Home Noticiário Internacional Dassault nega redução de 40% em preço do Rafale para o Brasil

Dassault nega redução de 40% em preço do Rafale para o Brasil

151
60

Rafale 1

vinheta-clippingA francesa Dassault negou hoje ter reduzido, a pedido do governo da França, o preço de seus caças Rafale em 40% nas negociações para vender a aeronave à FAB (Força Aérea Brasileira), como foi publicado no jornal francês “Libération”.

O Rafale disputa a preferência brasileira com o sueco Gripen e o americano F-18. Por meio de um porta-voz, a Dassault afirmou que essas informações “são falsas” e que a empresa “não costuma negociar em público”.

A redução de preços teria sido resultado de pressões do presidente francês, Nicolas Sarkozy, que durante sua visita ao Brasil em setembro se comprometeu diante das autoridades brasileiras a oferecer um preço equivalente ao que as Forças Armadas francesas pagam pelos Rafale –quase 50 milhões de euros cada um.

O valor inicial seria de 98 milhões de euros por aeronave. Segundo o “Libération”, o corte nos preços pode ser insuficiente para que a França ganhe a disputa.

Uma fonte não identificada citada pelo jornal diz que a Dassault “aposta em uma escolha política do Brasil a favor dos Rafale para não diminuir tanto o preço, como Paris gostaria”.

As autoridades governamentais francesas defendem um preço muito baixo que permita fechar a operação e lançar assim outras possíveis vendas deste avião, cuja trajetória comercial até agora tem sido decepcionante –apenas a França o usa.

No início de outubro, as três empresas que disputam a preferência brasileira apresentaram suas propostas ao governo brasileiro para a venda de 36 caças, o que incluía a transferência de tecnologia e, em alguns casos, o compromisso de compra de aviões brasileiros.

FONTE: Folha Online / EFE

NOTA DO EDITOR: o Poder Aéreo teve acesso ontem a informações dos bastidores do F-X2. Fontes dizem que a situação está complicada para o Rafale, justamente pelo preço elevadíssimo em comparação com as propostas do Gripen NG e do Super Hornet.

60 COMMENTS

  1. Como eu disse em outro tópico. Para o nosso amado GF tanto faz ser Rafale F1,F2,F3,F4,F5…F12 ou quanto ele vai custar.

    O mais importante é pagar caro, o porque cada qual entende a sua maneira.

  2. Eu gosto muito deste avião, mas gosto muito mais do Brasil.
    Se eles não podem e não querem reduzir, que fiquem fora.
    Afinal, qualquer um dos três que vier a ser escolhido colocará o Brasil num patamar mais elevado do que o atual. Entonces…

    Um abraço a todos.

  3. É sempre bom lembrar que o orçamento de 2010 é ainda menor que o de 2009, isto mostra a falta de compromisso do GF com as FFAA e tem gente que ainda defende esta turma.

    Menos partidarismo e mais patriotismo.

  4. Bom, sou a favor do Rafale, mas, se podemos pagar um preço muito menor pelo Gripen, e os franceses começarem a botar muita banca….Assinem com a SAAB.

    Agora, estranha essa notícia. Poucos sabem o preço, mas muitos chutam. Temos que ver o que é verdade para poder criticar.

    e que venha o melhor para o BRASIL.

    BRASIL!!

  5. Transferência de Tecnologia é importante, ítem essencial.
    Transferência TOTAL de Tecnologia não existe, é LENDA.

    Capacidade Operacional é importante, ítem essencial também.
    Todos tem, uns mais em alguns quesitos, outros menos, mas, aparentemente todos dentro dos parâmetros exigidos pela FAB.

    Benefícios para indústria nacional, ops, começa a complicar.
    Uns tem mais parcerias (copropriedade do projeto), outros prometem comprar muuuito, outros… bem já venderam um monte.

    PREÇO? Onde vai parar o Preço.
    Os americanos tem um preço menor e acenam com a compra de 58 conjuntos de asas para USNavy.
    Os suecos tem um preço (projetado e prometido) menor ainda e querem construir no Brasil parte dos seus futuros Gripen NG, além de exportar em conjunto.
    Os franceses tem o maior preço e, para exportarmos juntos só para mercados muito pobres, América Latina e África (a parte do meio para baixo…), que não tem condições de pagar um Rafale.

    Penso que a compra dos submarinos e dos helicópteros foi uma dura lição para os norte-americanos.
    Talvez esteja na hora de darmos uma dura lição nos franceses.

    Todos os ovos numa cesta só, basta o dono da cesta balançar um pouco para nos deixar indefesos.

    Abç,
    Ivan.

  6. 28/9:2009
    NOTA DO BLOG: alguns dizem que a França faz pressão para que o Brasil compre o Rafale, dentro do escopo da Aliança Estratégica, que envolve a transferência de tecnologia para o casco do submarino nuclear brasileiro.

