Home Sistemas de Armas 1.000 horas de ‘Typhoon’, entre outras

1.000 horas de ‘Typhoon’, entre outras

183
15

3-Sqn-Typhoon-2 - photo RAF

Segundo a RAF, piloto britânico é o primeiro a atingir as 1.000 horas no Eurofighter Typhoon – mas essa é só parte da história alada do militar

Este editor confessa que, ao ler a folha de serviços do Flight Lieutnant Antony ‘Parky’ Parkinson no site da RAF, ficou com uma considerável inveja. E não foi à toa: segundo o informe veiculado pela Real Força Aérea, o primeiro piloto a atingir 1.000 horas no Eurofighter Typhoon também já ultrapassou essa marca em algumas outras invejáveis aeronaves.

“Parky”, hoje com 44 anos, entrou Flight Lieutenant Parkinson - 1000 hours Typhoon - photo RAFpara a RAF em 1983, aos 18. Sua carreira de aproximadamente 1/4 de século tem sido bem “sortuda”, nas palavras dele mesmo. Trata-se da quarta vez que ele quebra a barreira das 1.000 horas em uma aeronave da RAF. Primeiro, veio o Phantom. Depois, o Tornado F3. Mais recentemente, antes do Typhoon, foi a vez do Hawk, que ele voou na equipe de demonstração Red Arrows – esta última a experiência que ele mais destaca, devido às manobras exigidas.

Foram necessários 5 anos voando o Typhoon para ultrapassar a marca de 1.000 horas de voo no último dia 18 de novembro: mais exatamente, 1.001 horas, após uma surtida de 90 minutos de treinamento finalizada com uma aterrissagem na base da RAF de Coningsby, onde serve no 29º Esquadrão (reserva – conversão operacional), como instrutor, e também cumprindo alertas de Defesa Aérea.  Nos voos de instrução ele acredita que, provavelmente, já compartilhou o cockpit do Typhoon com todos os pilotos britânicos qualificados na aeronave (atualmente, mais de 100).

Phanton - photo RAF

Tornado - photo RAF

Mas ele não voa “apenas” o Typhoon: nos últimos 3 anos, frequenta os cockpits de lendários Spitfires e Hurricanes do “Battle of Britain Memorial Flight”. Nas palavras do piloto: “Eu provavelmente tenho o melhor emprego no mundo atualmente, voando Typhoon e  Spitfire!.” Comparando as duas aeronaves, cada uma delas entre as melhores do seu tempo, “Parky” confessa que ambas são igualmente divertidas de voar, embora considere o Spitfire como um avião muito mais difícil de pousar.

Spitfire over Red Arrows - photo RAF

FONTE / FOTOS: RAF

15
Deixe um comentário

avatar
15 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
7 Comment authors
jsilvaIvanNunãocarl94fncasag Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Felipe Cps
Visitante
Member
Felipe Cps

Lindas fotos, mas a do Typhoon é de outro mundo, essa sim é uma aeronave que parece uma nave espacial.

Sds.

flaviodepaula
Visitante
flaviodepaula

Sortudo.

Faz inveja heim colega….1000 horas, em vários caças…em um dos melhores do mundo…puts. Parabéns.

Infelizmente não temos grana para deixar nossos pilotos tanto tempo no ar assim. Mas as coisas vão melhorar, eu acredito.

BRASIL!!!

casag
Visitante
casag

Felipe,

Trata-se de um Rafale otimizado para combate aéreo…
Encontra-lo no céu como hostil, deve ser um perrengue.

Uma curiosidade: O piloto britânico tem o posto de “flight lieutnant”, algo como, ou exatamente, tenente aviador.

Pelo tempo e serviços não deveria estar se aproximando o generalato?

Felipe Cps
Visitante
Member
Felipe Cps

casag em 23 nov, 2009 às 10:27:

Parceiro, entendi direito ou vc está a dizer que o Typhoon é que é cópia do Rafale?

Se for isso, meu amigo, paro por aqui, rsrsrs… 🙂

Sds.

casag
Visitante
casag

Para não, parceiro, você entendeu errado. Nem sabia que o Rafale era cópia do Typhoon.
Só prá lembrar que, se copiaram direitinho, não à chinesa, o Rafale é uma máquina poderosa, QUASE uma nave espacial.
O fato de ser multifuncioal pode ser de utilidade também.

