terça-feira, agosto 3, 2021

Gripen para o Brasil

Boeing volta a explorar atrasos do F-35 para promover o Super Hornet

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Segundo o site Aol Defense, a Boeing renovou sua campanha para bater no F-35 da Lockheed Martin e promover seus caças F-18 Super Hornet na última quinta-feira, 13 de setembro. Foi o que fez o presidente da Boeing Military Aircraft, Christopher Chadwick, conversando com um grupo de repórteres na empresa, no contexto de orçamentos declinantes de defesa nos EUA e no mundo.

Chadwick disse que “o F-35 continua a se atrasar e se atrasar. Sim, o F-35 tem uma capacidade furtiva “all-aspect” (por todo o seu redor), mas isso só é usado uma parte relativamente pequena do envelope de combate.” Num claro sinal para os apoiadores do F-18 na Marinha dos EUA (USN), o executivo acrescentou: “Com o F-35 continuando a ter dificuldades técnicas e se desviando do curso, eles têm que estar certos de que possuem a capacidade certa para os homens e mulheres que vão aos combates hoje.”

O contexto em que Chadwick fez suas críticas ao F-35 é amplo: “Há um reequilíbrio que estamos percebendo no ajuste entre as necessidades sociais e de defesa”. E isso significa, simplesmente, orçamentos de defesa em baixa nos EUA e na Europa.

O executivo também falou do mercado de sistemas não tripulados, indicando que, com a saída dos EUA do Afeganistão, haverá uma redução de encomendas e o foco estará onde esses sistemas serão mais necessários: a bordo de navios. Por isso a empresa está oferecendo sistemas remotamente pilotados como o UCLASS (Unmanned Carrier Launched Airborne Surveillance and Strike System), o Little Bird e o A-160.

Outro assunto abordado foi a nova geração de bombardeiros dos EUA, para a qual a empresa quer ser o integrador principal. Quanto à diminuição de orçamentos, Chadwick disse que a Boeing já ser preparou para isso há anos, reduzindo sua força de trabalho: 18% menos executivos, 15% menos gerentes e 10% menos pessoal na Boeing Military Aircraft.

FONTE: Aol Defense (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo)

FOTOS: Marinha dos EUA (USN)

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

1 Comment

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DrCockroach

Outro off-topic, se os editores me permitem:

“Robocopter arrives
After unmanned drones, pilotless helicopters are taking to the sky to deliver supplies to troops”
http://www.economist.com/node/21562897

[]s!

Últimas Notícias

Pilotos russos usaram receptores GPS feitos nos EUA durante missões de combate na Síria

Pilotos militares russos usaram receptores comerciais GPS de navegação por satélite durante suas operações de combate na Síria, de...
- Advertisement -
- Advertisement -