Home Noticiário Internacional Presidenta decidirá compra de caças no momento que julgar oportuno, diz Jobim

Presidenta decidirá compra de caças no momento que julgar oportuno, diz Jobim

98
7

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou hoje (22) que a presidenta Dilma Rousseff decidirá sobre o processo de aquisição dos caças para a Força Aérea Brasileira (FAB) “no momento que julgar oportuno”. Na avaliação de Jobim, as restrições atuais, decorrentes dos cortes no orçamento da União, não deixam espaço para uma decisão de curto prazo sobre o projeto FX-2.

A afirmação foi feita nesta manhã durante audiência com a ministra de Relações Exteriores e Européias da França, Michèle Alliot-Marie (foto à esquerda), na sede do Ministério, em Brasília. Durante o encontro, o ministro brasileiro explicou que o contingenciamento na área da Defesa foi de R$ 4,024 bilhões, o que representa redução de 26,5% em relação ao valor total de R$ 15,165 bilhões originalmente previsto para investimento e custeio na pasta este ano.

Jobim lembrou que a Defesa já encaminhou à presidenta Dilma mensagem embasada em pareceres técnicos com a posição do Ministério e dos comandantes da Aeronáutica e Marinha, forças diretamente envolvidas no assunto, sobre a aquisição das aeronaves.

Jobim explicou à ministra francesa que a decisão relativa à compra seguirá rito que começa com o envio da mensagem do Ministério da Defesa à presidenta da República. Em seguida, esta última convoca o Conselho de Defesa Nacional (CDN). Órgão consultivo composto pelos comandantes das três forças armadas, pelos presidentes da Câmara e do Senado e por outros ministros de Estado, caberá ao CDN emitir opinião sobre o tema.

De posse dos subsídios elaborados pela Defesa e pelo CDN, a presidenta decidirá por uma das propostas. Participam da concorrência em curso as propostas das aeronaves Gripen NG (Saab), Rafale (Dassault) e F-18 Super Hornet (Boeing).

Transferência tecnológica

Na audiência, Jobim reiterou à ministra francesa a condição estabelecida pelo Brasil de que a compra das aeronaves contemple a transferência tecnológica e a capacitação nacional. Jobim tem manifestado o entendimento de que a concorrência que envolve os caças não é apenas uma simples compra de equipamento militar, mas a aquisição, pelo Brasil, de um pacote tecnológico que permitirá ao país seu desenvolvimento soberano no setor. “O preço é importante, mas o mais importante é capacitação nacional”, disse.

Segundo Jobim, após a tomada de decisão pela presidenta, seguirão as tratativas entre os representantes da empresa vencedora e do governo brasileiro para formatação das propostas comercial e financeira. Baseado em experiências anteriores, como a do ProSub (programa em curso que prevê a construção de submarinos no Brasil), estima-se que essas tratativas devem durar cerca de um ano. E os efeitos financeiros sé deverão impactar o orçamento do ano subseqüente ao da decisão sobre a aquisição.

Além do processo de compra dos caças, os ministros do Brasil e da França trataram, durante o encontro, de vários outros assuntos sobre projetos e iniciativas comuns na área de Defesa. A ministra francesa manifestou o interesse de seu país de participar de projetos no setor de Defesa brasileiro com o compromisso de transferência tecnológica. “A Defesa é o coração da parceria estratégica entre Brasil e França”, disse a ministra, manifestando compreensão com o momento de restrição orçamentária por que passa o Brasil.

FONTE / FOTO MENOR (T. Sobreira): Ministério da Defesa (Assessoria de Comunicação Social)

FOTO MAIOR (Presidente Dilma recebe Ministra Michèle Alliot-Marie): Agência Brasil

VEJA NO FORÇAS TERRESTRES:

Subscribe
Notify of
guest
7 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Observador
Observador
9 anos atrás

Se a Dilma tivesse intenção mesmo de cortar gastos começava por acabar com a loucura do trem-bala, que pode sair bem mais que os 50 bilhões já orçados.

Fiz um comentário a respeito na notícia “Investimento Bilionário”.

Vai cortar nas FAs porque para o povão este corte não aparece. O MinDef sozinho vai ser responsável por 8% dos cortes.

Nick
Nick
9 anos atrás

Agora o Jobin soltou a frase certa : “no momento que julgar oportuno” .

Isso pode significar até 2 anos, 2 anos a mais, ou seja, todo o processo do FX-2 fará sentido daqui 2 anos? Se a presidente quer ganhar tempo, simplesmente comece um novo processo licitatório, isso dará mais tempo, melhores ofertas e mais transparência.

E concordo com o Observador, trem-bala pra que??? Melhor esse dinheiro aplicado no aumento da rede de metrôs em São Paulo e no Rio, que beneficiaria muito mais gente, especialmente os de baixa renda.

[]’s

Vader
9 anos atrás

Momento oportuno = nunca

Antonio M
Antonio M
9 anos atrás

Pois é, segundo o governo do quel participou por 8 naos, foram anos de bonança na economia mundial, com crescimento econômico e o escambau e que “moemnto oportuno” é esse? Inclusive formalizaram em 2002 o cancelamento do FX1 com a desculpa de usar o $$ para erradicar a fome no Brasil e no entanto …

Ou estão planejando declarar guerra a algum país e aí sim ter uma justificativa para a aquisição?

ZE
ZE
9 anos atrás

1º) Eu NÃOOOOOOO aguento mais o Jobim. Mais um post desse senhor e eu me mato !!!!!!!!!!!!!! 2º) “A Defesa é o coração da parceria estratégica entre Brasil e França”, disse a ministra, manifestando compreensão com o momento de restrição orçamentária por que passa o Brasil”. Que tal os franceses cumprirem a sua parte no Acordo de Parceria Estratégica e, de uma vez por todas, abrir o seu mercado milionário agrícola, vale dizer, ACABAR COM AS BARREIRAS E OS SUBSÍDIOS AGRÍCOLAS ??? Já gastamos 20 Bilhões comprando os submarinos e outros tantos comprando aquelas PORCARIAS de helicópteros. Agora, é a… Read more »

Yluss
Yluss
9 anos atrás

Zé, obrigado por dizer por mim:

“Na verdade, eu estou C….ando e Andando para o que a MINISTRA DOS FRANCESES pensa ou deixa de pensar !!!!!!!!!!!!!!! ”

TEJA DITO!!!!!!

Sds

Rodrigo
Rodrigo
9 anos atrás

O Jobim, para tomar café no trabalho está levando uma garrafa térmica de casa, tamanha a falta de prestígio.