    Mas lembramos que o Brasil já está pagando um preço altíssimo pela transferência da tecnologia de submarinos, pagando o “pedágio” de 4 submarinos convencionais “Scorpène”. Isso sem contar a compra dos helicópteros EC-725.

    Ou seja, o Governo precisa pensar na possibilidade de desvincular o F-X2 da Aliança Estratégica e comprar os aviões que melhor se encaixam nos requisitos e realidade orçamentária da Força Aérea Brasileira e na preferência da Indústria Aeronáutica brasileira.
    —————————————-

    6/11/2009
    Today, you decide to write ” situação está complicada para o Rafale”

    ESTA?! strong word !like a will or a threat eh eh . why?give every details of the FAB work and the different price differences in % .I would be very curious to know.Do you even know the last real present situation or do you take your wish for a reality?
    If not, sorry to tell you but you loose your neutrality.And jump in “uma “campanha de desvalorização ”.
    I had to tell you that.

    Sds

  7. Muito simples Thierry.

    O Rafale só não vence, se ficar muito complicado para o Presidente da República, explicar o porque de ter escolhido um avião muito caro e com uma proposta de transferência semelhante a dos concorrentes.

    Espero que o Google, traduza bem para você.

  8. Barbaridade, se isso realmente procede, se é fato! a Dassault que morra abraçada ao melhor caça do FX-2, pois 98Milhas de Euros, não dá! mas desconfio disso, pq a Dassault não faria o mesmo preço para o Brasil que fez para a França? ela teve prejuízo vendendo para a nação?! não creio! só se não foram os 55milhões como falam…, acho que a Dassault estaria dando um tiro no pé, se arriscando com preço muito alto! ela pode alavancar a venda do Rafale para o mundo se vencer aqui!… mas por outro lado, pode ser o que o Felipe vem falando a “anos” : A Dassault confia numa venda política (provável esquema eleitoral cá entre nós)… e isso é uma barbaridade! se estivéssemos negociando uma arma exclusiva de grande importância estratégica, como os subs-nucleares, por exemplo, vá lá! mas assim não! acho o Rafale uma grande máquina! mas não devemos pagar o desenvolvimento full para a Dassault! a não ser que ele venha com total TT que a França pode dar, e deve ser dividido esta conta! mas vamos ver…
    Na minha opinião o Rafale vale 35/40% a mais que um NG, e uns 25% a mais que o SH, por tudo que já falamos aqui! agora 98milhas de Euros? e um SH 70milhas de doletas e o NG por 60… não dá!

    Mas ainda duvido deste negócio de preço! acho muito estranho
    O Mirage 2000 sempre concorreu bem neste quesito com o F-16, pq seria tão diferente com o Rafale? porque ele é bem mais equipado? quem sabe! vai do cliente “querer” ou precisar disso, e na minha opinião precisamos de um vetor novo, novas tecnologias e conceitos e não arre”medos”! 🙂

    Saudações!

  9. The title of the article was 28/9/2009:
    And true preference would be FAB … … for the Super Hornet, because of logistical factor ”

    Forgot to include this text above the NOTE FROM BLOG

    Rodrigo, do not worry… I already knew your point of view.
    This place is a free place for discussion ,so I say my point.
    Then Brasil selects the very best choice for the country and its citizens.It’s your choice of course.

    Sds

  10. Thierry,

    I don’t see your point. Are you suggesting the blog is biased towards a certain choice?

    The blog has in the past several months published various stories about all 3 aircraft and I would imagine it to be human nature to in the course of their evaluation and being privy to information we do not posses to have a belief of what fits better for the country and the Brazilian Air Force.

    So if they do have an opinion, I for one do not see it as a moral fault of its editors nor an abandonment of the site stated mission.

    Semper Fidelis!

  11. Francisco, o Rafale até hoje não venceu nenhuma concorrência principalmente pelo preço.

    Eu ainda acho que ele vence independente de qualquer coisa. A FAB que vai ter que se virar depois.

  12. Thierry,
    Yes, it´s free world.

    Quero lembrar a todos que a administração do Blog está, de forma isenta e ética, postando uma notícia de um jornal frânces, o “Liberation”.
    Possivelmente não pertence ao grupo Dassault e eventualmente deseje publicar outras notícias, afinal a França também é um país livre.

    Sds,
    Ivan.

  13. Em tempo.
    A crítica feita ao Rafale está centrada em um ítem: PREÇO!
    Se o custo da aeronave, sua logística e suas armas é alto e não pode ser negociado, paciência. O comprador deve procurar outra alternativa que lhe atenda.
    Entretanto lembro a todos que o radar do SH tem um maior alcance. Se é melhor eu não sei, mas está operacional e, conforme todas as publicações que encontrei tem maio alcance.
    Sds,
    Ivan.

