Home Asas Rotativas ÁGATA 7 – Helicóptero da FAB intercepta aeronave em Rondônia

ÁGATA 7 – Helicóptero da FAB intercepta aeronave em Rondônia

435
29

AH-12 Sabre - foto 2 P Rezende - FAB

Um helicóptero da Força Aérea Brasileira (FAB) interceptou, na manhã de quinta-feira (23/5), um avião de pequeno porte não identificado pelos radares a cerca de 200 km da cidade de Porto Velho, capital de Rondônia. O acionamento ocorreu por volta das 9 horas. O helicóptero de ataque AH-2 Sabre do Esquadrão Poti (2º/8º GAV) decolou em menos de 10 minutos da Base Aérea de Porto Velho (BAPV).

Fizemos um reconhecimento à distância e a foto-filmagem da aeronave para averiguação de dados, além de um acompanhamento por dez minutos. As informações foram repassadas para o controle de defesa aérea e, depois de analisadas, a aeronave seguiu sua rota normalmente, pois não foram constatadas irregularidades”, ressaltou o piloto do helicóptero.

“Esse tipo de missão, de policiamento aéreo, é rotineira para o Esquadrão Poti na Amazônia Ocidental. O Sabre já foi utilizado na Rio + 20 e será empregado também nos próximos grandes eventos programados para o Brasil”, explicou o chefe da seção de operações do esquadrão.

O policiamento do espaço aéreo brasileiro faz parte da Operação Ágata 7, do Ministério da Defesa, que tem o objetivo de combater o tráfico de ilícitos na região de fronteira.

FONTE: CENTRO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA AERONÁUTICA

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
29 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Almeida
Almeida
7 anos atrás

Seria muito mais missão cumprir esta missão com um A-29. Mas ei, a FAB precisa achar uma missão para estes elefantes brancos, certo?

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Almeida:

E segundo um milico, o asa rotativa em questão saiu 30% mais porque tinha uns caras “intermediando” o negócio.

Wagner
Wagner
7 anos atrás

É um excelente helicóptero e está cumprindo bem suas funções, conforme a reportagem o mostra.

mas como é russo, nossa, o preconceito está em cima…

se fosse um lixo americano da decada de 50, nossa, aí seria uma maravilha !!

Augusto
Augusto
7 anos atrás

Bela e eficiente aeronave, está mostrando a que veio.

ci_pin_ha
ci_pin_ha
7 anos atrás

seja lá qual for a verdadeira motivação da compra dos Mi-35, o que importa é que eles estão ai e tem suas vantagem, podem força uma aeronave a pousar, prender seus integrantes “ao mesmo” tempo e fazendo-se cumprir o poder de policia da FAB.

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Uma aeronave que a FAB não pediu, que não queria, mas que teve de aceitar.

A verdade é que os russos impuseram ao GF alguma coisa. Mandamos carne e eles mandaram helicópteros.

Agora resta a FAB fazer gambiarras para operá-lo e arranjar operações para as mesmas.

No final, o custo operacional de um monte de aeronaves de diferentes modelos, diferentes origens vai simplesmente aumentar os custos, cujo valor vai ser pago pelo contribuinte.

Marcos
Marcos
7 anos atrás

correção:

No final, os custos operacionais de um monte de aeronaves de diferentes modelos e origens vai simplesmente ser maior, cujo valor vai ser pago pelo contribuinte.

Colombelli
Colombelli
7 anos atrás

Todos os colegas estão certos. O helicoptero perde pra alguns ocidentais em alguns quesitos, mas levando em conta que temos poucos recursos e temos de extrair o máximo deles, este é um modelo que pode levar soldados, e nisso acaba tendo uma vantagem relativa, especialmente no cenário amazônico ou em infiltrações de Forças Especiais. Como helicoptero de ataque, cumpre a missão satisfatoriamente, especialmente no cenário latino americano. A de interceptação seria mais apropriada para o Super Tucano, mas ja que o Sabre estava lá e “desembocou a missão”, melhor. Porém, é inegável que ele acabou sendo “entubado” para a FAB… Read more »

Ricardo Cascaldi
7 anos atrás

Pessoal tá ficando velho e rabugento ( e isso não é falar mal de pessoas mais velhas, porque conheço várias bem divertidas)…. Parem de reclamar e agradeçam que ainda tem alguma coisa que voa! Belo helicóptero, tá funcionando, é um dos únicos modelos no mundo que faz missões de ataque e transporta tropas ao mesmo tempo, etc, etc , etc… Vamos parar de ser mimados e agradecer que ao menos, mesmo entubado, tá cumprindo seu papel dentro da força. Abraço de um velho amigo cansado de ver gente reclamando e fazendo debate ideológico sobre seres inanimados dentro desse espaço fantástico… Read more »

Soyuz
Soyuz
7 anos atrás

Russo ou não ele cumpriu a missão e é isto que importa

Almeida
Almeida
7 anos atrás

Wagner, e quem disse que 1. é preconceito e 2. com equipamento russo?

