Home Indústria Aeroespacial Catar recebe primeiro C-17 Globemaster III

Catar recebe primeiro C-17 Globemaster III

393
30

primeiro-c-17-globemaster-iii-do-qatar-foto-cerimonia

Nesta terça-feira, 11 de agosto, a Boeing entregou o primeiro de dois aviões de transporte estratégico C-17 Globemaster III, encomendos pelo Catar. A segunda aeronave deverá ser entregue antes do final do ano. O Catar tornou-se a primeira nação do Oriente Médio a encomendar o C-17 quando assinou com a Boeing um acordo para a compra dos dois aviões, assim como equipamentos e serviços associados, em 21 de julho de 2008. Espera-se que o C-17 seja extensivamente utilizado na região, em missões militares, humanitárias e de apoio no caso de calamidades.

Executivos da empresa vêem um interesse internacional crescente nessa classe de aeronaves. Atualmente, há 205 aviões C-17 em serviço no mundo, a maioria (189) com a USAF (Força Aérea dos Estados Unidos), o que inclui unidades da Reserva.

Com a entrega da primeira unidade para o Catar, somam-se 16 aviões do tipo em serviço junto a outros operadores que não a USAF: Catar (Qatar Emiri Air Force), Reino Unido (RAF), Canadá, Austrália (RAAF) e os 12 membros do consórcio SAC (Strategic Airlift Capability), que inclui países da OTAN e da Parceria pela Paz. Em 24 de fevereiro deste ano, os Emirados Árabes Unidos anunciaram a intenção de adquirir quatro unidades.

FONTE e FOTO: Boeing

SAIBA MAIS:

Subscribe
Notify of
guest
30 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rodrigo
Rodrigo
11 anos atrás

Qual avião de transporte dessa categoria seria uma boa para o Brasil?

Andre
Andre
11 anos atrás

Bela ave. Impressiona, pelo tamanho, a capacidade de pousos e decolagens em pistas curtas. Sobra forca nos motores. Embora seja para transporte estrategico, seria uma boa pedida pra FAB um vetor dessa categoria.

Sopa
Sopa
11 anos atrás

Dois desses já estava de bom tamanho, ma acho que seria melhor pro Exercito não FAB !

Att.

Marcelo Tadeu
Marcelo Tadeu
11 anos atrás

Eu li em algum lugar que , independente do KC-390, a FAB teria interesse, futuramente, em 4 aviões deste tipo. Alguém poderia confirmar?

Sds,

palito
palito
11 anos atrás

não tem nada a ver com o topico mais eu gostaria de saber se o Brasil esta fora do PAK FA?

Don D
Don D
11 anos atrás

O Brasil (FAB) não estava interessado em comprar um destes? Alguem sabe de alguma coisa sobre isso?

J Curitiba
J Curitiba
11 anos atrás

Palito,

O Brasil nunca entrou no PAK-FA. O que ocorreu foi apenas uma carta de intenções na época do Mangabeira Unger, mas nada foi concretizado.

O interessante é que nos fóruns militares comemoraram como se tudo estivesse certo e resolvido e até hoje tem gente que jura que o país aderiu a este projeto.

Paulo Renato
Paulo Renato
11 anos atrás

Don D,
Tb já li que o Brasil tem interesse em aviões cargueiros, mas pelo que me lembro foi o Antonov.

Mas não acredito nessa aquisição no momento.

