Home Aviação de Patrulha Dois P-3AM cobrem mais de um milhão de quilômetros quadrados no mar...

Dois P-3AM cobrem mais de um milhão de quilômetros quadrados no mar durante Operação Albacora 2013

269
18

P-3ABR foto FAB

Duas aeronaves P-3AM da Força Aérea Brasileira cobriram uma área superior a um milhão de quilômetros quadrados e identificaram 230 embarcações durante a Operação Albacora 2013, realizada na primeira quinzena de julho. Em doze dias, um P-3AM baseado em Fortaleza (CE) e outro em Natal (RN) conseguiram mapear toda a atividade marítima pelos navios na região que envolve o arquipélago de Fernando de Noronha e os Penedos de São Pedro e São Paulo.

De acordo com o Tenente Coronel Fábio Morau, Comandante do Esquadrão Orungan, durante a Albacora 2013 os P-3AM utilizaram sistemas embarcados capazes de detectar todo tipo de embarcação, inclusive à noite. “A tecnologia aeroembarcada é a mais moderna do mundo e nós somos capazes de realizar diversos tipos de missões”, explica.

EDA 60 anos - P-3AM com bomb bay aberto - foto Nunão - Poder Aéreo

P-3AM - radomes sob a fuselagem - foto Nunão - Poder Aéreo

Com mais de 30 metros de uma ponta da asa à outra e com o comprimento de nove carros populares enfileirados, cada P-3AM é capaz de realizar voos com até 16 horas de duração, o suficiente para patrulhar grandes áreas do litoral brasileiro ou até para ir à África e voltar em uma mesma missão. Dentro da fuselagem, computadores ligados em rede postos lado a lado fazem a cabine parecer uma lan house. A diferença é que as telas mostram dados de sensores como o radar, detector de anomalias magnéticas e sistemas visão de longo alcance, inclusive para observação noturna.

Vigilância e proteção do meio ambiente

As operações acontecem de forma conjunta com a Marinha do Brasil e envolvem, sobretudo, a vigilância da zona econômica exclusiva (ZEE) brasileira. Os P-3AM da FAB também atuam nas missões de busca e salvamento. Por força de Tratados Interncionais, o Brasil é responsável pela busca e salvamento de uma área de 22 milhões de Km², quase três vezes o território continental do País, o que também inclui praticamente a metade do Atlântico Sul.

Operações como a Albacora também podem resultar na defesa do meio ambiente. Em missões de patrulha, as aeronaves da FAB podem identificar embarcações que deixam vazar óleo ou realizam a prática de “lavagem de porão”, quando os tanques são lavados com a água do mar. Essas práticas criminosas afetam a vida marinha.

Imagem de navio em sensor - FAB

Os sensores do P-3AM conseguem identificar os rastros na superfície do mar e, desta forma, identificar a embarcação de origem, mesmo muitas horas depois da abertura dos tanques. O P-3AM pode fotografar o navio infrator e encaminhar as fotos com um relatório para as autoridades ambientais, como prova para a aplicação de multas.

A FAB começou a receber seus P-3AM a partir de 2011. Ao todo, oito unidades farão parte do Esquadrão Orungan, baseado em Salvador (BA), mas capaz de atuar em qualquer ponto do Brasil.

FONTE / IMAGEM DO ALTO E DE BAIXO: FAB (II FAE e Agência Força Aérea)

VEJA TAMBÉM:

18
Deixe um comentário

avatar
13 Comment threads
5 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
sergiocintraSoldateduardo pereiraGuilherme PoggioEleazar Moura Jr. Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Guizmo
Visitante
Member
Guizmo

Excelente Missão, Parabéns ao Esquadrão!

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

P-3AM, vai aí um galho de arruda, que o P-99 tá te olhando torto!!!

Roberto Bozzo
Visitante
Member
Roberto Bozzo

Srs, sabem informar a vida útil dos P3 ? E se a FAB já esta pensando num substituto ?
A meu ver deveriam pensar numa versão do KC 390 para o futuro.

