domingo, dezembro 5, 2021

Gripen para o Brasil

Apertem os cintos, o Gripen não sumiu parte 1 – Suíça

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

O Gabinete Suíço aprova um ‘aperto no cinto’ no orçamento de todos os ministérios, para financiar o aumento do orçamento militar que inclui compra de novos jatos

Segundo o site de notícias Swiss Info, o Gabinete Suíço recomendou que, a partir de 2014, seja feita uma economia anual de 750 milhões de francos suíços (aproximadamente 820 milhões de dólares ou 1,4 bilhão de reais), de forma a financiar a ampliação dos gastos militares, o que inclui caças a jato.

A recomendação vai requerer que todos os ministérios “apertem seus cintos”, e vem após a decisão parlamentar tomada no ano passado para ampliar o orçamento militar, de 4,4 bilhões de francos para 5 bilhões (aproximadamente 5,45 bilhões de dólares ou 9,5 bilhões de reais). O dinheiro vai cobrir a compra dos jatos, assim como o custo de um exército de 100.000 integrantes. A ampliação do orçamento militar será de 560 milhões de francos em 2014 e de 515 milhões em 2015, conformeo ministro das Finanças anunciou na quarta-feira.

Essa economia anual de 750 milhões de francos, recomendada pelo Gabinete, será proporcionada por cortes no Ministério do Interior (324 milhões) Ministério do Meio-Ambiente, Transporte, Energia e Comunicações (170 milhões) e no  Ministério das Finanças (125 milhões). Além disso, o Governo espera conseguir 50 milhões adicionais em aumento da receita. A proposta detalhada é esperada para meados deste ano.

Ainda na quarta-feira, o jornal suíço Basler Zeitung informou que a decisão promete esquentar o debate sobre a compra de novos caças

Segundo o jornal, a esquerda suíça já anunciou sua intenção de ir contra o programa de austeridade em um referendo popular. A mesma intenção tem o “Grupo para uma Suíça sem Exército”, que já formou uma grande aliança. O corte soma-se à controvérsia gerada em  novembro passado, quando o Gripen foi escolhido em uma concorrência por causa de sua boa relação custo-benefício. A compra de 22 caças Gripen deverá custar 3,1 bilhões de francos suíços (aproximadamente 3,4 bilhões de dólares ou 5,9 bilhões de reais).

Na ocasião, o ministro da Defesa Ueli Maurer esclareceu que, se não era o melhor caça, era o mais adequado à Suíça. Na semana passada, a fabricante de um dos concorrentes eliminados, a francesa Dassault, apresentou uma nova proposta para o seu caça Rafale, em carta enviada a uma comissão parlamentar encarregada de analisar a compra das aeronaves. A Dassault oferece 18 caças (quatro aeronaves a menos que a proposta da sueca Saab para o Gripen) por um preço total de 2,7 bilhões de francos suíços (aproximadamente 2,9 bilhões de dólares ou 5,1 bilhões de reais).

FONTES: Swiss Info e Basler Zeitung (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo)

FOTOS: Saab

- Advertisement -

17 Comments

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antonio M

Aquele grupo “Switzerland sem um exército” irá promover um fortíssimo protesto contra isso: irão às ruas pisar nas calcinhas !!!!

Apesar de achar isso utópico, foi uma brincadeira mesmo pois as democracias devem ser assim mas, é impressionante como um país pode levar suas questões a sério mesmo em uma crise, e nesse caso não querer descuidar de sua segurança.

Marcelo

xi….pelo jeito não vai ganhar ninguém na Suiça! Vão estender a vida dos F-18 e dos F-5 e boas…vaõ dar uma de Brasil e deixar para daqui a 15 anos.

Mauricio R.

Protestos e referendos já houveram qndo os F-5 e os F/A-18 foram adquiridos, então fazem parte da paisagem local.
Mas não serápor causa de tais movimentos, que a decisão pelo Gripen será alterada; ainda mais ao favor do Rafale.
Esse conto de fadas de ser o L1 na Índia, na Europa atual, não cola.

