Home Aviação de Caça Mirage 2000: se aposentando no Brasil, mas ainda interceptando na França

Mirage 2000: se aposentando no Brasil, mas ainda interceptando na França

1615
20

De três interceptações de aeronaves sem contato rádio feitas num mesmo dia pela Força Aérea Francesa, duas foram realizadas por caças Mirage 2000C e Mirage 2000-5. A terceira foi feita por um Rafale

 –

Na última segunda-feira, 12 de agosto, a Força Aérea Francesa divulgou nota a respeito de nada menos do que três interceptações de aeronaves realizadas por seus caças no espaço aéreo francês, num mesmo dia. As três missões ocorreram na quinta-feira anterior, 8 de agosto, num período de menos de duas horas.

A última das missões do dia foi realizada por um caça Rafale, mas as duas primeiras contaram com caças da família Mirage 2000, sendo que uma delas envolveu um Mirage 2000C equipado com radar RDI – ou seja, modelo similar ao que é hoje operado pela Força Aérea Brasileira e que, por aqui, tem sua retirada de serviço programada para o final deste ano.

Mirage 2000 em alerta de permanência operacional na França - foto Força Aérea Francesa

O alerta de defesa aérea francês é chamado de “permanência operacional” e os caças podem ser acionados tanto para interceptar um intruso que represente ameaça militar quanto aviões civis com perda de contato rádio, e foi este o caso das três interceptações do dia 8. Às onze da manhã, foi informado ao centro nacional de operações aéreas (CNOA) que um avião comercial proveniente da Grã-Bretanha perdeu o contato rádio. Em poucos minutos, um caça Mirage 2000-5* da Base Aérea de Creil decolou e interceptou a aeronave. Às 11h48, foi a vez de um Mirage 2000 RDI** de Orange interceptar um avião comercial proveniente da Itália e que se dirigia à Espanha. Por fim, às 12h09, um Rafale de Mont-de-Marsan interceptou aeronave vinda da Alemanha em rota para a Espanha. Por volta das 12h30, os três caças já haviam retornado às suas bases.

Perdas de contato rádio podem significar tanto uma falha técnica como algo mais grave, como um sequestro a bordo. Por isso, esses eventos são tratados com o máximo de precaução, mobilizando os meios da defesa aérea. Em 2012, um total de 128 perdas de contato rádio foram relatadas, das quais 36 resultaram em interceptações. No primeiro semestre deste ano, esses eventos já somam 76 perdas de contato, 20 das quais foram respondidas com interceptações da Força Aérea Francesa.

FONTE / FOTOS: Força Aérea Francesa (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em francês)

Mirage 2000-5 do esquadrão Cigognes - foto Força Aérea Francesa*NOTA DO EDITOR 1: os caças Mirage 2000-5 são operados pelo Esquadrão 01/002 “Cigognes”, baseado em Luxeuil (provavelmente a aeronave de alerta estava desdobrada em Creil). A versão operada pela França é uma modernização realizada em meados da década de 1990 em jatos Mirage 2000 C, incorporando sistemas similares aos que vinham sendo desenvolvidos para o Rafale.

Mirage 2000-5 do esquadrão Cigognes - foto 2 Força Aérea FrancesaOs caças receberam painel com telas digitais, novos computadores de missão e um radar RDY, compatível com os mísseis BVR (além do alcace visual) MICA. São operados apenas pelo Esquadrão “Cigognes”, que completou sua conversão para o modelo em 1999. Por serem de uma versão capaz de empregar os mais modernos mísseis ar-ar franceses (embora tenham capacidade ar-solo limitada quando comparados aos Mirage 2000D, dedicados a essa arena), não deverão ser aposentados tão cedo apesar do significativo acúmulo de horas de voo.

Mirage 2000 B do esquadrão Ile de France - foto Força Aérea Francesa**NOTA DO EDITOR 2: chamados de Mirage 2000 RDI para diferenciá-los dos modelos equipados com o radar RDY mais novo, são de fato os modelos Mirage 2000 C (monoposto) e B (biposto). Essas versões são praticamente iguais aos “F-2000” que a Força Aérea Brasileira opera hoje e que deverá aposentar até o final do ano, e foram os primeiros representantes da família Mirage 2000 a entrar em operação, em meados da década de 1980.

Mirage 2000 C do esquadrão Ile de France - foto Força Aérea FrancesaNos últimos anos, esquadrões que voavam os Mirage 2000 C/B na Força Aérea Francesa têm sido desativados, dentro da racionalização pela qual passa o “Armée de l’air”, reequipando-se gradativamente com o Rafale e reduzindo os tipos (e quantidades) de caças em operação. Resta apenas o Esquadrão 02/005 “Ile de France” operando em quantidade o Mirage 2000 C/B , cuja principal função hoje na França é a conversão operacional. O esquadrão forma pilotos capazes de empregar o Mirage 2000 operacionalmente, além de compor, como missão secundária, o sistema de defesa aérea e policiamento aéreo da França. A maioria dos caças Mirage 2000 C/B recebidos pelo Brasil entre 2006 e 2008 veio dos excedentes deste esquadrão.

