segunda-feira, junho 21, 2021

Gripen para o Brasil

Boeing melhora oferta para tentar vender caças ao Brasil

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Super Hornet 2

EUA podem restringir o uso de sua tecnologia pelo Brasil, qualquer que seja o vencedor do F-X2, pois há tecnologia americana tanto no Gripen como no Rafale

José Meirelles Passos

Além de reafirmar a garantia de transferência de tecnologia do F/A-18 Super Hornet para o Brasil, a Boeing – que disputa com a francesa Dassault e a sueca Saab um contrato para a venda de 36 caças ao país – melhorou a sua oferta com pelo menos duas iniciativas. Uma delas é a promessa de que empresas brasileiras passariam imediatamente a produzir peças para aviões da Marinha americana; e também, em parceria com a própria Boeing, entrar no mercado global da aviação, passando a fornecer outros equipamentos – inclusive asas e fuselagem do Super Hornet – tanto para os Estados Unidos como para vários outros países.

Essas iniciativas foram reveladas nesta sexta-feira ao GLOBO por dois altos funcionários da embaixada dos EUA em Brasília:

A indústria aeroespacial brasileira se tornaria o principal fornecedor e parceiro da Boeing no mercado global, e especificamente no mercado de defesa dos EUA, que é dez, cem vezes maior que os mercados dos competidores – disse uma das fontes.

Segundo ambas, o governo americano foi autorizado pelo Congresso daquele país a transferir, em termos de tecnologia, “tudo aquilo que foi exigido pela Força Aérea do Brasil”, sem restrições.

– Obtivemos uma autorização sem precedentes de todos os setores do governo, inclusive do Congresso, pois ela foi alcançada antes mesmo de haver um contrato. Autorizaram inclusive o uso de sistema de armas made in Brazil no caça. Essa integração jamais foi feita com os Super Hornets.

Em carta enviada ao GLOBO nesta sexta, a Boeing insistiu no fato de que em agosto o próprio presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, garantira ao governo brasileiro que nenhum item contido na proposta da empresa “será sujeito a nova revisão”.

Na quarta-feira, falando à Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara, em Brasília, Bob Gower, vice-presidente da Boeing, disse que a empresa se compromete a criar no Brasil o Centro de Capacitação da Boeing, cujo foco será trabalhar na evolução da próxima geração de tecnologias:

– Vislumbro um futuro em que caças Super Hornet serão construídos no Brasil. Enxergo ainda um futuro onde Super Hornets serão mantidos e modernizados por brasileiros – disse o executivo.

Confrontados com a promessa da França, que baixou os seus preços e prometeu permitir que o Brasil vendesse os seus caça Rafale a países da América do Sul, os funcionários americanos rebateram:

– Bom, isso agora é uma questão de ver o que o Brasil prefere: entrar no mercado global de aviação (de mãos dadas com a Boeing) ou ter a possibilidade de vendas muito hipotéticas na região.

Os americanos também procuraram deixar claro que, qualquer que seja o resultado da concorrência, os EUA teriam em mãos, se fosse o caso, o poder de vetar potenciais vendas pelo Brasil tanto dos caças Rafale (França) como dos Gripen (Suécia) que viessem a ser montados ou construídos no país:

– Caso os EUA decidissem restringir o uso de sua tecnologia pelo Brasil, isso afetaria todos os competidores, pois há tecnologia americana tanto no Gripen como no Rafale.

FONTE: O Globo

- Advertisement -

227 Comments

Subscribe
Notify of
guest
227 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
RenanZ

Tecnologia americana nos Rafale ??

Então, o jeito é ir de Sukhois mesmo !!!

Lol

Não temos escapatoria. Ou a gente escolhe o SH ou os EUA vetam a venda dos Gripen ou Rafale pra gente. Eita Lasqueira;

matheus

SU-35 já!

