sábado, março 6, 2021

Gripen para o Brasil

Novo míssil AIM-9X Block II atinge mais um alvo em testes

Destaques

Defesa aérea da Sérvia atingiu outro F-117 durante a Operation Allied Force

A história de como um jato de ataque stealth F-117 Nighthawk da Força Aérea dos Estados Unidos foi abatido...

HENSOLDT: Sistemas antidrone e de proteção de áreas críticas e estratégicas

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu muito no mundo. Esses objetos voadores, cada vez mais comuns em...

FAB coordena Operação Escudo Antiaéreo

Operação aconteceu de forma conjunta entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira No período...
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

AIM-9X

A Raytheon divulgou hoje que um caça F-15C da USAF disparou outro míssil AIM-9X Block II Sidewinder advanced, como parte dos testes de desenvolvimento da arma.

O míssil travou no alvo e passou dentro do alcance letal de um drone BQM-74, atingindo todos os objetivos do teste.

O teste ocorreu no dia 20 de novembro na área de testes da Base de Eglin da USAF, e foi a segunda vez que o míssil foi disparado com sucesso.

O AIM-9X Block II adiciona a capacidade LOAL (“lock-on-after-launch”) ao AIM-9X, com espoleta redesenhada e um data-link com a aeronave.

Já foram produzidos mais de 4.000 mísseis da versão Block I para os EUA e aliados.

SAIBA MAIS:

- Advertisement -

14 Comments

Subscribe
Notify of
guest
14 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Bosco

O AIM-9X está se tornando melhor que a encomenda.
Capacidade ar-ar, sup-ar e ar-sup. Também deverá ser o míssil de defesa dos submarinos americanos, lançado submerso contra alvos aéreos e de superfície.
Agora uma versão com 40 km de alcance, duplicando a NEZ para além dos 10 km, talvez 15 km.
E ainda com grande potencial de desenvolvimento como por exemplo o lançamento vertical (terrestre e naval) e uma real capacidade anti-tanque.

masadi45

É …., é de se reparar que em algumas publicações , quando refere-se a produtos não americanos , principalmente Europeus , e que também não há como se confirmar o fato , se realmente todos os parâmetros foram atingidos, dizem que “segundo os……….”. Já nesse caso , o “segundos os….” , não existe e é dado como certo.
Estrannnnnho!!!!!!!!!!!

Ivan

Bosco,

Ar-terra tudo bem, capacidade de engajar veículo tudo bem, mas anti-tanque não.

Para ser realmente anti-tanque teria que ter uma cabeça de guerra específica, o que não é o caso.

No mais é um míssel impressionante. Parece que os americanos estam recuperando o espaço perdido para os russos e israelensens nos mísseis WVR. Já não era sem tempo.

Abç,
Ivan.

Bosco

Ivan, mas eu disse que é “possível” e não que já existe. A “ogiva” desse míssil pesa em torno de 10 kg (semelhante ao do Hellfire, 40% maior que a do TOW e 2 vezes maior que a do Javelin) e o diâmetro é de 127 mm (equivalente ao do Javelin), compatível com uma carga oca eficiente contra a blindagem superior dos atuais MBTs. Ou seja, é só querer instalar uma ogiva de carga oca dupla em tandem e temos um belo míssil anti-tanque, sobrando ainda espaço para uma carga de fragmentação anelar (ou anular, tanto faz) para o caso… Read more »

Bosco

Agora, embora seja possível uma versão anti-tanque do AIM-9X, acho improvável, pelo menos para as forças armadas americanas tendo em vista os atuais projetos nesse sentido, onde haveria um conflito de interesses. A USN/USMC está desenvolvendo o JAGM (míssil ar-sup conjunto), que é mais ou menos um Hellfire avançado, e a USAF requisitou a SDB II, que é uma versão com orientação terminal para ser usada contra alvos móveis da bomba SDB. Vale lembrar que o míssil anti-tanque de lançamento aéreo britânico, o Brimstone, baseado no Hellfire/Longbow, ganhou a concorrência de uma versão anti-tanque do míssil ar-ar ASRAAM. Ou seja,… Read more »