  14. C E M M I L H Õ ES D E E U R O S C A D A
    A E R O N A V E !!!!!!!!!!!!!

    PRECISA FALAR MAIS DO PORQUE PERDEU TUDO O QUE DISPUTOU??????

    Sds.

  15. Pô, vamos ler com atenção as notícias:
    “O valor inicial SERIA de 98 milhões de euros por aeronave.”
    SERIA ONDE? Na cabeça do jornalista qeu escreveu essa matéria? Seria no subconsciente dos empregados da Dassault? Ou “seria” na propostoa oficial apresntada à FAB? A matéria da Rede Globo apresenta outros valores.
    Outra coisa: ainda que esse fosse o preço ofertado no FX-2, qual o pacote de armamentos e TT oferecidos ao Brasil?
    O que resta claro é que a Dassault “não costuma negociar em público”.
    Em suma: NADA DE NOVO!
    Os dados continuam secretos…

  16. Nada de secreto em outras concorrencias que o Rafale participou,o custo era sempre em volta disso,perto dos 100 pau.

    Além do mais,em outras concorrencias a proposta não era tão ampla quanto a brasileira,não era requisito contratual a trasferencia de tecnologia,até parece que algum deles vão dar tecnologia de graça?

    Negativo,Todos vão sair mais caro que o preço de “prateleira”.
    Nem tanto quanto deveria pelo “off set”.mas não é só compensação comercial que vai salvar a Dassault.

    abraços.

  17. Francisco AMX em 06 nov, 2009 às 16:51

    Ok, Chico. Valeu.
    Ainda não consegui postar minha resposta sobre teu comentário sobre o Vought Corsari F4-U, o Tempest, o Sea Fury e o Me-262, pois ainda estou redigindo a resposta.
    Mas prometo postá-la hoje à noite.
    Abraço

  18. Thierry:

    “Ou seja, o Governo precisa pensar na possibilidade de desvincular o F-X2 da Aliança Estratégica ”

    This is not possible, the treaty to France has been signed!!!!!!!!!!!

  19. Se o Libération largou o preço e este meio de imprensa é da “oposição”, então…… o Rafale subiu no telhado. Quero ver como vão fazer para justificar o preço ante aos outros. Lá se foi a super hiper comissão de alguém……
    Ou vamos ser loucos e pagar esta baba ??

    Sds.

  20. baschera em 06 nov, 2009 às 22:33

    rsrsrs … estragaram o natal rechonchudo de alguém !

    O telhado tá molhado e escorregadío ! (ainda bem!)

    SDS

  21. Tales em 06 nov, 2009 às 16:48

    Pois é Tales … a Dassault “não costuma negociar em público”… E TAMBÉM NÃO COSTUMA GANHAR AS CONCORRÊNCIAS … rsrsrs

    abc
    kaleu

  22. Thierry em 06 nov, 2009 às 14:57

    Peraí … amigão, qdo a notícia não é pró-França o Blog é tendencioso ? …

    You consider honest choose more expensive equipment when competitors have the same capacities?

    aguardo sua resposta !

    sds
    kaleu

  23. Felipe Cps em 06 nov, 2009 às 15:59

    FORA A “BAGATELA” DA MANUTENÇÃO E HORA VÔO !!!

    Nem mesmo a IMENSA popularidade so Pres. Lula contorna isso !

    abc
    kaleu

  24. Hello Kaleu

    I said my point and it is my right
    For the Rafale price everybody can imagine it is lowered despite official denial of Dassault.So the price argument against the Rafale…old story no longer valid…to which percentage? That’s right now the discussions.
    You said competitors have the same capacities.You mean the Gripen autonomy?
    I do not consider the SH choice if I read right what your defense minister said again yesterday about previous US reluctance on data transfer or source code or various embargoes,not to speak about the proven NSA department of commerce action to manipulate with false accusations of bribes the SIVAM contract in the early 90s.
    Sorry brother and all of you who support the Boeing option but I believe SH option is really dead.It’s between the Saab and Dassault.

    Sds

  25. Case: Thomson-Alcatel v Raytheon
    Who: CIA/NSA
    When: 1994
    What: Award to the French firm Thomson-Alcatel of a Brazilian contract for the satellite monitoring of the Amazon Basin (US$ 1.4 bn)
    How: Interception of communications to and from the successful tenderer (Thomson-Alcatel)
    Aim: Uncovering corruption (payment of bribes)
    Consequences: Clinton complains to the Brazilian Government; under pressure from the US Government, the contract is awarded to the US firm Raytheon
    Source: ‘Maulwürfe in Nadelstreifen’, Andreas Förster, p. 91

