domingo, maio 16, 2021

Gripen para o Brasil

F-X2: em nota oficial, FAB informa que finalistas poderão melhorar propostas

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

finalistas-f-x2

Força Aérea Brasileira presta esclarecimentos em nota divulgada nesta sexta-feira, 11 de setembro, às 15h07

O Comando da Aeronáutica informou aos fabricantes finalistas do Projeto F-X2 (Boeing, Dassault e SAAB), nesta semana (8/9), que será possível apresentar propostas de melhoria dos quesitos que fazem parte do processo de seleção dos novos aviões de caça para a defesa do país. Em nota divulgada nesta semana, o Ministério da Defesa informou que a negociação com os três finalistas prossegue com a possibilidade de aprofundamento e redefinição das propostas apresentadas.

Na etapa seguinte, a Comissão Gerencial do Projeto F-X2 completará a fase de avaliação técnica final e elaboração do relatório, o qual será apresentado ao Alto Comando da Aeronáutica e, posteriormente, ao Ministério da Defesa.

Nós faremos a análise técnica. O governo irá analisar a parte política e estratégica“, disse o Tenente-Brigadeiro-do-Ar Juniti Saito, Comandante da Aeronáutica.

O governo francês já assumiu o compromisso de fazer ofertar caças Rafale (Dassault) a preços competitivos, razoáveis e comparáveis aos pagos pelas Forças Armadas da França, além de transferência de tecnologia, entre outros pontos. Nesta semana, os outros dois concorrentes também divulgaram o interesse de aprofundar as ofertas.

Segundo o Major-Brigadeiro-do-Ar Dirceu Nôro, presidente da Comissão Gerencial do Projeto F-X2, os participantes estão sendo avaliados em cinco áreas prioritárias: transferência de tecnologia, domínio do sistema de armas (pelo Brasil), acordos de compensação e participação da indústria nacional (offset), técnico-operacional e comercial.

Os participantes do Projeto F-X2 serão avaliados por um critério de pontuação, conforme os quesitos elaborados, como exemplo, o nível de transferência tecnológica oferecido. A metodologia desse trabalho vem sendo aperfeiçoada e aplicada pela Aeronáutica desde o início dos anos 80, quando o país participou do desenvolvimento de um caça com a Itália (Projeto AMX).

O resultado da parceria com os italianos, além do desenvolvimento de um caça tático de ataque estratégico, empregado inclusive em combate (Kosovo), foi a capacitação da indústria brasileira. A linha de jatos 145 e 190 da EMBRAER decorre da tecnologia absorvida nesse período.

Para entender os quesitos, vale observar que o domínio do sistema de armas, por exemplo, garantirá ao Brasil utilizar armamentos próprios, os já existentes e outros a serem desenvolvidos, sem nenhum tipo de restrição.

Até o momento, o processo de seleção reúne mais de 26 mil páginas de documentos, entre ofertas e contra-ofertas, documentos que servirão como base para elaboração e gerenciamento do contrato a ser firmado. O Comando da Aeronáutica planeja concluir a etapa técnica do processo até outubro.

O Projeto FX-2 difere do primeiro processo de seleção, que previa a compra de 12 caças para um esquadrão de defesa aérea. No processo atual, o modelo a ser escolhido será a plataforma a substituir, gradativamente, a frota de caças da FAB (F-2000, F-5 e A-1). Será um investimento para as próximas três décadas.

ENTENDA O PROCESSO

Maio – 2008

O Comando da Aeronáutica, atento às necessidades operacionais para as próximas décadas e obedecendo ao cronograma de desativação de aeronaves de combate da Força Aérea Brasileira, instituiu (15 de maio) a Comissão Gerencial do Projeto F-X2, com o objetivo de conduzir os processos de aquisição de aeronaves de caça a serem incorporadas ao acervo da Força.

O intuito é dotar a FAB de uma frota padronizada de aeronaves de caça de múltiplo emprego, com o início das operações no Brasil previsto para o ano de 2015 e para serem utilizadas por aproximadamente 30 anos. O planejamento prevê a substituição gradual das frotas de Mirage-2000, F-5M e A-1M.

Para tanto, seis empresas foram pré-selecionadas e receberam solicitação para apresentarem informações (request for information – RFI): as norte-americanas Boeing (F/A-18 E/F Super Hornet) e Lockheed Martin (F-35 Lightning II), a francesa Dassault (Rafale), a russa Rosoboronexport (Sukhoi SU-35), a sueca Saab (Gripen) e o consórcio europeu Eurofighter (Typhoon).

O processo de escolha da aeronave vencedora leva em conta, principalmente, o atendimento aos requisitos operacionais estipulados pela FAB. Outros critérios utilizados na avaliação dizem respeito à logística, aos custos, às condições das ofertas de compensação comercial e o grau de transferência de tecnologia para a indústria aeronáutica brasileira.