Fighting Falcon E/F
Visitante
Fighting Falcon E/F

Conta rápida de padeiro:
2 P-3BR patrulharam 1 milhão de km em doze dias; (média de 41.666 km²/dia)
Se temos uma área de 22 milhões de km precisamos de 11 P-3BR para fazer o mesmo no mesmo tempo. Vamos ter oito ao final das entregas.
Mesmo considerando os outros três esquadrões de P-95, não estamos aquém da quantidade mínima necessária para cumprir a contento essa missão?

Eleazar Moura Jr.
Visitante
Eleazar Moura Jr.

E o armamento: mísseis anti-navio tipo Harpoon, torpedos, etc. chega quando? se é que vêm……

Fighting Falcon E/F
Visitante
Fighting Falcon E/F

Nunão,
Com relação as aeronaves “Legacy 600 ou Phenom 300”, esse tipo de aeronave (a reação) é o ideal para esse tipo de operação.
Sei do P-8, mas de acordo com “as melhores práticas do mercado” aeronaves a reação não possuem um desempenho além do necessário para desempenhar bem a função?
Pq se forem ideais para a função, pq não pensar em um P-390? Maior capacidade, autonomia, etc.

eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

Essas futuras versoes da Embraer terao capacidade para lançamento de armamentos como o P-8 ou o P-3AM??

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

A FAB não tem obrigação alguma que pensar em um eventual P-390, quem tem que faze-lo é a Embraer, esta é a sua função; o produto é dela. O que valeria tb, p/ qualquer outra plataforma deste mesmo fabricante. A FAB cabe observar as diversas opções presentes no mercado e selecionar aquela que lhe atenda melhor suas necessidades, de acordo com suas possibilidades. E se isto nos levar novamente ao P-3, que contratemos a reforma e a modernização destas células, c/ alguém realmente capacitado a faze-lo; assim como a própria Lockheed-Martin. Qnto ao C-295, suas atuais restrições operacionais ainda pendentes… Read more »

Fighting Falcon E/F
Visitante
Fighting Falcon E/F

Gente,
São poucas aeronaves em utilização para esse fim, mas ao menos eles possuem ao contrário de algumas outras aviações da FAB, agora a questão do reequipamento será que daqui a 15 a 20 anos (período de transição para uma nova aeronave, o projeto “390” será a melhor opção?
Vamos aguardar.

Soldat
Visitante
Member
Soldat

Foi uma bela aquisição esses P-3.

Fighting Falcon E/F
Visitante
Fighting Falcon E/F

Maurício R.
Se não me engano a proprietária intelectual do projeto “390” é a FAB.
Me corrijam se falei besteira.
Se for, ela deve ter pensado nas possibilidades de evolução da célula lá atras. Concordo que a EMBRAER tem obrigação de IMPLEMENTAR uma política de divulgação e busca de parceiros para o negócio, não assumir sozinha algo que as vezes nem o mercado interno tem interesse.

eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

O E-190 AEW&C que consta no link postado pelo Poggio e pelo Nunao ficou bem bacana e o aviao parece ter a mesma dimensao ou pouco menor que o P-8 Poseidon, creio que nao seria muito dificil pra Embraer converter o mesmo para uma versao de patrulha maritima e ASW como o P-3 ,me corrija se eu estiver errado .

sergiocintra
Visitante
sergiocintra

O projeto do 390 é para carga, não para “aviônicos”. Óbvio que adapta-se qq coisa dentro daquele espaço, tem-se a vantagem da asa alta -ideal para uma patrulheiro, como o 295/ATR- mas como o c-130/c-17/a-400 o projeto tem outro sentido. Lembrando que embora “patrulheiros” o P-3/P-8, em outras classes o p-95/p-99, não possuem asa alta mas derivados de aviões comerciais, lhes caem bem o recheio eletrônico, assim seguindo a linha um 190 seria mais razoável, para pensar num futuro substituto.