Home Sistemas de Armas Possibilidade de conflito militar é remota

Possibilidade de conflito militar é remota

235
81

A-4-AR-na-Salitre-2009-foto-6-FAA

Typhoon - foto RAF

Roberto Godoy

vinheta-clippingA militarização da crise das Ilhas Malvinas/Falklands é uma possibilidade remota. As forças argentinas não têm preparo nem equipamento para uma eventual ação armada. O governo de Cristina Kirchner reduziu o orçamento da Defesa e reluta em assinar contratos de revitalização de sistemas de combate. O jato argentino com maior disponibilidade é o subsônico Skyhawk, com 35 anos de uso, apenas parcialmente modernizado. Os britânicos mantêm nas ilhas a poderosa base aeronaval de Mount Pleasant, um empreendimento de US$ 550 milhões, iniciado três dias após o fim da guerra de 1982.

Ontem o comandante da Força Aérea Real (RAF), Stephen Dalton, anunciou que o nível de alerta do esquadrão de quatro super CAÇAS Typhoon – deslocado em outubro de 2009 de Coningsby – subiu um ponto. Isso significa que os pilotos estão prontos para decolar 5 minutos após o sinal de alerta. Normalmente esse tempo é de 15 minutos. O Typhoon voa a 2.300 km/h, tem um canhão de 27 mm e leva 9 toneladas de armas. Dalton justificou a medida como “consequência da crescente de tensão e da manutenção da superioridade aérea”.

A base de Pleasant é defendida por mísseis antiaéreos, tem capacidade para receber submarinos atômicos e nesse momento abriga, além de 1.067 militares, a fragata missileira York, de 5,2 mil toneladas (280 tripulantes, 1 helicóptero de ataque), além de aviões de inteligência e de reabastecimento em voo.

FONTE: Estadão, via Notimp

FOTOS (de cima para baixo, na ordem citada no texto): FAA e RAF

NOTA DO BLOG: apenas detalhando um pouco mais alguns dados do texto acima, a idade dos A-4AR argentinos, denominados Fightinghawk, realmente beira os 35 anos, já que se trata de aeronaves A-4M adquiridas dos estoques norte-americanos e fabricadas na década de 70, embora o tempo de uso seja um pouco menor, dado que as células ficaram estocadas por parte desse tempo. De fato, são considerados  os jatos de combate de maior disponibilidade da Força Aérea Argentina (FAA), com participação em operações recentes como a Salitre II, no Chile, da qual a foto no alto desta matéria é proveniente. Porém, a modernização pela qual passaram, no início dos anos 90 (para entrada em operação na FAA no final daquela década) foi bastante extensa no contexto da época. De qualquer forma, os Typhoon evidentemente têm outra categoria de sistemas embarcados.

VEJA MAIS:

    81
    Deixe um comentário

    avatar
    81 Comment threads
    0 Thread replies
    0 Followers
     
    Most reacted comment
    Hottest comment thread
    32 Comment authors
    BerkutBascheraWolfpackChristian VilladaAndré Recent comment authors
      Subscribe  
    newest oldest most voted
    Notify of
    tyrion
    Visitante
    tyrion

    O governo argentino da senhora Kirchner vai mal e a receita para as republicas de faz de conta da america latina para resolver a situação interna é apelar para o nacionalismo de ocasião. E a exploração de petroleo nas malvinas veio bem a calhar…quanto a um novo confronto pelas malvinas e coisa remota, a argentina estão com as forças armadas combalida, a projeção de poder mais eficiente seria um ataque aereo pela que seus caças seriam detectados assim que ultapassem as costas argentinas e os Typhoon fariam um belo estrago..e alguem passar via alvo dos SAM antes mesmo de verem… Read more »

    tyrion
    Visitante
    tyrion

    texto corrigido…to escrevendo sem oculos..hehehe…idade. O governo argentino da senhora Kirchner vai mal e a receita para as republicas de faz de conta da america latina para resolver a situação interna é apelar para o nacionalismo de ocasião. E a exploração de petroleo nas malvinas veio bem a calhar…quanto a um novo confronto pelas malvinas e coisa remota. A argentina esta com as forças armadas combalida, a projeção de poder mais eficiente seria um ataque aereo, Porem seus caças seriam detectados assim que ultapassem as costas argentinas e os Typhoon fariam um belo estrago..e se alguem passar via virar alvo… Read more »

    tyrion
    Visitante
    tyrion

    encontrei um otimo material em http://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_das_Malvinas

    Giordani RS
    Visitante
    Giordani RS

    Enquanto isso em brasília…

    Giordani RS
    Visitante
    Giordani RS

    Já perceberam que nenhuma reinvidicação brasileira é apoiada pelos nossos “vizinhos”?