    Case: Thomson-Alcatel v Raytheon
    Who: US Department of Commerce ‘made efforts’
    When: 1994
    What: Negotiations on a project worth billions of dollars concerning the radar monitoring of the Brazilian rainforest
    How: INot stated
    Aim: Win contract
    Consequences: The French firms Thomson CSF and Alcatel lose the contract to the US firm Raytheon
    Source: „Antennen gedreht”, Wirtschaftswoche Nr.46 / 9 November 2000

    Case: Thomson-Alcatel v Raytheon
    Who: NSA Department of Commerce
    When: Not Stated
    What: – Negotiations concerning a project worth US$ 1.4 bn concerning the monitoring of Amazon Basin (SIVA)
    – Discovery that the Brazilian selection panel had accepted bribes.
    – Comment by Campbell: Raytheon supplies equipment for the Sugar Grove interception station
    How: Surveillance of the negotiations between Thomson-CSF and Brazil and forwarding of the findings to Raytheon Corp.
    Aim: Uncovering bribery and winning of the contract
    Consequences: Raytheon wins the contract
    Source: Duncan Campbell in STOA, 1999, Part 2/5, with reference to New York Times, How Washington Inc. Makes a Sale, by David Sanger, 19 February 1995

  26. Só espero que os amigos não tenham um infarto se o Rafale levar essa! o Kaleu e o Felipe estão muito eufóricos… rsrsrss
    Na boa, alguns continuam achando que a França é um ninho de “sacanagem” e que os USA não são! fica difícil argumentar assim!
    O Mirage levoupau dos USA a vida toda! pq? pq os USA sabiam que era e é um produto muito bom, que não devia, em números de desempenho, para seu par imediato americano, e assim conquistava mercados importantes. Esta é uma verdade que ninguém consegue ver… pq? pq ficaram cegos? é lógico que os produtos enerentes dos USA, pela escala e reposição, já podem ser considerados de manutenção e aquisição mais baratos! o F-16 é o maior exemplo, além do mais, depois da adoção do EURO, mais valorizado sempre, a Europa tem dificuldades de ficar parelha no quesito preço, mas é isso que o PND quer apenas? preço? eu tenho certeza que não! e digo mais só TT pode não ser suficiente! acho que tem coisas que nós não sabemos e nunca saberemos, e não falo de corrupção, falo de estratégia mesmo! por isso sempre torci para os USA trabalharem nos bastidores para convencer o Molusko de que o Brasil é outro, hoje, para os americanos! mas duvido disso (e não culpo totalmente os USA, mas também não os considero isento de parte da culpa – e a arrogãncia que vemos de alguns americanos do alto escalão são indicadores disso – pega um petista “dono da verdade” e um arrogante americano…que ______não dá!? … uma pena…

    Veremos o que vai dar, sugiro as “meninas” relaxarem! vamos curtir o final da novela FX-2! rsrsrsrs, eu já desencanei! vou falar apenas dos vetores, mas vou ficar contente com qualquer um, eu quero é FORÇA AÉREA já! é a única coisa que me incomoda!

    Abraços

  27. Caros Amigos.:

    A “Northrop” fabricante dos “F-5 Tiger” tem projetos arquivados como o do: “Northrop-Loral F-19A Specter” e “Northrop F-20 Tigershark”.

    Será que o Brasil não poderia comprar estes projetos da “Northrop” e construir aqui no Brasil?

    Abraços.

  28. Caros Amigos.:

    Sou a favor do “Dassault Rafale F-3”, mas por essas reviravoltas acho que vai ficar difícil para ela e vai ficar difícil também para o “Boeing F/A-18 S H”.

    Será que o “Saab Gripen NG” ainda vai ganhar essa concorrencia???
    Tipo: preço baixo, manutenção barata, hora voo barata e 40% das peças fabricado aqui no Brasil!!!

    Abraços.

  29. Francoorp,

    O EC-725 Super Cougar ou Caracal é um ótimo helicóptero, mas é o final de uma linhagem que não terá continuidade no primeiro mundo.
    O deles será o NH-90, projeto novinho em folha, com porta traseira e tudo.
    Mas para o Brasil está bom, como está para Coreia do Sul que lançou um clone outro dia.
    Para quem montava Esquilo passar a montar o EC-725 é uma boa evolução.
    Entretanto não me venha dizer que francês é bonzinho…
    Venderam um linha que estam fechando.
    Ótimo para nós que temos tão pouco, só não sei se pelo preço teríamos alternativa.

    No caso do FX-2 temos alternativas desde o início, então as ofertas estão sempre melhorando. MELHOR PARA O BRASIL.

    Abç,
    Ivan.

  30. Edmar em 07 nov, 2009 às 9:09

    Olha, sobre o F-19A eu não sei… mas sobre o F-20 eles ofereceram…mas queriam Us$ 1 bi (valores da época) pelos planos e o ferramental. A FAB recusou, por já estar atolada com os custos do AMX.

    Sds.

