Home Força Aérea Brasileira Aviação brasileira de caça a caminho da modernização

Aviação brasileira de caça a caminho da modernização

161
19

Aeronaves de alto desempenho operacional vão consumir cerca de R$ 10 bilhões do Governo

 

Thiago Gomes

A Força Aérea Brasileira (FAB), a exemplo do Exército e da Marinha, também será contemplada com investimentos do Governo federal para ampliação e modernização de seus mecanismos de defesa. Um dos projetos e que deve consumir mais de R$ 10 bilhões prevê a compra de novos aviões de caça, que substituirão outras aeronaves, principalmente os Mirage 2000.

No Livro Branco de Defesa Nacional, documento do Ministério da Defesa, são apresentadas as principais ações do Estado na defesa do País, bem como os desafios para as próximas décadas. No livro estão previstos para a FAB investimentos na gestão organizacional e operacional, capacidade operacional, controle do espaço aéreo, capacitação operacional e científicotecnológica, indústria aeroespacial, desenvolvimento de engenhos aeroespaciais, modernização dos sistemas de formação de recursos humanos e apoio aos militares e civis do Comando da Aeronáutica (Comaer). De acordo com as informações do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica ao Correio do Estado, o planejamento preocupa-se em qualificar e dimensionar a força para o cumprimento da missão. O planejamento estratégico tem um horizonte temporal de vinte anos. A meta é aprimorar o pessoal e acompanhar a evolução tecnológica mundial. Para definição destas prioridades, o Alto-Comando da Aeronáutica avaliou aspectos como as necessidades de equipamentos, de articulação e de restrições orçamentárias para o cumprimento da missão constitucional.

ANDAMENTO

Alguns projetos prioritários para a Força Aérea já estão em andamento, como a aquisição e recebimento dos helicópteros EC-725, H-60 e AH-2 para a Força Aérea, aeronaves de reabastecimento em voo, aviões de transporte e de Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT).

Quanto ao Projeto F-X2, que prevê a aquisição de aeronaves de combate de alto desempenho, com transferência de tecnologia, a Força Aérea já fez todos os estudos técnicos, levantamentos e testes. As aeronaves F-18, Gripen e Rafale são as que atendem as necessidades operacionais brasileiras. O relatório final da análise do Comando da Aeronáutica foi entregue ao Ministério da Defesa.

Com relação ao projeto Avião KC-390, com desenvolvimento nacional, o objetivo é a aquisição do KC-390, novo jato projetado pela Embraer para substituir os aviões C-130 Hércules em missões de transporte e reabastecimento em voo. O voo do primeiro protótipo deve ocorrer até o final de 2014, com o recebimento das primeiras unidades em 2016.

Quanto à compra e operação de Aeronaves Remotamente Pilotadas (ARP) ou VANT, duas unidades já foram recebidas e a FAB as empregou em operações Ágata na fronteira sul e na região amazônica, além de colaborar nas ações de segurança durante a Rio + 20, realizada em junho. No tocante aos helicópteros de ataque, nove AH-2 Sabre foram recebidos pela FAB e já estão em operação a partir da Base Aérea de Porto Velho (RO).


Capacidades da Aeronáutica

A Força Aérea, que teve seu batismo de fogo durante a Segunda Grande Guerra, conta um efetivo aproximado de 67 mil militares, trabalhando com meios operativos que são agrupados, de acordo com seu emprego, em aviações de caça, patrulha, transporte, busca e resgate, asas rotativas e reconhecimento. Estão distribuídos em várias bases aéreas.

Decisão sobre fornecedor deve sair somente no próximo ano

Com uma proposta de investir pelo menos US$ 4 bilhões na aquisição de 36 novos caças, o Governo brasileiro decidiu esperar até meados do próximo ano para uma decisão. A transferência de tecnologia é um dos itens das negociações. Na lista de possíveis fornecedores, como finalistas são a norte-americana Boeing, a francesa Dassault Aviation e a sueca Saab-BAE.

Num primeiro momento, o Governo brasileiro chegou a anunciar a preferência pelo francês Rafale. Mas, houve recua na escolha, porque os militares da FAB preferem o americano F-18, produzido pela Boeing. Enquanto isso, técnicos da área de densenvolvimento não escondem o desejo pelos suecos Gripen, da Saab.