    Felipe Cps
    Visitante
    Felipe Cps

    Essa conversa fiada toda dos KK só serve para uma coisa: os governos da AL enxergarem que tem que levar a sério o tema Defesa. Quem sabe se a Argentina se rearmasse o Brasil acelerasse o seu próprio rearmamento, om eficácia…

    No mais, a Força Aérea Argentina inteira não dura 15 minutos de combate contra os Typhoon de Sua Majestade.

    Pergunto aos experts:

    1- o Typhoon tem autonomia para bombardear Buenos Aires e voltar sem REVO?

    2- os 4 que estão nas Falklands não são apenas os primeiros de um esquadrão inteiro?

    Sds.

    A-Bomb
    Visitante
    A-Bomb

    hahahah
    A mesma formula do populismo de Hugo Chaves.
    Quando a economia vai mal tenta se achar um inimigo externo para distrair a população.

    Mas a Argentina tem duas Forças Armadas totalmente sucateadas.
    Imaginem a cena:
    As sucatas voadoras argentinas contra os letais Typhoon.
    Piada não é mesmo.
    A aprendiz de ditadora Cristina Kirchner esta desesperada.

    Ricardo_Recife
    Visitante
    Ricardo_Recife

    Se eles forem idiotas de fazerem aquela burrada de novo a coisa não vai durar 45 dias, mas 45 minutos. Eu imagino eu bombardeio de Typhoon da RAF sobre Buenos Aires destruindo tudo, começando com a Casa Rosada terminando com a Força Aérea Argentina no chão.

    marujo
    Visitante
    marujo

    O Typhoon não é um caça predominantemente ar-ar?

    Rogério
    Visitante
    Rogério

    Felipe pra que mais de 4 Typhoons? É isso que a FAA significa pra eles exatos 4 Typhoons.

    []s

    Felipe Cps
    Visitante
    Felipe Cps

    Giordani RS em 23 fev, 2010 às 11:31

    “Já perceberam que nenhuma reinvidicação brasileira é apoiada pelos nossos “vizinhos”?”

    Muito bem lembrado. O Mercosul virou uma piada. Nossas empresas só tomam na cabeça com a Argentina. Quanto à tal reivindicação brasileira a membro permanente do CS da ONU (de resto irrelevante após o Iraque) o que nossos queridos “hermanos” fizeram? Cag. e andaram para a gente!

    A diplomacia do ParTido é uma piada. E toca o Brasilzão Costa-Larga arrumar mais uma canga pra carregar…

    Êêêêê MAG e Amorim, vcs num perdem nada por esperar… a hora de vcs tá chegando… 🙂

    Sds.

    Felipe Cps
    Visitante
    Felipe Cps

    marujo em 23 fev, 2010 às 11:36

    “O Typhoon não é um caça predominantemente ar-ar?”

    Marujo, a princípio os primeiros seriam interceptadores “puro-sangues” mas tenho a impressão que hoje todos são omni-roles (o Tranche 3 será multirole – pra quem entende haver diferença entre um e outro). De qualquer maneira, tem capacidade de efetuar missões de bombardeio, e enorme capacidade de transporte de payload.

    Sds.

    Felipe Cps
    Visitante
    Felipe Cps

    Valeu Nunão.

    Bosco
    Visitante
    Bosco

    Felipe,
    eu acho que os britânicos não iriam chegar a tanto, mas se quiserem poderiam usar os Tomahawks.
    Um abraço.