Luiz Antônio Cavalcanti

Caramba, agora os americanos começaram a falar grosso. Vamos ver como o MD vai reagir e qual a resposta de Gripen e Rafale, visto que ambos vivem dizendo que não haverá problemas na transferência de tecnologia dos itens que eles não fabricam. Sinceramente, entendi a declaração americana como ameaça velada. O Brasil deveria pedir esclarecimentos, pois seria até o caso até de reabrir o FX-2 e recolocar os Russos na parada.

Lol

Acho melhor o Brasil comprar logo esses SH senão o bicho vai pegar!!

Ricardo GF

O Rafale não tem tecnologia embarcada americana…e mesmo se alguns componentes têm origem americana, estes podem facilmente ser substituídos por outras origens. Este tipo de ameaça velada tem tudo para afundar ainda mais o soon-to-be-obsolete SH na licitação brasileira. É mais do que hora de o Brasil afirmar sua liderança na América Latina e no resto do Hemisfério Sul…que os EUA fiquem com o Norte e nada mais.

João Curitiba

Ou é mesmo uma ameaça velada ou um mal entendido. Seria apenas uma questão hipotética.
Agora começo a entender quando os russos dizem que continuam no FX2.
Se é mesmo uma ameaça, os norte-americanos podem estar cutucando a onça com vara curta. Peru e Venezuela já usam aviões russos. Se o Brasil entrar nessa, haverá carnaval fora de época no Kremlin.

Billy

Mas porque insistir neste aspecto? O governo, o congresso e a empresa americana já não se comprometeram? É claro que haveria veto caso tentássemos repassar as tecnologias ou vender aviões para inimigos dos EUA, como venezuela e irã. Porque não usam de sinceridade e apontam que o FX2 não é apenas aquisição de caças e sim uma tomada de direção na estratégia política nacional. Realmente muito difícil, pelo posicionamento ideológico do governo, uma aquisição do F 18 E. Apesar deste caça ser a melhor opção dentro dos parâmetros impostos pelo programa. O rafale, com seus custos estratosféricos, a pior opção,até… Read more »

Asimov

Fornecedores americanos do Rafale:

1) Hexcel Composites
2) Magnolia Plastics
3) Eaton Aerospace
4) Goodrich Sensors & Integrated Systems
5) Ducommun Incorporated
6) Rexnord Aerospace
7) HiRel Connectors, Inc.
8) Avibank Mfg. Inc.,
9) Ho-Ho-Kus, Inc,
10) Orelube Corporation Synthetic Lubricants

Asimov
Asimov

Outros fornecedores estrangeiros do Rafale:

Reino Unido:
1) Moog Controls
2) Martin Baker

Alemanha:
1) Liebherr-Aerospace Lindenberg GmbH

Canadá:
1) Aerotech Herman Nelson, Inc.

Suiça:
1) RUAG Aerospace

Asimov

Um exemplo: http://www.hexcel.com/ Hexcel is the largest US producer of carbon fiber; the world’s largest weaver of reinforcement fabrics; the number one producer of composite materials such as honeycomb, prepregs, film adhesives and sandwich panels; and a leading manufacturer of composite parts and structures. Executive Offices and Business Unit Headquarters Stamford, CT – Executive Offices 281 Tresser Blvd Two Stamford Plaza, 16th Floor Stamford, CT USA 06901 Tel: +1 203.969.0666 Space and Defense The Space and Defense markets have historically been innovators in the use of advanced structural materials. Advanced structural materials played a major role in the development of… Read more »

Asimov

Outro exemplo: MOOG CONTROLS (Reino Unido): http://www.moog.com/markets/aircraft/military-aircraft/fighter-trainer/ Supplying Advanced Solutions for the World’s Highest Performance Aircraft Moog has been supplying Superior Engineering and Advanced Technologies to the Military Aircraft market since the company’s inception in the 1950’s. Moog’s founder invented what became the enabling technology for Fly-by-Wire flight control systems used in today’s modern aircraft. Every step along the way, Moog has been instrumental in advancing the state-of-the-art, culminating with the self-contained Electrohydrostatic Actuation Systems controlling primary flight surfaces on the F-35 Joint Strike Fighter. Our system solutions provide precision control of flight surfaces on supersonic aircraft supporting the air… Read more »