  31. Baschera,

    Eu não sabia desta história do F-20.
    Pena o compromisso com o AMX.
    O F-20 seria um excelente caça leve e um avião de ataque mais competente que o A-1.
    Que oportunidade perdida.

    Abç,
    Ivan.

  32. Francoorp, procure sobre um congresso da indústria do petróleo que teve no Reino Unido que você vai ver a opinião dos operadores do EC225. Se o 225 racha em vôos civis e nivelados, imagine o 725.

  33. Acho que todo mundo aqui conhece uma brincadeira de criança chamada “Telefone sem fio” (ao menos na minha cidade é assim denominada).

    Essa brincadeira consiste no seguinte: alguém formula uma informação e vai passando para o outro, que passa para um outro, e assim sucessivamente…quanto mais gente tiver na brincadeira, melhor.

    O intuíto da brincadeira é mostrar (e se divertir com) os ruídos da informação. Ou seja, com a deformação da informação. Assim, se a informação no início da brincadeira era a palavra “tomada”, ao final, a informação chegava como “fucinho de porco”…E a graça estava em medir essa deformação, verificar aonde que houve a “deturpação”, voluntária ou involuntariamente.

    O que aconteceu com essa matéria foi a mesma coisa do “telefone sem fio”. Embora, neste caso do FX2, não se trate de brincadeira. É coisa séria. Ou ao menos deveria ser tratado assim pelos órgãos de imprensa e formadores de opinião em geral do Brasil.

    Tudo começa com uma informação, já sem garantia de veracidade nenhuma (“fontes seguras” e “imprensa brasileira”, especialmente o PIG, não são garantia de infomação segura de nada, muito pelo contrário…quanto mais “segura” for a fonte, mais deturpada é a informação) do Le Liberation. Quem mandou o Le Liberation acreditar no PIG do Brasil! Claro que ia publicar bobagem, é óbvio. Será que o Liberation não conhece o PIG brasileiro? (que não é nada diferente do PIG francês, americano, mexicano, japonês etc.). Existem PIG em todo lugar. Mas no Brasil deve ser um caso crônico.

    Em seguida, no mesmo dia da matéria do Le Liberation, surge uma declaração do porta-voz da Dassalt, desmentindo. Mas o que ele desmentia? Aqui começa o “telefone sem fio”.

    As palavras do porta-voz da Dassault foram exatamente estas:

    “Premièrement, ces informations sont fausses, deuxièmement nous n’avons pas l’habitude de négocier sur la place publique”.

    Que informações falsas ele se refere? A matéria do Le Liberation inteira que, apoiada em “fontes sefuras” e na “imprensa brasileira”, afirmava que o Rafale estava sendo oferecido a 98 milhões de Euros (e como esta informação era falsa, negava todo o resto da matéria, incluíndo o tal desconto etc.), e ainda dizia que tais informações são confidenciais (não são negociadas em banco de jardim).

    Pois bem, um jornal francês Lepointe.fr – (depois, se precisar, eu deixo pra todo mundo os links, não vou colocar agora pra não “poluir” muito a “historinha”) – entendeu a situação e publicou:

    “A Dassault Aviation na sexta-feira negou relatos de que o Rafale foi originalmente oferecido por 98 milhões de euros cada no Brasil. (Dassault Aviation dément vendredi les informations selon lesquelles le Rafale aurait été proposé initialement à 98 millions d’euros pièce au Brésil.)”

    Depois disso o “telefone sem fio” entrou em cena de vez. Vejamos (alguns exemplos apenas) as transformações, os “ruídos” (propositais???):

    Na AFP/Reuters (de onde a Folha “chupou” a matéria, sem se dar ao trabalho de checar e conferir porcaria nenhuma, pois a Folha não se preocupa com a qualidade da informação “oferecida” a seus – cada vez mais parcos – leitores), está assim:

    “PARIS (Reuters) – A Dassault Aviation negou relatos da imprensa que o grupo teria baixado o preço do Rafale para ganhar a venda de 36 dos seus aviões de combate para o Brasil. (Dassault Aviation dément des informations de presse selon lesquelles le groupe aurait baissé le prix de son Rafale pour remporter la vente de 36 de ses avions de chasse à l’armée brésilienne.)

    A Folha seguiu este caminho: “A francesa Dassault negou hoje ter reduzido, a pedido do governo da França, o preço de seus caças Rafale em 40% nas negociações para vender a aeronave à FAB (Força Aérea Brasileira), como foi publicado no jornal francês “Libération”.

    a nota do Blog “apimentou”: Fontes dizem que a situação está complicada para o Rafale, justamente pelo preço elevadíssimo em comparação com as propostas do Gripen NG e do Super Hornet.

    E o Felipe Cps aproveitou pra inflacionar mais um pouco (hehe) o preço do Rafale:C E M M I L H Õ ES D E E U R O S C A D A
    A E R O N A V E !!!!!!!!!!!!!

