Audiência pública sobre o F-X2 amanhã no Senado

F-X2 - uma necessidade do País - imagem FAB

vinheta-clipping-aereo As comissões de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara e do Senado fazem uma audiência pública conjunta nesta terça-feira (13) para discutir a compra, pela Força Aérea Brasileira, de 36 aeronaves de caça de múltiplo emprego, incluindo itens como os simuladores correspondentes.

Os parlamentares querem informações sobre a transferência de tecnologia necessária para a capacitação do parque industrial aeroespacial brasileiro no desenvolvimento de um caça de quinta geração. A audiência será às 14h30, no plenário 7 da ala Senador Alexandre Costa, no Senado Federal.

O objetivo é que essa transferência tecnológica ajude na capacitação tecnológica nacional, de modo a eliminar, progressivamente, a compra de serviços e produtos importados, e possibilitar a produção nacional de um caça. As novas aeronaves vão substituir as atuais Mirage 2000, que serão aposentadas no final deste ano.

O programa de atualização de aeronaves, conhecido como FX-2, foi orçado em cerca de US$ 7 bilhões (R$ 15,9 bilhões), e teve início em 2001. Os concorrentes pré-selecionados pelos critérios técnicos foram o francês Rafale (Dassault), o norte-americano F-18 (Boeing) e o sueco Gripen (Saab). As ofertas apresentadas pelas empresas estrangeiras vencem neste mês.

O autor do pedido da audiência, deputado Nelson Pellegrino (PT-BA), presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, disse que “a demora na complexa negociação de modernização dos equipamentos pode gerar prejuízos à capacidade de defesa do espaço aéreo brasileiro”.

— Renovar a frota é uma necessidade para responder aos novos desafios da Defesa: combater o narcotráfico e o terrorismo, proteger todo o espaço aéreo e áreas sensíveis como as do pré-sal e da Amazônia, e ainda a extensa faixa de fronteira do País.

Pellegrino disse ainda entender “que dois critérios nos parecem importantes para a decisão que as autoridades competentes do Brasil deverão tomar a respeito: o primeiro é o acesso à tecnologia do controle das aeronaves; o segundo as eventuais parcerias que os fornecedores podem estabelecer com a indústria aeronáutica nacional, permitindo agregar conhecimento e oportunidades de negócio”.

FONTE: R7

Subscribe
Notify of
guest

8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rafael M. F.

Audiência pública no Senado?

Cri… cri… cri…cri… cri…

Rafael M. F.

Música de fundo:

Tan… tantantan… tan… tantan… tantan… tantan…

Augusto

Hoje no Globo News Em Pauta aconteceu algo curioso: a Eliane Catanhede falou durante todo o programa sobre o FX-2. A primeira pauta era o trem-bala, mas ela sempre voltava ao FX-2.

Ela dizia: “esse trem bala é mais uma dessas novelas que ninguém aguenta mais, como o FX-2 que já dura 17 anos e ainda não foi resolvido por indecisão do governo” e começava a descer o pau na demora.

Até mesmo quando mudaram a pauta e começaram a falar de um empreendedor estadunidense ela insistia em falar do FX-2!

jacubao

Já sabemos o final disso….. “NÃO VAI DAR EM NADA!!!!!!”

Vader

Vamos ver que bicho que vai dar isso aí.

Edgar

Interessante notar o texto descritivo do FX-2 na Agenda do Dia do Senado, nas páginas 35-36: “1ª PARTE Audiência Pública Assunto / Finalidade: Audiência Pública com o objetivo de tratar do Projeto FX-2, da Força Aérea Brasileira, que consiste na aquisição de 36 aeronaves de caça de múltiplo emprego, incluindo itens como os simuladores correspondentes, a logística inicial e, sobretudo, a transferência de tecnologia necessária para a capacitação do parque industrial aeroespacial brasileiro no desenvolvimento de um caça de quinta geração.” http://www19.senado.leg.br/sdleg-getter/public/getDocument?docverid=d8bfabcc-45cc-4f3b-8870-de0018047046 Interessante eles citarem a ToT como “sobretudo”. Me lembra um desabafo de certo “entusiasta” aqui do blog: “O… Read more »

eduardo pereira

Aguardando cenas do próximo capítulo ansiosamente !

Sniper

Otimo! tudo que presisávamos agora é um petralha se enfronhando nessa nova “comissão da fantasia”.