Ricardo

Bobagem! O Brasil já possui um centro de desenvolvimento de microchips, o único da América Latina e um dos poucos do mundo. Foi comprado da Motorola, usado, por um ex-governado do PT do Rio Grande do Sul. Se é assim que os EUA acham que podem pressionar, é bobagem. Isso é calhordice, não têm outra definição. Além do mais, eles não podem controlar dessa forma, o prejuízo será irrecuperável para a própria economia americana, sem contar que entrarão em um confronto direto com a UE, pois estes chips são vendidos no mercado mundial, para consumidores finais. Seria o fim da… Read more »

Napoleão

Os caras desenvolve a tecnologia para depois ficar dando de graça para os outros,eu acho é pouco,como se os Franceses ou os Russos fosse realmente transferi tecnologia, é mesma coisa que Petrobras transferi tecnologia de extração de petroleo e desse pra SHELL,MOBIL,uma coisa estranha um perfere A,outro B,outro C,tá virada novela.

BOSS

Ta aí a resposta que eu estava esperando…dá pra considerar que alguém que haja assim seja digno de um fio de confiança? Eles não querem e não precisam de aliados… Querem enterrar os franceses e suecos, junto com os brasileiros se puderem!!

COMENTÁRIO EDITADO POR CONTER TERMOS DE BAIXO CALÃO.

matheus

O que não entendemos é se eles vetariam o FX-2 ou a compra de caças produzidos no Brasil.

Ricardo

http://revistapesquisa.fapesp.br/?art=3279&bd=1&pg=1

Qualquer forma dos EUA tentarem atingir o Rafale, afetará apenas elementos não sensíveis.

E aqueles que tentam desqualificar o RAFALE, vale lembrar que o RAFALE está muito mais para o F-22, do que para o SH, considerando ainda que o F-35 não é melhor que o F-22, é apenas mais barato.

Lucio

Nada disso é tecnologia sensível.
Lubrificantes, assento ejetor e fibra de carbono?
Nenhum dos itens justificaria veto.
Motor, radar, e eletrônica embarcada para não citar os softwares esses são todos franceses ou não contem partes sujeitas a embargo.

Mas afinal de contas, pra quem o Brasil esta planejando vender os hipotéticos/futuros /caríssimos caças?
Irã? Coreia do norte? Venezuela?
Mesmo uma futura venda de caças russos “abrasileirados” para inimigos estratégicos dos americanos sofreriam algum tipo de sanção que iria do suco de laranja a sapatos alem de nos colocar na lista negra dos que fazem parte do “eixo do mal” ouch!.

helioc2000

O grande problema dos russos tem sido sua logistica/prazos. Se eles conquistassem esse relação pretendida pelo Brasil, teriam tudo o que eles hoje não tem, uma logística forte no ocidente, uma verdadeira muralha para um negócio conjunto Brasil/Rússia. Eles teriam que mostras urgente numa vizita de estado sua posição alinhada e no papel, e fechar pool comercial local com seus possíveis provedores da indústria local. Minha opinião: os americanos vinham bem até aquí, ao mostrar os dentes. Tratar de segurança colocando o Brasil na parede todos sabemos o resultado disso, perda completa, entorna o caldo mesmo. Vejo como um tiro… Read more »

Asimov

A Dassault e seus defensores alardearam que uma de suas vantagens seria a liberdade de vender o Rafale BR a qualquer país da America Latina. Isso não é verdade. Como há tecnologias americanas envolvidas, o Brasil e a França necessitariam de autorização dos EUA para exporta-lo. Foi isso que o representante da embaixada americana disse.

Hoje essa hipotética impossibilidade recairia provavelmente sobre a Venezuela. Mas isso é hipotetico, haja visto que a Venezuela acaba de adquirir Su-30.

Ninguém vai embargar venda da Saab ou Dassault ao Brasil.

Ricardo

Ou dá Rafale, ou dá Sukhoi. Essa é a minha opinião.

