Home Noticiário Internacional Em editoral, Aviation Week defende a busca por uma alternativa ao F-35

Em editoral, Aviation Week defende a busca por uma alternativa ao F-35

205
7

Em outubro de 2001, quando o Departamento de Defesa dos EUA concedeu à Lockheed Martin o contrato para desenvolver o Joint Strike Fighter, parecia que este era o negócio do século para a empresa e para seu cliente. Na maior aquisição de defesa da história, a Lockheed produziria três variantes de um projeto furtivo para substituir as envelhecidas frotas mistas de três forças dos EUA, economizando tempo e dinheiro.

Onze anos depois, o negócio ainda parece muito bom para a Lockheed, mas nem tanto para seus clientes, incluindo os oito parceiros internacionais. Lá em 2001 eles esperavam que até 2020 estariam operando uma grande frota de caças furtivos de “quinta geração”.

Em vez disso, o custo para desenvolver e produzir a aeronave cresceu para 330,5 bilhões dólares americanos, muito mais do que a estimativa original de 177,1 bilhões dólares (valores de 2012). Projeções de custos referentes à manutenção e apoio do F-35 têm aumentado muito além das estimativas de 2001, e sua entrada em serviço muito atrasada em relação ao cronograma original. Na verdade, 11 anos depois, o início da sua operacionalidade completa ainda é incerta.

Antes de seguir caminhando neste conturbado programa o Pentágono precisa olhar duramente para as conseqüências. Em termos de cronograma e acessibilidade, o programa JSF já é um fracasso. Em termos de capacidades e benefícios a longo prazo no sentido de se ter um caça comum, isso ainda está para ser provado. E mesmo que o F-35 cumpra tudo o que prometeu, o mundo mudou desde 2001.

Um dos problemas é a falta de concorrência. Contando também com o F-22, a Lockheed será a única fabricante de novos caças nos próximos 50 anos até que a “sexta geração” de aeronaves traga consequências significativas para a base industrial.

Frente a uma estimativa de custo mal definida, os inaceitáveis trilhões de dólares necessários para a manutenção da frota de F-35, o novo gerente do programa conjunto está considerando abandonar o sistema de apoio do contratante e abri-lo para a concorrência, incluindo os parques de manutenção mantidos pelo governo.

Isso pode funcionar no longo prazo, mas fará pouco para ajudar os combatentes a permanecer à frente de ameaças da década de 2020. Até 2021, as forças americanas estarão operando apenas uma fração dos mais de 2400 F-35 que pretende comprar. A maior parte das frotas dos EUA incluirá os mesmos F-15, F-16 e F/A-18 de 2001.

Uma parte dos atuais caças será atualizada com as últimas versões de radares, aviônicos e armas a um custo que não estava previsto quando o contrato F-35 foi firmado. Mas para a maior parte, cujas estruturas e motores datam dos anos 1980 e 1990, os custos de modernização seriam elevados em função da idade.

Um plano ousado para o próximo residente dos EUA (Barack Obama ou rival republicano Mitt Romney) seria a realização de uma concorrência para a aquisição de 300 novos caças. Isto agitaria as coisas, embora seja questionável a comparação dos custos estimados e das habilidades prometidas para o F-35 em comparação com os F-15, F-16 e F/A-18 com custos conhecidos e capacidades disponíveis. O impacto de uma eventual nova encomenda de caças também deveria ser considerada na redução de encomendas de F-35 e suas implicações na redução da escala e aumento do custo.

Mas a complexidade não é desculpa para a inação. O Pentágono já começou a agir e reconheceu que há um problema e há pressão pública crescente para resolvê-lo. O segundo passo, também em andamento, é a avaliação da gravidade do problema e a definição de projeções de custos operacionais realistas para que tanto os EUA como os seus parceiros decidam o que eles podem pagar.

