domingo, maio 16, 2021

Gripen para o Brasil

Motores brasileiros para os novos mísseis AM39 dos EC725 da Marinha

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Ilustração do EC725 com AM39 em painel na inauguração da Helibras em 2-10-2012 - foto Nunão - Forças de Defesa

Clique aqui para ler matéria no Poder Naval

- Advertisement -

13 Comments

Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos

Algumas perguntas:

1) Já descobriram um jeito de fecharem as portas após colocarem os mísseis?

2) Qual o alcance dos mísseis? Pois a aeronave, pelo menos por enquanto terá de dispará-los de terra firme.

Ricardo Cascaldi

Droga, o Marco já fez a piadinha que eu fiz lá no Naval aqui 🙁

😀

Clésio Luiz

É, se pelo menos esse heli pudesse…

https://farm4.static.flickr.com/3170/2984387885_453134ca05_o.jpg

… operar com esse míssil…

http://www.youtube.com/watch?v=UkjbcXpM5o8

… já seria grande coisa.

Ricardo Cascaldi

Belo video Clésio!

Nick

Não há como negar que o posicionamento do missil parece uma bela de uma gambiarra.

Mas a pergunta que não quer se calar:

Quando vão fazer o RECALL para trocar as MGB??? 🙂

Ou os EC-725 da MB vão ficar voando só em terra firme????

[]’s

Vader

É impressionante!

Uma imagem vale mais do que mil palavras…

Que gambiarra dos infernos…

Baschera

Nick disse: 9 de maio de 2013 às 19:41 Mas a pergunta que não quer se calar: Quando vão fazer o RECALL para trocar as MGB??? Em breve…. será uma “gambiarra” mesmo…. em princípio a degradação de um software que regula o funcionamento da MGB…e outras coisinhas mais…. em breve trarei aqui o que propuseram…. primeiro vamos ver se as autoridades aeronauticas européias aceitam o paliativo, idem para os sindicatos do pilotos privados, os operadores privados e as empresas para as quais se prestam serviços. Recall mesmo só mais para frente…. e envolveria, além de uma nova MGB capaz de… Read more »

Almeida

Meu comentário foi apagado? Sumiu…

joseboscojr

Almeida,
Acho que o comentário a que se refere está no Naval.

Nick

Caro Baschera,

Degradação de software? O que isso quer dizer em termos leigos?? 🙂

E isso garantiria vôos seguros no Mar do Norte??

[]’s

Vader

Nick disse:
10 de maio de 2013 às 9:21

Nick, o Baschera me corrija se estou errado, mas significa que o software que comanda o funcionamento da MGB vai impedir que ela faça tudo aquilo para a qual ela, teoricamente, foi projetada, forçando-a menos.

É como você ter uma Ferrari 12 cilindros com 600hp, mas que o computador de bordo só permite você usar 300hp, para sua própria segurança.

Baschera

Nick, Vader,

Isto não é nenhum segredo, eu mesmo já coloquei aqui que a solução provisória proposta as autoridades, operadores, etc…. seria uma alteração do software que monitora a vibração do HUMS o quel vai acusar qualquer início de rachadura ou trinca no eixo cônico da transmissão. A degradação no software seria para evitar a “false indication of EMLUB-failure”.

PS: EMLUB = emergency lubrication system

Além disto, a EASA (European Aviation Safety Agency) também exigiu maiores, mais seguidas e invasivas inspeções nos EC-225.

Sds.

Reportagens especiais

20 anos da Operação Tigre II em Natal

Em 1995 Natal sediou um exercício aéreo de grande importância para a FAB, mas que ficou marcado por uma...
- Advertisement -
- Advertisement -