Se querem continuar negociando alguma coisa, que seja em outro projeto, visto que projetos para melhorar as FA´s não faltam. Tenho certeza que nos próximos projetos eles não serão tão arrogantes.

Acho que eles devem logo aceitar a derrota para os Franceses, antes que percam para os Russos, aí a coisa ficaria russa para o lado deles.

paulo

Vai começa do zero o FX Estamos ferrados

abraços

Asimov

Há outras coisas acontecendo e rápido…um Acordo na aérea de Defesa entre Brasil e EUA que dentre outras coisas permitiria a venda do Super Tucano para as Forças Armadas americanas sem necessidade de processo licitatório. O Acordo está em análise no Itamaraty e o Ministro NJ está pedindo pressa na aprovação. A ver… OBS.: NJ diz que não tem nada a ver com o F-X2…acredita que quiser. ——————————————— http://www.fab.mil.br/portal/capa/index.php?datan=17/10/2009&page=mostra_notimpol Embraer negocia 100 aviões com os EUA Contrato para venda do Super Tucano pode chegar a US$ 1,5 bi e se tornar a maior exportação militar da fabricante São José dos… Read more »

helioc2000

Não acredito que seja verdade esta argumentação dos americanos, mas se for mesmo, e com os dentes à mostra, protelem por mais 1 mês o FX-2, deixem os franceses(meu preferido se entender com os americanos) assim como os suecos, o processo entraria num empesse técnico de T&T, recebam uma BAFO dos russos que seja superior a dos demais, e pronto…Brasil com produção e desenvolvimento conjunto dos SU35, entram de vez no PAK-FA T-50 e manutenção sul-americana dos russos aquí…foi a vaca pastar no brejo…o pior de tudo aconteceria aos americanos, nem França, Suécia e EUA, passaria por questão técnica direto… Read more »

Getulio - São Paulo

Para quem leu a proposta final da Boeing pelo seu vice-Presidente Bob Gower, no Congresso Nacional Brasileiro, parecer ser esta a melhor proposta do FX-2 para o Brasil. Pelo menos escaríamos dos bancos europeus e seus juros absurdos.

Getulio - São Paulo

Talvez com o dolar em queda, poderíamos comprar o dobro de aviões F-18 em compra de prateleira.

Azul&branco

Vendeu mais 8 SUPER TUCANOS para Indonésia e poderá vender uns 300 para EUA! Imagina quantos empregos serão gerados com esta demanda e das que virão a reboque. E ainda tem mané que chora pelos míseros 12 aviões vetados ao TIRANETE DE CARACAS1

Getulio - São Paulo

O curioso nesta concorrëncia é que o avião americano é bancado pela Marinha dos EUA e não pela força aérea daquele país. Creio que a nível educacional, equipamentos, treinamentos no TOP GUN náo há nada comparado no mundo. Qualquer piloto gostaria de ir para os EUA do que à França.

Patriota

Os yankes querem ser arrogantes não é ?!Acho que está na hora de
ligar para Moscou para anunciar que a Sukhoi venceu o FX2 e que vamos participar do projeto PAK FA juntamente com os indianos, que tal ainda acrescentar que queremos utilizar tecnologia russa no KC-390.

Sinceramente isso foi a gota d`agua! Agora eu sei o pq que Jacques
Chirac não gostava dos americanos.

paulo

É pessoal a informação do amigo ASIMOV esta matando a charada os americanos ficam com os super tucanos e o Brasil fica com os F-18.
Foi isto que eu entendi.Vamos si-por que isto vai acontece e a França como fica ?ou derrete o Brasil da outra copa para o França brincadeira

abraços.

