segunda-feira, maio 23, 2022

Gripen para o Brasil

Novo patrulheiro indiano: Embraer poderá disputar com Dassault e EADS

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Após a seleção do Rafale para negociações com a Índia, os fabricantes aeronáuticos visam um novo contrato de um bilhão de dólares para a Marinha Indiana. A informação é do jornal francês Le Monde.

A Índia deverá iniciar nos próximos meses uma concorrência para a aquisição de nove aeronaves de patrulha marítima (MPA – maritime patrol aircraft) de raio de ação médio (600 Km). Estima-se que o programa custará 50 bilhões de rúpias, ou um bilhão de dólares.

A concorrência deverá envover desde a americana Boeing e a brasileira Embraer, passando pela francesa Dassault, até chegar à gigante europeia EADS, empresas que também estão presentes no Salão de Aviação Civil aberto em 14 de março em Hyderabad, no Sul da Índia.

A Embraer, falando à AFP,  manifestou interesse. Porém, disse que a participação “dependerá das especificações finais da concorrência.” A empresa brasileira deverá oferecer uma versão de vigilância marítima de seu jato bimotor ERJ 145, que já foi vendido a 18 forças aéreas do mundo.

A Dassault dispõe de uma versão de patrulha marítima de seu avião Falcon 900 DX. Projetado para ser operado por uma tripulação de sete membros, o  Falcon 900 MPA teve dois exemplares vendidos à Coreia do Sul em dezembro passado, e que são destinados a interceptar mensagens de rádio da Coreia do Norte e lançamentos de mísseis.

O jornal destaca que a Dassault já está em negociações com a Índia para finalizar um contrato de 126 aviões de combate multitarefa Rafale, num valor estimado de 12 bilhões de dólares.

Já um porta-voz da Airbus Military, filial da EADS, disse que a empresa estará “honrada em oferecer o C295” para o pedido de ofertas indiano. A versão de patrulha marítima do C295, que é um avião bimotor turboélice, já é opearda por Chile e Portugal.

As nove aeronaves deverão ampliar o leque à disposição da Marinha Indiana para a vigilância do Oceano Índico. A Marinha já encomendou à Boeing, em 2009, oito jatos P-8 Poseidon de longo raio de ação, e a vigilância costeira já está a cargo de pequenos aviões do fabricante alemão Dornier e aeronaves remotamente pilotadas de origem israelense.

A Índia, que se destaca como o maior mercado de armamentos entre os países emergentes, reivindicou uma área oceânica de 200.000 km2 de Zona Econômica Exclusiva, segundo o jornal.

FONTE: Le Monde

IMAGENS:  Embraer, Dassault e EADS (Airbus Military)

- Advertisement -

6 Comments

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos

Seria um grande salto para Embraer (Principalmente pelo lado financeiro)
Mas depois da ultima concorrência realiza pela Índia (MMRCA) não acredito muito nesta “Chance”.

Mauricio R.

“…que a Dassault já está em negociações com a Índia para finalizar um contrato de 126 aviões de combate multitarefa Rafale, num…” Há uma investigação do MD indiano, qnto a condição de L1 de Le jaca no MMRCA. “…ainda fico martelando a cabeça tentando enteder o pq do brasil comprar o p3…” No P-3 há mais espaço p/ sensores, tripulação, armamento e combustível do que no P-99; simples assim. Nem tdo o que sai da Embraer é lindo, maravilhoso ou bem sucedido. A Embraer tb erra, mas o Brasil tem a opção de não insistir no erro. Com os franceses… Read more »

Almeida

Mauricio R, a Embraer definitivamente nao ERROU no P-99, R-99 e E-99. Pode nao ter criado uma aeronave que atendesse aos requisitos de patrulha maritima de longa duracao e distancia e guerra anti-submarino da FAB, mas com certeza criou OTIMAS aeronaves ISR para outros requisitos. Basta perguntar aos mexicanos, que estao muito satisfeitos com seus P-99, ou mesmo ao pessoal da FAB, que acreditam ter nos E-99/R-99 seus vetores mais modernos e capazes. Na verdade, em se tratando que a propria FAB opera varias versoes do EMB-145, que os prazos e custos de modernizacao do P-3AM estouraram diversas vezes, que… Read more »

Almeida

Agora, importante notar que a India, diferentemente do Brasil, pauta suas reinvidicacoes de uma ZEE mais extensa com poder militar alem do economico e diplomatico.

A gente por aqui so fala pelos cotovelos e espera que ninguem reclame…

Ivan

Maurício e Almeida, O Lockheed P-3 e o Embraer P-99 são aeronaves com características completamente diferentes e prioridades diferentes. Comparando apenas os pesos de cada uma: P-3C Orion Peso vazio – 27.890 kg Peso máximo de combustível – 28.350 kg Carga máxima dispensável (armas, sonobóias) – 9.071 kg Peso máximo à descolagem – 61.235 kg Peso máximo à aterragem – 47.119 kg P-99 (dados aproximados do ERJ145) Peso vazio – 12.000kg Peso máximo de combustível – 5.187 kg Peso máximo à descolagem – 21.000kg a 24.000kg Peso máximo à aterragem – 17.000kg a 18.000kg Enquanto o P-3 pode ficar em… Read more »

Ivan

Maurício e Almeida,

O que vcs não perceberam é qual será o principal concorrente da Embraer nesta disputa, a francesa Dassault…

Sds, 🙂

Últimas Notícias

Novas fotos do caça furtivo chinês J-35

Foram divulgadas novas fotos do caça furtivo J-35 de 5ª geração baseado em porta-aviões em desenvolvimento pela China. Baseado no...
- Advertisement -
- Advertisement -