terça-feira, dezembro 7, 2021

Gripen para o Brasil

Produzindo um Rafale

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

- Advertisement -

22 Comments

Subscribe
Notify of
guest
22 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Luiz Padilha

Belo video!

Nick

Se a ToT francesa, compreendesse exatamente o que está no vídeo, para os 36 caças, eu até entenderia um preço relativo maior, que o do F-18 ou Gripen NG. Mas teria que ser EXATAMENTE o que está no vídeo, da Usinagem das estruturas da célula, passando pela prensas de fibra de carbono, usinagem de cada parafuso do caça, por aqui.

E se um dia no MLU dos Rafales a FAB quisesse optar por um outro radar (americano ou russo por exemplo), não haver a mínima necessidade de contatar a Dassault.

[]’s

ricardo_recife

Nick,

A tot francesa vai ser muito maior do que está aí no video. Vai ser apertar parafuso e soldar placas.

No caso do motor nossa tot vai ser maravilhosa, repontencializar motores subsônicos dos anos 80.

O dinheiro extra pago por esta tot é tão grande que daria para nos mesmos desenvolvermos nossa tecnologia “se” houvesse planejamento racional de longo prazo, sem contigenciamentos anuais.

Grifo

E se um dia no MLU dos Rafales a FAB quisesse optar por um outro radar (americano ou russo por exemplo), não haver a mínima necessidade de contatar a Dassault.

Caro Nick, eu queria ver um vídeo é de uma transferência de tecnologia já feita alguma vez pela Dassault. Algum país fabricando componentes para um avião da Dassault, ou quem sabe integrando armamentos ou aviônica de sua própria fabricação.

Tem tanto país que comprou Mirage 2000, certamente a Dassault deve ter algum exemplo para nos mostrar.

Justin Case

Amigos,

Certamente deve ter algum país que tenha requerido TOT ou offset, não apenas da Dassault.

Mas a maioria gosta mesmo é de prateleira, porque não tem indústria aeronáutica ou de defesa para aproveitar essa possibilidade.

Podemos procurar exemplos para o Super Hornet e para o Gripen também.

O que a Austrália fez ou recebeu com a compra dos seus SH?

E os operadores do Gripen C/D?

Os EAU montaram um centro de ensaios em voo novíssimo e completo, como TOT/offset do Mirage 2000.

Manutenção também vale ou é só pesquisa sobre alta tecnologia?

Abraços,

Justin

Grifo

E os operadores do Gripen C/D? Caro Justin Case, para o Gripen C/D é muito fácil achar exemplos. Para ficar em um só país, a África do Sul: – A Denel desenvolveu em conjunto com a SAAB o HMD Cobra que é usado tanto nos Gripen da SAAF como nos da Flygvapnet (Suécia). – A Denel também fez a integração do seu míssil A-Darter no Gripen. – A Denel é a única fornecedora da fuselagem traseira e do trem de pouso principal do Gripen, inclusive para os que a Suécia vendeu para a Tailândia. – A Denel também fez os… Read more »

Grifo

Claro que teve. Um deles chama-se Brasil. A compra do CINDACTA pelo Brasil teve como offset a compra dos Xingu pela França.

Caro Poggio, eu mencionei exemplos de transferência de tecnologia feita pela Dassault, de preferência dentro do próprio programa. Se tiver algum agradeço.

DrCockroach
Nick

Caro Grifo,

Realmente não me lembro um exemplo de ToT por parte dos Franceses em relação M-2k. Talvez a Índia seja a primeira, afinal o MLU dos M-2k deles está praticamente valendo um caça zero :).

[]’s

Ivan

Para começo de conversa detesto este neologismo ‘ToT’. Como já li e ouvi muita ‘conversa fiada’ em torno deste assunto, a expressão ‘ToT’ parece abreviação de Totalmente OTário. Outro TOT que já vi (mas não usei) foi aquele tubo oto-traqueal que os anestesistas empurram goela abaixo para respiração assistida… …mas talvez tenha sido esta a intenção de algumas ex-autoridades: empurrar goela abaixo. Transferência de tecnologia de verdade NUNCA é total, pois é muito conhecimento para entregar e mais ainda para receber. Querem achar exemplos de sucesso? Procurem na Coreia do Sul. Exemplo Korea 01: Montagem sob licença dos F-16 Fighter… Read more »

Uitinã

Fuselagem, trem de pouso qualquer país com um minimo de conhecimento em aeronáutica faz até nossa EMBRAER aqui faz, quero ver alguém que teve acesso direto ao cérebro da aeronave, seus principais componentes, o F-35 e um exemplo disso com peças feitas na turquia, israel e em vários outros países, mas e o principal mesmo vem de quem, não preciso responder.

