Home Indústria Aeroespacial O que poucos sabem sobre a Embraer

O que poucos sabem sobre a Embraer

227
28

Leia esta curta série de três posts sobre a cooperação da Embraer com companhias aeroespaciais norte-americanas e como isto promoveu o desenvolvimento tecnológico da empresa brasileira.

Na foto acima uma deriva de F-5. Esta foi uma das várias peças produzidas pela Embraer.

  • O que poucos sabem sobre a Embraer – 1
  • O que poucos sabem sobre a Embraer – 2
  • O que poucos sabem sobre a Embraer – 3
  • Subscribe
    Notify of
    guest
    28 Comentários
    oldest
    newest most voted
    Inline Feedbacks
    View all comments
    jakson almeida
    jakson almeida
    9 anos atrás

    E a Dassault , propôs que parceria pra Embraer?

    ZE
    ZE
    9 anos atrás

    NÃO !!!!

    Poggio, o que é isso ?

    Quer diz…dizer…

    Quer dizer que o Grande Satã do Norte, afinal de contas, foi importante para o desenvolvimento da EMBRAER ?

    Ué, mas eles não são os malvados da fita ?

    [ ]s

    Almeida
    Almeida
    9 anos atrás

    Havendo interesses mútuos, todos cooperam. Mas tem gente que prefere não enxergar…

    Alex
    Alex
    9 anos atrás

    hum, sera que vai ter gente que vai falar que isso é mentira….

    Eduardo
    Eduardo
    9 anos atrás

    Olá, sempre acompanho a triologia e sou funcionário da Embraer, aqui, todos sabemos que a tecnologia usada é made in boeing, desde procedimentos simples até mais complexos, lay out, rotina de trabalho, linha de produção, métodos e processos…viva o tio sam..rs

    Harry
    Harry
    9 anos atrás

    É Possivel pensar que fizemos algo em troca para merecer tamanha reverencia do EUA ou ato de benevolencia

    Vamos entregar a decisão ao vendedor que nos dirá ” venderei o que acho que lhe é necessario ” .

    Quanto a garantia da transferencia de tecnologia vamos deixar a juizo do congresso americano.

    Abs

    RolandTFlackphayser
    RolandTFlackphayser
    9 anos atrás

    A Embraer quer por que quer a tecnologia dos jatos executivos de longa distância, coisa que a Dassault, fabricante do Falcon, nunca ira permitir. E se bobear ela mela tambem os regionais da Embraer com uma forçinha do seu empregado do mês, Nelsão Gavião Chupim.

    Galileu
    Galileu
    9 anos atrás

    SIMPLES, sabem porque a embraer não produz aeronave comercial ou militar com um bom nivel de nacionalização?? Porque não tem dinheiroooo, nunca teve, só depois que cairam na real e o FHC privatizou, senão não teriam nada do pouco que tem hoje!! E o pouco que tem hoje, se deve a PARCERIAS que a embraer conseguiu, unica forma de construir algo sem ter dinheiro para tal. E vamos imaginar que a embraer tenha muitoo dinheiro, vocês acham que eles vão entrar num negócio caro e arriscado como é um caça, para que o maior comprador, compre uma dúzia em 15… Read more »

    Rafael
    Rafael
    9 anos atrás

    apagaram meus scraps sobre o boicote q os EUA fizeram ao tanque Osorio ????

    pq ?

    Rafael
    Rafael
    9 anos atrás

    chamar o brasil pra fazer coisinhas pequenas é MUITO FACIL … isso é mais ilusorio do q a irrestrita transferencia de tecnologia da Dessault

    agora, quando o Brasil quis concorrer de igual pra igual na venda de armas internacional, a gente viu oq eles fizeram… a memoria do tanque osorio ta aí pra provar

    Alekseyevich - BANIDO
    Alekseyevich - BANIDO
    9 anos atrás

    USUÁRIO BANIDO.

    Vinícius Dutra
    Vinícius Dutra
    9 anos atrás

    Pois é, agora postem as vezes que que os yankees atrapalharam nossos negócios e nosso desenvolvimento de tecnologia, pra poder comparar. Postar só o que é conveniente é ser parcial.
    Postem aí sobre o Osório, sobre quando eles nos deram as costas quando a gente quiz dar uma melhorada nos F-5, sobre os boicotes no nosso programa espacial, etc.

    Rodrigo
    Rodrigo
    9 anos atrás

    Rafael disse: 7 de dezembro de 2010 às 23:28 Concorrer de “igual para igual” o colega forçou a amizade. ————————————————- As N vezes que eu fali que para a EMBRAER é mais negócio trabalhar com a Boeing, que com SAAB ou Dassault não é por que sou pró EUA. Se fosse uma outra empresa do porte da Boeing, eu teria a mesma visão. A SAAB( depto de aviação) é pequena demais e só valeria a pena se fosse para dividir meio a meio. Ai chegamos ao detalhe.. A SAAB tem o Gripen e o que mais ? Ela descontinuou um… Read more »

    Rafael
    Rafael
    9 anos atrás

    “Concorrer de “igual para igual” o colega forçou a amizade”

    .
    Como assim Rodrigo…

    até onde eu sei o nosso tanque Osorio chegou a bater o americano em varios quesitos

    Vc, alem de piloto, engeheiro, economista, programador de software, é especialista em tanque tb ?????