    Moral da história: tomada virou fucinho de porco.

    É assim que se constrói a desinformação em torno do FX2. É assim que as “verdades” são construídas.

    Como não sou nem um pouco ingênuo, pois não nasci ontem, não acredito em inocência nenhuma e de ninguém neste telefone sem fio.

    O acordo estratégico com a França mexe diretamente com interesses grandes, se coloca contra a manutenção de um estado de dependência que interessa a muitos, tanto aqui dentro do Brasil como fora do país. Por isso que a tática do “telefone sem fio” acontece sempre.

    abraços a todos

  34. Walderson, Ivan e demais amigos

    Não sumi (como podem ver..hehe). Eu estava, por um lado, muito ocupado ultimamente (coisas da Universidade e outros “pepinos”)…e por um outro, um pouco desanimado (coisa minha, não esquentem).

    E também, como eu disse ao Ciquini e ao Nunão (via email), não entendi muito o sentido do novo formato do blog (essa coisa da assinatura). Não por causa da grana em si e nem muito menos por não achar que o Blog não precise ser economicamente viável…não é isso.

    pra falar a verdade, não gostei muito desta solução pois acho que ela tirou um pouco do brilho do Blog. Na minha opinião quem faz um blog opinativo (que é o caso aqui) são os foristas, e quanto mais aberto para a participação for, tanto melhor. Não vejo mais aqui o Angelo Nicolaci, o Lucas Calabrio, o Mauro, o MOsilva, o Tiago Gerônimo, o Wellington, a Vovódka, o Cor Tau, o Urutau…enfim, a lista é grande.

    O bom seria pensar (por que não coletivamente? Sei lá…) em alternativas que continuasse a deixar o blog livre, como um fórum aberto de debate, e ao mesmo tempo viabilizá-lo economicamente. Muita coisa está sendo debatida sobre isso neste exato momento no Brasil (seja em Universidades, seja na internet, no Congresso etc.). Estou tentando acompanhar os debates na medida do possível…enfim…com o tempo podemos propor alternativas para não desagradar a ninguém…com calma se vai longe, já diria minha Tia…hehehe

    Já sobre o Cadu, ele está viajando. Conversei com ele na semana passada, pouco antes de ele viajar. Não sei quando ele volta, ele não me disse.

    abração procêis

  35. Chicão,

    Então o Bosco já quer que vc vire a casaca?!!! Mas esse Bosco não tem jeito mesmo…hehehe

    Não precisa comenter o mesmo erro dele e virar a casaca, não!…hehe

    Nosso futuro caça da FAB, na segunda feira já terá POD de reconhecimento novo. Qual outro caça que terá um POD novinho em folha (cheirando a tinta) na segunda feira, hein?…hehehe

    Olha aqui a notícia “fresquinha”:

    http://www.defense.gouv.fr/air/base/breves/2009/novembre/debut_de_l_experimentation_du_systeme_reco_ng

    Os outros caças só usam POD véio, cheio de teia de aranha…hehehe

    abração bro!

  36. kaleu em 06 nov, 2009 às 23:22
    “a Dassault “não costuma negociar em público”… E TAMBÉM NÃO COSTUMA GANHAR AS CONCORRÊNCIAS … rsrsrs”

    Verdade. Mas as coisas mudam. Se der Rafale no FX-2 e nos EAU, acho que o avião deslancha. Aguardemos.
    Abr.

  37. Tales,

    por falar em EAU, não se esqueça do Kuwait:

    “Kuwait espera comprar os avançados caças de combate Rafale da França, está aguardando os termos de Paris, segundo o Ministro da defesa do Kuwait Jaber al-Hamad.

    “É evidente que seria um orgulho ter o Rafale no coração de nossas forças armadas”. Jaber disse a Repórteres após uma reunião com seu homólogo francês Herve Morin na capital francesa. “Esperamos ver os termos em breve”.

    O Rafale, o mais recente caça de combate da Dassault Aviation, foi um programa estratégico da indústria de armas da França, mas ainda procuram compradores para ele, apesar dos esforços das autoridades francesas.

    “É verdade que fazemos votos para que o Rafale equipe nossa força aérea”, disse Jaber, acrescentando que o Kuwait também esta interessado em outros itens militares franceses e de helicópteros.

    Presidente francês Nicolas Sarkozy, disse em Fevereiro que há conversações sobre uma eventual venda de 14-28 Rafale ao Kuwait, e que estavam “bastante avançados”, e há a vontade de se fechar o negócio até o fim do ano.