Marcos

Por quê a Suiça irá comprar os caças, mesmo em tempo de crise e sem uma ameaça real à frente? Porque os europeus, mais do que ninguém, sabem o que é passar por uma guerra (ou duas). Sabem que se no curto prazo não há um inimigo, no médio e longo prazo podem aparecem inimigos repentinamente. Sabem que seus F-5 estão nos limites operacionais e precisam ser substituídos. Por quê não deixar para comprar mais para frente, quando realmente se delinear um inimigo? Por conta da perda da capacidade operacional. Tornar uma equipe operacional numa aeronave nova pode levar de… Read more »

Grifo

Ou a Suíça pode aproveitar a contra-oferta da Dassault para espremer mais a Saab – por exemplo, vendo se os suecos baixam seu preço para o mesmo valor da contra-oferta francesa, mantendo os 22 caças. Caro Nunão, existe um motivo pelo qual nestes processos existe um ponto onde cada fabricante é solicitado a enviar a sua “Best And Final Offer” (BAFO). Se você ficar indefinidamente aceitando ofertas dos concorrentes, o processo nunca chega ao final. Por isso o comprador pede que cada concorrente dê a sua oferta final, e toma a decisão com base nisso. Ao fazer este tipo de… Read more »

Marcos

Já vi isso.
Na verdade você manda um preço lá em baixo, onde você sabe que não vão aceitar a sua proposta porque o tempo expirou. E você sabe que vão usar o teu preço para negociar com o outro. O objetivo é: já que não ganhei, vamos fazer com que o outro pelo menos não tenha lucro, ou tenha o lucro reduzido.

Justin Case

Amigos, boa noite. Sobre o assunto, minha opinião: 1. O processo formal provavelmente foi encerrado, com o anúncio de um vencedor. Com isso, não vejo problema se qualquer empresa vier apresentar uma “oferta não-solicitada”. Poderia ser do Rafale, do Typhoon, do F-18, F-16, não importa. 2. O Governo suíço, pode fazer várias coisas com essa oferta: – não receber; – receber por educação e jogar no lixo sem ler; – analisar e usar o conhecimento durante a negociação com os suecos; – analisar e considerar a necessidade/conveniência de reabrir o processo; 3. Creio que a iniciativa francesa deveu-se a vários… Read more »

Justin Case

Nunão, bom dia.

A questão é que muita gente por lá deve achar que o processo tem que ser repensado, pois também houve vazamento de um “relatório da Armassuisse” segundo o qual o Gripen não atenderia aos requisitos do Projeto.

https://4.bp.blogspot.com/-UllaAXo7QnY/TtaTpBS5UWI/AAAAAAAACHs/rk5-LU3C3JA/s1600/armassuisse_eval.png

Abraço,

Justin

LuppusFurius

Justin
Como bons suiços, eles recebem , agradecem, e reciclam com envelope, selo e lacre…..

Justin Case

Nunão, bom dia.

Li diferentes interpretações para o documento vazado. Muitas delas concluem que a segunda avaliação (em vermelho, citada como Fase II) refere-se já à proposta com o Gripen NG (ou talvez a um E/F, só com as modificações aviônicas).
Não há como saber, a não ser por informações diretas de quem gerencia o processo.
Abraço,

Justin

DrCockroach

Prezados Justin e Nunao, O link to Justin (rafale Blog-Basler jornal) diz: “The most limiting factors of the Gripen design were the operating time, the flight performance and the maximum weapon load” Isto claramente indica que tratava-se do Gripen D. O Gripen E/F ainda tem menor carga paga, mas a diferenca diminui. O Gripen E/F tem maior alcance, novo motor com potencia bem maior, mais piloes, super-cruise, meteor, IRIS-T, etc. Mas o ponto aqui eh realmente o que jah foi discutido no passado: – Pode-se misturar na mesma avaliacao cacas, por exemplo, biturbinas com monoturbinas? ou se quiserem, cacas “prontos”,… Read more »

Últimas Notícias

Finlândia deve escolher jatos F-35 na concorrência de US$ 11 bilhões

A Finlândia deve escolher os caças F-35 da Lockheed Martin Corp. em sua licitação de 10 bilhões de euros...
- Advertisement -
- Advertisement -