Home Manutenção Você acredita que este F-16 voltou a voar?

Você acredita que este F-16 voltou a voar?

548
39

Força Aérea Israelense divulga nota sobre primeiro voo de F-16 biposto que, sete anos depois de um grave acidente, foi recuperado e decolou para voltar ao serviço

Segundo nota divulgada no domingo, 1º de julho, a aeronave da foto acima foi recuperada e voltou a voar, sete anos após ser acidentada. “O pessoal da Manutenção Aérea realizou algo que apenas poucos no mundo conseguem”, disse o coronel Oded, comandante da unidade. “Ainda que já tivéssemos muita experiência em reconstruir aeronaves ‘machucadas’, nós nunca lidamos com esse tipo de caso trágico antes”, completou o coronel.

No acidente de 2005, a roda direita da aeronave (o F-16 “041”) soltou-se quando estava a frações de segundo de tocar o solo, obrigando seus tripulantes a ejetarem. Quando a equipe responsável por reconstruir o caça recebeu o “041”, havia grandes dúvidas se seria possível realizar o trabalho, já que a frente estava completamente destruída, a cauda estava quebrada, as asas curvadas e o motor repleto de lama. Representantes da empresa fabricante também não tinham esperança e acharam que seria um desperdício de tempo consertá-lo. Porém, a perspectiva israelense é de que cada avião conta.

Após reparos e troca de centenas de componentes, o F-16i 041 finalmente decolou de volta ao esquadrão “Valley”, e nele voaram os tripulantes ejetados em 2005. Agora na reserva, o major Ofer, que pilotava a aeronave na ocasião, lembrou-se de agradecer ao mecânico que examinou a cadeira de ejeção e os técnicos que testaram o sistema: “Se apenas um componente não funcionasse, eu não estaria aqui.”

FONTE / FOTOS: Força Aérea Israelense

NOTA DO EDITOR: versões bipostas de aeronaves de combate costumam ser mais “valiosas” para as Forças Aéreas, levando a decisões de recuperar aviões acidentados, como foi o caso do F-16 israelense da matéria acima e do F-18 finlandês dos três primeiros links abaixo. O principal papel dessas versões é a conversão de pilotos provenientes de outros modelos de aeronaves (normalmente vindos de jatos ou turboélices de treinamento).

No caso da FAB, onde o F-5 modernizado forma a espinha dorsal da frota de caças supersônicos, os bipostos também são muito valiosos, tanto que a compra de modelos usados da Jordânia visava principalmente ampliar o número de apenas três modelos bipostos em serviço, sendo recebidas mais três células de versões F-5F (e oito do modelo E, monoposto, numa relação aproximada de “três por um” que é praticamente um “imposto” a se pagar para quem quer adquirir bipostos).

Como sinal dessa prioridade, as células bipostas adquiridas da Jordânia entraram na frente da fila de revisão / recuperação dos F-5 adquiridos, o que você pode conferir em matérias exclusivas do Poder Aéreo a partir do quarto link abaixo. Aproveite também para navegar nos links disponíveis nas próprias matérias clicadas, que trazem mais reportagens exclusivas sobre os caças F-5, seus detalhes e os trabalhos de manutenção, entre dezenas de artigos  já publicados aqui no site.

VEJA TAMBÉM:

39
Deixe um comentário

avatar
30 Comment threads
9 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
14 Comment authors
Corsario137Mauricio R.Clésio LuizVaderFernando "Nunão" De Martini Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Interessante a história.

Nem sempre os pilotos se ejetam em um caso como esse, mas eles tomaram a decisão certa vendo a foto de como o F-16I ficou depois de parar.