VEJA TAMBÉM:

20
Deixe um comentário

avatar
17 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
12 Comment authors
Fighting FalconJustin CaseGuizmoMauricio R.Edcarlos Prudente Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Antonio M
Visitante
Member
Antonio M

Será que algum dos ocupadíssimos políticos de Brasília leram esse artigo? Ou pelo menos sabem da existência de um blog de assuntos de Defesa? Somente com este artigo talvez pudessem aprender alguma coisa sobre para quê serve uma aviação de caça. Neste caso em particular apesar de estarem utilizando equipamento defasado, está em curso sua substituição e iniciada a algum tempo atrás …..

Vader
Visitante
Active Member

A terceira foto, dos Mirage-2000-5 com 6 MBDA-MICA e 3 tanques é emblemática.

Que aeronave fantástica que seria um Mirage-2000 moderno. Que judiação a Dassault ter abandonado tal aeronave. O abandono de tal aeronave foi provavelmente o maior erro já cometido pela empresa francesa.

Antonio M
Visitante
Member
Antonio M

Fernando “Nunão” De Martini disse:
14 de agosto de 2013 às 14:32

Nem tudo está perdido…..

Obrigado Nunão.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Quem lê o título acha que estamos pondo no lixo os nossos.

Jackal975
Visitante
Jackal975

“- Aí eu te pehhhhgunto…COHHHHTA PRA 18, PICACHÚ!!! Eu te pehhhhgunto”:
Nossos militares não souberam nem escolher aeronaves usadas em bom estado ou compraram apenas o que o dinheiro consegiu, por isso vieram células com pouco tempo de vida?
Se algum dos comentaristas do site for de “dentro” das nossas forças armadas e souber a resposta, gostaria de saber.

eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

Vader concordo contigo a Dassalt deu um tiro no pé deixando o M-2000 e mirando só no Rafale .

Se fossemos comprar M-2000-5(9) (como tampoes) dos EAU creio que ficaríamos bonitos ,desde que viessem os 60 e dando um upgrade ae poderíamos entrar com a Saab ou ou Boeing em desenvolvimento de um vetor nacional .

Joner
Visitante
Joner

Não há duvidas que o M2000 é um bom caça, como disseram, se sua linha de montagem tivesse continuado em paralelo com o Rafale, os franceses teriam exportado alguns caças nos últimos anos.
Modernizados e bem armados seriam o “filé” da América Latina (na minha opinião, junto com os F-16 chilenos).

eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

Nunao em sua opiniao há chances de vir M2000-9 dos EAU em caso de tampao ??

Vader
Visitante
Active Member

Jackal975 disse:
14 de agosto de 2013 às 15:41

Caro Chacal, o F-2000 foi adquirido pelo Lula (leia-se: Marco Aurélio Garcia e Celso Amorim) com a desculpa de usar o dinheiro do FX (1) para o Fome-Zero.

A FAB teve pouco ou nada a ver com a escolha de tais caças. E muito menos ainda com o fato de ter tido que estender a manutenção de tais vetores além do prazo para o qual foram adquiridos.

Sds.

Edcarlos Prudente
Visitante
Edcarlos Prudente

Companheiro Joner boa tarde! Se eu não estiver enganado a proposta da Dassault para o finado FX-1 era transferir a linha de produção do Mirage 2000 para o Brasil, caso esta aeronave fosse à escolhida. A Dassault possuía participação acionaria na Embraer, isso na década de 90 de século vinte.
Imaginem meus amigos se o FX-1 não tivesse morrido e o Mirage 2000BR fosse o escolhido, por consequência seria produzido na Embraer até hoje.

Jackal975
Visitante
Jackal975

Obrigado pelos esclarecimentos. Como não sou do ramo, por um momento me assustei ao pensar “putz, mas será que nem escolher aeronave usada sabemos, acabando por selecionar as piores células, com curto tempo de vida útil??”. Assim ficou bem esclarecido, obrigado.
PS: desculpem a brincadeirinha de antes, é que eu tava assistindo aquele louco do Marcelo Rezende bem na hora, o cara é uma comédia, eu rio mais vendo o programa dele do que esses Zorra Total e Praça é Nossa da vida rsrsrsrsr

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Bem já sabemos então de onde é que virão os tampaxes dos tamapax.
Uma nova leva de tranqueiras.

Joner
Visitante
Joner

Pelo amor de qualquer coisa, alguém avisa o GF que na Africa do Sul tem 12 Gripens novinhos (muito bem estocados) e muito possivelmente a venda!

Guizmo
Visitante
Member
Guizmo

Concordo com você, Vader. A Dassault cometeu um crime tendo abandonado a família Mirage, tão histórica, tão eficiente e tão bem sucedida por todo o mundo.

Justin Case
Visitante
Member
Justin Case

Amigos,

Os museus estão cheios de aviões bem sucedidos em todo o mundo, eficientes, históricos.
Não basta que aviões tenham tido sucesso. Eles têm que dissuadir e vencer batalhas.
É evidente que aqueles que ainda são úteis não podem ser jogados no lixo. Embora ainda possam realizar missões de policiamento e treinamento na sua configuração original, eles ainda necessitam ser modernizados para colaborar em caso de conflito (principalmente nas fases já estabilizadas desse conflito).
Abraços,

Justin

Fighting Falcon
Visitante
Fighting Falcon

Para quem tem muito e em bom estado ainda vale a pena.
Já para nós… Não justifica.