    Negociações sobre uma eventual venda de 60 caças Rafale também estão em curso com os Emirados Árabes.”

    http://brasilnicolaci.blogspot.com/2009/10/kuwait-afirma-que-quer-rafale.html

    abração

  38. Hornet em 08 nov, 2009 às 0:08
    Que bom que voltaste ao blog camarada (sem qq conotação política, apenas no sentido de fraternidade).
    A turma que é fã do Rafale estava precisando de um reforço, pois os anti-franceses, americanófilos e “siths” não dão trégua…
    Como dizem aqui no sul, “MATASTE A PAU” no teu texto.
    Abraço,

  39. Ahahahahaha, obrigado pela referência Tales, rsrsrs… Q a Força esteja contigo tb, rsrs…

    Grande Hornet, sempre bem informado. Seja bem vindo de volta. Quanto ao URUTAU, estava ontem no Xat. O restante do pessoal realmente sumiu, o que é uma pena. Mas recuso-me a acreditar que nego não tenha ou não possa dispor de 10 reais por mês para assinar a Trilogia.

    Ah, a propósito: o único avião cuja versão biposta fica mais bonito que o monoposto é o Super Hornet. Tanto o Rafaleco quanto o Gripen são feinhos em suas versões bipostas… parece que “não cabe”…. sei lá…

    No tópico, fato é o seguinte: o Dassault Rafale é o mais caro dos três concorrentes. Ah, não é 98 milhões de Euros? Ótimo, menos pior, menos dim-dim pra campanha do Cão-Dilmão. Mas ainda assim é certamente o mais caro. Tudo isso vamos ficar sabendo quando o governo cefallópode anunciar definitivamente o Rafale e as peças do relatório do GPFX2 começarem a “vazar” por aí… Porque vcs podem ter certeza de que a FAB não irá “engolir” o queijo fedido francês sem briga… E vai peitar o MD e o Mulla. Anotem o que digo para me cobrarem depois: capaz até de melar tudo…

    Ou, como se trata do Presidente Bravateiro, capaz dele se emputecer com franceses e americanos e fechar com os suecos, ou até com os russos, só pra contrariar todo mundo e mostrar que “nunca antef na hiftória defte paíf um previdente mandou maiv do que ele”…

    Aquela história: é muito mais caro, teria que ser muito melhor. Entretanto o Rafaleco é apenas ligeiramente melhor que os outros. Não compensa. É caro de voar. Caro de manutenir. Armamento caríssimo. Vai virar Rainha do Hangar. E a FAB sabe disso, tanto que o rejeita, pois tem paúras e traumas profundos de Rainhas do Hangar, notadamente as francesas…

    Abs geral.

  40. Hornet,

    ravi de te revoir l’ami
    Le Point article?no despite the fact the guy has my two initials…eh eh
    in case :th_var@hotmail.com
    abração

  41. Hornet,

    Muito bom ‘encontrar’ o amigo novamente.
    Vc faz falta no debate, sempre equilibrado, bem informado e bem articulado, mas acima de tudo educado e coerente.
    Bem vindo.

    Mas, só para aquecer, vamos começar a divergir?

    Com relação ao módico pagamento solicitado pela administração dos Blogs do Poder Naval, acredito que deve haver um bom motivo para isso, algo como a necessidade de manter o funcionamento do espaço.
    Tem sido um prazer participar deste fórum de debate, conhecendo (sem conhecer) pessoas com interesses parecidos com o meu, quando na minha vida pessoal e profissional não tenho mais esta oportunidade.
    Fui R-2, voluntário, infantaria, mas depois, trabalhando como executivo, perdi contato com os amigos de caserna, até por que a maioria levou suas vidas civís e não discutem questões militares.
    Outros blogs que visitei me pareceram um tanto tendenciosos.
    Neste espaço que estamos encontrei uma saudável isenção, com “francófilos”, “americanófilos”, “russófilos” e todos os filos que eu puder inventar convivendo em (quase) harmonia.
    Vejo a divergência agir como devia agir em todo o mundo, para aumentar o conhecimento e formar laços as vezes mais fortes do que as convergências cegas e,por vezes, de coveniência.
    Vivo enfiado no trabalho, longe do mundo acadêmico a 12 anos e do militar a mais de 20.
    Pago R$10,00 com prazer, para contribuir na manutenção deste fórum que eu considero democrático e, sinceramente, não entendo filosoficamente que esta pequena contribuição prejudique os bons ideais que vejo aqui.

    Quanto ao Rafale, bem amigão, é mais complicado.
    VOCÊ certa vez me convenceu, e continuo convencido até hoje, a trocar a opção dos Subs alemães pelos franceses, com o argumento irrefutável de que só os gauleses poderia nos ‘ajudar’ a chegar ao Submarino Nuclear, claro que por um preço, talvez não tão módico.
    Mas é um preço que podemos e devemos pagar.
    Entretanto com relação ao caça, a coisa é diferente.
    Até mesmo por conta dos Subs e dos Helis, as outras nações passaram a nos olhar de outra forma.
    Digamos, estão nos levando mais a sério.
    Preço fará a diferença.

