Home Noticiário Nacional Força Aérea Brasileira restringe espaço aéreo durante visita do papa

Força Aérea Brasileira restringe espaço aéreo durante visita do papa

574
6

PAMA-SP 2012 - 22set - F-5EM FAB -  foto Nunão - Poder Aéreo

vinheta-clipping-aereoCom a visita do papa Francisco ao Brasil, o Comando da Força Aérea Brasileira (FAB) definiu medidas de controle e defesa do espaço aéreo durante a Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro e em Aparecida do Norte, no interior de São Paulo. De acordo com o Comando de Defesa Aeroespacial, as medidas servem para aumentar a segurança e minimizar o impacto no transporte aéreo e incluem a restrição de voo em determinados espaços.

As áreas com voo restrito foram comunicadas à comunidade aeronáutica por meio de notam (notice to airmen, aviso aos aeronautas).

Também serão intensificadas as ações de defesa com o uso de aeronaves de defesa (F-5M Tiger, A-29 Super Tucano), transporte (VC-2, C-105 Amazonas, C-95 Bandeirante, C-97 Brasília), reconhecimento (VANT RQ-450, E-99) e asas rotativas (VH-34 Super Puma, H-34 Super Puma, H-60 Black Hawk).

PAMA-SP 2012 - dom23set - H-34 Super Puma FAB - foto Nunão - Poder Aéreo

Durante a passagem de Francisco, que fica até domingo (28) no Brasil, todo o transporte aéreo do líder da Igreja Católica será feito pela FAB, bem como o esquema de defesa durante os deslocamentos aéreos.

O avião que trouxe o papa aterrisou na Base Aérea do Galeão às 15h43. Ao entrar no espaço aéreo brasileiro, o pontífice recebeu uma mensagem de boas-vindas da FAB.

“Sua Santidade acaba de entrar na área sob responsabilidade do sistema de controle do espaço aéreo brasileiro, que cobre 22 milhões de quilômetros quadrados. O Departamento de Controle do Espaço Aéreo deseja boas-vindas para a aeronave que transporta o papa Francisco e sua delegação. Seja bem-vindo ao Brasil e para Jornada Mundial da Juventude de 2013. Deus abençoe a sua jornada”, dizia a mensagem.

O texto foi lido em inglês, via rádio, e também por um sistema de transmissão que funciona como mensagem de texto de aparelhos celulares.

Francisco veio ao Brasil para a Jornada Mundial da Juventude, que começa amanhã (23) e vai até domingo (28). Ele foi recebido pela presidenta Dilma Rousseff, pelo governador Sérgio Cabral, pelo prefeito Eduardo Paes, pelo arcebispo do Rio, dom Orani Tempesta, e pelo presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Raymundo Damasceno, entre outras autoridades.

A atuação da FAB durante o evento, faz parte de uma autorização da Presidência da Republica para o emprego temporário das Forças Armadas em prol da garantia da lei e ordem.

FONTE: Agência Brasil

6
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
Guilherme PoggioJonerandreasFernando "Nunão" De Martini Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Joner
Visitante
Joner

Deve ser muito triste a vida de piloto da FAB, deve ser assim: Ele recebe uma missão de patrulha, se dirige ao “seu fe5” olha para ele e ve só um tanque externo instalado, deve balançar a cabeça e a primira coisa que deve fazer é verificar se o canhão esta ao menos carregado!
Se essa foto acima é de um caça que “restringia” o espaço aéreo no local, é uma imagem MUITO TRISTE! (desdentado) 🙁

andreas
Visitante
andreas

Nunão, o míssil dessa imagem é um Piranha B, não?

Sei que a FAB possui uns 38 Derbys, e além deles, temos quantos Piranhas?

Joner
Visitante
Joner

Sim Nunão, eu concordo com suas observações, mas o que quis dizer é que na FAB voar caça “limpo” já virou rotina a muitos anos, e isso não é por opção, trata-se de descaso dos governos. Na minha modesta opinião, um espaço aéreo sobre restrição fica monitorado por radares o tempo todo, com sistemas (SAM) posicionados e alguns caças armados e abastecidos em alerta NAS bases, já que com o radar sem alertas, não precisa colocar caças no ar. E aproveitando o assunto, sei que misseis não ficam armazenados de maneira que estejam prontos para uso, e sim ficam alojados… Read more »

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Caro Joner

Há outros motivos também para os nossos caças não voarem com os mísseis mais vezes. Eles aumentam o peso e geram arrasto, aumentam o momento das asas (levando à fadiga do material de forma antecipada) e reduzem a vida útil de certos componentes do próprio míssil.

Estamos voando caças de 40 anos, e pelo frigir dos ovos alguns terão que voar muito além disso. Se eles levarem mísseis nas asas todo o tempo poderemos encurtar ainda mais a vida deles e ficarmos sem nada.

Abrs