Junho a Novembro – 2008

– O Comando da Aeronáutica completou mais uma etapa do processo de seleção dos novos caças multi-emprego a ser incorporados ao seu acervo.

A Comissão Gerencial do Projeto F-X2 (CGPF-X2) conduziu os estudos de avaliação das aeronaves pré-selecionadas (Boeing F-18E/F Super Hornet, Dassault Rafale, Eurofighter Typhoon, Lockheed Martin F-16 Adv, Saab Gripen NG e Sukhoi SU-35), de forma a elaborar uma lista reduzida (short list).

A concretização da short list visou garantir o atendimento aos requisitos operacionais para aeronave de caça e permitir o aprofundamento das avaliações dos sistemas de armas candidatos que foram selecionados.

Os estudos tiveram por base as informações fornecidas pelas empresas em resposta aos pedidos de informações (do inglês Request For Information – RFI), emitidos em Junho de 2008. Os dados provenientes das empresas participantes foram avaliados de forma sistêmica, considerando aspectos referentes às áreas operacional, logística, técnica, Compensação Comercial (offset) e transferência de tecnologia para a indústria nacional de defesa.

Com isso, as avaliações foram concentradas nas seguintes aeronaves finalistas: BOEING (F-18 E/F SUPER HORNET), DASSAULT (RAFALE) e SAAB (GRIPEN NG).

As 36 aeronaves, que integrarão o 1º lote, deverão ser entregues a partir de 2014, com expectativa de vida útil de, no mínimo, 30 anos. Assim, ao longo dos próximos anos, haverá a substituição, gradativamente, dos atuais caças Mirage 2000, F-5M e A-1M. O conjunto de conhecimentos e capacitação tecnológica adquiridos nesta aquisição irá contribuir para que o Brasil tenha condições de produzir ou participar da produção de caças de 5ª geração em um futuro de médio e longo prazo.

– A Comissão do Projeto F-X2 procedeu à entrega (30 de outubro) do Pedido de Oferta às empresas participantes selecionadas na short list: BOEING (F-18 E/F SUPERHORNET), DASSAULT (RAFALE) e SAAB (GRIPEN NG).

A partir do recebimento do pedido de oferta (Request For Proposal – RFP, em inglês), as empresas tiveram até 2 de fevereiro para apresentar propostas com detalhamento nos aspectos comerciais, técnicos, operacionais, logísticos, industriais, de compensação comercial (Off set) e de transferência de tecnologia.

Fevereiro – 2009

O Comando da Aeronáutica recebeu em 2 de fevereiro as propostas das empresas participantes selecionadas na short list: BOEING (F-18 E/F SUPER HORNET), DASSAULT (RAFALE) e SAAB (GRIPEN NG).

A partir disso, a Comissão do Projeto F-X2 iniciou os trabalhos de análise técnica dos aspectos comerciais, técnicos, operacionais, logísticos, de compensação comercial, industrial e tecnológica (Offset), e de transferência de tecnologia, informados pelos participantes em resposta ao RFP.

Março – 2009

– O Comando da Aeronáutica iniciou as reuniões de esclarecimentos com as empresas participantes do Projeto F-X2, com o objetivo de obter um maior detalhamento das ofertas apresentadas pelas empresas BOEING (F-18 E/F SUPER HORNET), DASSAULT (RAFALE) e SAAB (GRIPEN NG).

A Comissão do Projeto F-X2, por meio da sua equipe técnica, realizou uma completa análise, de acordo com metodologia apropriada, mantendo o foco nos aspectos comerciais, técnicos, operacionais, logísticos, de compensação comercial, industrial e tecnológica (Offset), e de transferência de tecnologia.

Em 30 de março, a Comissão deu início às visitas técnicas às empresas ofertantes e aos voos de avaliação das respectivas aeronaves concorrentes do Projeto F-X2, para verificar aspectos técnicos, operacionais, logísticos e industriais das propostas. Nesse período, foram avaliadas e visitadas as instalações industriais e logísticas, as oficinas de manutenção, os laboratórios de desenvolvimento de sistemas e esquadrões operacionais.

Maio – 2009

Mantendo a política de transparência do processo de seleção das novas aeronaves de caça, o Comando da Aeronáutica recebeu (4 de maio) das empresas participantes as ofertas revisadas para análise pelos integrantes da Comissão do Projeto F-X2.

Junho – 2009

O Comando da Aeronáutica encerrou a primeira bateria de coleta de informações das empresas participantes do processo.

Julho – Setembro – 2009

A Comissão realiza análise e coleta de informações adicionais das propostas dos concorrentes finalistas.

FONTE: CECOMSAER – FAB (os destaques, em negrito, são do Blog)

Fotomontagem com imagens via Boeing e airforce-technology.com

- Advertisement -

10 Comments

Subscribe
Notify of
guest
10 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
belfiglio

Mesmo que os concorrentes reduzam drasticamente os preços, assim assim os custos serao altos.

