Home Aviação de Transporte Começa a fabricação dos motores do KC-390

Começa a fabricação dos motores do KC-390

1064
4

IAE CFM V2500

Avião da Embraer será última aeronave a empregar os CFM V2500. Produção civil deve terminar em 2018, enquanto a militar deverá prosseguir até 2025 devido ao programa do jato brasileiro

 –

vinheta-especialA International Aero Engines (IAE) vai começar a construir o primeiro motor de teste V2500-E5 para o avião de transporte KC-390 da Embraer na próxima semana.

A “joint venture” planeja oferecer três motores de teste para a fabricante brasileira este ano, e mais três no primeiro trimestre de 2014, disse o presidente da IAE, Jon Beatty. O primeiro KC-390 deve voar no segundo semestre de próximo ano.

O V2500-E5, que é quase idêntico ao “-A5” do Airbus A320, deve ter a sua certificação civil no terceiro trimestre de 2014. Entregas de produção deverão começar no final de 2015 e o cargueiro da Embraer deverá entrar em serviço com a Força Aérea Brasileira no início de 2016.

A produção da V2500 para clientes de companhias aéreas deve encerrar em breve com o aumento da procura pelo Pratt & Whitney PW1100G, mas o programa KC-390 deve manter o motor em produção até 2025, disse Beatty. A Embraer já tem cartas de intenção para 60 aeronaves a partir de seis clientes, e vê um mercado de quase 730 novos aviões ao longo de 10 anos.

O conteúdo do “-E5 ” é praticamente idêntico ao do “A5”, mas os acessórios externos são diferentes. A IAE está fornecendo o sistema de propulsão completa, incluindo a nacele, que está sendo produzido pela divisão Shorts da Bombardier e é semelhante à nacele da UTC Aerospace Systems para o A320. O V2500-E5 deve produzir 31.33 libras de empuxo para o KC-390. O A5 é certificado para 33.000 libras para o A321 “, portanto, nós temos quase 10% de crescimento inerente, se necessário”, diz Beatty.

A IAE já entregou mais de 5.700 motores e tem outro 1600 pedidos. Há uma oportunidade de vender mais de 700 motores para os A320 “clássicos” que ainda precisam ser entregues antes que a linha de produção seja totalmente orientada para o programa A320NEO.

Tabela de características motores família V2500 - imagem IAE

A produção está aumentando para mais de 500 motores neste ano, contra mais de 470 em 2012, e continuará a aumentar para mais de 530 em 2014, antes de começar a desacelerar com a produção do  PW1100G pela Pratt & Whitney. “Temos pedidos firmes até 2018”, diz Beatty.

A P&W é dona de 66% do IAE, depois de comprar a participação da Rolls-Royce em 2010. Desde novembro, ela tem vendido tanto o V2500 para o A320 como o PW1100G para as famílias A320neo. “Dos 13 clientes do NEO [PW1100G], nove também são clientes do V2500”, diz Beatty.

FONTE: Aviation Week (tradução e adaptação do Poder Aéreo a partir do original em inglês)

IMAGENS: IAE (clique no link para baixar arquivo pdf de duas páginas da família V2500, que inclui a tabela de características acima).

VEJA TAMBÉM:

4
Deixe um comentário

avatar
4 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
SoyuzClésio Luizasbueno Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
asbueno
Visitante
Member
asbueno

Não teria sido mais interessante a opção pela PW1100G, mais econômica?

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

Estamos no limiar de uma nova geração de motores, os “geared turbofans”, que andam prometendo economia de combustível na casa de 10 a 15%. Só que isso é tecnologia nova, envolve um maior número de partes móveis no motor e muito provavelmente os primeiros motores tem entrega prioritária para clientes antigos, como os novos modelos do 737 e A-320. É provável que os preços sejam mais altos também, e como todo motor novo, pouco se sabe sobre sua manutenção à longo prazo.

Acho que por esses motivos a Embraer preferiu optar pelo que já é garantido e usou a V2500.

asbueno
Visitante
Member
asbueno

Clésio Luiz disse:
18 de junho de 2013 às 16:48

Os motivos são bem razoáveis para a escolha feita. Valeu.

Soyuz
Visitante
Member
Soyuz

Tem que considerar que motores como o PW100G possuem maior diâmetro do fan e por consequência maior vulnerabilidade à FOD.