sábado, outubro 23, 2021

Gripen para o Brasil

Boeing já gastou mais de US$ 5 milhões para vender caça para o Brasil

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

O avião norte-americano é o F/A-18E Super Hornet – Ele concorre com JAS-39 Gripen, da sueca SAAB e o Rafale, da francesa Dassault

A companhia norte-americana Boeing já gastou mais de US$ 5 milhões na campanha para vencer a licitação do governo brasileiro para a compra de 36 caças, o chamado projeto F-X2, da Força Aérea Brasileira.

O avião norte-americano é o F/A-18E Super Hornet. Ele concorre com JAS-39 Gripen, da sueca SAAB e o Rafale, da francesa Dassault. A concorrência gira em torno de US$ 5 bilhões. Espera-se que até o fim de junho deste ano haja uma decisão do governo brasileiro.

“De 2009 até hoje, gastamos mais de US$ 5 milhões com uma série de visitas de militares brasileiros para fazer testes, entre outras coisas”, afirma Dana Dacharoeden, gerente o campanha F-X2 da Boeing. De acordo com ele, houve investimentos para enviar especialistas ao Brasil para explicar detalhes do Super Hornet.

O projeto F-X se arrasta desde o governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). No segundo mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o projeto ganhou sufixo 2 e a disputa afunilou-se entre os norte-americanos, suecos e franceses. Em 2008, Lula chegou a dar uma declaração em favor da Dassault, mas ele terminou o mandato sem comprar os caças.

Com a manutenção de Nelson Jobim no Ministério da Defesa no começo da administração Dilma Rousseff, acreditava-se que os franceses se seriam confirmados como vitoriosos da licitação. No entanto, dois novos adiamentos para compra dos caças e saída de Jobim do governo reacenderam a disputa e motivaram a Boeing, que se mantém otimista na vitória da concorrência.

Além dos seus próprios esforços, Boeing tenta contar com a ajuda do governo norte-americano para convencer o Brasil a comprar os Super Hornets. Do ponto de vista diplomático, os Estados Unidos têm repetido que o Brasil tornou-se um aliado mundial do mesmo nível de Japão, Reino Unido e Alemanha.

Contudo, o principal ponto questionado no pacote da Boeing é a transferência de tecnologia. Os EUA têm de pedir autorização do Congresso norte-americano para repassar determinadas informações para outros países. O problema, no entanto, é que até agora não está claro o que de fato poderá ser compartilhado.

A transferência dos códigos fontes do caça norte-americano é outro ponto de discussão. Principal secretário assistente do Departamento de Estado dos EUA, Thomas Kelly afirma que nenhum aliado norte-americano recebe códigos fonte de aeronaves produzidas pelo País. “Não podemos dar código fonte para nenhum país”, afirma.

FONTE: IG (reportagem de A. Ceolin, enviado a Washington a convite da Boeing)

FOTOS: USN (Marinha dos EUA)

Colaborou: Vader

- Advertisement -

6 Comments

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vader

Como eu havia dito em outro post esse assessor provavelmente não sabe exatamente do que fala. Há inúmeros casos de abertura de códigos-fonte de sistemas de aeronaves para aliados americanos, especialmente do sistema de armas, que é o que efetivamente interessa à FAB, para fins de integração de armamentos de outras procedências que não americanos. Cito apenas a título de exemplo o caso de Israel, mas há outros. O que a FAB quer é poder integrar os mísseis, foguetes e bombas que quiser à plataforma. É requisito sine qua non do FX2 e, se a FAB aprovou a proposta americana,… Read more »

Marcelo

faz parte do jogo gastar um trocados para ganhar mais depois. Essa verba é para isso mesmo, ela existe mesmo se o produto da empresa perder o contrato.

cristiano.gr

O Consórcio Rafale International deve estar gastando mais tem propanganda de página inteira no jornal gaúcho Zero Hora, de hoje, inclusive, mandei um e-mail comentando e uma imagem da propaganda para o Nunão.

A Saab patrocina o blog, poderiam ser os 3 finalistas. E se tivéssemos mais concorrentes na disputa nossa imprensa estaria faturando mais. Pelo menos algo bom na demora da escolha!

Nick

US$ 5 milhões? Dinheiro de pinga para a Boeing 🙂

[]’s

Tadeu Mendes

Como bem disse o Nick (US$ 5 million) e dinheiro de pinga para a Boeing.

Os americanos investem muito em marketing para vender seus productos.

Mas o que a Boeing esta fazendo nao e somente marketing, eles estao preparando para aterrisar os SH no Brasil.

Almeida

Como bem disse o pessoal da Revista Força Aérea quando da suspensão do programa FX original pelo Lula assim que assumiu seu primeiro mandato, a maior vencedora do FX foi a Mig, que não gastou nada com marketing.

No FX-2, a maior vencedora será aquela que gastou menos com verba de marketing (e subornos), já que nenhum avião será comprado, de novo.

Últimas Notícias

Embraer comemora 20 anos do início das operações de ensaio em voo em Gavião Peixoto

Gavião Peixoto – SP, 22 de outubro de 2021 - Um dos principais complexos industriais da Embraer no Brasil,...
- Advertisement -
- Advertisement -