Home Aviação Civil Robb Report cita jatos Phenom da Embraer como ‘Best of The Best’...

Robb Report cita jatos Phenom da Embraer como ‘Best of The Best’ de 2012

252
13

Melbourne, Flórida – A publicação americana Robb Report citou os jatos Phenom 100 e o Phenom 300 da aviação executiva da Embraer como as melhores aeronaves nas categorias entry-level e light, respectivamente, no recém-publicado relatório “Best of the Best” 2012.

“A Robb Report é uma vitrine das marcas de luxo mais prestigiosas do mundo e uma referência para consumidores sofisticados, de alto padrão”, disse Ernest Edwards, presidente da Embraer, Aviação Executiva. “Este é o segundo ano consecutivo em que nossos jatos executivos são citados por este importante veículo, o que confirma o que temos dito há muito tempo. Os jatos Phenom 100 e o Phenom 300 oferecem o melhor em sua categoria em inúmeros aspectos, entre eles custos operacionais, interiores e desempenho.”

A revista fez menção ao Phenom 100 pelas capacidades operacionais e redução de custos, aspectos que o alçaram à posição de aeronave executiva mais vendida no mundo nos últimos anos. A Robb Report também confirmou a posição do Phenom 300 como a aeronave que mudou as regras do jogo no mercado de aviação executiva.

O último produto da Embraer a receber distinção semelhante havia sido o jato executivo Legacy 650, escolhido “Best of the Best”, na categoria large, pela Robb Report China, em 2011.

A aviação executiva da Embraer soma a estes reconhecimentos pela Robb Report uma série de outros prêmios por design e engenharia: em 2011, o Phenom 300 foi citado pela Editor’s Choice Award da Flying Magazine, como uma verdadeira inovação na aviação executiva.

Em 2010, a Flightglobal concedeu aos jatos executivos Legacy 450 e Legacy 500, atualmente em desenvolvimento, o prêmio de Inovação do Ano pelo desenvolvimento dos comandos de voo eletrônicos fly-by-wire. A Embraer também recebeu o prêmio de design IDEA/Brazil 2010, versão brasileira do IDEA/USA, um dos mais prestigiosos prêmios de design do mundo, pelo Legacy 450 e Legacy 500, o Phenom 100 e o Phenom 300 e o Lineage 1000.

Em 2007, o Phenom 100 recebeu o Prêmio FINEP, por Inovação Tecnológica. O prêmio, que tem o objetivo de estimular projetos de empreendedorismo no Brasil, é um dos mais prestigiosos do país.

Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
jura_gol
jura_gol
8 anos atrás

Pessoal boa noite, será que alguém poderia me informar o significado da palavra Flanker,

Marcos
Marcos
8 anos atrás

Flanker é um codinome usado pela Otan para designar originalmente os Sukhoi Su-27. É provável que o nome tenha se originado das primeiras referências que os russos deram ao projeto que resultou nessa aeronave, algo como “Projeto de um Caça de Linha de Frente”. Uma tradução literal de Flanker seria “aquele que ataca o flanco (lado)”.

ivanildotavares
ivanildotavares
8 anos atrás

No início dos anos 70 eu babava quando via alguma fotografia dos HS-125 da FAB e pensava: ah se o Brasil pudesse construir aviões assim, como estes… Pouco tempo depois apareceu o EMB-110 Bandeirante, muito legal, mas longe de ser como aqueles belíssimos jatos, que na minha visão adolescente, era um ONE-ELEVEN em miniatura. Agora taí, jatos brasileiros parecidos com os “meus” invejados HS-125, só que mais prestigiados.
Nesta, o amigo Maurício R. que me perdoe, mas PARABÉNS EMBRAER!

Ivan
Ivan
8 anos atrás

Lembram daquela manchete capiciosa da France-Presse:
“Embraer renuncia* à gama de aviões civis e ambiciona defesa”

Pois é!

Naquela matéria da AFP não havia uma só palabra sobre a Embraer Business Jet, que está consistentemente invadindo o espaço de tradicionais fabricantes de jatos executivos como Beechcraft, Bombardier, Cessna e Dassault.

Este mercado, no meu entendimento, é um caminho natural para quem já fabrica excelentes aeronaves regionais e para uma empresa que está em um dos maiores mercados nacionais para aviação executiva.