Deve haver algum tipo de proteção (‘hedge’) contra problemas futuros. Os EUA deveriam continuar produzindo caças F/A-18 para a Marinha, atualizando caças F-16 para a Força Aérea e promovendo o F-15 e F-16 internacionalmente, tendo assim uma opção em aberto. Em seguida, o Departamento de Defesa deve avaliar como aviação tática pode evoluir ao longo da década de 2020 e manter a base industrial viva, permitindo uma melhor concorrência.

Os problemas do F-35 podem constituir uma oportunidade para ajustar os planos militares para as novas capacidades e realidades que surgiram desde 2001. Em vez de uma transição suave para uma força de caças de quinta geração que se imaginou, possuir turbulenta e mista frota ao longo da década de 2020 deveria ser um motivo para repensar. Alguns líderes militares já dizem que os EUA confiam muito na tecnologia furtiva, uma área que a China está avançando rapidamente. Não há nada que diga que os EUA devem esperar para além de 2030 para ter o próximo caça ou de introduzir concorrência para o F-35.

FONTE: Aviation Week

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: Poder Aéreo

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
7 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Baschera
Baschera
7 anos atrás

Parece que não são só os brazucas que pagam caro por tecnologias militares.

Seria muito dizer (hoje) que o F-35 é ou poderá ser a “Jaca” norte-americana ??

Sds.

Blind Man's Bluff
Blind Man's Bluff
7 anos atrás

Oops!

Observador
Observador
7 anos atrás

É. E isto porque nem falaram da substituição do A-10 pelo F-35, esta sim, na minha humilde opinião, um absurdo. Podem falar que a doutrina e o teatro de operações futuro exigirão um avião furtivo e supersônico para a missão de CAS, mas creio que esta só é necessária quando se tem a supremacia aérea da área, permitindo a presença de tropas no solo. E, se há supremacia aérea, para que um avião furtivo? Tivessem se concentrado em fazer um “mini F-22”, para substituir o F-16, o F-15 e o F-18, o JSF já estaria operacional. Mas daí quiseram substituir… Read more »

HRotor
HRotor
7 anos atrás

Achava eu que o F-35 seria o primeiro caso de um avião que realmente atendesse a 3 operadores distintos, no caso USAF, NAVY e MARINES. Já vi que permanece a velha máxima “quem quer agradar a todos, acaba agradando a ninguém”. Vira um monstrinho de Frankenstein caro e que anula os ganhos com outras perdas. O MD até que poderia tirar uma lição desse caso e desistir do VANT único, helicóptero padrão e outras coisas-padrão para as 3 FFAA (FAB, MB, EB)… Mas aí eu lembro que o que importa é empregar a verba pública, não empregar o meio aéreo… Read more »

Ivan
Ivan
7 anos atrás

Multi TUDO ? Ser multirole, ou multi missão, é um conceito válido usado por vários caças ao longo da história do século XX, mas inplementado pelos antigos Hornets desde o projeto, quando estes poderiam desempenhar diferentes missões sem precisar mudar a configuração de seus aviônicos. Mas todas as aeronaves que desempenharam diferentes missões tiveram uma missão como mais importante, aquela que seriam melhores, sua especialidade. A Lockheed Martin com o Lightning II e a Dassault com o Rafale vendem a idéia que uma aeronave pode ser excelente em missões tão diferentes como superioridade aérea e apoio aéreo aproximado, interceptação e… Read more »

Grifo
Grifo
7 anos atrás

Senhores, acho que é um exemplo para o Brasil que recentemente embarcou na tendência de definir requisitos de equipamentos conjuntos para todas as forças. Nem sempre ter um equipamento em comum sai mais barato e mais rápido, e quase nunca atende melhor as necessidades de cada força.

Independente das suas qualidades (o que saberemos nos próximos anos), o F-35 é o mais caro fracasso da indústria militar americana. E eu acho que só vai piorar, quando os parceiros europeus começarem a cancelar em massa os seus pedidos.

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
7 anos atrás

HUM HUM

F-15 Forevis…

Que dor no orgulho dos fan boys…