Home Aviação de Caça Empresa privada dos EUA compra A-4 da Nova Zelândia

Empresa privada dos EUA compra A-4 da Nova Zelândia

415
19

A companhia norte-americana Draken International está finalizando o processo de compra de oito caças McDonnell Douglas A-4K Skyhawk que pertenciam à Força Aérea da Nova Zelândia, informou a agência UPI.

“Estas aeronaves representam a última e mais avançada versão da plataforma A-4 Skyhawk,” informou o CEO DA Draken International, Jared Isaacman.

“Estamos todos muito confiantes nas capacidades e nas vantagens econômicas que estas aeronaves trarão para o Departamento de Defesa e para as indústrias de defesa dos EUA.”

A Draken International espera empregar os jatos em apoio às iniciativas de treinamento do Departamento de Defesa.

A Draken também espera operar com até seis aeronaves na configuração “buddy-buddy” em apoio a outras aeronaves equipadas com sonda de reabastecimento.

FONTE: UPI

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: Poder Aéreo

VEJA TAMBÉM:

 

 

Subscribe
Notify of
guest
19 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Roberto F Santana
Roberto F Santana
8 anos atrás

Um avião que merecia ser chamado de caça.

Roberto F Santana
Roberto F Santana
8 anos atrás

Lembrando, o A-4 não é avião de caça.

Baschera
Baschera
8 anos atrás

Finalmente desencalharam estes A-4 da Nova Zelândia, que estavam (os mais antigos aqui lembram….) “encamizados” com látex.

Resta saber se foram vendidos com o seu potente radar, um APG – 66, o mesmo que equipa os F-16.

A mesma empresa já tinha comprado, também da N. Zelândia, os Aermacchi MB-339, capazes de disparar mísseis Maverik e Sidewinder.

Sds.

Daglian
Daglian
8 anos atrás

Baschera,

Você tem alguma informação sobre os radares dos nossos A-4? São os APG-66?

Roberto F Santana
Roberto F Santana
8 anos atrás

Caro Guilherme, Note que o original não chama a aeronave de caça, entretando reconheço em sua tradução, seu desejo, assim como o meu, de que o A-4 merecesse ser um caça, o que é, admitamos, puramente acidental. Não muda a verdade. O que faz um caça ser chamado de caça não é seu emprego, seja qual for o país, é seu projeto proposto.Um YF-12 ou Douglas P-70 eram caças, apesar de não os parecerem. A Nova Zelândia quando comprou os caças, encomendou também Sidewinders, para usá-los em defesa da frota, porém isso não transformou os A-4 em caças, eles só… Read more »

Baschera
Baschera
8 anos atrás

Daglian disse: 8 de agosto de 2012 às 22:16 Ô loco…… rssss. Que eu saiba os A-4 vieram com o antigo radar APQ-145….já obsoleto e com baixo alcançe (acho que é no máximo 30 Km…) e com capacidade de acompanhar um único alvo Com a modernização do esquadrão (parte dele) AF-1, os A-4M poderiam ter instalado o radar Elta 2032 israelense. Dizem ou melhor já lí sobre outras opções, embora eu as considere de manor probabilidade de serem factíveis de instalação nos A-4, devido entre outras coisas o tamanho do radome, são: o radar Mectron Scipio SCP-1(o mesmo dos A-1M)… Read more »

Baschera
Baschera
8 anos atrás

Eu sempre entendi que os A-4 eram caça-bombardeiros…. ou melhor “A” de Ataque terrestre, segundo a nomenclatura norte-americana:

A letra imediatamente à esquerda do traço (quando uma designação de tipo não está presente) indica o propósito básico das missões desta aeronave. A – Ground Attack; ataque terrestre.

Sds.

Giordani RS
8 anos atrás

A NZ havia finalizado um processo para a renovação de sua frota. O escolhido na época foi o F/A-18 Hornet. Mas daí vieram as eleições, a oposição foi eleita e o resultado é esse aí: A NZ não tem mais força aérea. Só uma força de transporte. Se o caldo entornar, chamem a cavalaria!

Giordani RS
8 anos atrás

Detalhe: Isso nos Anos 80.

Vader
8 anos atrás

Giordani RS disse:
8 de agosto de 2012 às 23:52

“A NZ não tem mais força aérea. Só uma força de transporte. Se o caldo entornar, chamem a cavalaria!”

O grande sonho de nossas esquerdas. E do jeito que vai a coisa nossa defesa aérea será feita pela Venezuela. Quem viver verá.

Sds.

RA5_Vigilante
RA5_Vigilante
8 anos atrás

Provavelmente é para fornecer serviço de treinamento de pilotos, na função de adversário, assim como a ATAC:

*ttp://www.defenseindustrydaily.com/ATACs-Aerial-Opponent-Training-05344/

O a-4 é uma boa aeronave para DACT.

Marcos
Marcos
8 anos atrás

O Brasil perdeu mais uma oportunidade de adquirir aviões velhos. Uma pena!

Ao que tudo indica, lamentavelmente, é que seremos obrigados a comprar aviões novos… em algum dia… talvez!

Roberto F Santana
Roberto F Santana
8 anos atrás

Prezado Guilherme Poggio, Não existe nada mais frustrante e desestimulante que se comentar e argumentar em blogs e sermos ignorados, de modo que lhe agradeço muito e muito me alegra que você tenha dado atenção e respondido minhas observações. E vejo que você buscou embasamento em suas afirmações e que pelo conteúdo e quantidade, devem ter lhe custado tempo e esforço. Muito bom. Dito isto, passemos então ao que nos interessa. Antes, porém, seria melhor nós conceituarmos o que, de fato, é um caça, propriamente dito. Pesquisei alguma literatura, na esperança de lhe dar uma extensa e detalhada resposta, mas… Read more »

aldoghisolfi
aldoghisolfi
8 anos atrás

Nos passaram a perna…

Mauricio R.
Mauricio R.
8 anos atrás

Oportunidades perdidas:

Os A-4Kahú e os MB-339 da RNZAF.

O primeiro daria a Aviação Naval da MB, capacidade de combate pronta p/ usar, sem incorrermos em um update by Embraer.
Aliás a qntas anda, se é que ainda anda, a restauração de nossos A-4; by Embraer???
O segundo apesar das poucas células disponíveis, proporcionaria a FAB, um treinador avançado c/ desempenho cinemático superior ao ST.
Os treinandos da FAB e nossos exíguos “twin stickers” agradeceriam.

Roberto F Santana
Roberto F Santana
8 anos atrás

Prezado Guilherme Poggio, Como disse, é um assunto amplo e que cada vez mais se contamina com erros. De tudo que você escreveu, com muito acerto, eu só faço uma observação com relação à última frase de Shaw no parágrafo que você cita. O aviador parece se esquivar ou não querer adentrar no assunto, notadamente querendo justificar o que é “estar caça” e não “ser caça”. Sobre sua opinião de que o puro caça é antiquado, sim, pode parecer isso. Depois do F-86 só existiu mais um, o F-16. Mas ele não morreu, ou seu conceito e creia, sua necessidade… Read more »