quarta-feira, julho 6, 2022

Gripen para o Brasil

Amorim reforça decepção com interrupção na compra de aviões pelos EUA

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

O ministro da Defesa, Celso Amorim, levou novamente ao conhecimento das autoridades americanas a decepção do governo brasileiro com a interrupção do processo de compra dos aviões Supertucanos da Embraer.

“Por seguro eram os melhores, a própria força aérea considerou que eram os melhores. Ele (o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Leon Panetta) me garantiu que o processo será retomado de maneira isenta e sendo assim, e lavando em consideração a qualidade, temos muita certeza da nossa capacidade de competição”, disse.

Panetta esteve reunido com o ministro brasileiro durante quarenta minutos na tarde desta terça-feira (24) para tratar sobre a cooperação dos dois países na área de segurança. “Não posso dizer que toda nossa relação vai depender disso (da venda dos aviões da Embraer], mas é um exemplo de coisas que podem ocorrer [durante aproximação dos dois países)”, completou o ministro. O secretário de Defesa americano se limitou a concordar com Amorim e evitou entrar em detalhes sobre o processo de compra do governo americano.

Aquisição brasileira

Segundo Amorim, três helicópteros americanos, que foram encomendados pelo Brasil, chegaram hoje ao país, mas um indício de que o governo está disposto a aprofundar negociações neste campo com os americanos. No entanto, o ministro destacou a importância dos Estados Unidos deixarem de ser parceiros para compra e venda de produtos e passar a cooperar na transferência de tecnologia.

“O Brasil importa muito dos Estados Unidos e vai continuar importando, mas precisa também de componentes, partes e sistemas para projeto mais amplos brasileiros“, disse.

De acordo com Amorim, os projetos brasileiros tem natureza pacífica e por isso, há uma expectativa de que o clima de tranquilidade que está se criando entre os dois países “possa se refletir na facilitação da aquisição desses bens”.

Caças

Durante discurso sobre a importância da parceria entre Estados Unidos e Brasil, o secretário americano, Leon Panetta, citou a venda dos caças americanos para o governo brasileiro como uma das formas de permitir essa troca de conhecimento e tecnologia. “Fizemos a oferta do Super Hornet e pensamos que pode ajudar o Brasil com a tecnologia que precisa para o futuro“, disse.

O secretário não esclareceu, no entanto, se os termos para essa transferência de tecnologia será dada de acordo com as exigências e necessidades brasileiras, mas garantiu que o diálogo permanecerá aberto. Por este motivo, ele fez, inclusive, um convite para o ministro brasileiro, para um novo encontro, desta vez em Washington. Amorim adiantou que aceitou prontamente, mas que a data para a viagem ainda não foi fechada.

Amorim destacou que a escolha entre os caças americanos, franceses e suecos ainda não foi definida e que é preciso tempo para fazer a escolha. “Compreendemos que quem apresentou a oferta fique ansioso, mas a decisão será feita de maneira segura e coerente com nossas necessidades. Se já houvesse uma conclusão, não teria cometido a indelicadeza de permitir que ele (Leon Panetta) falasse sobre o assunto. É uma decisão a ser tomada”, destacou Amorim.

FONTE: Folha de São Paulo

FOTOS: Ministério da Defesa

NOTA DO EDITOR: nesta terça-feira, 24 de abril, o Ministério da Defesa divulgou nota (clique aqui para acessar o informe original) a respeito do encontro:

O ministro da Defesa, Celso Amorim, e o secretário de Defesa norte-americano, Leon Panetta, conduziram o primeiro Diálogo de Cooperação em Defesa (DCD) Estados Unidos-Brasil hoje em Brasília. O DCD foi criado sob a orientação da presidenta Dilma Rousseff e do presidente Barack Obama durante o encontro deles em Washington D.C., em 9 de abril de 2012.

Ao criarem o DCD, os presidentes notaram a importância de um diálogo reforçado para possibilitar uma maior cooperação bilateral, baseado em respeito mútuo e confiança, entre os Estados Unidos e o Brasil. Os presidentes também observaram que o DCD ofereceria um fórum para trocar pontos de vista e identificar oportunidades para colaboração em questões de defesa ao redor do globo.

O secretário Panetta e o ministro Amorim observaram o fortalecimento da cooperação em defesa entre Brasil e Estados Unidos nos últimos anos, conforme previsto no Acordo de Cooperação em Defesa Estados Unidos-Brasil, assinado em abril de 2010.

Conforme o Acordo de Cooperação em Defesa, o secretário Panetta e o ministro Amorim declararam durante o DCD que pretendem focar nas seguintes categorias prioritárias de atividade em 2012 para a cooperação em defesa entre Estados Unidos e Brasil:

  • Ciência, Inovação e Transferência de Tecnologia;
  • Logística;
  • Comunicação;
  • Assistência Humanitária e resposta a desastres;
  • Cooperação em apoio a nações africanas;
  • Segurança cibernética;
  • Apoio da Defesa às autoridades civis para para grandes eventos internacionais.
- Advertisement -

6 Comments

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Groo

“Por seguro eram os melhores, a própria força aérea considerou que eram os melhores…”

Rafale… Alô coerência!

Mauricio R.

“…destacou que a escolha entre os caças americanos, franceses e suecos ainda não foi definida e que é preciso tempo para fazer a escolha.”

Mais tempo, ainda???
Caças são aeronaves de alto desempenho, c/ prazo de validade, seria possível então, apressar o carro de boi???
Mmmmuuuuuuuuuuuuuuuuuuu!!!

Giordani RS

Na boa…esse pessoal do governo são verdadeiros estrategistas…gente perigosa…vão levar com a barriga e protelar mais uma vez a definição…e tudo que o Aécio quer é que o governo compre os caças…ah…vão ver o show de baixarias(e isso é possível?) que vão fazer…portanto, nada de novo no front…esqueçam o FX neste governo, vai ficar para o rei-sol…que vai deixar para o próximo…

Ontem no jornal da globonews, o jornalista carlos monforte comentou sobre este encontro e chamou o Super Hornet de FX-18…

aldoghisolfi

Um dia eles vão embora! Oxalá nada de ruim aconteça até lá…

Marcos

Foi uma decepção! Acho que vou chorar!

Almeida

“…mas a decisão será feita de maneira segura e coerente com nossas necessidades.”

Senhor Ministro, se esta decisão fosse REALMENTE segura, coerente e de acordo com as necessidades da FAB, ela já teria sido tomada. Em 2006.

Esta falta decisão vai contra TUDO o que o senhor citou, segurança e coerência com nossas necessidades. A não ser que por “nossas” o senhor esteja se referindo às necessidades do seu partido e não do país ou da FAB…

Últimas Notícias

Base Aérea de Anápolis inaugura prédio do Primeiro Grupo de Defesa Aérea

O prédio simboliza um marco na operação do novo vetor da FAB, o F-39 Gripen A Base Aérea de Anápolis...
- Advertisement -
- Advertisement -