Felipe Cps
Visitante
Member
Felipe Cps

Casag: A França no início fazia parte o projeto Eurofighter. Depois “birrou” com a Inglaterra e Alemanha e partiu pra desenvolver seu delta canard sozinha, o que veio a redundar no Rafale. Como resultado da sua saída ela se deu bem por um lado, pois com a mudança de doutrina que se operou no meio tempo, ela pôde planejar uma aeronave multirole desde o início, ao contrário do Typhoon, cujas primeiras versões são de caças puro-sangue (superioridade aérea). Mas se deu mal por outro, porque passou a arcar com os custos sozinha, pra não falar no atraso, o que redunda… Read more »

casag
Visitante
casag

Felipe,

Não concordo que a mudança da doutrina se deu no meio tempo.
Justamente na época da concepção dos dois caças,ou melhor, do Typhoon, os EUA colocavam em serviço o F-15, já previsto o Strike, e o F-16, este um clássico entre os multifuncionais. O sucesso tanto das aeronaves como da idéia, não tem como negar.

O que acho é que a percepção a tempo da nova realidade colocada pelos americanos, foi virtude da França e que talvez, os outros participantes não quiseram encarar.

carl94fn
Visitante
carl94fn

Sempre vi o Rafale como a evolução do Typhoon, vejam isso:

http://aircombatcb.blogspot.com/2006/06/dassault-aviation-rafale-o-sucessor.html

http://aircombatcb.blogspot.com/2006/06/eurofighter-typhoon-ii-defendendo-os.html

Pra mim o Rafale é superior, mas cada um tem sua opinião e respeito a todas.

Sds. colegas

Felipe Cps
Visitante
Member
Felipe Cps

carl94fn em 23 nov, 2009 às 15:21:

Hehehe, grande Carl, não se engane, o queijo fedido francês não é melhor do que o Typhoon, rsrs. Começa que o rafaleco nem supercruise tem, o Typhoon sim.

No mais, se um é sucessor do outro, o Eurofighter teve seu maiden flight em 1994, e o Rafale em 1986.

No mais, compare a escala de produção. Compare a gama de armamentos disponíveis. IRST já integrado. etc., etc., etc. O Typhoon hoje só está atrás do F-22.

*ttp://en.wikipedia.org/wiki/Eurofighter_Typhoon

Abs.

casag
Visitante
casag

Felipe, Deve ser um caso de amor/ódio ao Rafale…rs A realidade, como estávamos comentando é que os parceiros europeus Inglaterra, Alemanha e Itália, talvez pelo adiantado do projeto, não perceberam que a multifuncionalidade era o futuro. O mais provável, é que já estavam produzindo o Tornado e, portanto, só pensavam na superioridade aérea. Mas, a experiência mostrou que as asas de geometria variável que parecia o fim dos problemas com o radar inimigo, mostrou que eram um problema por si só. Voos ultra baixos em velocidades quase supersônicas se mostraram perigosos por natureza, independente da ação do inimigo. Engajar um… Read more »

Felipe Cps
Visitante
Member
Felipe Cps

Ow beleza Nunão, aguardemos. No mais, Carl, o Tornado é outro carregador de piano (mal comparando, como o F-5) muito do injustiçado por alguns críticos. Se é verdade que ele sofreu na mão da antiaérea na Desert Storm, é igualmente verdade que ele só pegou o “osso” das missões. No mais, acho prefeitamente plausível o Tranche 3 ser um legítimo multirole. Não penso como aqueles que acham que “nasceu torto, morre torto”. O maior exemplo disso? F-16, que quando saiu era duramente criticado por alguns e se tornou o maior sucesso da história da aviação de caça supersônica. Outro exemplo?… Read more »

casag
Visitante
casag

Ô Felipe,

De avião, acho que nós nunca vamos concordar…

Mas, se algum dia eu for acusado de alguma coisa, culpadão, monte de provas e argumentos contra, eu nem vou pestanejar: o advogado é você!

O promotor vai ficar louco! rsrsrsrs.

Ivan
Visitante
Ivan

Até amanhã, com Rafales e Typhoons…

jsilva
Visitante
jsilva

Realmente é um currículo invejável o do piloto inglês, pra quem já teve o sonho de ser piloto de caça, se sentiria realizado com uma carreira dessa. Pena que nossos pilotos da mesma época do inglês(1983) vão entrar para a reserva sem pilotar um caça de 4,5ª geração, seria realizador entrar para a reserva depois de passar por toda essa experiência.