domingo, maio 16, 2021

Gripen para o Brasil

EADS: um UAV só para a Europa

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

A Europa precisa trabalhar de forma conjunta na próxima geração de UAVs ou repetirá os mesmos erros que levaram ao desenvolvimento e a produção de diferentes e custosos caças de combate que competem na mesma categoria, informou o grupo aeroespacial EADS neste domingo.

O aviso, feito na véspera do Paris Air Show, segue uma decisão da Grã-Bretanha e da França para pressionar outras empresas de defesa da Europa com o propósito de trabalhar em um único UAV armado com o envolvimento da EADS.

“Não estamos satisfeitos com o desenvolvimento de dois projetos potencialmente concorrentes na Europa, onde, obviamente, a Europa não está em posição de gastar 300 milhões de euros (US $ 425 milhões) nos próximos anos para desenvolver um projeto”, disse Stefan Zoller, executivo da EADS.

A EADS passou anos desenvolvendo o veículo aéreo não tripulado Talarion por conta própria na esperança de receber encomendas da França, Alemanha e Espanha.

No entanto, a Dassault Aviation da França e a BAE Systems da Grã-Bretanha intensificaram seus planos para construir seu próprio UAV segundo um acordo de defesa franco-britânico assinado no ano passado, provocando a ira e a frustração da EADS.

“Por que abandonar um projeto como esse … para refazer tudo de novo? Da minha perspectiva, isso é ridículo”, disse Zoller a jornalistas.

“Estamos prontos”, disse ele. “É uma pena ver que do lado europeu, novamente, a concorrência potencial irá atrasar a execução de tais programas.”

A França retirou-se do programa europeu Eurofighter em 1985 para trabalhar em seu próprio projeto – o Rafale, construído pela Dassault. Os dois aviões de combate estão competindo cabeça a cabeça no contrato indiano MMRCA, estimado em US $ 11 bilhões.

Embora a EADS detenha quase 50 por cento da Dassault, herdada do governo francês, ela não tem nenhuma influência sobre a empresa e os jatos são ferozes rivais no mercado.

O Rafale foi concebido como um projeto puramente francês como um gesto de soberania nacional, mas a França, desde então, voltou ao comando da Otan e analistas dizem que as condições econômicas sinalizam que nenhuma nação poderá agora ter recursos para construir um caça só.

O desenvolvimento de UAV em conjunto poderá pavimentar o caminho para uma futura geração de aviões de combate, que poderia ser não-tripulados.

Zoller apelou à França, Alemanha, Espanha e Turquia para reunir a quantia de 300 milhões de euros que permitirá a construção de um protótipo do Talarion até 2014.

A EADS já havia ameaçado de parar de trabalhar na Talarion se possíveis compradores não compartilharem parte dos custos de pesquisa.

A Dassault disse no início deste mês que o seu UAV Telemos poderia estar pronto e entrar em serviço em 2016, desde que os ministros francês e britânico autorizem o início do programa.

No entanto, o Talarion tem sido criticado por militares europeus pela sua falta de armamentos quando comparado com os projetos norte-americanos.

Zoller disse que o Talarion poderia ser usado em inúmeras missões.

FONTE: Reuters

TRADUÇAÕ E ADAPTAÇÃO:
Poder Aéreo

- Advertisement -

9 Comments

Subscribe
Notify of
guest
9 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.

Alemanha e Itália, já estão preocupados c/ esse papo. Que aliás, não passa de uma maeira de bloquear a aquisição do MQ-9 Reaper, pela AdA. O duro é justificar isto, sem ter nenhuma aeronave operacional voando, p/ por no lugar. “Alarm bells immediately rang in Rome over the perceived threat to future joint European programs in which Italy could participate.” “”I am not happy about the Anglo-French accord,” said Prince Christian-Peter zu Waldeck, the director of the Federal Association of the German Defense and Security Industry.” “The French response to Italy’s proposed cooperation deals “was ‘No,’ because of the pending… Read more »

Mauricio R.

Telemos X Talarion = Reaper MQ-9:
Ou como impedir a força aérea de seu próprio país, de adqurir um sistema disponível no mercado, usando a própria incapacidade da indústria local em fornece-lo.

(http://www.defense-aerospace.com/articles-view/feature/5/126333/telemos-revives-france%E2%80%99s-uav-wars.html)

Wagner

Duvido que a Europa se una para fazer esse projeto, mas eu torço para isso: seria melhor para eles, militar e economicamente falando.

se terminar igual a Fragata stealth europeia…

Vader

A Europa desunida e falida morrerá abraçada com seus projetos impagáveis e impraticáveis.

Enquanto isso americanos, russos e chineses morrerão também… só que de tanto dar risada… 🙂

Ivan

Este filme está parecendo um remake digital e sem piloto de um filme não muito antigo de um quarto de século atrás… 🙂

Sds,
Ivan, o Antigo.

Nick

Caro Ivan e cia,

Será que terão que esperar mais 25 anos para fazerem um projeto Europeu ? O Reaper pode ser um tapa-buraco, qual o problema? Mas que não se criem 3 ou 4 Ucavs europeus com capacidades semelhantes.

[]’s

Antonio M

“…ou repetirá os mesmos erros que levaram ao desenvolvimento e a produção de diferentes e custosos caças de combate que competem na mesma categoria, informou o grupo aeroespacial EADS neste domingo. …”

Adimitir o erro já seria uma grande coisa, mas, apenas para citar um exemplo, será que o pessoal da Dassault pensa assim em relação ao Rafale?

Almeida

Esse Telemos é bem feio hein? Praticamente um remendo!

E o Barracuda? O que será feito dele?

joseboscojr

Um Global Hawk malacabado.
Rsrsssss

Reportagens especiais

As chances do Gripen ao redor do planeta

E como isso poderá ser benéfico para o Brasil Por Guilherme Poggio (colaborou: Fernando "Nunão" De Martini) Em matéria anterior eu mencionei...
- Advertisement -
- Advertisement -