    Mas teremos muito tempo para os debates, para mim sempre enriquecedores.

    HORNET, ÓTIMO ‘OUVIR’ VC NOVAMENTE.
    Grande abraço,
    Ivan.

  42. Oba! Hornet! apareceu amigo!? que bom! tava fazendo muita falta amigão!

    Não viro casaca não! fica tranquilo! do Bosco eu sempre soube que ele tinha uma queda pelo SH! ele gosta muito de armas (aliás entende de armas e sistemas como ninguém – e o SH é o melhor neste sentido -pena que não teremos as belas armas disponíveis)

    Perfeito seu comentário sobre o “telefone sem fio”!

    Eu nem tento mais convencer a galera de que se tivermos o Rafale, com todos os adendos do F-3, e pudermos integrar nossas armas e adicionar o HMD (que certamente será um requisito da FAB) somados ao Meteor + Exocet, teremos um vetor sem par em defesa aérea (superado apenas pelo F-22) e um excelente avião de defesa naval. O Rafale ainda irá provar que é mais capaz que o SH em combate aéreo, mesmo em BVR, tenho lido coisas sobre o Spectra que me deixaram entusiasmado!

    Grande abraço!

  43. Thierry,

    About the Le Point article… it was only a coincidence, I know … hehehe

    I Will write for you latter (email), ok?

    abração mon ami

  44. Ivan,

    não estamos discordando (sobre o pagamento do Blog), não. Ou melhor, eu penso que o Blog deve ser viável economicamente. Discordei apenas da solução adotada, mas com o tempo podem aparecer outras soluções que sejam inclusive mais viáveis economicamente para o próprio blog…enfim…

    Já sobre o preço do Rafale, o que quis dizer é que não se sabe qual é de fato…este é o ponto. Ninguém sabe de verdade qual é o valor ofertado para o Brasil. Não dá pra tomar por base nenhuma informação sobre isso, pois é um dado confidencial…e foi isso que quis dizer. Os jornbais especulam, mas é só isso: especulação.

    E essa especulação pode ser acompanhada de más intenções, como tentei demonstrar acima.

    Qualquer coisa que se fale sobre os valores dos caças é chute. Puro chute. Seja do Rafale, ou seja dos outros caças concorrentes.

    Existem tantas variáveis para se calcular o preço desses caças que, sem os dados concretos, não temos como saber de nada,

    Por exemplo (um exemplo rápido): qual o valor da mão de obra (em termos de percentagem) no valor final dos caças ofertados?

    A mão de obra (não me refiro somente a operários, mas também a engenheiros etc.) suéca não é do mesmo valor da brasileira, a francesa não é do mesmo valor da americana e nem da brasileira e assim vai. Então, como falar em preços fixos? Depende muito do local aonde serão produzidos e montados os caças.

    Enfim…

    abração

  45. Chicão,

    eles têm mais ou menos um mês pra se convencerem…

    Depois disso, e caso não se convençam, terão 30 anos pra se conformarem…hehehe

    abração bro!

  46. Felipe Cps em 08 nov, 2009 às 7:45
    Ok, valeu. Q a Força esteja contigo tb, rsrs…
    Bem, concordamos que o Rafale é o mais caro e o melhor.
    A questão é quanto mais (caro e e melhor).
    Tenho minhas dúvidas. Vale lembrar que, na Red Flag, foi noticiado uma taxa de vitórias do Rafale de 3 por 1, o que não considero pouco. Claro, sei que é um exercício, mas não deixa de ser um indicativo.
    Agora, se o Rafale não foi oferecido com o Meteor e Gripen NG sim, que venha o último.
    Abraço,

  47. First,here is a very interesting link with a Rafale flight test by Peter Collins, from flightglobal.com
    http://www.flightglobal.com/articles/2009/11/09/334383/flight-test-dassault-rafale-rampant-rafale.html

    Second, here is a video about some previous post World War II DASSAULT prototypes + industrial built aircrafts
    I am sure few of you know all of them:

    Balzac V001+Mirage III-V – VTOL(vertical take off and landing):beginning of the
    60s

    Mirage G8:1971

    Mercure :140 seats twin reactors commercial jet ,mid 70s(the author of this note is proud to have flown on them as a passenger);this jet had a too smaller range but was reacting a little bit like a fighter jet in terms of acceleration thrust+higher speed than its opponent’(B737) pilots when about to landing procedure would often propose air controller to speed up instead of slowing down in order to insert themselves in a waiting landing lane.My remark: also a fantastic experience to take off or land at Congonhas airport on board wonderful efficient Embraer ERJ range

    Super Mirage 4000

    Rafale 1986 prototype with brief view of founder Marcel Dassault(Bloch) deceased a couple of months later

    http://www.dailymotion.com/video/x5ri8e_dassault-aviation_tech

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here