal. Na Holanda. Em Israel. Em Singapura ou Taiwan. Etc. Ou misturando: um pouco em algum lugar, um pouco aqui no Brasil.

    Enfim, tais caças podem ser completamente reconstruídos DO JEITO QUE A FAB QUISER/PUDER! Com AESA, sem AESA, enfim: podem mesmo ser transformados em caças exclusivos, parecido com o que foi feito com os Block 60 dos EAU, versão ÚNICA de F-16.

    O que também vem de encontro com o que o TB Saito disse no Congresso: que nossos FX seriam “customizados” DE QUALQUER MANEIRA.

    E SERÃO NECESSARIAMENTE aeronaves que a FAB poderá MANTER! Com manutenção barata, nacionalizada ao máximo, essa é provavelmente a única aeronave que a FAB pode voar com o orçamento atual.

    Enfim, o F-16 na FAB não será a melhor solução (nem mesmo a minha preferida), mas ninguém poderá negar que será UM SONHO REALIZADO E LONGAMENTE ACALENTADO para a Força.

  59. Que adianta simpatia e facilidade de aprendizado SE NÃO TEM CORAGEM??!! Ponto pro argentino….em resposta a um missiva acima. Foi perfeito em suas comparações genéticas, pois é isso mesmo, não adianta falar que é nazismo, higienista etc. A geografia/necessidade faz o caráter de um povo e com o passar do tempo impregna o DNA, tornando-o eficaz em algumas atividades. Nos com toda simpatia pecamos na disciplina e persistência……

  60. Sinceramente eu acho uma boa notícia! Pra começar o projeto é dos anos 70, mas as células tem “apenas” 20 anos. Já é um caça excelente e será modernizado.

    Sinceramente, temos de parar de chorar. É a situação atual, é o que dá pra fazer! Todo mundo aqui quer F-22, Fragatas Aegis, etc, mas a realidade financeira, geopolítica e social do Brasil, não exigem isso.

    Para as pretensões brasileiras regionais e para o equilíbrio de poder sul-americano, eu creio que 24 F16, 47 F5, 54 Amx e 96 A/T29, estão de bom tamanho.

    Já escrevi aqui e repito: Caso nossa pretensão seja balizar com China, França, Rússia e EUA, aí a coisa muda de figura – mas não me venham com Conselho de Segurança da ONU – o pleito do Brasil é para aumentar mais cadeiras, não apenas a sua.

  61. Não é a solução ideal, mas uns 36 desses aí já consertam a FAB por uns 10-15 anos no mínimo.

    Que venham os F 16 de uma vez !

    alguém vai negar que é um caça excepcional ??

    • Só uns adendos à análise do Guizmo, bastante pé no chão e que também combina com o que escrevi mais acima (meia dúzia de esquadrões de primeira linha, 2 com F-16M, 2 com F-5M e 2 com A-1M, perto do final desta década):

      O número de 47 F-5M citado pelo Guizmo é superior ao atual, que é de 46 F-5M com entregas já finalizadas. Com a entrega dos primeiros caças modernizados do lote de 11 “ex-jordanianos” começando neste ano, talvez o total cresça um pouco ao longo dos próximos anos, para depois cair com a baixa dos F-5M mais desgastados. Enfim, o que tem dá para equipar 3 esquadrões de 12 aeronaves cada em média, sobrando alguns como reserva técnica para as manutenções mais pesadas. Mas isso é por tempo limitado, pois é esperada a baixa de boa parte da frota na primeira metade da próxima década. Não dá pra voar F-5M eternamente e eu acho que, depois de 2025, F-5M na FAB só vai ter alguns remanescentes do lote jordaniano e algum eventual gato pingado de lotes anteriores, quem sabe num derradeiro esquadrão de conversão para a primeira linha.

