sexta-feira, maio 7, 2021

Gripen para o Brasil

Controladores de voo denunciados por greve

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

O Ministério Público Militar (MPM) em Brasília ofereceu ontem denúncia contra 89 controladores de voo militares envolvidos na greve que paralisou o tráfego aéreo do País em 30 de março de 2007. Todos foram enquadrados nos crimes de atentado contra o transporte e motim, ambos previstos no Código Penal Militar. Os sargentos Edleuzo Cavalcante e Carlos Trifilio, apontados como articulares e líderes do levante, deverão responder também por incitar à prática de crime militar. A acusação pede que os controladores citados sejam expulsos dos quadros da Força Aérea Brasileira (FAB).

Iniciada há dois anos e meio, a investigação demorou para ser concluída porque a Justiça exigia que o MPM descrevesse as condutas de cada um dos envolvidos. A procuradora Ione de Souza Cruz, responsável pelo Inquérito Policial-Militar, decidiu, então, requerer à FAB a degravação das conversas telefônicas feitas naquele dia a partir do centro de controle do espaço aéreo de Brasília (Cindacta-1), de onde teriam partido as ordens para o restante do Brasil.

Para o MPM, a data da greve foi cuidadosamente escolhida. Tratava-se de uma sexta-feira, em que era comemorado o Dia Internacional do Meteorologista, além de haver formatura e um churrasco em homenagem ao Dia do Especialista da Aeronáutica. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o então ministro da Defesa Waldir Pires não se encontravam em Brasília, assim como a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e a procuradora do caso. Por fim, diz a denúncia, o comando da FAB e do próprio Cindacta-1 acabara de ser trocado.

Coube ao ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, negociar com a liderança do movimento – a maioria integrantes da Associação Brasileira dos Controladores de Tráfego Aéreo (ABCTA). Naquele dia, diversos controladores que não estavam na escala de trabalho permaneceram no Cindacta-1, “não para exercer suas funções regulamentares, mas para reverter normas de hierarquia e promover a indisciplina”, diz a denúncia.

A investigação constatou que as decolagens e sobrevoos de aeronaves na área sob jurisdição do Cindacta-1, o mais importante do País, foram dificultados propositalmente. O MPM diz ter identificado ainda participação ativa dos sargentos Edleuzo Cavalcante, diretor de Mobilização da ABCTA, e Carlos Trifilio, presidente da Federação Brasileira das Associações de Controladores de Tráfego Aéreo (Febracta), na condução do levante.

O advogado Roberto Sobral, da ABCTA, afirmou que deve usar todos os instrumentos disponíveis para mostrar a inocência de seus clientes.

FONTE: Jornal do Comércio, via Notimp

- Advertisement -

4 Comments

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Bruno Rocha

FIRST !!!

Bruno Rocha

Mais uma para jogar nossa moral “lá pra cima”

Marcelo Tadeu

O pior desta história foi o Comandante da Aeronáutica, Juniti Saito ser desautorizado pelo Presidente Lula, quando ia ao CINDACTA 1 pessoalmente com a PA, dar voz de prisão aos grevistas, demonstrando claramente a quebra da hierarquia e da disciplina e gerando um perigoso precedente.

Eu acho que, independentemente das revindicações justas dos controladores, a parte militar e não a civil, não pode ser sindicalizada nem virar filial do PT, todos foram voluntários, prestaram Concurso para a EEAR e conhecem as Leis Militares.

Sds,

Rapha SC

O MPM está comendo bola. Após 2 anos, apresentam a denúncia … Espero que a justiça militar cumpra seu papel e condene com rigor esses “piqueteiros”.

Reportagens especiais

Programa AMX: da concepção à modernização

São três letras e um enorme significado para a indústria aeronáutica brasileira. O programa AMX era, naquele já longínquo...
- Advertisement -
- Advertisement -