    Vinícius Dutra
    Vinícius Dutra
    9 anos atrás

    Os americanos querem o desenvolvimento da gente sabe onde? Debaixo da sola do sapato deles. Esse negócio de fazer deriva de F-5, flaps de MD-11, etc. Isso é jogar migalhas aos porcos. Todo mundo sabe que quando a gente tenta dar um passo mais à frente eles entram no meio e melam tudo. exemplo disso (fora os já citados) é o boicote que o ST vem enfrentando no congresso americano na licitação que o governo dos EUA abriram para a aquisição de 200 aeronaves de treinamento e ataque leve. Jogar migalhas eles jogam, mas quando a gente tenta sair do… Read more »

    eduardo
    eduardo
    9 anos atrás

    Não vamos misturar as coisas. Uma coisa é transferência de tecnologia no escopo do FX-2, outra é competição no mercado de armamentos e outra são os embargos à venda de produtos brasileiros com tecnologia americana. Transferência de tecnologia no escopo do FX-2 é tranquilo. Basta ver a quais tecnologias a FAB/Embraer quer ter acesso, verificar as licenças autorizadas pelo governo americano e botar isso no contrato. Nos EUA contrato vale. Se estiver escrito e não for cumprido, aplicam-se as penalidades previstas no contrato. Como as licenças já teriam sido concedidas ex-ante, creio que não haveria problemas. Competição no mercado de… Read more »

    Rodrigo
    Rodrigo
    9 anos atrás

    Rafael disse:
    8 de dezembro de 2010 às 8:48

    Pelo menos eu não sou especialista em puxar o saco do PT.

    Na trilogia tem bastante material sobre o Osório..

    Dá uma pesquisada lá que quem sabe você abre o olhinho e tira o filtro vermelho-ufanista.

    Vinícius Dutra
    Vinícius Dutra
    9 anos atrás

    “Transferência de tecnologia no escopo do FX-2 é tranquilo. Basta ver a quais tecnologias a FAB/Embraer quer ter acesso, verificar as licenças autorizadas pelo governo americano e botar isso no contrato.”
    Falando assim parece tão fácil. Olha, se eu for dizwer aqui tudo que quero vai faltar espaço. Mas o conteúdo desse site exemplifica bem isso: http://blogln.ning.com/group/defesanacional/forum/topics/embargo-dos-estados-unidos?xg_source=activity

    Rodrigo
    Rodrigo
    9 anos atrás

    É chato ter que ficar voltando em coisa antiga.

    Infelizmente na Internet existe a “audiência rotativa”.

    Vinícius, você já se deu ao trabalho de ler os memorandos nos famosos slides do Brig. Venâncio ?

    Mikhail Aleksandrovitch Bakunin
    9 anos atrás

    Vc, alem de piloto, engeheiro, economista, programador de software, é especialista em tanque tb ????

    Não, especialista em tanque é a minha mulher. Em máquina de lavar tb.

    []s

    Craveiro
    Craveiro
    9 anos atrás

    Invertamos as posições. Imaginemos uma conglomerado de empresas brasileiras detentoras de conhecimento e tecnologia e produtos aeronáuticos. Agora imaginemos que um país queira adquirir meia centena de aeronaves “nossas”. Este país possui uma empresa aeronáutica líder com 3 ou 4 décadas de existência e experiência em produção de aeronaves comerciais e um pouco menos disto em produção de aeronaves militares. O país, para comprar a meia centena de aeronaves, requer transferência de tecnologia. O que vocês imaginam que o “nosso conglomerado” iria transferir? Seria uma “transferência irrestrita’? Ou uma limitada e “necessária”? Esse conglomerado abriria seus banco de dados para… Read more »

    Vinícius Dutra
    Vinícius Dutra
    9 anos atrás

    “É chato ter que ficar voltando em coisa antiga.”
    Coisa antiga mas é fato. E o que aconteceu no passado pode voltar a acontecer no futuro. É só a gente dar o pêlo que eles montam.”

    “Infelizmente na Internet existe a “audiência rotativa”.”
    ¿O que tem a ver?

    “Vinícius, você já se deu ao trabalho de ler os memorandos nos famosos slides do Brig. Venâncio ?”
    Sim, por que?

    Rodrigo
    Rodrigo
    9 anos atrás

    Vinícius Dutra disse: 8 de dezembro de 2010 às 12:02 Se você leu, todo este papinho que os americanos nos sacaneiam sem avisar cai por terra. Ao invés de vocês glorificarem este vídeo, deveriam é escondê-lo isto sim. É decepcionante um Brigadeiro da FAB, que obviamente conhece o ITAR, conhece as restrições de exportações tecnológicas dos EUA ficar com este papo de coitadinho. Os EUA NÃO EXPORTAM TECNOLOGIA ESPACIAL PARA NINGUÉM e são extremamente cuidadosos na exportação de componentes que possam ser utilizados com esta finalidade. Já sabe-se disto de antemão… Eu aconselho você a ler com mais atenção aos… Read more »

    Vinícius Dutra
    Vinícius Dutra
    9 anos atrás

    Outra coisa: se os americanos são a “ama-de-leite” da EMBRAER, me explica por que a própria EMBRAER deu prfeência ao Gripen?

    Mikhail Aleksandrovitch Bakunin
    9 anos atrás

    Rafael e Vinícius, procurem nos arquivos do ForTe as matérias onde esse assunto da Engesa foi dissecado ao máximo, até ex-funcionários da empresa contribuiram com muitas informações. Há muita mistificação a respeito dessa concorrência saudita e do suposto jogo sujo americano.

    []s

    Vinícius Dutra
    Vinícius Dutra
    9 anos atrás

    Por que sem avisar? O “papinho” mostra justamente que os americanos mudam de política sem aviso prévio. Além disso, eles nos enganaram com o buscador do Piranha II.

    Vinícius Dutra
    Vinícius Dutra
    9 anos atrás

    Mikhail, bem que eu queria, mas o ForTe tá fora do ar.
    E, pensando bem, é a maior idiotice a gente ficar discutindo o FX-2, já que nem o presidente molusco tá levando isso a sério.