Home Operações Aéreas Caças Rafale franceses da Marinha e da Força Aérea na ‘Semana de...

Caças Rafale franceses da Marinha e da Força Aérea na ‘Semana de Defesa Aérea’

452
9

Dois caças Rafale Marine na Semana de Defesa Aérea - foto Marinha Francesa

Nesta sexta-feira, 31 de maio, a Força Aérea Francesa divulgou nota sobre a realização da “Semana de Defesa Aérea” (Air Defense Week), treinamento em que desde o dia 21 até hoje diversas unidades estiveram engajadas, num exercício coordenado pela Marinha Francesa (Marine Nationale) a partir da Base Aeronaval de Landivisiau. A Marinha Francesa também divulgou nota sobre o exercício na quarta-feira, dia 29.

A Força Aérea Francesa (Armée de l’air) participou com um Rafale biposto do Esquadrão 1/91 “Gascogne”, um Rafale C do Esquadrão 1/7 “Provence”, um Rafale C do  Esquadrão 2/30 “Normandie-Niemen”, um Mirage F1, um C160 Transall, um Hercules C130 e dois reabastecedores C135. Também fizeram parte do exercício aeronaves da Suíça (sete caças F-18) e do Reino Unido (dois helicópteros Sea King).

Patrulha mista entre caças Rafale da Força Aérea e da Marinha Francesa - foto Marine Nationale via Força Aérea Francesa

O foco da semana de treinamentos foi defesa aérea, controle do espaço aéreo,  além de detecção e ataque de navios, permitindo testar a coordenação e interoperabilidade de forças e seus equipamentos num ambiente “interarmas” e “interaliados”.

Segundo a Marinha Francesa, participaram do exercício os destróieres de defesa aérea Cassard francês e HMS Diamond britânico. Os caças e aeronaves navais empregados pelos franceses foram 12 Super Étendard Modernisé (SEM), 12 Rafale Marine e 1 Hawkeye, além de um avião de patrulha marítima Atlantique 2.

Rafale Marine decolando com F-18 suíço em primeiro plano na Semana de Defesa Aérea - foto Marinha Francesa

Na nota da Força Aérea Francesa, foi publicado um relato de um piloto de Rafale do Esquadrão “Gascogne”:

“Na Semana de Defesa Aérea, eu participei de uma patrulha conjunta, também chamada de MFFO (Mixed Fighter Forces Operation  – operação de forças mistas de caças). Juntamente com um Rafale Marine (versão naval do Rafale, também chamada de Rafale M), nosso papel era prover a defesa aérea de um elemento específico, no caso, um navio. Nesse exercício conduzido pela Marinha, nós coordenamos nossa ação conjunta compartilhando as comunicações. Estamos acostumados a trabalhar juntos, e operamos de acordo com os mesmos procedimentos, compartilhando um conjunto comum de competências. Isso foi exemplificado em especial nas missões conjuntas que conduzimos durante a Operação Harmattan, sobre a Líbia. Além disso, a conversão de pilotos navais e da Força Aérea é feita há muitos anos no Esquadrão 1/92 “Gascogne”*, em Saint-Dizier”.

Sea King britânico na Semana de Defesa Aérea - foto Marinha Francesa

FONTES / FOTOS: Força Aérea Francesa e Marinha Francesa (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de originais em francês)

*NOTA DO EDITOR 1: há um erro na nota original, pois o nome correto do esquadrão de conversão operacional para o Rafale é 1/92 “Aquitaine”. Aém disso,  os “muitos anos” aos quais o aviador se refere somam, na verdade, cerca de dois anos e sete meses. Para saber mais sobre essa unidade de conversão e assuntos relacionados, veja os links da lista abaixo.

NOTA DO EDITOR 2: reparar que o Sea King britânico mostrado na foto logo acima, disponibilizada pela Marinha Francesa em sua nota sobre a “Air Defense Week”,  é uma versão de alerta aéreo antecipado. O equipamento de radar é visto em sua posição recolhida, logo atrás da carenagem da roda direita do trem de pouso principal.

