Segunda motorização do F-35 fora dos planos do Senado dos EUA

    158
    7

    Segundo notícia da Reuters veiculada na última sexta-feira (4 de março), o Senado dos EUA não incluiu o motor alternativo para o F-35 nos seus planos de orçamento. No mês passado, a Câmara já havia se manifestado contrária ao desenvolvimento desse motor, denominado F136, que é fruto de uma parceria da General Electric com a Rolls-Royce, em sua proposta de orçamento.

    Desde 2007 o Pentágono vem tentando acabar com esse programa, porém legisladores republicanos e democratas vêm, repetidamente, colocando-o de volta nas propostas do orçamento, baseados em preocupações com empregos e com milhares de caças terão apenas um único projeto de motor.

    Apoiadores desse motor, no Congresso, ainda poderiam tentar ressucitar o programa com emendas. Mas pressões fiscais aparentemente estão favorecendo a posição do Pentágono – é esperado, para este ano fiscal, um déficit de 1,65 trilhão de dólares, ou 10,9% da economia.

    Os legisladores decidiram resolver suas diferenças em até duas semanas, para então assinar a lei que regulará o orçamento pelo resto do ano fiscal, que termina em 30 de setembro deste ano – para esse período, o custo para o programa de desenvolvimento do F136 seria de 450 milhões de dólares, segundo a Reuters.

    Mas o que o Pentágono mira é numa economia de aproximadamente 3 bilhões de dólares nos próximos anos, com o cancelamento desse programa. A GE e a Rolls-Royce argumentam que o custo para desenvolver completamente o motor seria menor, em torno de 1,8 bilhão. A GE vê essa decisão do Senado como parte do processo. Mas, por meio de seu porta-voz, Rick Kennedy, avisa que o assunto ainda não está completamente terminado.

    FONTE: Reuters (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo

    FOTO: jsf.mil

    VEJA TAMBÉM:

  • F136, o motor alternativo para o F-35
  • Nos EUA, câmara vota contra segunda motorização do F-35
  • Para Gates, F-35 não terá segunda motorização
  • O F-35 e suas variantes
  • Pode até ficar invisível, mas é bem audível
  • F-35 vence sua primeira batalha no estrangeiro
  • F-35 será bem mais caro do que os aviões que substituirá
  • Custos do F-35 subiram 50%
  • Farnborough 2010: a LM insiste que os custos do JSF estão caindo
  • Pentágono reduz drasticamente as compras de F-35 no período de 2012-2016
  • 7
    Deixe um comentário

    avatar
    7 Comment threads
    0 Thread replies
    0 Followers
     
    Most reacted comment
    Hottest comment thread
    5 Comment authors
    NickRenato OliveiraIvanVaderWagner Recent comment authors
      Subscribe  
    newest oldest most voted
    Notify of
    Wagner
    Visitante
    Member
    Wagner

    “””é esperado, para este ano fiscal, um déficit de 1,65 trilhão de dólares, ou 10,9% da economia.”””

    IIhhhh… quero ver eles inverterem isso…

    Wagner
    Visitante
    Member
    Wagner

    O deficit deles é maior que nosso PIB inteiro !!

    Vader
    Visitante
    Member

    E tem sido assim nos últimos 20 anos…

    Ivan
    Visitante
    Member
    Ivan

    Como será que os ingleses da Rolls-Royce vão reagir ao cancelamento do motor F-136?

    A General Eletric tem as encomendas das turbinas aeronáuticas GE F-414 e as turbinas marítimas LM2500 para a US Navy. Pode reclamar, mas já tem uma boa fatia do orçamento americano.

    Mas a Rolls-Royce não…

    Com este cancelamento os F-35 Lightning II da Inglaterra terão que voar com motor norte americano Pratt & Whitney.

    Sds,
    Ivan.

    Renato Oliveira
    Visitante
    Member
    Renato Oliveira

    R&R fabrica enormes quantidades de motores civis, não vai quebrar por conta disso.

    Nick
    Visitante
    Member
    Nick

    Tecnicamente, existe a necessidade de um segundo motor??? Se o PW F-135 da conta do recado, não vejo necessidade mesmo.

    []’s

    Vader
    Visitante
    Member

    Ivan disse:
    8 de março de 2011 às 19:36

    “Como será que os ingleses da Rolls-Royce vão reagir ao cancelamento do motor F-136?”

    Ivan, Sua Majestade é que banque o segundo motor do F-35, se acham tão imprescindível assim. O que não pode é os ingleses desejarem algo desnecessário, mas que o contribuinte “rebelde” é que pague por isso.

    Abraço.