terça-feira, agosto 16, 2022

Gripen para o Brasil

Rafale já não é mais prioridade nas discussões entre França e Brasil

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

A visita de estado da presidente Dilma Roussef a Paris nestes próximos dois dias é abordada com relativo destaque por dois jornais franceses que circulam nesta terça-feira. Le Figaro e Les Echos ressaltam a afinidade política e o reforço da parceria estratégia e de cooperação entre a França e o Brasil como os pontos fortes desse novo encontro os presidentes François Hollande e Dilma Roussef.

Paris estende o tapete vermelho para o Brasil. Esse é o título escolhido pelo conservador Le Figaro para demonstrar a acolhida que a presidente Dilma vai encontrar na capital francesa durante sua visita de estado. Desfile pela famosa Champs Elysées, discurso na Assembleia Nacional e jantar de gala no Paládio do Eliseu. É com grande pompa que a França recebe Dilma, escreve o jornal.

As relações entre os líderes são de grande afinidade e eles têm o mesmo combate: o crescimento como saída para crise. Dilma Roussef quer encontrar em Hollande um aliado contra as políticas de austeridade que comprometem a economia brasileira, escreve Le Figaro, lembrando que o crescimento do país será de apenas 1,5% este ano apesar dos inúmeros planos lançados por Brasília para estimular a economia.

Para o Brasil, a União Europeia comete suicídio ao impor a austeridade, informa o jornal sem deixar de lembrar que Dilma Roussef já repetiu várias vezes sua discordância com a política de rigor defendida pela chanceler alemã Angela Merkel.

O jornal também diz que a França mudou de tática e ao invés de querer empurrar o avião de caça Rafale a todo custo, trabalha agora com mais discrição e busca em seu discurso valorizar os benefícios da parceria estratégica que já está em curso.

Para o Econômicos Les Echos, Dilma Roussef vem à França sobretudo para mostrar que o Brasil é um país atraente para investimentos. Ela desembarca em Paris com a cabeça erguida, diante de uma popularidade de 80%, e em território amigo já que tanto ela quanto Hollande insistem no crescimento econômico como saída para a crise.

O Les Echos lembra que a novela Rafale já não é o ponto principal dos encontros entre Brasil e França e o importante é fortalecer as boas relações políticas e comerciais já que 500 empresas francesas estão instaladas no Brasil.

Como o país agora carece de mão de obra qualificada, Dilma Roussef deve prometer facilitar a concessão de vistos de trabalho para os franceses trabalharem no Brasil, afirma o Les Echos.

FONTE: RFI em português

FOTOS: Planalto.gov.br

NOTA DO EDITOR: outro jornal francês, o Le Monde, traz uma manchete um pouco mais contundente em relação a essa possibilidade do caça francês não ser exatamente a prioridade da viagem da comitiva brasileira. O título é “L’achat des Rafale par le Brésil : histoire d’un fiasco” (A compra do Rafale pelo Brasil: história de um fiasco). Infelizmente, o texto integral (clique aqui para ver a parte inicial) é apenas para assinantes do jornal mas pelo parágrafo disponibilizado e pelos comentários de leitores, a “culpa” pelo fracasso deve estar sendo colocada no ex-presidente Nicolas Sarkozy.

- Advertisement -

7 Comments

Subscribe
Notify of
guest

7 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Nick

Os jornais franceses deviam colocar um titulo na matéria deles:

Rafale: É agora ou nunca!

E é sério. O Manteiga, o MD Cone, o Patriota estão lá para referendar qualquer coisa. Se o MD Cone voltar com cara feia, é porque não deu Rafale mesmo.

[]’s

Augusto

Nick disse:
11 de dezembro de 2012 às 15:41

Então é nunca. Vana acaba de dizer em Paris que a decisão vai levar ainda “algum tempo”: http://www.valor.com.br/brasil/2936530/dilma-diz-na-franca-que-decisao-sobre-compra-de-cacas-esta-suspensa

Esses comunistas ainda vão acabar com a FAB.

Edgar

A “culpa” do fracasso do equipamento da Dassault não é do Sarkozi e sim da própria fabricante e de sua aeronave. O Sarkozi fez o que pode com a turma do GF, mas mesmo assim não rolou.

Basta uma pesquisa aqui no Aereo e isso fica nítido.

Edgar

Sem dúvida, Nunão. É muito mais fácil pra Dassault bancar meia dúzia de matérias em jornais pra jogarem a culpa num ex-presidente com capital político em queda do que assumir o fracasso para si.

Até porque sempre darão a desculpa de que a Índia comprou cento e poucas unidades, é um caça de 4(+)² geração, etc.

marciomacedo

A França já jogou a toalha, sabe que desse mato (Brasil) não sai coelho.

Mauricio R.

E se não bastassem a Helibrás exportando empregos a 30 e tantos anos, essa parceria estratégica mequtrefe, agora querem pq querem, nos exportarem seus desempregados!!!

Últimas Notícias

Caças Eurofighter Typhoon alemães partem rumo ao Indo-Pacífico para realizar exercícios conjuntos

O desdobramento inclui visitas ao Japão e a Coreia do Sul BERLIM (Reuters) - A Alemanha está enviando 13 aeronaves...
Parceiro

LAAD 2023

- Advertisement -
- Advertisement -