Nenhum dos 3 concorrentes do FX vai fazer isso se eles falam isso e pura propaganda enganosa, sem falar de um deles que nem e totalmente local e querem transferir tecnologia, dos outros.

Ivan

Uitinã,

“Fuselagem, trem de pouso qualquer país com um minimo de conhecimento em aeronáutica faz até nossa EMBRAER aqui faz…”

‘Tá de brincadeira?’
“Qualquer país”?

🙂

ricardo_recife

Ivan, essa foi muito boa.

“a expressão ‘ToT’ parece abreviação de Totalmente Otário”.

Vai ficar no caderninho.

Grifo

até nossa EMBRAER aqui faz, Caro Uitinã, confesso não entender a referência que “até” a Embraer faz. A Embraer é a terceira empresa no ranking dos fabricantes de aviões, é maior do que tanto a Dassault Aviation quanto a SAAB. O que a Embraer faz pouca gente sabe fazer. A Embraer por exemplo sabe fazer trem de pouso de avião de caça porque fez isto antes no programa AMX. Foi feita uma parceria entre a Embraer e a Liebherr Aerospace para a criação da ELEB, que depois de produzir o trem de pouso do AMX fez o mesmo para toda… Read more »

ricardo_recife

Para esquentar a coisa da tal “transferência irrestrita de tecnologia”, coisa que já disse que não acredito, não existe almoço grátis, relembro uma coisinha deste mesmo site do ano passado (http://www.aereo.jor.br/2010/12/05/wikileaks-rafale-possui-tecnologia-dependente-dos-eua/). Não existe transferência de tecnologia do bonzinho para o coitadinho, como alguns querem crer. E quando existe NUNCA é total ou mesmo vai contra os interesses comerciais e a legislação do país “cedente”. E Lembro que na França os sindicatos franceses se declararam completamente contra a transferência se ela envolvesse a Embraer.(http://www.aereo.jor.br/2010/11/09/rafale-no-brasil-os-limites-da-transferencia-tecnologica/). Alias os franceses da Dassualt Nos casos levantados por Ivan a Coreia do Sul exigiu a transferência… Read more »

ricardo_recife

Faltou.. “Alias os franceses da Dassault nunca se comprometeram com a tal transferencia. Ela sempre foi mais uma política do governo francês do que da empresa˜.

Ivan

Uitinã, “Nenhum dos 3 concorrentes do FX vai fazer isso se eles falam isso e pura propaganda enganosa…” Mas apenas 1 (um) dos 3 (três) concorrentes finais do F-X2 prometeu esta tal de ToT (sic)… e não era americano ou sueco. A Boeing prometeu transferir tudo que a FAB havia pedido e mais uma série de investimentos científicos e participação do Brasil na cadeia de fornecedores do Super Hornet, deixando em aberto fornecer para outros produtos. A SAAB, sabendo ser menor que a americana e mesmo menor que a Embraer, prometeu sociedade no programa Gripen NG, com uma única linha… Read more »

Ivan

Yuri Daglian,

Com a parceria que vc sugeriu haveria uma soma de capacidades.

A SAAB com sua expertise de meio século em produzir aviões de caça a jato e a Embraer com uma penetração comercial imensa, com clientes em todo o mundo.

Mas o assunto aqui é linha de montagem da Dassault, que também fabrica a linha de jatos executivos Falcon que concorre com a linha Legacy de São José dos Campos.

Sds,
Ivan.

Marcos

O vídeo mostra todo um ferramental para cortar, perfurar, dobrar, etc, etc… e esse ferramental custa caro. Para a fabricação dessas 36 unidades que estão sendo licitadas, não há viabilidade econômica para produzir todo esse ferramental. A opção do Brasil, qualquer que seja a aeronave, é importar as peças, fabricar outras por aqui e montar a aeronave e integrar sistemas.
Alguém dirá: mas os pedidos da FAB podem chegar a 120 aeronaves. Tá bom! Então por quê já não fazem uma licitação para 120 aeronaves?

Últimas Notícias

Alto oficial da Força Espacial diz que a China está desenvolvendo capacidades ‘duas vezes mais rápido’ que os EUA

Para o general David Thompson, China pode ultrapassar os EUA em capacidades espaciais em 2030 O vice-chefe de Operações Espaciais...
- Advertisement -
- Advertisement -