A FAB, enquanto Força Aérea, não precisa de um helicóptero de ataque e muito menos requisitou um! Poderia ser um Apache ou Tiger que eu também estaria questionando esta aquisição/negociata.

O que a FAB precisa, e queria, eram Chinooks (ou Mi-26) e mais Blackhawks. Mas estes fabricantes parecem que não contam com o mesmo lobby.

Almeida
Almeida
7 anos atrás

Quanto a interceptar aeronaves e pousar junto com elas para efetuar prisões, os Blackhawks armados com canhões e miniguns são mais efetivos que os Hind, pois as tropas podem ter apoio de fogo enquanto desembarcam, o que não é possível no helicóptero russo já que não possui armas laterais nem porta corrediça.

Almeida
Almeida
7 anos atrás

Mania besta que alguns comentaristas aqui tem de reduzir toda crítica à torcida por este ou aquele fornecedor ou país. Eu critico aquisições mal feitas, negociatas, corrupção porque é meu dinheiro que tá sendo desperdiçado também. Não importa se com russos, norte americanos, franceses ou até mesmo brasileiros.

Corsario137
Corsario137
7 anos atrás

Que bom que a FAB tá interceptando aeronaves ilegais. Aos poucos a nossa amada Força Aérea tem conseguido reverter esse sentimento geral de que as fronteiras norte eram a casa da mãe Joana.
Seja de Tucanão ou de Mi, a FAB está cumprindo seu papel.

aldoghisolfi
aldoghisolfi
7 anos atrás

“Fizemos um reconhecimento à distância e a foto-filmagem da aeronave para averiguação de dados, além de um acompanhamento por dez minutos”.

Interceptação é o nome genérico para nada, salve treinamento?!…

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Almeida

Bem lembrado! Um dos requisitos da FAB era um helicóptero pesado, não importando a origem. Falou-se muito no MI-26, com capacidade de 20 toneladas de carga.

Não há nada que o Sabre ou EC-725 façam que um BlackHawk também não faça.

champs
champs
7 anos atrás

“No final, o custo operacional de um monte de aeronaves de diferentes modelos, diferentes origens vai simplesmente aumentar os custos, cujo valor vai ser pago pelo contribuinte.” A FAB caminha para operar 3 tipos de helicópteros, Blackhawk, Mi-35 e EC-725. São helicópteros que exercem funções diferentes e podem conviver tranquilamente numa mesma Força Aérea. Concordo que com apenas 12 unidades os custos são elevados, compraria mais 24 unidades para Campo Grande e Boa Vista para operar em conjunto com o A-29, os dois se complementariam no policiamento aéreo da Amazônia. Num futuro breve não haverá essa diversidade de helicópteros que… Read more »

Marcos
Marcos
7 anos atrás

O que a FAB, a Marinha e o Exército deveriam operar, reduzindo custos, entre outros:

Black Hawk
Sea Hawk
Battle Hawk

Sobre o Battle Hawk, segue:

http://www.youtube.com/watch?v=pGuds5-fSTc

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Champs MI-35, EC-725 e BH poderiam, como disse antes, ser substituídos por uma única aeronave. Depois a FAB, sem contar Marinha e EB, operam os seguintes helicópteros: Não sei se há Sapões ainda, mas pelo que sei já deveriam ter sido retirados, então não vou considerar. 03 Bell 206 25 HB 350 03 HB 355 02 EC 135 (essa turma toda poderia ser resumida em 30 HB 350) 16 Black Hawk (tem mais encomendas) 08 Super Puma 03 EC-725 (mais as encomendas) 12 Sabre (esses poderiam muito bem ter sido substituídos por um lote de 30 unidades do Black Hawk… Read more »

Wagner
Wagner
7 anos atrás

legal champs, gostei muito da sugestão !