    Vinicius Modolo
    Visitante
    Vinicius Modolo

    Segundo fontes seguras….quando os A-4 estão no TO com seus radares ligados e outra aeronave entra em cena tbm com seu radar ligado, os do A-4 ficam inativos, caem e não ligam mais!!!

    Bela modernização!!!

    Felipe Cps
    Visitante
    Felipe Cps

    Ehehe Boscão, tô falando no campos das conjecturas, rsrsrs… Não desejo bombardeio da RAF nem pra… Argentina! 🙂

    Ricardo_Recife
    Visitante
    Ricardo_Recife

    Distância entre Buenos Aires e Malvinas, 1800 Km. Os ingleses conseguem sem muitas dificuldade transferir caças da Ilha de Ascensão até Port Darwin. Se os Argentinos encresparem a RAF coloca uns 12 tufões nas ilhas e uns 4 aviões de reabastecimento em poucos dias, e ai é babau!

    Bosco
    Visitante
    Bosco

    O Typhoon é um caça multirole (ou swing role como preferem os europeus) desde a primeira versão.
    Versões posteriores (tranche 1,2,3) aumentaram o leque de armas e de equipamentos disponíveis (radar, IRST, etc), visando entre outras coisas aumentar a independência, permitir ataques com armas de precisão e integrar armas de longo alcance (mísseis cruise).
    Mas a capacidade de atacar alvos em terra existe desde o início, inclusive levando armas de precisão como as bombas Paveway.
    Um abraço a todos.

    Bosco
    Visitante
    Bosco

    Nunão,
    só depois li o seu comentário.

    Complementando o meu:
    Agora, se eles não treinam ou não desenvolveram ainda doutrina e se dedicam única e exclusivamente as missões ar-ar aí é outra coisa. Mas que o Typhoon está equipado e pode ser usado em missões ar-sup, pode.

    Ricardo_Recife
    Visitante
    Ricardo_Recife

    O Typhoon é um multipapel (multirole,)e não mais apenas de superioridade aérea, com uma raio de ação de aproximadamente 1.200 km completamente carregado, e tem homologado vários tipos de armas para ataque ao solo, principalmente os mísseis Storm Shadow, Taurus MAW, Brimstone (Hell Fire)e Bombas Guiadas a laser e a GPS.

    Fabio Mayer
    Visitante
    Fabio Mayer

    A Inglaterra ainda tem porta-aviões e ainda tem uma frota respeitável de fragatas, apesar de sua derrocada econômica e mesmo militar a partir da II Guerra. É uma força respeitável a de Sua Majestade, e certamente, das mais bem treinadas. Alguém levantou a hipótese da Inglaterra sofrer sanções comerciais se inticar com a Argentina, mas penso que é exatamente o contrário. A Inglaterra ainda é um grande país,porque exporta seus produtos para a Comunidade Britânica (antigas colônias), depende pouco do comércio com a América Latina. Já a Argentina, hoje depende do comércio com o Brasil e das esmolas da Venezuela,… Read more »

    marujo
    Visitante
    marujo

    Obrigado pelas informações, amigos Nunão e Felipe.

    marujo
    Visitante
    marujo

    O apagão dos radares A-4AR (degradados propositalmente pelos fornecedores)é produto da fase de relações carnais entre Buenos Aires e Washington.

    Fabio
    Visitante
    Fabio

    A america Latina é uma PIADA!!! as vezes tenho vergonha de ser sulamericano…
    Brasil, Argentina, Colombia, Venezuela… Cuba… PIADAS !!! latem para os grandes como se fossemos leões !!! Leões sem dentes… PQP…. Os Americanos, Ingleses, Russos, Franceses, Alemães, devem rolar de rir com as “ameaçadoras soberanias latinoamericanas”…. ha ha ha que piada… Com 1 porta avião armado eles rendem o continente sulamericano inteiro!!! Seria briga de estilingue contra fuzil…
    Melhor a argentina pensar na libertadores e calar a boca…

    Invincible
    Visitante
    Invincible

    Antes de querer as Ilhas… Os Argentinos deveriam arrumar a bagunça que é a economia da Ilha…

    Se eles tivessem um pouco mais de inteligência saberiam que eles podem explorar o petróleo que também existe na costa da Argentina. E aí a Inglaterra não poderia fazer nada. Porque a operação Argentina naquela região seria mais atrativa devido a Logística. Mas esqueci que os Argentinos tem um orgulho tão grande que os deixa míopes…

    Outra coisa! A Argentina quer o petróleo da ilha pra que? Pra depois pedir dinheiro pra inglaterra e contratar uma empresa inglesa de prospecção?

