sexta-feira, setembro 24, 2021

Gripen para o Brasil

McCain defende caças F-18 em encontro com Dilma

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Lisandra Paraguassu e Leonencio Nossa – Agência Estado

O senador republicano John MCCain (Arizona) esteve hoje com a presidente Dilma Rousseff e aproveitou para defender a compra, pelo Brasil, dos caças americanos F-18 Super Hornet, da Boeing. Ao senador americano, a presidente informou que a preocupação brasileira é a transferência de tecnologia, importante para a indústria brasileira. MCCain respondeu a Dilma que pretende trabalhar com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e com o Congresso americano para deixar claro que haverá a transferência que interessa ao Brasil.

“Nós conversamos sobre a venda dos caças. Há uma preocupação sobre transferência de tecnologia. Minha intenção é voltar aos Estados Unidos e deixar bem claro ao presidente e ao Congresso que é preciso deixar claro que haverá uma transferência completa de tecnologia caso o governo brasileiro decida adquirir os F-18”, disse o senador, ao sair do encontro com a presidente no Palácio do Planalto.

O senador, acompanhado do seu colega John Barraso (Wyoming), também esteve no Ministério da Defesa. Mas os dois não ouviram nem de Dilma nem do ministro Nelson Jobim uma data para o anúncio da decisão sobre a compra dos caças.

A novela da compra dos caças pelo governo brasileiro já se arrasta desde 2007. Por diversas vezes o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve por anunciar a escolha brasileira, mas terminou por deixar o problema nas mãos da sua sucessora. A preferência de Lula e do Itamaraty era pelos caças franceses Rafale, por conta da relação diplomática com a França. Os militares, no entanto, preferem fechar o negócio com a sueca Saab, fabricante dos Gripen. O negócio, de US$ 4 bilhões, motivou até mesmo a vinda do presidente francês Nicolas Sarkozy para a última comemoração do 7 de setembro, em Brasília.

MCCain demonstrou “esperança” de que os caças americanos sejam escolhidos, mas afirmou que não vai haver pressão política por parte dos Estados Unidos. “Eu acredito que a decisão será baseada em méritos”, afirmou.

FONTE: Estadão / FOTO: Australian Government Department of Defence

BATE-PAPO ONLINE: Converse com outros leitores sobre este e outros assuntos no ‘Xat’ do Poder Aéreo, clicando aqui.

- Advertisement -

2 Comments

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
ZE

A reportagem só esqueceu de dizer que a relação diplomática entre o Brasil e a França é para inglês ver ! A França é a PRINCIPAL opositora à entrada dos produtos agrícolas brasileiros na União Eropeia, e isso fere um dos artigos do Acordo Estratégico de araque que fizemos com eles. A França votou contra o seu Parceiro Estratégico, ou seja, nós, no Conselho de Segurança da ONU (de novo, parece que eles não leram o tal Acordo de Parceria Estratégica que fizeram conosco). O apoio da França para a entrada do Brasil no Conselho de Segurança da ONU NÃO… Read more »

asbueno

Simplificando, se era “unanimidade” no governo anterior, o Rafale deixou de sê-lo ainda antes do término deste. Agora, definitivamente, não é mais.

Se abrirem ao menos um dos olhos verão que a opção francesa somente é boa para um dos lados.

Últimas Notícias

FOTOS: J-16D com novos pods de guerra/interferência eletrônica

Foram divulgadas mais fotos do Shenyang J-16D, versão de guerra eletrônica do caça multimissão J-16 da Força Aérea de...
- Advertisement -
- Advertisement -