Francisco AMX

Blá blá blá! estes componentes são de mercado! foram opção pela qualidade, disponibilidade e custo-benefício, estas empresas não aceitarão essa perda de cliente para favoracer só a Boeing! correndo o risco de ficarem de fora do mercado europeu! isso é a maior bobagem que a Boeing tenta emplcar! estas vendas de produtos são abertas ao mercado, a França utiliza, assim como aviões americanos, que utilizam componentes europeus, japoneses entre outros, até do Brasil! conversa mole esta! querem que o Brasil compre o SH? então ofereçam uma vantagem que só vcs podem! parem de nos boicotar! chega de sacanear o Brasil!

davidjp

ola amigos do blog. sou novo aqui, mas acompanho o blog a tempos.
acho que o pessoal anti americano ta meio com uma puga atras da orelha em vao, tendo em vista que,o governo ja liberou a transferencia de tecnologia ao brasil por que a choradeira? vamos monta partes do caça e sermos parceiros com a compra. ou o pessoal acha que eles vao manda tudo de graça? tem que ter a parceria para os gringos acreditaren em nois! e minha opiniao, so lembrando o de`gaule disse que nois nao eramos serios por que sera?

Francisco AMX

A Resposta que o MD deveria dar a este Sr. Bob, deveria ser: Estão nos ameaçando com novo boicote, que vcs nem tem como executar, para nos pressionar? pois então vamos comprar o Rafale, que é a proposta mais abgrangente e o melhor produto , faremos um acordo com a França, substituiremos os componentes americanos que forem necessário por de outros países e excluiremos a Boeing de novas consultas, acordos e concorrências do Brasil, no âmbito de defesa! e informaremos ao DE americano nosso descontentamento com as colocações “ameaçadoras” da sua empresa, que, certamente, não estaria em acordo com a… Read more »

helioc2000

Estou certo de uma coisa, as notícias estão sim comprometidas, quem está mesmo sabendo do real mesmo está no Itamaraty, sendo costurado, e acho que ou dá Rafale, ou essas negociações muito fortes mesmo darão SH, acho que quem dançou foi os Suecos, ainda que com ótimo projeto e custo. Está ficando algo do tipo “caças de graça” e com um baita ganha pão para as empresas nacionais. Entendí que eles viram no que pode dar se eles não vencerem esta, é muito pior que não vender SH, seriam as consequências dos outros vencerem.

Asimov

O contexto… […] Confrontados com a promessa da França, que baixou os seus preços [e prometeu permitir que o Brasil vendesse os seus caça Rafale a países da América do Sul, os funcionários americanos rebateram]: – [Bom, isso agora é uma questão de ver o que o Brasil prefere: entrar no mercado global de aviação (de mãos dadas com a Boeing) ou ter a possibilidade de vendas muito hipotéticas na região]. Os americanos também procuraram deixar claro que, qualquer que seja o resultado da concorrência, os EUA teriam em mãos, se fosse o caso, o poder de vetar potenciais vendas… Read more »

Berkut

“FONTE:O GLOBO”. só podia ser. Para este jornal a LIBERDADE de imprensa é tudo, e eu me pergunto: onde foi parar a RESPONSABILIDADE da imprensa??Desde Getulio, a desinformação e a manipulação nesse jornal andam juntas. Mas agora é diferente, temos nossa própria voz… Qto ao SH, areposta é NÃO, OBRIGADO!NÃO QUEREMOS, salvo alguns iludidos…. ou vamos repetir a retórica “O que é bom pros EUA, é bom pro BRASIL”..???

Sds.
p.s. Chega né!

Emerson

“Vislumbro um futuro em que caças Super Hornet serão construídos no Brasil”

KKKKKKKKKKKKKKKKKK

Super Hornet construidos no Brasil, quando os EUA estarão de F35. Super Hornet é um avião sem futuro, vão opera-lo ate 2000 e sei lá quando, pode ser, mas não será o TOP deles.

Fecha logo com os RAFALES, ou então com o PAK-FA, e manda a Os EUA ir comer torta de maçã e não mais nos incomodarem !!!

Marlin

p.s. Chega né! [2]

haja pressao!!!

mas q venham os caros Rafales ou mesmo os brasileiros Grippen NG

e pronto!

Hornet

Francisco AMX em 17 out, 2009 às 15:52

concordo plenamente.