Para o Governo, os termos da partilha de tecnologia serão cruciais para definir o vencedor. Mas, a Boeing ganhou pontos ao anunciar uma série de parcerias com a Embraer, que está agressivamente ampliando suas operações de defesa. Em julho, a Embraer disse que a Boeing irá fornecer sistemas de armas para o caça Super Tucano, e a empresa dos EUA também está ajudando no desenvolvimento do KC- 390, um jato de reabastecimento em voo e transporte militar da Embraer.

Há pressa da FAB numa definição, até mesmo porque a sua frota está se tornando cada vez mais obsoleta e cara de manter. Além disso, o Brasil está sob pressão para melhorar sua capacidade defensiva como parte dos preparativos para a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada Guerra aérea. Brasil está em busca de novas aeronaves para melhorar seu desempenho de combate de 2016.

Projetos beneficiarão a FAB no Estado

O Comando da Aeronáutica, em Brasília, sinaliza que Mato Grosso do Sul e região, especialmente em decorrência de suas características fronteiriças com a Bolívia e o Paraguai, também devem ser beneficiados com o reequipamento e modernização da FAB. A assessoria da Aeronáutica confirma que há previsão de implantação de novas aeronaves e, inclusive, a transferência de esquadrões de aviação para a Base Aérea de Campo Grande (BACG).

ESQUADRÕES

Apesar de ainda não haver informações detalhadas de como se dará o fortalecimento da unidade da Capital, há três anos, aproximadamente, quando de sua passagem por Campo Grande, por ocasião de um torneio de aviação de caça, o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeirodo- ar Juniti Saito, demonstrou interesse na instalação de mais três esquadrões na Base Aérea da Capital, como um esquadrão de VANT, um esquadrão de caças de alta performance e um esquadrão de comunicação e controle. Hoje, os dois primeiros veículos aéreos não tripulados recebidos pela Força Aérea estão alocados no Esquadrão Hórus, da Base Aérea de Santa Maria, no interior do Rio Grande do Sul.

VANT – Investimentos nos aviões-robô foram de R$ 48 milhões e duas unidades estão em Santa Maria náutica, tenente-brigadeirodo- ar Juniti Saito, demonstrou interesse na instalação de mais três esquadrões na Base Aérea da Capital, como um esquadrão de VANT, um esquadrão de caças de alta performance e um esquadrão de comunicação e controle. Hoje, os dois primeiros veículos aéreos não tripulados recebidos pela Força Aérea estão alocados no Esquadrão Hórus, da Base Aérea de Santa Maria, no interior do Rio Grande do Sul.

Ainda de acordo com a Aeronáutica, entre os seus projetos para execução nos próximos anos estão a adequação de bases aéreas e ampliação de pistas alternativas, fusão e distribuição de organizações, logísticas e transferência de unidades aéreas para as regiões Norte e Centro-Oeste.

VANT com emprego em fronteiras

ImagemApesar de se reequipar e se modernizar para emprego em tempos de guerra, a FAB também poderá usar os seus Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT) em tempos de paz, como na vigilância de fronteiras, auxílio em situações de calamidade e ações de segurança. A observação é do ex-comandante da Base Aérea de Campo Grande e agora integrante do Estado Maior da Aeronáutica, em Brasília, brigadeiro Maximo Ballatore Holland. “Além da aplicação militar propriamente dita, algumas das características inerentes ao poder aeroespacial podem ser exploradas nas aplicações civis”, afirmou.

Segundo o brigadeiro, como os aviões-robô são capazes de transmitir ao vivo imagens das áreas de interesse, é possível tomar decisões ao mesmo tempo. O último teste dos VANT da FAB aconteceu durante a Rio+20, em junho, quando o avião sem piloto transmitia imagens ao vivo para a central de operações que cuidava da segurança do Rio de Janeiro. Em agosto de 2011 um VANT monitorou pistas de pouso clandestinas que pouco depois foram bombardeadas por aviões de caça. Quem está no solo tem dificuldades para enxergar o RQ- 450 em voo. Com 10,5 metros de distância entre as pontas das asas e 6,1m de comprimento, a aeronave é pintada em cores claras e pode voar em altitudes de até 5.500 metros. Seu ruído é bastante difícil de ouvir do chão. Cada voo pode durar até 16 horas.