Roberto F Santana
Visitante
Roberto F Santana

É uma cultura e filosofia completamente diferente. A população, o país, dependem diretamente disso.Uma nação que nasceu em guerra.Mais de sessenta anos com pelo menos cinco ou seis guerras, algumas por pouco poderiam ter varrido o país do mapa. Cada peça de guerra é valiosa, nada é disperdiçado. Um F-16 ganha vida novamente não porque é caro, ou não se tem dinheiro para comprar outro, é porque uma só aeronave pode salvar um país inteiro. Uma bomba atômica bem colocada, em Tel Aviv, racha o país no meio e todo uma nação é pulverizada. Aqui no Brasil, vivemos num paraíso,… Read more »

Justin Case
Visitante
Member
Justin Case

Amigos,

Isso é mais comum do que possa parecer.
Mas há outras condicionantes…
Você pode reconstruir um avião a partir de sua placa de matrícula.
Pode ser vantajoso, pois todas as partes de substituição necessária podem ser compradas como suprimento. Não é necessário fazer licitação, começar novo projeto, obter autorizações com o legislativo, convencer autoridades, nem mesmo solicitar recursos financeiros especiais.
E ainda, pode-se receber elogios pela bela demonstração de competência da área logística.
É brincadeira, mas, pesquisando, iremos encontrar casos em que tal procedimento foi adotado.
Abraços,

Justin

Nick
Visitante
Member
Nick

Chip Foose aprova esse tópico. 🙂

Troféu “Martelinho de Ouro” para os Israelenses.

[]’s

Taz Miranda
Visitante
Taz Miranda

Já coisa mais quebrada no PAMA-SP e com certeza vão fazer voar…

Tirando minha brincadeira acima, caro “Roberto F Santana”, que belo comentário. Direto ao ponto. Parabéns.

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Eu acredito porque já tive um chevetinho que comprei em piores condições e ficou “zero bala”.

Giordani RS
Visitante
Member

As forças aéreas do mundo estão diversificando seu leque de atuação…tudo isso por causa de uma falsa crise financeira?

A FAB com a “Demolidora GDA” e agora a IAF/DF com sua chapeação(lanternagem para os de fora da República) “Martelinho de Ouro do Jacob”???

Black Devil
Visitante
Black Devil

“Demolidora GDA” e “Martelinho de Ouro da IAF/DF”

Estou achando que as forças aéreas do mundo estão mudando de ramo… KKKKKKKKKKKK!!!!!!!!!!!

Ivan
Visitante
Member
Ivan

Pela foto e texto o F-16 “041″ é um F-16I Sufa, caça-bombardeiro biposto (piloto + operador de sistemas) com tudo que há de mais moderno em Israel.

Ivan
Visitante
Member
Ivan

“É uma cultura e filosofia completamente diferente.”

Sem dúvida.

Basta observar o que fizeram com algumas centenas de ‘Tanques’ T-54 e T-55 capturados nas várias guerras que travaram.
Primeiro rearmaram com canhões de 105mm;
Depois transformaram em formidáveis veículos blindados para a sua infantaria.

Sem desperdício.

Sds,
Ivan.

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

É relativamente comum encontrar fotos de unidades do F-16 acidentadas por causa do trem de pouso. Não é a toa que o trem dele ganhou fama de ser frágil.

Vader
Visitante
Member

Pois é: e depois neguinho critica o Super Hornet por ter um trem de pouso “robusto demais”…

Black Devil
Visitante
Black Devil

Com certeza é um F-16I Sufa. Deve ser uma aeronave do primeiro lote, adquirida a partir de 2004.

Ivan
Visitante
Member
Ivan

MiLord Vader,

Nem 8 nem 80…

Uma ‘land version’ do Super Hornet poderia emagrecer pelo menos meia tonelada, considerando que é aproximadamente esta a diferença de peso entre a versão terrestre e naval do Rafale. Talvez até mais, já que a asa não precisaria dobrar.

Abç,
Ivan.

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

Vou tentar filosofar um pouco sobre essa questão do trem de pouso do F-16. Todo trem de pouso é feito de acordo com uma especificação. Ele deve aguentar XX m/s de velocidade vertical. Obviamente caças navais apresentam valores maiores. Eu tenho um vídeo onde uma célula de testes de um F-14 é solto no chão, de uns 3 metros de altura. Um caça terrestre não é testado a esse extremo, obviamente. Então, o trem de pouso do F-16 aguenta xx de velocidade vertical. O problema é que, por causa desse valor, a aeronave se aproxima da pista a uma velocidade… Read more »