    Desculpa o comentário fora de contexto.

    Fabio
    Visitante
    Fabio

    Nem precisa dos Typhoon com meia dúzia de TORNADOS ou HARRIERs, já faria os “hermanos” fugirem para a Patagônia… HA ha ha…. Isso serve como alerta ao Brasil… mas o Brasil pode ficar tranquilo… somos uma nação de carnavalescos… resolvemos os pendengas mostrando bundas, pandeiro e futebol….

    Leamartine Pinheiro de Souza
    Visitante

    Prezado Sr A-Bomb em 23 fev, 2010 às 11:32

    hahahah
    A mesma formula do populismo de Hugo Chaves.
    Quando a economia vai mal tenta se achar um inimigo externo para distrair a população.

    Meu Comentário:

    – Fora a Inglaterra que resolvera explorar petróleo em uma área que se encontra sub judice nos fóruns internacionais, portanto, não fora a Argentina que iniciara esta questão. Ademais, os tratados regionais existem para permitir que os seus partícipes consolidem os seus interesses contra interesses de terceiros, no mesmo princípio de “um por todos, e todos por um”, como foram feitos durante a 2a Guerra Mundial.

    X-nobe
    Visitante
    X-nobe

    Putz, e eu que achava a nossa Força Aérea obsoleta com seus F-5, Mirage e AMX, a FAA ta de dar do hahaha. A aviação de caças da Marinha Brasileira usa as mesma aeronaves e pode rivalizar com a Força Aérea da Argentina, imagina então contra aviação de caças da Marinha Real!!!
    A Argentina tem que fazer igual a Venezuela e compra algumas dezenas de caças SU-30, se não ta _______ hehehehe.

    Hkozamek
    Visitante
    Hkozamek

    Off Topic –
    Ja que abriram uma deixa falando do Tomahawk
    Alguem tem mais informações sobre a noticia “Brasil interessado no míssil de cruzeiro BrahMos” divulgada no site da Tecnologia e defesa dia 17/02
    Não saiu nada no Naval.

    Obrigado

    Giordani RS
    Visitante
    Giordani RS

    Sua Majestade e a RAF não precisam se preocupar em destruir a FAA. Os (des)governos aregentinos já o fizeram…que piada é a ministra da defesa deles…uma pessoa totalmente desqualificada para o cargo, um celso amorim de saias…e jogar um tomahawk em buenos aires é desperdício para com esta arma…hehehehe…brincadeiras a parte, sem Poder Aéreo, é impossível vencer uma guerra convencional…

    Giordani RS
    Visitante
    Giordani RS

    Isso me leva a um questionamento; Se tem Typhoon´s nas Falklands, aqui no nosso “quintal”, POR QUÊ A FAB NÃO TREINA COM ELES? Por quê a FAB perde Tempo e Dinheiro em operações conjuntas com FAA? As operações não são para se ambientar numa coalizão padrão OTAN? Desloca um efetivo até as ilhas, treina com eles, e já de quebra, descobre como eles combatem…assim como os franceses fazem com as forças aéreas sulamericanas…

    Giordani RS
    Visitante
    Giordani RS

    O Português, com esses F-16´s de voces…fico com o meu F-5M…

    Marine
    Visitante
    Marine

    Concordo com o Bosco,

    Nao acho que a Inglaterra chegaria a tanto, basta defender as Malvinas, caso escala-se a um outro nivel basta uns tomahawks nas bases aereas argentinas e navais.

    Semper Fidelis!

    fredy
    Visitante
    fredy

    Independentemente de estar a agentina preparada ou nao para uma nova guerra nas malvinas, um eventual conflito armado entre os dois países seria o primeiro da história entre duas democracias consolidadas, o que realmente seria muito improvável. Eis o maior benefício da democracia (paz mundial).