      Já o número de 54 “AMX”, ou A-1 também é bem superior ao que efetivamente está em condições de voo. A FAB só contratou a modernização de 43 unidades para o padrão A-1M, com entregas começando por agora. Também dá para equipar 3 esquadrões de 12 aeronaves cada em média, sobrando alguns como reserva técnica para as manutenções mais pesadas, e isso deverá durar pelo menos até o final da década de 2020 (ao menos é o que se espera)

      Já com a aquisição de 24 F-16, se possível com modernização, daria para equipar dois esquadrões. Se isso for pensado como solução para 15 a 20 anos de uso, seria interessante adquirir um pouco mais (até 28 ou 30 no total) para mais pra frente ter uma ligeira “folga” para as revisões de maior monta. Ou mesmo essa reserva técnica poderia vir somada a terceiro lote (12 + uns 6) para poder dar baixa em mais F-5M no início da próxima década.

      Com o tempo, a primeira linha da FAB pode virar um “mix” de F-16M e A-1M, em seis ou sete esquadrões, conforme tenham que enxugar ou não essa primeira linha, visando ainda mais economias (afinal, até mesmo um caça bem disseminado como o F-16 tem uma hora de voo mais cara do que nossa espinha-dorsal de hoje, o F-5M). Quem sabe teremos no início dos anos 20 algo como 72 jatos, num mix de F-16M e A-1M, efetivamente alocados aos esquadrões, e cerca de meia dúzia ou pouco mais de cada tipo em reserva técnica, sofrendo revisões.

      E assim vai se levando a vida até chegar a hora de começar a dar baixa nos próprios A-1M e F-16M, por volta de 2030…

      (PS – repito que não gosto disso. Preferia uma decisão do F-X2. Mas seria algo possível levando em conta uma melancólica despedida desse programa)

  62. Comentário excelente Nunao , e se excederem nossas expectativas mais loucas e comprarem ( em encomendas picadas) uns 100 F-16 ficaríamos folgados para projetar-mos um vetor nacional !!

    • “eduardo pereira em 30/08/2013 as 14:52”

      100 F-16????!!!!

      Calma, meu amigo, calma.

      Os lagartos e escorpiões do deserto precisam de umas asas em cima das cacholas para dar sombra, não podemos levar tanto avião assim não…

  63. Roberto F Santana disse:
    29 de agosto de 2013 às 21:37

    É bem assim mesmo que eles gostam de aparecer. Sempre como o Davi contra o Golias. Um pequeno país contra outros seis inimigos. Mas fazer tal imagem é fácil, basta fazer a sua parte em combate, após estar garantido com as costas quentes com boa parte da economia americana nas mãos, o sistema bancário mundial, a imprensa mundial, o apoio dos satélites americanos e da inteligência americana. E, sendo dessa forma, os papéis de Davi e Golias mudam. Quem duvidar e quiser questionar, pesquise sobre a convergência mundial de interesses para reconstruir o Templo (muito antes de 1947) no local do Domo da Rocha e aí, sim, comece a se preocupar com guerras.

  64. Cristiano, é bem Davi e Golias mesmo.Se Israel tem as costas quentes por causa dos EUA ,Davi segundo a biblia ( para quem acredita) tinha DEUS do lado dele.
    De qualquer forma Israel venceu e bem inúmeras batalhas com equipamento que não era lá essas coisas e ainda em inferioridade numérica.
    Não é o que eu chamaria de fazer imagem de forma fácil. Mesmo hoje mais bem armados , não vejo países da Otan correndo pra ajuda-lo em caso de uma guerra.
    Você se esqueceu que a meia dúzia de inimigos que você cita tinha apoio também. De quem recebiam equipamento e treinamento?
    Eu acho que quem faz pose mesmo e arrota qualidades que ainda não tem é um outro pais, tropical, bem conhecido e que fala português 🙂

  65. Tudo bem NUNAO é que junto ao lendário F-14 Tomcat o F-16 (devido ao filme “Águia de Aço”) me facina desde a infancia ,sinceramente até hoje tenho um rancor contra o Hornet por ter aposentado o Tomcat que pra mim deveria ter sido modernizado e repaginado ,além de repropulsado também, mesmo torcendo pelo FX2,antes Rafalete,agora Vespeiro, a chance de ver um Falcon aqui em BH em algum evento da Fab vai além de um sonho irmao,nao fosse o fato de nao ter uma versao naval eu abandonaria a esperança do SH e torceria a plenos pulmoes pelo F-16 !!rs

    Sds.