Acho que ninguem espera que o custo de manutenção e operação de um Rafale seja equivalente a um Tucano.

Concordo com o comentario do senhor Ramos, cada um tem que fazer sua parte, os fabricantes reduzem ate um valor razoavel e o Brasil ajusta a verba tambem ate um valor razoavel e descente para o perfeito funcionamento de nossas forças armadas e de seus novos equipamentos.

Marcelo Ramos

Todos falam nas empresas que tem que abaixar os preços mas ate agora ninguem falou nos recursos destinados as forças armadas, com o que nos e liberado so temo condições de usar F5 mesmo e continuarmos mandando os soldado para suas casas comerem, sabe economia de despesas, custa cara um bom soldado.

O nosso Congresso tambem tera que MELHORAR os recursos destinados a manutenção e operação destes caças.

Anda de F5 e quer um Rafale OK

Compramos os Rafale so que eles tem um custo de manutenção maior que um F5, vamos aumentar o orçamento militar.

Paulo

Marcelo agora os deputados querem fazer CPI sobre o acordo do Brasil-França é pá cabar né nâo é fácil esse país.
Eu estava ouvindo na entrevista que o f-5 brasileiro fez bonito nos Estados Unidos .Agora sobre o recursos as forças armadas sempre teve esse tipo de problemas e sempre vai ter.
Vamos esperar esse abacaxi ser descascado tambem o Lula fala demais agora pouco ouvi ele dizendo qem manda é ele e fim de papo.

abraço

Luís Aurélio

Pessoal esta história de custo de manutenção é chover no molhado.
Certamente a FAB , antes de iniciar o processo de escolha dos novos caças, atentou para o detalhe dos custos de manutenção do caça vencedor. Se a FAB apresentou três opções técnicas de caças para escolher-se um; é porque, terá dinheiro para manter qualquer um dos três. Caso contrário, se contentaria com o que tem.

Tiago Jeronimo

Engraçado é que no RFI a Lockheed Martin mandou o F-35 e nas aeronaves pré-selecionadas está o F-16 heheheh

Lucas Urbanski

Pessoal, a FAB quando fez a short list ja havia selecionado como pré requisito o custo-manutenção, e se essas 3 aeronaves se enquadraram dinheiro para mante-las tem, seria uma tremenda ignorancia compra-las para enfeitar os hangares da FAB.
Acho que falo por todos aqui que este FX-2 já deu no saco, a FAB caga ou sai da moita, desculpem o tracadilho, mais estou a cada dia mais certo de que o FX-2 se arrastará para o próximo governo e este vai acabar de vez com nosso sonho.

RenanZ

Então, aquela historia de Best and FINAL offer foi pro saco ?!?!?!?!??!

Eduardo Infante

Peraí, 36 aeronaves sejá lá qual for, para substituir os 12 Mirage 2000, cerca de 50 F-5M e 50 A1- futuramente M??? Não sei se não prefereria uma ordem de batalha maior em quantidade, e com equipamentos e armas modernas… Sei lá, temos que avançar no tempo, mas realmente, para quem manda soldado almoçar em casa para economizar no rango??? Marinha que tem que receber computador da associação de pescadores para tentar cumprir a sua missão, e por aí vai… Só um momento de reflexão… Já pensou: Cerca de 100 Mirage 2000 nas linhas de frente, acho que os F5M… Read more »

Tales

MD 11 Setembro 2009
Ministério da Defesa

PROJETO F-X2

Empresas terão até 21 de setembro para entregar nova proposta sobre caças

Brasília, 11/9/09- A empresa francesa Dassault terá até o próximo dia 21 de setembro para formalizar junto à Força Aérea Brasileira uma nova proposta comercial para os caças Rafale que esteja compatível com os parâmetros referidos pelo presidente francês Nicolas Sarcozy. A data limite vale também para que as outras duas empresas concorrentes –Boeing (F-18) e SAAB (Gripen NG) – apresentem eventuais propostas que busquem equiparar-se à francesa.

Tales

SEGUE A NOTA, NA ÍNTEGRA: Empresas terão até 21 de setembro para entregar nova proposta sobre caças Brasília, 11/9/09- A empresa francesa Dassault terá até o próximo dia 21 de setembro para formalizar junto à Força Aérea Brasileira uma nova proposta comercial para os caças Rafale que esteja compatível com os parâmetros referidos pelo presidente francês Nicolas Sarcozy. A data limite vale também para que as outras duas empresas concorrentes –Boeing (F-18) e SAAB (Gripen NG) – apresentem eventuais propostas que busquem equiparar-se à francesa. A expectativa da FAB é concluir o processo de análise técnica até o fim de… Read more »

Reportagens especiais

Radar quântico – fim do stealth?

Radar quântico pode tornar tecnologias stealth ineficazes A tecnologia "stealth" pode não ser muito furtiva no futuro graças a um...
- Advertisement -
- Advertisement -