FONTE: Correio do Estado, via Notimp

Subscribe
Notify of
guest
19 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ozawa
Ozawa
7 anos atrás

Houve no início da década de 90, era Collor…, era da espiral inflacionária no país, incutindo um senso comum de resignação ao fato de aquilo nunca acabaria…, uma piada no Brasil que dizia mais ou menos assim: Deus chamou 3 líderes mundiais, dos EEUU, da então URSS e do Brasil, dizendo-lhes que o mundo acabaria no dia seguinte, e que eles retransmitissem a apocalíptica informação aos seus povos. Retornando aos seus países, o líder americano declarou à nação: “Estávamos certos, Deus existe, falei com Ele, que me disse que o mundo acabaria amanhã…”, o da URSS: “Estávamos errados, Deus existe,… Read more »

asbueno
asbueno
7 anos atrás

Ao invés de “Diga-me com quem andas e direi quem és”, podemos transpor para “Diga-me o que faz e direi o que almeja”. Com base no que este e os governos anteriores fizeram (ou deixaram de fazer) e pensaram (ou deixaram de fazê-lo), a área militar (mas não apenas ela) nunca esteve entre as prioridades. o pior é que ser prioridade não garante planejamento bem realizado e execução idem. Outro dia lendo um artigo do Sr. Federici em uma das revistas editadas pelo blog, ele mencionou ter conversado com um ex-membro de governo tucano sobre a questão militar. Este afirmou… Read more »

Baschera
Baschera
7 anos atrás

Aviação brasileira de caça a caminho da modernização

Sim…. saiu do Planalto fazem 16 anos….está vindo a pé…. de muletas…de costas…. e é cega…..

Aliás, matéria do Correio do Estado…. mas que “estado” Pedro Bó ?? RSSSS.

OBS: “Nadíssima” contra o editor…só mais uma piadinha infame sobre uma informação infame…. de um infame comentarista !

Não aguento mais esta conversa mole…. de FX…..

Sds.

aldoghisolfi
aldoghisolfi
7 anos atrás

Não vou mais perder meu tempo lendo e comentando sobre FXns!

Só volto ao assunto quando for definida a questão!

Vader
7 anos atrás

“Aviação brasileira de caça a caminho da modernização”

Cuma?????????

Já disse e redigo: o governo do PT tentou entubar a FAB com o Rafale. Não deu certo porque o AC percebeu a gelada em que estava se metendo com dita aeronave.

Enquanto os malditos que nos governam não descobrirem um jeito de morder algum com o FX2 não sairá nada.

No mais, vai ser bem legal a FAB voando por cima do “Fielzão” novinho em folha com caças da década de 70 na abertura da Copa do Mundo do Brasil em 2014…

Vader
7 anos atrás

Enquanto isso, toca andar de capacete para não tomar um canopi na cabeça…

Franco Ferreira
Franco Ferreira
7 anos atrás

Maldade dos comentaristas! A culpa é da bola-de-cristal do Correio do Estado que está com algumas válvulas queimadas. Ou será do Notimp que selecionou esta preciosidade para a resenha do Comandante da Força Aérea?

Roberto F Santana
Roberto F Santana
7 anos atrás

Que foto interessante, essa do F-5. Onde foi tirada? É notável o comando cruzado do piloto, ele está glissando a aeronave! Isso é feito para se perder altura sem se ganhar velocidade. Pela deflexão do leme pode-se notar que deve ter sido em baixa velocidade, por alguma razão.Entretanto, não deixa de ser uma certa violência ao voo, pois abandona-se o fluir natural do mesmo. Sinceramente, não acredito que isso seja falta de coordenação de comando por parte do piloto , mais incrível ainda, é o F-5 “permitir” que façam isso com ele, se feito em outros contemporâneos como o F-4… Read more »

Nick
Nick
7 anos atrás

Matéria burocrática, que não acrescenta nada ao que já foi dito sobre o FX-2.