Sds,
Ivan.

Ivan
Ivan
8 anos atrás
Ivan
Ivan
8 anos atrás

Em agosto do ano passado, no Aeroporto de Congonhas (São Paulo/SP), aconteceu a 8ª edição da LABACE (Latin American Business Aviation Conference and Exhibition), com um público recorde de 15.420 visitantes, distribuídos por 3 (três) dias desta grande feira de aviação executiva. Francisco Lyra, presidente da ABAG (Associação Brasileira de Aviação Geral), organizadora da Labace, declarou ao final da feira: “O evento superou nossas expectativas com grande presença de visitantes qualificados e bons negócios concretizados”. Pelo que encontrei na internet, da LABACE 2011 participaram 170 empresas, entre elas: Airbus, Eclipse, Agusta Westland, Bombardier Business Aircraft, Cirrus, Dassault Facon, Embraer, Gulfstream,… Read more »

Ivan
Ivan
8 anos atrás

A propósito, ou fora dele, seria ótimo se a ABAG (Associação Brasileira de Aviação Geral), organizadora da feira, comprasse um espaço no AEREO para a LABACE 2012.

Sds,
Ivan. 8)

Justin Case
Justin Case
8 anos atrás

Ivan, bom dia. O conteúdo da notícia veio da AFP, mas cada veículo de comunicação, estrangeiro ou brasileiro, coloca manchete do jeito que interessa a seus objetivos ou ao seu público. Veja a manchete que foi publicada no Le Figaro: http://www.lefigaro.fr/societes/2012/06/05/20005-20120605ARTFIG00682-embraer-ne-chassera-pas-sur-les-terres-d-airbus-et-boeing.php “Embraer ne chassera pas sur les terres d’Airbus et Boeing Le constructeur brésilien renonce à monter en gamme sur le segment des Airbus de type A 320 ou Boeing B 737.” Ou seja: a Embraer não irá avançar para a gama dos A-320 ou Boeing 737. Acho que temos ter cautela para que a paixão não nos reduza a… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
8 anos atrás

Eu não tenho nada contra a Embraer, desde que esta permaneça restrita as aviações regional e executiva. E vá lá, enquanto o ST estiver vendendo, tb não tenho nada contra. Afinal como tda indústria, ela tb precisa de produtos bem aceitos no mercado, p/ continuar existindo. Somente que o Brasil e suas ffaa não são, ao contrário do que pensa a empresa, mercados cativos e exclusívos de seus produtos. E não cabe as ffaa e ao Brasil, leva-la pela mãozinha, é uma empresa privada; que se vire no mercado!!! Como bem o fez a Lockheed, ao bancar o desenvolvimento do… Read more »

Marcos
Marcos
8 anos atrás

Caro Mauricio:

A conta do desenvolvimento do Super Hércules foi paga pelo contribuinte americano via encomendas das próprias aeronaves em pencas significativas pelas FFAA locais.

Já a Elbit recebe fortes subsídios do governo israelense.

Também não tenho nada contra, muito pelo contrário.

#odebrechtfabricandocaça

MSG
MSG
8 anos atrás

Olá a todos,

Caro marcos, não entendo a mensagem (apesar de óbvia) “#odebrechtfabricandocaça”.

Odebrecht fabricando caça?

Abraço

Marcos
Marcos
8 anos atrás

MSG

É que o Mauricio R tem colocado exaustivamente o seguinte: #embraerforadofzx2. Obviamente porque ele é contra a Embraer fabricar os caças.

Sarcasticamente tenho colocado o óbvio, já que se a Embraer estiver fora do programa FX, só restará a #odebrechtfabricandocaça para a montagem dessas aeronaves. Explicando mais um pouco: muitas construtoras, principalmente algumas metidas em escândalos, tudo invenção de jornalistas que não tem o que fazer já que nossas empresas são honestíssimas, tem conseguido excelentes contratos na área de defesa, em detrimento de empresas tradicionais do mercado de defesa.

Espero que tenha conseguido lhe explicar!!!!

MSG
MSG
8 anos atrás

Olá, Marcos. Entendi agora.

Realmente a Odebrecht está entrando com passos sólidos na área de defesa.

Mas “tudo invenção de jornalistas que não tem o que fazer já que nossas empresas são honestíssimas” é sarcasmo tb, não?

Abraço