quinta-feira, março 4, 2021

Gripen para o Brasil

2º ETA realiza exercício em Maceió

Destaques

Defesa aérea da Sérvia atingiu outro F-117 durante a Operation Allied Force

A história de como um jato de ataque stealth F-117 Nighthawk da Força Aérea dos Estados Unidos foi abatido...

HENSOLDT: Sistemas antidrone e de proteção de áreas críticas e estratégicas

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu muito no mundo. Esses objetos voadores, cada vez mais comuns em...

FAB coordena Operação Escudo Antiaéreo

Operação aconteceu de forma conjunta entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira No período...
Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

O Segundo Esquadrão de Transporte Aéreo realizou, no período de 20 a 27 de novembro de 2009, o Exercício Operacional “Turíbio”, na cidade de Maceió-AL, com a finalidade de verificar o Funcionamento de sua célula de Comando e Controle, seu enlace com o Segundo Comando Aéreo Regional, testar os Planos e Ordens da Unidade e manter os seus tripulantes treinados para as missões de Lançamento Aéreo da Tarefa de Sustentação ao Combate.

Para a realização do Exercício, o Esquadrão foi inserido num contexto de guerra simulada, criada a partir de uma disputa territorial entre os países: Azul e Vermelho, numa região denominada de Topázio, nas proximidades da capital do estado de Alagoas.

O II COMAR ativou a Força Aérea 222, cujas ordens de movimentação aérea foram coordenadas pelo COA-22, que mantinha contato direto com a Seção Móvel de Operações Aéreas do Esquadrão Pastor, montada no Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Maceió (DTCEA-MO).

Diariamente, o 2˚ETA recebia os acionamentos de missões, que eram planejadas imediatamente e realizadas no dia seguinte, de acordo com o desenrolar do cenário do conflito, que era atualizado constantemente e apresentado a todo o efetivo durante o Brifim Diário de Situação.

Além do adestramento operacional das equipagens, o Exercício serviu também para o treinamento de mobilidade e verificação da capacidade de operação fora de sede, uma vez que foram utilizadas as instalações abandonadas do antigo aeroporto para abrigar a Unidade Aérea.

A Operação contou com duas aeronaves C-95B(Bandeirante), que realizaram vôos de Navegação à Baixa Altura com lançamentos de fardos, em saídas isoladas e em formação.

Durante o Exercício, o Esquadrão operou também com uma aeronave C-97(Brasília) e uma C-98 (Grand Caravan), que cumpriram missões de transporte aéreo logístico para a Zona do Interior, e auxiliaram na mobilidade da Unidade Aérea.

Como curiosidade, a escolha do nome “Turíbio”, foi uma iniciativa dos militares da manutenção, para homenagear o Suboficial Eisenhower, que completou no mês de novembro, a expressiva marca de cinco mil horas de voo na aeronave Bandeirante e cujo segundo nome, batizou o Exercício.

No encerramento, o Comandante do 1˚/6˚GAV foi convidado a proferir uma palestra sobre “O papel da Unidade Aérea dentro da estrutura de um JFAC(Joint Air Force Component)”, instrução que contextualizou todos os integrantes do 2˚ETA sobre as atividades realizadas durante o Exercício, além de dar início à preparação do Esquadrão Pastor para a participação na Operação CRUZEX 2010.

FONTE: 2º ETA

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Combates Aéreos

Força Aérea Indiana participará do Exercício Desert Flag VI nos Emirados Árabes Unidos

O Exercício Desert Flag é um exercício anual de guerra de emprego de grande força multinacional organizado pela Força...
- Advertisement -
- Advertisement -