Saab destaca Gripen como exemplo de inovação e quer o Brasil no projeto

    438
    15

    Na quarta-feira passada, 23 de novembro, a Saab apresentou o caça Gripen como exemplo de inovação sueca, na Arena de Pesquisa e Tecnologia do Open Innovation Seminar (evento realizado no Grand Hyatt Hotel, em São Paulo). O Poder Aéreo esteve presente à exposição feita pelo diretor de Tecnologia da Saab, Pontus de Laval, num painel que contou também com apresentações da IBM e da agência sueca Vinnova.

    Foram apresentadas as inovações da Saab no desenvolvimento de aviões de caça ao longo do tempo, e de Laval procurou deixar bem claro, desde o início, que a empresa não é um gigante como a norte-americana Lockheed Martin, mas que conta, em compensação, com um sistema denominado “Triple Helix” para garantir a inovação nos seus produtos.

    O Gripen é, segundo o diretor da Saab, um exemplo de aplicação do “Triple Helix”, em que a primeira parte envolvida é o público (na forma de agências e governo), que entende as necessidades do país. A segunda parte é a indústria, que busca suprir essas necessidades com tecnologia, cumprindo os requerimentos estabelecidos. E a terceira é a academia, que pesquisa o desenvolvimento tecnológico (por exemplo, um novo conceito de radar) e o aplica em simulações e na prática com a indústria. A aplicação do “Triple Helix”está, segundo de Laval, no cerne da proposta da Saab para o programa F-X2 da FAB, em que é oferecida a nova geração (NG) do Gripen. Trata-se de um convite ao Brasil para desenvolver uma nova geração do Gripen em conjunto com a Suécia.

    O diretor da Saab afirmou que a capacidade de desenvolver o caça no Brasil é a chave da proposta. Não se trata apenas da produção de partes e componentes, mas de desenvolvimento conjunto agora e ao longo do ciclo de vida da aeronave. Ele apresentou brevemente os principais pontos da proposta sueca para o programa F-X2 do Brasil, organizados em três grandes conjuntos:

    1 – Produtos e serviços do Gripen NG

    • 36 caças Gripen NG, capazes de voar em supercruzeiro (velocidade supersônica sem uso de pós-combustor) e equipados com radares AESA de última geração.
    • Pacote com armamentos brasileiros e de países não alinhados.
    • Total apoio operacional e o menor custo comprovado ao longo do ciclo de vida.
    • Centro de simulação de combate em rede.

    2 – Transferência de tecnologia, desenvolvimento e produção

    • Parceria Suécia-Brasil em marketing, desenvolvimento e fabricação, com até 40% do desenvolvimento do Gripen NG feito no Brasil.
    • Até 80% das células dos caças Gripen NG serão produzidas no Brasil, com linha de montagem completa no País.
    • Offsets (compensações) de mais de 175% do valor do contrato e cooperação no KC-390.
    • Capacidade total para manutenção, reparo e revisão, incluindo o motor.

    3 – Compromissos do Governo Sueco

    • Transferência garantida de tecnologia, incluindo desenvolvimento conjunto de data link
    • Treinamento de pilotos e pessoal de apoio (Engineer), com desenvolvimento conjunto de táticas
    • Comprometimento com o Gripen NG em linha com as entregas para a FAB.
    • Avaliação de aquisição do KC 390 e do Super Tucano.
    • Financiamento total do contrato.

    Outro aspecto destacado por Pontus de Laval é que, dentro desse sistema de desenvolvimento e pesquisa (Triple Helix), consegue-se um retorno em valor da tecnologia (technology spillover) que pode ser calculado. No caso do Gripen, o cálculo comprovado é que para cada dólar investido no projeto houve um retorno de 2,6 dólares. Entre os benefícios aplicados em outras áreas, está a tecnologia de aparelhos celulares da Suécia.

    Por fim, os benefícios do desenvolvimento conjunto, segundo de Laval, vão além do caça. Isso porque há muitas oportunidades no Brasil que podem beneficiar ambos os países. Como exemplo, citou a tecnologia de radares e de sistemas de segurança. Para o diretor da Saab, a abertura da Suécia a esse tipo de cooperação envolve tanto indústrias quanto a academia. Dentro dessa visão é que foi inaugurado o Centro de Pesquisa e Inovação Sueco-Brasileiro – CISB – na cidade paulista de São Bernardo do Campo. O CISB está conectado (link) ao sistema de inovação sueco em Gothenburg.

    Um contraponto irreverente da IBM

    A apresentação mais “bem comportada” de Pontus de Laval foi seguida pela palestra irreverente do cientista-chefe do laboratório brasileiro da IBM, Fábio Gandour, provocando risadas e surpresas na plateia e entre os palestrantes, com várias piadas dirigidas aos representantes da Saab e da Vinnova. Aproveitando o gancho da apresentação da Saab, Gandour destacou, entre outros aspectos, o esforço de seis anos que teve para implantar o laboratório brasileiro, convencendo a IBM de que o Brasil era a “bola da vez”. E que, por isso mesmo, merecia a instalação de um novo laboratório que não ficasse preso ao velho sistema de adaptar os produtos da matriz, e sim que contribuísse com inovações brasileiras.

    Logo de início, Gandour provocou de forma bem humorada o diretor da Saab dizendo que, após sua apresentação, estaria torcendo para a vitória do Gripen na disputa dos caças da FAB: justamente porque quer ver a inovação sair do “powerpoint” e virar realidade. A pergunta-chave a esse respeito, e que para Gandour pode ser estendida à relação de outros países com o Brasil é: para quem interessa mais a inovação nesse relacionamento entre os dois países, à desenvolvida Suécia ou ao Brasil em desenvolvimento? A resposta a essa provocativa pergunta fica para os leitores do Poder Aéreo.

    Vinnova, a agência governamental sueca para sistemas de inovação

    A apresentação final do painel ficou a cargo do Dr Ciro Vasques, que gerencia o programa de cooperação bilateral entre a Suécia e o Brasil na Vinnova.

    A Vinnova tem seu foco em projetos de Pesquisa e Desenvolvimento envolvendo universidades e pequenas empresas, visando o longo prazo e buscando parcerias internacionais. Aproveitando a questão levantada pelo executivo da IBM, Vasques lembrou que a Suécia é um dos países com a maior quantida