segunda-feira, outubro 18, 2021

Gripen para o Brasil

Dos biplanos aos furtivos: 131ª Ala de Bombardeiros da USAF faz 90 anos

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

B-2 com pessoal da 131 ala fazendo inspeção - foto USAF

Na quinta-feira, 27 de junho, a Força Aérea dos EUA (USAF) publicou uma interessante reportagem sobre o aniversário de 90 anos da 131ª Ala de Bombardeiros e seu 110º Esquadrão de Bombardeiros, que hoje voa aeronaves furtivas B-2 mas que traça suas origens no 110º Esquadrão de Observação, que começou seus voos com os lendários biplanos Curtiss JN-4 “Jenny”, voados por veteranos da Primeira Guerra Mundial.

Membros do 110 OS - origem da 131 Ala - Douglas O-2H - foto USAF

É uma longa narrativa em inglês – longa demais para publicar aqui uma tradução – mas que vale a pena ler, para quem tiver a possibilidade. O texto original cobre desde a aquisição das primeiras aeronaves por doações e por sobras de guerra, incluindo voos com três pilotos (um deles se amarrava na asa para trocar de lugar em voo com outro embarcado, para o máximo de pilotos aproveitarem a mesma missão sem perda de tempo com pousos e decolagens).

Em seguida, a narrativa passa pela presença de Charles “Slim” Lindbergh antes de seu histórico voo transatlântico no “Spirit of St. Louis”, e pelas mudanças de equipamento ao longo das décadas de 1920 e 1930 até as missões na Segunda Guerra Mundial, nos anos 1940 (dos De Havilland D-4 Consolidated PT-1 “Trusty”, Curtiss Falcon O-11, Douglas 0-2H e O-38 até os Douglas A-20 “Havoc”, Bell P-39 “Air Cobra” e Curtiss P-40 “Warhawk). Também fala sobre os ases da Segunda Guerra que serviram na unidade.

Primeiras aeronaves do 110 OS - origem da 131 Ala - Curtiss Jenny - foto USAF

Depois, a narrativa vai ao pós-guerra e envolve tipos tão diferentes quanto os North American T-6 “Texan”, P-51 “Mustang” e B-25 “Mitchell,” Douglas B-26 “Invader” e C-47 “Skytrain”, além do Beechcraft C-45 “Expeditor”. Após a Guerra da Coreia, vem uma fase de 40 anos em que a 131ª Ala voou só caças, como o Republic F-84F “Thunderstreak”, o North American F-100 “Super Sabre”, chegando às diversas “fornadas” de caças McDonnell-Douglas: F-4C e E “Phantom II” e F-15 A/B e C/D “Eagle”.

E finalmente, a história da unidade após 2006, quando a ala passou a manter e voar o bombardeiro Northrop B-2 “Spirit”, sendo uma unidade da Guarda Aérea Nacional associada à Base Aérea de Whiteman, operando ali junto a suas contrapartes de linha de frente.

B-2 - foto USAF

FONTE / FOTOS: USAF (clique no link para acessar texto integral em inglês e mais fotos históricas)

- Advertisement -

9 Comments

Subscribe
Notify of
guest
9 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
eduardo pereira

Falando em bombardeiros, alguem pode me esclarecer uma duvida sobre ser ou nao possivel utilizar-se de avioes de transporte como bombardeiros ,como acontece no filme “Epidemia” onde lançam por duas vezes no filme uma bomba que parece um tamborsao e desencadeia um incendio tipo combustao ao tocar o solo arrasando tudo em um perimetro especifico, no caso fazendo ou nao adaptaçoes ??
Na minha mente só vem destruiçao e morte quando vejo este magnifico aviao (B-2) que se decolar pra missao em algum lugar coisas e pessoas deixarao de existir com certeza .
Um belíssimo bumerang ,caaaaro e mortal!!

Max

Eduardo,
A BLU-82 Daisy cutter é lançada por aviões cargueiros C-130 .

Guizmo

O 390 da Embraer poderia ter uma versão B-390, equipados com carga interna de bombas de queda livre ou mísseis ASM. Apesar de nem termos direito a aviação de caça, após os impasses do FX-2, uma força de bombardeiros seria importante. A FAB inclusive já teve, com os B-26 Liberator (ou 25 Mitchel?) e B-17.
Abs

eduardo pereira

Valeu Max, encontrei artigo sobre ela no wick e era ela mesma no filme que mencionei a qual foi substituida pela MOAB que também é lançada por cargueiros ,porém tem um poder de destruiçao muito maior !!

eduardo pereira

E pensar que o Brasil ja teve até bombardeiros (médios),mas bombardeiros, tomara que alguem na Embaer ou na Fab sonhe delirantemente com uma versao KC-390 B e a desenhe ao menos e demonstre assim como uma versao de apoio aereo artilhada como o super Hercules

joseboscojr

Eduardo,
Hoje em dia é praticamente impossível haver um bombardeiro convencional que não seja furtivo.
Baseado num avião de transporte convencional o máximo que se pode ter é uma versão artilhada para operações assimétricas e uma versão lançadora de mísseis cruise de longo alcance.
http://up-ship.com/blog/wp-content/uploads/2011/08/747-200F-ALCM-Carrier-1024×288.jpg
Mesmo os EUA só usa como bombardeiro convencional em operações de alta intensidade só o B-2, enquanto o B-52 e o B-1B são usados como vetores de mísseis cruise.
Claro, em operações assimétricas tudo serve pra jogar bomba, até o C-130.

eduardo pereira

Valeu pessoal , agora to zarpando p/ um acamp da igreja e talvez só nos comuniquemos na segundona, bom fim de semana pra todos !! Deus os abençoe!!

Guizmo

Verdade Nunão, pequena confusão….

Últimas Notícias

China nega ter testado um míssil hipersônico com capacidade nuclear, diz que era um veículo espacial

Pequim (CNN) — A China negou uma reportagem de que testou um míssil hipersônico com capacidade nuclear em agosto,...
- Advertisement -
- Advertisement -