Roberto F Santana
Visitante
Roberto F Santana

Prezado Clésio Luiz, As aeronaves jato, caças, ect; têm seus trens de pouso projetados para suportarem pousos normais com razão de descida típica de 500ft/min. em peso máximo de pouso.Obviamente são capazes, por vezes de suportarem até mais. Em boa parte dos manuais de caça, os pilotos são orientados a não “arredondar” o pouso, usando o jargão, (do not flare), ou seja, do geito que vier será o jeito que tocar.Isso é bem desconfortavél, por vezes até doloroso, mas traz a vantagem e a segurança do avião “colar” na pista, não quicará. Outros, orietam para que o flare seja feito.A… Read more »

Vader
Visitante
Member

Ivan disse: 3 de julho de 2012 às 22:31 Desculpa Ivan, mas isso é coisa dos cabras lá do outro blog, que chamam o SH de “tijolo”. Eu vi ao vivo e a cores o que esse “tijolo” pode fazer e posso lhe afirmar que é simplesmente assombroso. O Super Hornet é um caça de COMBATE, e não um brinquedinho de acrobacia e apresentação aérea para leigos. É isso que aqueles idiotas russófilos, rafaletes e PeTralhas não conseguem compreender: que a Marinha Americana, como 99% das forças aéreas (ou aeronavais) do mundo não precisa de um demonstrador para acrobacia e… Read more »

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Sem querer entrar em “briga” de “cachorro grande”, rsrsrss, mas só de curiosidade e repetindo o que todos já sabem, a asa do F-18 precisa dobrar porque precisa ser “grande”. Fosse desenvolvido uma versão “terrestre”, a asa seria muito provavelmente menor e claro, não dobraria. Em sendo menor ela iria prover uma maior carga alar, o que se traduziria em um menor arrasto (maior velocidade e menor consumo) e embora houvesse uma redução da manobrabilidade de modo geral, haveria uma maior resistência à força g, que no F-18 é limitada a 7 g, enquanto em outras aeronaves chega a 9… Read more »

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Caro Bosco, Eu discordo de alguns argumentos em relação à redução da área da asa do F/A-18E/F (meu pensamento vai na mesma linha do R. F. Santana, que considera que uma asa mais curta não necessáriamente aumenta a manobrabilidade). O maior ganho das asas de uma provável versão terrestre do Super Hornet seria a sua redução de peso e simplificação do processo produtivo (com aumento da velocidade de produção e redução do custo final) com a retirada do mecanismo que a faz dobrar. Outro ganho seria o aumento do espaço entre os pilones subalares. Sendo assim, eles não precisariam ser… Read more »

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Mudando de pato pra ganso, o que chama a atenção no Rafale é que apesar de haver versões diversas, naval e terrestre, as bequilhas do trem de pouso do nariz continuam duplas em ambas, o que não é comum para caças “terrestres”.

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

joseboscojr disse:

(…)s bequilhas do trem de pouso do nariz continuam duplas em ambas, o que não é comum para caças “terrestres”.

completando, “desde que não sejam russos ou soviéticos (Yak-28, Tu-128, MiG-23, MiG-27, MiG-31, Su-15 Su-27, Su-30, Su-34, Su-47 e a lenda continua com o T-50)”. Lá a exceção é regra.

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Vader,
Pior que “tijolo” é que alguns o chamam de “dino”. rsrrsrsss

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Bosco,

A fuselagem frontal de Le Jaca é aonde estão as maiores diferenças, entre as versões “terrestre” e “naval”.
Em especial, a própria bequilha.
Se sua aeronave tem pouca área alar e portanto tende a ter carga alar elevada, não será a envergadura reduzida que fará essa aeronave voar mais rápido; mas a eficiência do(s) aerofólio(s) usado(s).

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Maurício, Sem dúvida, mas comparando-se 2 aeronaves diferentes, onde à rigor, não cabe comparação. Já entre duas aeronaves “iguais”, à grosso modo, a que tem menor arrasto (daí entra o tamanho da asa) tenderia a voar mais rápido. O que disse foi no sentido de que haveria algum ganho em se ter uma versão terrestre do Super Hornet, que calaria a boca de alguns de seus detratores, e isso só pra citar o item “asas”. Em geral o SH, quando comparado ao Rafale é criticado por ser pesado, tem menor velocidade máxima e ser menos resistente em relação à força… Read more »