Ficaria bom e com boa variedade…

🙂

Colombelli
Colombelli
7 anos atrás

Almeida, disse tudo. A falta mesmo é de um helicoptero pesado. O MI 26 foi considerado na época do SIVAM, para transporte do equipamento do programa. O Chinook seria igualmente ótimo. Quatro deles transportam uma cia fuzilieiros armada de uma so vez ou até uma peça do L-777 ( ou M-777 se preferirem). Isso ai na Amazônia seria fundamental para o batalhão aerotransportado de selva de Manaus. Ha de ser lembrado que os argentinos ja operaram ele na época das Malvinas, e inclusive perderam dois de quatro aparelhos capturados pelo que recordo agora. O MI-35, recordo que na época foi… Read more »

calopesdasilva
calopesdasilva
7 anos atrás

Não vejo motivos para a padronização tão extrema que sugerem, como H350 e UH60… O UH60 com Hellfire não cumpre a mesma missão que Mi35 com misseis AT nem aqui nem na Russia! Agora se a FAB precisa de um heli de ataque já é outra história, acho que eles seriam melhor utilizados no EB. Sobre misseis, o Sabre só será “armado” com esses tanques? Para os que acham que o Sabre pode ser um heli de ataque e levar tropas, alguem já viu o “compartimento” de tropas de um desses? Eu vi e entrei na LAAD, garanto que o… Read more »

ci_pin_ha
ci_pin_ha
7 anos atrás

O Sabre pode ser armado com vários mísseis, metralhadora na porta lateral (acho que não daria para levar ninguém, exceto o atirador, no compartimento) e etc.
Quanto aos helicópteros pesados, acredito serem muito importantes, mas não são primordiais nesse momento, inclusive por terem uma manutenção mais elevada.
Já quanto ao M777 o próprio Ec725 tem capacidade de carrega-lo.
Por ultimo acho que quem trouxe esse os Mi-35 para a FAB foi Mangabeira Unger.

Colombelli
Colombelli
7 anos atrás

Ci_ pin, acho que manutenção não seja muito maior dependendo do modelo, pois é so tamanho a mais. Um Chinook com mais motores ai sim, mas certamente não deva ser tanto mais.

Calo, é pra levar pelo menos 07 cristos la dentro. Se vc visse onde enfiam os infantes ja desde as escolas de formação, ia entender como entram ali dentro com mochilas ( fardo de combate) e equipamento ( fardo aberto) além de armas.

juarezmartinez
juarezmartinez
7 anos atrás

Uma missão que poderia ser cumpirada tranquilamente por um BH armado com mini guns, gastando 25% menos de combustível e mantendo uma padronização dentro da força que só traria beneficios, operacionaisi, doutrinarios e financeiros. O que acontece é que termos na melhor das hipóteses apenas seis Mi 35 operacionais por falta de $$$$, não esquecam está voando bem agora por duas razões: 1 É novo, tem poucas horas aindas e o níveis de manutenção caros ainda não chegaram 2 Todas as m….as e engronhas elétricas que os Russo tentaran fazer para integrar rádios e capacetes está sendo resolvido pelo PAME… Read more »

Vader
7 anos atrás

Eu quero ver os amigos que agora batem palma pra essa estrovenga batendo palmas daqui há uns dez anos, quando isso aí começar a precisar de manutenção pesada…

Lixo soviético, comprado a peso de ouro por um ministro boçal, através de um intermediário paquistanês, recusado pelo EB e entubado na FAB.

Esse helicóptero foi uma desgraça no único teatro que operou, Afeganistão. Só aqui que um lixo desses pode receber elogios da antiamericanalhada.

Vader
7 anos atrás

E minha gente, pelo amor de Deus, o EB tem mais o que fazer do que realizar missão de ataque.

Pouca diferença faz quem é o dono da porcada, contanto que os filhotes nasçam. Mas missão de ataque deve pertencer à FAB.

Douglas Falcão
Douglas Falcão
5 anos atrás

é o fim da picada usar esse tipo de helicóptero para interceptação de aviões na fronteira.
Dai tiramos diversas conclusões sinistras:
Não temos cobertura aérea de aviões naquela área;
não temos controle de custos ao se colocar um helo beberrão para vigiar um teco teco;
não temos cosa melhora pra fazer com esses helos russos.
e por ai vai…..

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Douglas Falcão
5 anos atrás

“Dai tiramos diversas conclusões sinistras”

Douglas, o que li depois dessa sua frase foram hipóteses, o que é diferente de conclusões, sinistras ou não.