    ZE
    Visitante
    ZE

    Pessoal, não vale a pena ficar brigando aqui no blog.

    Girodani Rs:

    Caro amigo, acredite em mim-o forista Português não é português. É só alguém querendo se passar por tal.

    Creio que isso é particularmente chato, pois pode-se criar alguma inimizade com os nossos amigos lusitanos que frequentam o blog.

    Até hoje, tento descobrir o porquê de certas pessoas insistirem em ficar fazendo tal papel.

    Português:

    Tente escrever como um português escreve. Assim, da próxima vez, mais pessoas irão acreditar nesse conto de fadas.

    []s

    barracuda mocambicana
    Visitante
    barracuda mocambicana

    Ae Argentina e membro da OEA sera que nao conta nada nao em seu favor rsrsrsrsrsrsrs, quem sabe o tio sam e os demais paises da OEA a ajudem nesse empecilho como desaconteceu na guerra das malvinas.

    barracuda mocambicana
    Visitante
    barracuda mocambicana

    complementando

    Sei que nao e muito o assunto do topico, mas, a posibilidade de conflito entre nações de alguma forma envolve minhas palavras

    Eis a importancia de um paise ter armas nucleares e misseis intercontinentais, se as Malvinas fossem chinesas a inglaterra fariam isso? ou se fosse russa? Pensem e respondam

    Getulio - São Paulo
    Visitante
    Getulio - São Paulo

    Analisando os noticiários, da imprensa aberta e dos de defesa, vê-se que os ingleses se estruturaram para defender eficazmente as ilhas Malvinas. Nesse sentido, sendo a exploração petrolífera um projeto deles, amadurecido, não de oportunidade, mas da convicção da apropriação dos hidrocarbonetos latino americanos, o lado militar diferente da forma como atuou na guerra das Malvinas, está escondendo o jogo na troca das informações com a imprensa. Assim sendo, antevendo a escalada verbal e uma intempestiva decisão argentina de recrudescer do discurso para a ação real, os ingleses, ao afirmarem que somente fizeram a “troca de guarda” aérea dos Tornados… Read more »

    emilson
    Visitante
    emilson

    QUERO QUE LOS HERMANOS SE ESPLODAM!!! eles se acham superiores, se eles tivessem feito o negocio direitinho em 82 a gente deveria se preocupar, porqe depois das malvinas viriam pra cima da gente pedindo o sul pra eles, ehehhe

    Bosco
    Visitante
    Bosco

    Fredy, muito feliz sua colocação. Provavelmente esteja certo. Barracuda, na verdade quem “fez isso” foram os Argentinos. As Malvinas/Falklands são britânicas desde o Século 19, muito antes deles terem armas nucleares. Deixaram pra tomar providências meio tarde e de forma completamente equivocada e perderam uma guerra convencional no seu quintal. Quem está voltando a “fazer isso” é novamente os Argentinos. Não tenho opinião formada já que não entendo de direito internacional, mas acho que o caminho militar não é o melhor, mas se for entrar na jaula do leão, puxar o rabo do leão e dar tapa na cara do… Read more »

    Bosco
    Visitante
    Bosco

    Getúlio,
    a capacidade de defesa da frota britânica hoje é bem superior ao da época da guerra.
    Vale salientar que caso os argentinos queiram novamente se aventurar em uma nova guerra eles devem se apressar porque dentro de alguns anos, apesar de grandes cortes em programas de aquisição de novos equipamentos, a RN estará imbatível para um país do nível Argentina e assemelhados, incluindo nós.

    Getulio - São Paulo
    Visitante
    Getulio - São Paulo

    Nesta história toda, o posicionamento do nosso país, ou melhor, do governo em relação a equipara a FAB com o novo vetor deverá ser decidido em favor do Rafale.
    Primeiro que a possibilidade do embargo é real, vide Malvinas para os Argentinos.
    Segundo que são os britânicos que financiam e fazem a venda do Gripen, eles até compraram os direitos da venda destes, portanto, é improvável qualquer compra pelo Brasil destes caças.
    Creio que isto tudo que está rolando servirá para justificar a compra dos caças franceses.
    E na minha modesta opinião de torcedor, que venham logo.