    Saio de férias daqui a 5 minutos e talves só consiga compartilhar comentário com os companheiros do PA,PN e Fote quando comprar outro smart pois estou sem net em casa ,entao abraçao pra todos e peguem leve nos comentários galera!! Deus os abençoe !!

  66. Fico com pavor somente de pensar.

    O F-16 se vier, e rezo para que não, não será um tampão mas a realidade da FAB pelos próximos 20 anos.

    Abs,

    Ricardo

      • Não tenho dúvidas de que, se vier, será exatamente nessa perspectiva 20 + 20 do Poggio e do Ricardo: 20 anos atrasados, e para voar pelos próximos 20.

        Não seria um tampão no sentido de cobrir uma lacuna rápida. Seria a futura espinha-dorsal da aviação de caça pelos próximos 20 anos, formando o “high” de um hi-lo mix com o A-1M.

        Não seriam para uma perspectiva de atraso no F-X2 (para isso, F-5M adianta por alguns anos ou até mesmo uma custosa revisão de F-2000 serviria no caso de mais alguns serem necessários). Seriam para sacramentar o fim (melancólico) do F-X2, um ano depois do fim do mundo dos maias, que não veio.

    • Eu fico imaginando.

      E se ao invés da Dilma anunciar os SH lá na Casa Branca em outubro, ela acaba anunciando 36 F-16 ” (Arizona)desert falcon”?

      Não gosto muito das compras no deserto. A MB teve problemas sérios com os SH do deserto (sobra de borra de óleo e corrosão).

      Se eu fosse escolher um nome de filme para isso seria: “Arizona nunca mais”.

  67. Duvido que a Dilma anuncie algo nos EUA.

    Ela pode, isso sim, anunciar coisas aqui e conversar / entabular negociações lá.

    E, se for o cancelamento do F-X2 e compra de algum paliativo, nem precisa falar nada, deixa que o Ministério da Defesa ou o Comando da Aeronáutica soltem notas a respeito. Se bem me recordo, foi assim no fim do F-X e compra dos F-2000. O presidente só apareceu na foto na hora da chegada dos aviões.

  68. Em tempo,

    Poggio, acho que quando vc digitou “SH do deserto” faltou só acrescentar um “-3” para que os não acostumados a questões de aviação naval entenderem do que se trata. Se não vão pensar que o SH do final do comentário é o mesmo que o do início…

  69. Roberto F Santana disse:
    29 de agosto de 2013 às 21:37

    Roberto, não se esqueça da Guerra Invernal/de Continuação. onde a Finlândia, com uma força de caças cujo número não chegava a 300, em sua maioria obsoletos Fiat’s, Brewsters, Fokkers D-XXIII, MS-406’s, lutou contra uma força cinco vezes superior. E cumpriu seu objetivo – evitar a ocupação russa.

    E sem qualquer ajuda.

  70. “Augusto disse:
    29 de agosto de 2013 às 16:44”

    Sobre a venda de mais MIGs, inclusive o -35, p/ a Índia:

    “Under the first, $43 million contract, a servicing center will be established in India for maintenance and repair of Zhuk-ME on-board radars, MiG representatives said.”

    “The second, $12 million contract provides for the creation in India of a servicing center for modernized MiG-29UPG fighter jets.”

    “Russia is set to deliver six more jet fighters of 4++ generation this year to India’s air force in line with a deal with New Delhi, the MIG aircraft corporation said Wednesday.”

    “MIG signed a 1.5-billion-U.S. dollar deal with India in 2010 to deliver 29 warplanes MIG-29K-KUB.”