Roberto F Santana
Visitante
Roberto F Santana

Prezados joseboscoir r Mauricio R. De fato foi desenvolvida uma versão terrestre mais leve e mais simples, o F-18L, este, por alguma razão, não foi a frente.Sendo a versão naval padrão oferecedia aos países.A asa, porém era de mesma envergadura, a aeronave mais leve dava à aeronave menor carga. Uma asa menor, de fato, aumenta a carga alar, diminui o arrasto. Mas não necessáriamente aumenta a manobrabilidade, pois se se tem uma asa curta, aumenta-se a razão de giro sobre o eixo longitudinal, isso em sí, já é a metade do conceito correto de “manobrabilidade”, o completo do conceito seria… Read more »

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Roberto F Santana disse: De fato foi desenvolvida uma versão terrestre mais leve e mais simples, o F-18L, este, por alguma razão, não foi a frente. Na divisão de trabalhos entre a MDD (McDonnell Doulgas) e a Northrop foi acordado que a Northrop desenvolveria e se responsabilizaria pela venda do F-18L. Vendas estas que seriam para clientes externos, claro. Ela queria repetir o sucesso de exportação da família F-5. A Northorp fez um esforço gigantesco para vender o F-18L. Até levou um dos protótipos para o Canadá com a bandeira do país pintada na deriva. Também foi para Farmborought. No… Read more »

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Poggio e Roberto,

“Uma asa menor, de fato, aumenta a carga alar, diminui o arrasto.
Mas não necessáriamente aumenta a manobrabilidade…”

Eu também penso assim:

“uma maior carga alar, o que se traduziria em um menor arrasto (maior velocidade e menor consumo) e embora houvesse uma redução da manobrabilidade de modo geral…”

Giordani RS
Visitante
Member

“Roberto F Santana disse: 4 de julho de 2012 às 14:25 De fato foi desenvolvida uma versão terrestre mais leve e mais simples, o F-18L, este, por alguma razão, não foi a frente.” O US Governement com sua “estranha” política industrial não permitiu que o mesmo fosse adiante, da mesma forma que se deu com o F-20. O F-18L era mais leve, carregava mais e tinha maior autonomia. Se o F-18L e o F-20 houvessem seguido em frente, hoje o F-16 não venderia como água no deserto… O USG não permitirá uma versão terrestre do F/A-18SH, pois os clientes prefeririam… Read more »

Roberto F Santana
Visitante
Roberto F Santana

Prezado joseboscojr,

Sim, você disse.Eu apenas corroborei seu comentário.
Recorde aquela versão do Zero de asas cortadas, veja que interessante nota:

A6M3 Type 0 Model 32:

“(…) The wing changes had much greater effects on performance than expected. The smaller size led to better roll, and their lower drag allowed the diving speed to be increased to 360 knots (670 km/h). On the downside, maneuverability was reduced, and range suffered due to both decreased lift and the smaller fuel tank. Pilots complained about both. The shorter range proved a significant limitation during the Solomons campaign of 1942.”

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Nunão,

Vou dar mais um chute aqui.

Lembremos dos problemas de wing-drop do Super Hornet. A Boieng e a USN batalharam por cinco anos para achar uma solução final para o caso, cujo problema estava exatamente onde a asa dobra.

Chuto eu que com o total de recursos que eles gastaram para achar o problema dava para ter projetado uma nova asa inteiriça do zero.

Corsario137
Visitante
Member
Corsario137

Concordo com o Poggio.

70 ou 120 SH (de asa grande) na FAB e teremos a força aérea mais letal do hemisfério sul do mundo.

O resto é preciosismo.

A pergunta é: as vidraças dos 3 poderes resistirão ao Vespão? 😉

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Eu, como todos os “presentes” e aficcionados, tive a coleção completa dos “Aviões de Combate” da Nova Cultural, rsrrsrsr, e lá, no livro dedicado ao F/A-18, falava sobre a versão “L”, portanto, não é novidade pra mim que tenha havido uma versão “terrestre” do “Vespinha”.
Novidade é que ele teria uma asa de mesma envergadura da versão naval, como disse o Roberto.
Isso pode ser válido em relação ao Hornet, que tinha uma asa pequena, mas provavelmente não em relação ao Super Hornet. Fosse desenvolvido uma versão terrestre do Vespão bombado e supervitaminado, provavelmente teria uma asa menor.

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Claro, puro exercício de achismo meu, vale salientar.