VEJA TAMBÉM:

9
Deixe um comentário

avatar
9 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
7 Comment authors
ControlAlmeidaAntonio MIvanci_pin_ha Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

A segunda foto ficou bacana. Fazia um tempo que não reparava como são finas as asas do F-18, seguindo a escola do F-104 e do F-5. Antigamente se faziam as asas com 2 ou 3 longarinas principais, mas com a necessidade de se afilar as asas por causa do voo supersônico, apelou-se para as multilongarinas (a partir do F-104), responsáveis pela notável resistência das finas asas dos caças mais novos, como o F-16, por exemplo, capazes de transportar quase 5 toneladas por asa, cada uma com menos de um palmo de espessura na raiz.

Colombelli
Visitante
Member
Colombelli

Vendo o Sea King, surgem perguntas. O que farão com os nossos? Vão dar baixa definitiva? Não seria o caso de mantê-los voando como SAR ou transporte de tropas?

ci_pin_ha
Visitante
ci_pin_ha

Eles tem potenciais para serem modernizados, mas acho que deve depender do tempo necessário para comprar mais SH-60. Temos de evitar riscos desnecessários, se demorarem mais uns 5 anos para serem desativados, vale a pena moderniza-los e prevenir riscos de acidentes. Além do mais, nossas Forças Armadas nunca tem uma boa quantidade de helicópteros.
Uma coisa interessante é modernizar uns quatro e modificá-los para alerta aérea antecipado, assim poderiam operar no NAe São Paulo em apoio aos A-4M.

Será que os Ec725 podem receber um radar e fazer operações de alerta aérea antecipado?

ci_pin_ha
Visitante
ci_pin_ha

Colombelli
Seria interessante se mantivéssemos uma quantidade de Sea King (modernizado) para o transporte de fuzileiros navais

Colombelli
Visitante
Member
Colombelli

Ci_pin_ ha Foi justamente o que pensei, lembrando dos ingleses,que usam pra transporte e estão reformando e modernizando os seus pra continuar nesta função. Ainda que as outras sugestões que mencionaste talvez fossem meio caras e por isso inviáveis, para transportar tropas não teria muita coisa a ser feita. A questão seria so manter voando, o que, em princípio, teria bom custo/benfício. Com certeza é melhor alternativa que fazer “doações” a paises vizinhos ( e as vezes traíras) como fizeram com o sapão na FAB. Tudo vai depender do tempo que poderiam voar ainda para ver se vale. A MB… Read more »

Ivan
Visitante
Member
Ivan

A Armada Española mantém 7 (sete) SH-3 Sea King para transporte de tropa e SAR, além de mais 3 (três) para AEW.

Sds.

Antonio M
Visitante
Member
Antonio M

A MB está recebendo/receberá também os S70 e S-2 Tracker, se a quantidade não é o ideal mas ao menos poderá atuar nesse teatro.

Quanto aos SH3, pelo que sei poderiam ser modernizados no Brasil para cumprir estritamente missões SAR por bons anos ainda.

Almeida
Visitante
Member
Almeida

Se a MB seguir com sua ilusão de operar um porta aviões com dotação completa, então a aeronave AEW será o S-2 Turbo Tracker modernizados para esta função. Células usadas do tipo já foram compradas e passam neste momento pela atualização estrutural e de motorização.

Quanto aos Sea King, dado que a MB teve que entubar DEZESSEIS EC-725 que NUNCA PEDIU, eles estão fora do jogo, abandonados até completar-se a dotação de MH-16 do HS-1, quando serão aposentados de vez.

Control
Visitante
Control

Srs

Considerando que os EC 725 estão bichados, é bom que a MB fique esperta e não conte muito com eles, pois não há solução a vista até o presente. Uma medida sensata seria, pelo menos, manter operacionais os Sea King para a função SAR.

Sds