    (http://www.defense-aerospace.com/article-view/release/147521/india-to-get-6-more-mig_29s-by-year_end.html)

  71. Roberto F Santana disse:
    30 de agosto de 2013 às 19:47

    “…você esqueceu de citar o Bf-109…”

    Não esqueci não, Roberto. Omiti deliberadamente. Até porque eram em pequeno número – foram comprados por volta de 50, sendo que a disponibilidade máxima dificilmente passava de 30 unidades – muito pouco para garantir, sozinhos, a supremacia aérea.

    Esqueci, de fato, dos Hawk 75 e Hurricane Mk.I

    E a relação vitórias/perdas do Me-109 eram de 25:1. Inferior, por exemplo, às do B-239, que era de 32:1.

    E quanto à ajuda alemã, de fato houve. Aliás, também – em menor grau – ajuda sueca, francesa e italiana. Mas nada comparável à ajuda norte-americana a Israel.

  72. E mais, Roberto: não subestime as aeronaves russas, como o Yakovlev. Eram tão capazes quanto suas contrapartes alemãs que eram operadas pelos finlandeses.

    O diferencial estava no material humano.

  73. Curioso constatar que Ilmari Juutilainen ficou eternizado do lado do B-239, mas obteve a maior parte de suas vitórias voando o Me-109.

    Aliás, sabia que os Finlandeses – e não os alemães – introduziram a “Finger Four” já em 1935?

  74. Se a notícia se confirmar, a análise do Nunão sobre a chegada dos F-16 é muito factível. Bem realista, pra dizer a verdade…

    Pode até não ser esse o caminho a ser adotado pelos nossos Brigadeiros. Mas é algo perto disso.

    Parabéns Nunão. Belo exercício de “gerenciamento estratégico” de uma Força Aérea sem dinheiro e sem apoio político.

  75. Amigos,

    Conforme levantado em outros fóruns e confirmado nas listas oficiais da AMARG, não existem F-16 Block 40/42 estocados lá. Os aviões dessas versões estariam ainda ativos.
    Será que os militares vão perder a viagem?
    Abraços,

    Justin

  76. Luiz Reis, boa noite.

    Realmente é um pequeno exemplo. É o único. Ou melhor, há mais dois, mas na situação de “aguardando reparos”, não como estocados.
    Abraço,

    Justin

  77. CONSIDERANDO que a turma do brigadeiro Saito torce e força a barra DESCARADAMENTE pela aquisição de um caça americano desde o sort-list quando ejetou o caça russo em favor do Gripen de papel…

    E CONSIDERANDO que a iniciativa de mandar militares aos EUA procurar células no feirão de usados do Deserto do Tio Sam pode perfeitamente ter sido tomada dentro do Comando da Aeronáutica sem consulta ao ministério da Defesa ou do Governo Federal…

    No momento só gostaria de perguntar, se verdadeira a iniciativa da fonte do Poder Aéreo, ela foi informada/autorizada pelo Ministério da Defesa e/ou Presidência da República ou é um projeto “privado” do Tio Saito para irritar e por pressão no governo federal pela demora da definição do FX-2 neste mandato por parte da Presidente que a MESMA turma do Saito queria derrubar na campanha se o Presidente Lula impusesse a compra do Rafale no seu mandato…

  78. Acho que o único fato que realmente temos que levar em consideração é que temos um governo incompetente/desinteressado em questões militares e que só se preocupa com a próxima eleição, e que a FAB está tentando fazer o papel dela de proteção, adquirindo os meios necessários em vista da retirada de recursos (m-2000) até o fim do ano.
    Acho que já deveriam ter tomado esta decisão, mas que só se tornou viável a partir da fala do Saito sobre o processo F-X2.
    A polarização do congresso é boa para a FAB, já que antes todo mundo era contra. Mostra que apesar do governo, a FAB não esta encostada esperando, mas está acuada.
    Resta saber quantas unidades serão encontradas em bom estado, já que esta solução será, com certeza, de longo prazo, deixando as explicações do cancelamento do F-X2 para o governo.