Uma nota realmente diferente seria algo como:

“Presidente Dilma anuncia o novo caça da FAB, com assinatura do contrato em Jun/2013 e início de entregas em 2016.”.

Ae sim.

[]’s

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
7 anos atrás

Matéria deixou de abordar o item mais próximo e emergente da modernização da força a substituição dos VENERANDO KC-167 no RFP do processo KC-X2 !!!

Ele foi comunicado em 9 de maio de 2012 e cujo prazo de entregas de propostas em 90 dias JÁ se esgotou no início de agosto.

SE foi respondido com propostas pela Boeing, Aribus Military ou IAI, deve estar em fase de análise dessas propostas apresentadas…

Que tal uma inquisição direta ao Comando da Aeronáutica se houveram propostas entregues no KC-X2 e de quais concorrentes…

Giordani
7 anos atrás

Zzzzz…

Justin Case
Justin Case
7 anos atrás

Roberto, boa noite.

Interessante o uso dos comandos revelado na foto.
Para mim, o F-5 está apenas fazendo pose para a foto.
É provável que esta tenha sido tirada com velocidade igual à do avião fotógrafo (baixa velocidade para um F-5).
O uso dos comandos seria para melhorar o visual, baixando a asa direita com os ailerons e segurando o pedal esquerdo para não curvar para cima do fotógrafo.
Abraço,

Justin

Roberto F Santana
Roberto F Santana
7 anos atrás

Boa noite Justin Case. Sim, pode ser isso. Em shows aereos constuma-se fazer isso, o piloto passa lento e mostra o dorso do aviao, mostrando suas formas ou sua pintura. O estranho e que mostra ser uma forte pressao nos pedais. Uma ou coisa que acontece em shows, isso bem mais ruim, e que quando jatos rapidos passam rasante, um calculo mal feito da posicao do aerodromo antes de se iniciar o rasante, leva o piloto a errar o “alvo”, passando um pouco distante sobre o mesmo e na tentativa de se corrigir, acaba-se por cruzar os comandos, “chutando” o… Read more »

Roberto F Santana
Roberto F Santana
7 anos atrás

Justin,

Agora e que eu fui ver.
O F-5 estava fazendo pose pro Nunao, foi ele quem tirou a foto!

http://www.aereo.jor.br/2012/09/23/pama-sp-2012-o-primeiro-dia-do-fim-de-semana-aereo/

Adriano Bucholz
7 anos atrás

“E Segue o Velório”…………….

ricardo_recife
ricardo_recife
7 anos atrás

Nada de novo no front. Enquanto isto …. na Paiz Putenfia!

Abs,

Ricardo.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
7 anos atrás

“Roberto F Santana disse: 2 de outubro de 2012 às 22:18 Que foto interessante, essa do F-5. Onde foi tirada? É notável o comando cruzado do piloto, ele está glissando a aeronave! Isso é feito para se perder altura sem se ganhar velocidade.” “Justin Case disse: 2 de outubro de 2012 às 23:17 Roberto, boa noite. Interessante o uso dos comandos revelado na foto. Para mim, o F-5 está apenas fazendo pose para a foto. É provável que esta tenha sido tirada com velocidade igual à do avião fotógrafo (baixa velocidade para um F-5).” “Roberto F Santana disse: 2 de… Read more »

Roberto F Santana
Roberto F Santana
7 anos atrás

Prezado Nunão, A foto é muito boa, você pegou o avião em momento único, te dou uma dica, imprime e mande emoldurar, vale a pena. Mostra também como o F-5 é dócil de voo, nele o piloto pode desligar o “yaw damper” (amortecedor de guinada, dispositivo hidráulico preso ao leme para dar maior estabilização) pode ser desligado e voar sem problemas, o que parece ser o caso. Isso em outros jatos pré fly-by-wire seria proibido , os primeiros F-100 só começaram a parar de cair quando colocaram o yaw damper e mais tarde um pich damper, se um desses não… Read more »

Ricardo Santos
Ricardo Santos
7 anos atrás

Parei a leitura no título!! Já cansei desse assunto também…..Cada país tem o quê merece!