Chicão, agora virou moda pneu e lubrificante ser catalogado como tecnologia sensível…hehehehe

E sobre a ameaça, também concordo com vc.

abração bro

Lucas Calabrio

Prezados
Na hora da verdade, os americanos deixam a cortesia de lado e põem o pé na jugular dos concorrentes e é por isso que o Rafale tem perdido direto pro caças norte-americanos
sds

Lucas Calabrio

isso chama-se CHANTAGEM

Patriota

“Vislumbro um futuro em que caças Super Hornet serão construídos no Brasil”

Com a chegada do F-35 não haverá mais futuro para o F-18 SH

Chega da palhaçada dos yankes !

Corsario 01

Os F35 ainda vão demorar muito para substituirem o F18. E quem disse que os mesmo são assim tão superiores?

O Brasil fabricando efetivamente qualquer caça dos 3 da disputa, irá ganhar um know How que hoje não tem e poderá ser um prenúncio de que no futuro poderemos projetar algo genuinamente brasileiro.

É a minha esperança.

Robson Br

Realmente parece coisa de perdedores e viúvas. O MD já decidiu o que quer. Quanto ao acordo EEUU x Brasil parece ser para atender ao EB, já que a MB está buscando novas parcerias com a França e Itália.
A diretriz das colocações do blog estão muito parecidas com a final dos IKls x scorpene’s no Naval.
Graças a Deus acabou esse assunto lá e aparentemente não houve viúvas, pois com o contrato assinado não justifica mais certos comentários embasados em propagandas comerciais.

JULIO

Temos é que comprar a maquina com o menor indice de tecnologia americana e buscar nossa propria, naqueles onde eles podem apitar.
O recado é claro da parte deles temos que criar nossa tecnologia, investir para sairmos dessa sinuca tecnologica.

Carlos Augusto

A situação ficou ao meu ver da seguinte maneira: Ou fica do lado do grandão ou toma porrada, como mulher de malandro. É sinceramente agora eu estou achando que vai dar SH F18 com a boeing dando as cartas,infelizmente.

Sds.

Hornet

Chicão,

vamos ao contra-ataque (hehehe)…

Nessa história de lubrificante ser taxado como tecnologia sensível, então o pau que bate em Pedro bate também em Francis…quer dizer, em João (hehehe).

Tem tecnologia francesa no Super Hornet:

http://www.airframer.com/direct_detail.html?company=121563

Aliás, não só no Super Hornet. Essa empresa francesa fornece para o F-22, F-35 e para o Gripen também.

Usando a lógica de alguns aqui, se a França quiser ela deixa a primeira linha de caças dos EUA no chão, basta suspender o fornecimento…kkkkkkkk

É cada coisa! Mas segue o enterro.

abração bro!

JULIO

Entendo ser ideal a compra do equipamento com menor indice de tecnologia americana e buscar criar a nossa naqueles itens que eles tem poder de veto.
Da parte deles o recado é claro, e entendo bastante compreensivel investiram desenvolveram tem de haver contrapartida, façamos o mesmo.
Usemos o nosso intelecto para valorizar nossa nação tanto economicamente como politicamente.

Francisco AMX

Pois é Hornet! pq o fio que conecta algum componente, pq o fu´sivel, pq a fonte, o componente importante mas que existem fabricantes em vários países, pq o parafuso, pq o processador (que é fabricado na Asia) faz parte de um avião, ele não poderá ser fabricado… coisa de louco! Sabemos que o Brasil que aprender a construir avião, não componentes, nestas primeira fase, pois isto aumentaria por demais os custos de qualquer prejeto, penso isso, inclusive dos motores! não teremos condições de produzi-los em menos de 20 anos…, e talvez seja mais sensato produzir sob licença bons motores… Porém,… Read more »

Reportagens especiais

Os F-5 da Jordânia, agora na FAB

A Real Força Aérea da Jordânia recebeu um total de 61 Northrop F-5E Tiger II e outros 12 F-5F...
- Advertisement -
- Advertisement -