  79. Como de costume o destempero verbo-ideológico do Sr. Gilberto Rezende se mostra totalmente desconectado da realidade, e tem por único propósito defender o caráter inimputável, intocável e divino do iluminado de Garanhuns e suas promessas furadas de “Brasil – PuTênfia” que provavelmente devem estar encobrindo convenientemente o locupletamento do grupo político no poder e asseclas através de contratos de defesa. Mas já que o Senhor reitera sua cantilena fajuta, inconsistente e mentirosa, o jeito é retrucar:

    Caso você esteja absolutamente desconectado da realidade o Brasil está na iminência de experimentar uma lacuna perigosa na Defesa aérea com a desativação ao final do ano dos Mirage 2000 e em 2017 dos F-5 mais voados. Tudo isso em virtude da indefinição do programa FX-2 causada, em quase total medida, pela desastrosa decisão político etílica do iluminado tendo em vista que a mesma constituiu-se em flagrante e explícita violação formal à legislação aplicada à compra de material de defesa;

    Lambanças à parte do Estadista de Sindicato o fato é que faz-se necessário resolver o problema da defesa aérea nacional sob pena de cometimento, pelo comandante da aeronáutica, de crime de responsabilidade caso aconteça algum evento decorrente da falta de caças. Como demonstrado aqui no aéreo não existem células de Mirage 2000-5 disponíveis na França e tampouco os EAU querem se desfazer dos seus Mirage 2000-9. Assim, para suprir a lacuna restaram apenas os F-16 do AMARG.

    No mais você continua a repetir ad nauseam as mesmas infundadas e farsescas acusações contra o Comte. Saito e outros oficiais da FAB, de que os mesmos seriam tietes americanas e golpistas em potencial. Deixa eu dizer uma coisa cidadão. Ao ter esse tipo de leitura do Comandante da FAB você apenas repete o argumento pútrido vigente em toda a retrógrada e patética esquerda latinoamericana, sem qualquer correspondência na realidade dos fatos. Cabe lembrar que os atuais oficiais das forças armadas foram instruídos a não repetir os mesmos erros da geração que levou a cabo o golpe de 64, tanto que evitam se imiscuir na política. Talvez porque o seu modelo seja o gesto risível do comandante das forças bolivarianas da Venezuela quando da morte oficial da múmia, ocasião onde o mesmo, com o rosto banhado de lágrimas, jurou lealdade à revolução bolivariana e gritou “Pátria, socialismo ou morte!”

  80. Sobre a questão dos “blocks” de F-16 que a USAF estaria desativando ou mantendo em linha mais tempo, a matéria abaixo (de fevereiro de 2012) ajuda a dar uma luz.

    De fato, os F-16 Block 40, ao menos há um ano e meio, não estavam na lista dos que iam para o deserto ou sucata. Mas vários deles estavam deixando a USAF.

    Como isso se explica? Programas de reequipamento, fechamento de bases e repasse à ANG.

    Desde os anos anteriores, jatos F-16 Block 40 vinham sendo retirados de alguns esquadrões da USAF para reequipar algumas unidades da ANG (Guarda Aérea Nacional), que assim se livravam de seus F-16 Block 30, bem mais desgastados, e passavam a voar o Block 40, para os quais havia até perspectiva de atualização de sistemas.

    A leitura é bem interessante (e foi uma compilação que deu um certo trabalho e que, embora não tenha rendido muitos comentários, rendeu muitos cliques para leitura):

    http://www.aereo.jor.br/2012/02/01/contrastes-entre-novas-e-velhas-preocupacoes-das-bases-aereas-dos-eua/

  81. Tendo a concordar com colega que sugeriu que tem mais coisa no ar do que aviões de carreira. Acredito também que vai dar SH e os Block 40 viriam como tampões. Por que a FAB não procuraria, então, os dinamarqueses que vão se desfazer de seus F-16 MLU, esses mesmos que estão tirando o sono dos chilenos? Tal como o colega, cujo nome agora não me lembro, acredito que virão bondades mil para outras forças armadas. Menos OHP, com capacidade militar comprometida. Acredito que Espanha e Austrália venderiam com facilidade e barato as fragatas ( 2 de cada país) que não foram modernizadas.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here