Bosco

Vale salientar que o BQM-74 é um drone pequeno (em torno de 270 kg), veloz (1100 km/h ou Mach 0.9), altamente manobrável e com baixíssima emissão térmica devido a ser propulsado por um mini turbojato de baixa potência.
Seria interessante se soubéssemos mais detalhes do teste. Por exemplo, qual a distância no momento do disparo, se foi usado o modo LOAL, se foi usado o data-link, se estava fora da NEZ, etc.

Dalton

Bosco…

com toda esta orientação para aguas litoraneas que os submarinos classe Virginia estão sendo construidos, acho bem plausivel que
os sidewinders lançados de tubos de torpedos sejam integrados.

Para os proximos dez anos, os submarinos americanos transportarão além de torpedos e misseis de cruzeiro, veiculos nao tripulados e possivelmente estes sub-sidewinders…

Excelente para nós entusiastas não?

abraços

Welington

Eu sou fã deste míssil, com certeza o mais multifuncional míssil ar ar já desenvolvido até hoje…
Um grande abraço a todos…

Bosco

Dalton, o estranho dessa versão lançada por submarino é o modo de lançamento que me parece muito complexo. Ele utiliza uma cápsula do Tomahawk. Eu na verdade não entendo bem o “espírito da coisa”. Sem que querem afastar o lançador do submarino no momento do disparo para que não seja denunciada a localização do mesmo, mas usar uma cápsula gigantesca de um Tomahawk (que pesa quase 2 t) para lançar um míssil de menos de 100 kg acho meio exagerado. Haja espaço. Pra mim o lançamento tinha que ser de modo vertical diretamente do submarino e pronto, claro, ejetando uma… Read more »

Dalton

Bosco…

havia a principio imaginado que a capsula abrigaria varios sidewinders…em um tubo de torpedo,algo como o ESSM no VLS41, 4 podem ser acomodados em uma unica celula.

A maioria dos SSNs americanos também possuem 12 silos verticais para misseis de cruzeiro, como vc bem sabe, então é possivel que alguns dos silos possam abrigar sidewinders as custas de tomahawks.

mas a principio me parece logico que o sidewinder possa ser disparado tanto de tubos de torpedos quanto silos verticais, até mesmo porque os 3 modernos Sea Wolf não possuem silos verticais apesar de possuirem 8 tubos de torpedos.

abraços

Bosco

No IDAS parece ser assim como você disse. Um arranjo de até (salvo engano) 8 mísseis dentro de um “container” que cabe no tubo de torpedo e que lança os mísseis isoladamente um a um se for necessário, fazendo a ignição do booster dentro d’água. Mas pelo que entendi, pelo menos nos testes, o AIM-9X para ser lançado o foi a partir de uma cápsula de emersão do Tomahawk que foi lançada pelo tubo de torpedo (ou que seja pelo tubo vertical) e emergiu, só então liberando o míssil com a ignição do seu motor. Ou seja, um monstrengo de… Read more »

Dalton

Bosco…

vc entendeu corretamente quanto ao uso da capsula para o tomahawk…
mas foi apenas um teste com a capsula existente que é para tomahawks para provar a efetividade de um lançamento sob a agua
do sidewinder.

a futura capsula para o sidewinder, está em desenvolvimento, ao
menos foi o que compreendi.

abraços

Bosco

Valeu Dalton. Vamos aguradar.
Um abraço e feliz natal.

correção da minha frase das 10:11, pra variar.
“Outros que souberem e PUDEREM (ou que possam) ajudar, fiquem à vontade”

Dalton

Um Feliz Natal para voce também Bosco!!

Combates Aéreos

Falso canopy

A pintura do falso canopy é um tipo de camuflagem, usada em algumas aeronaves de caça com o objetivo...
- Advertisement -
- Advertisement -