Abs.

joao terba
joao terba
11 anos atrás

Eu acho que todo equipamento militar deveria ter dois objetivo,militar e cívil,portanto navios,aviões e helis deveriam ter dupla função.
abraço.

konner
konner
11 anos atrás

Originalmente um producto da McDonnel Douglas. Passou oficialmente a ser designado C-17 depois que a Boeing comprou a sua rival. O C-17 foi desenhado tanto para substituir o C-141 Starlifter como para complementar o C-5 Galaxy. Mas ao contrário do Galaxy que é muito maior, o C-17 deveria ter capacidade para operar a partir de pistas semi preparadas. Os C-17 começaram a ser entregues à Força Aérea dos Estados Unidos em 1992. A primeira encomenda foi para 120 unidades a que se juntaram mais 13. Depois de 11 de Setembro de 2001 e com a nova situação internacional, foi feita… Read more »

Baschera
Baschera
11 anos atrás

O Catar usar estes mostros em caso de calamidade ??
Mal levantou vôo e já ultrapassou o território de lada a lado.
Tá certo que os “xeiques” de lá tem muita grana…..acho que compraram estes C-17 para levar a família para as “europas”….rssss.
Sim, estes caras tem umas famílias de 100 ou 150 pessoas….. fora os “brimos”…

Sds.

Nunão
Nunão
11 anos atrás

Hehe, Baschera, as “calamidades” ou “disaster relief” aos quais as autoridades de Catar e o pessoal da Boeing se referem, são pra toda a região, embora esta seja mais pródiga em desastres, digamos, não naturais…

Mas é de bom tom (politicamente correto) eles dizerem que uma compra dessas não é só pra ajudar a transportar equipamento e pessoal militar (e não necessariamente de Catar…) né?

Baschera
Baschera
11 anos atrás

Claro Nunão, estava só brincando…..
Até por que, eles tem o A-380 para passear !!!

Sds.

Jacubao
11 anos atrás

Alguém aí tem um babador… Acabei de babar o meu teclado.

Marcos Pesado
Marcos Pesado
11 anos atrás

Realmente, Baschera, o que “motivou” esta compra por certo não guarda nenhuma relação com qualquer necessidade real.

Rodrigo
Rodrigo
11 anos atrás

Qual avião de transporte dessa categoria seria uma boa para o Brasil?

Andre
Andre
11 anos atrás

Bela ave. Impressiona, pelo tamanho, a capacidade de pousos e decolagens em pistas curtas. Sobra forca nos motores. Embora seja para transporte estrategico, seria uma boa pedida pra FAB um vetor dessa categoria.

Sopa
Sopa
11 anos atrás

Dois desses já estava de bom tamanho, ma acho que seria melhor pro Exercito não FAB !

Att.

Marcelo Tadeu
Marcelo Tadeu
11 anos atrás

Eu li em algum lugar que , independente do KC-390, a FAB teria interesse, futuramente, em 4 aviões deste tipo. Alguém poderia confirmar?

Sds,

palito
palito
11 anos atrás

não tem nada a ver com o topico mais eu gostaria de saber se o Brasil esta fora do PAK FA?

Don D
Don D
11 anos atrás

O Brasil (FAB) não estava interessado em comprar um destes? Alguem sabe de alguma coisa sobre isso?

J Curitiba
J Curitiba
11 anos atrás

Palito,

O Brasil nunca entrou no PAK-FA. O que ocorreu foi apenas uma carta de intenções na época do Mangabeira Unger, mas nada foi concretizado.

O interessante é que nos fóruns militares comemoraram como se tudo estivesse certo e resolvido e até hoje tem gente que jura que o país aderiu a este projeto.

Paulo Renato
Paulo Renato
11 anos atrás

Don D,
Tb já li que o Brasil tem interesse em aviões cargueiros, mas pelo que me lembro foi o Antonov.

Mas não acredito nessa aquisição no momento.

Abs.

joao terba
joao terba
11 anos atrás

Eu acho que todo equipamento militar deveria ter dois objetivo,militar e cívil,portanto navios,aviões e helis deveriam ter dupla função.
abraço.

konner
konner
11 anos atrás

Originalmente um producto da McDonnel Douglas. Passou oficialmente a ser designado C-17 depois que a Boeing comprou a sua rival. O C-17 foi desenhado tanto para substituir o C-141 Starlifter como para complementar o C-5 Galaxy. Mas ao contrário do Galaxy que é muito maior, o C-17 deveria ter capacidade para operar a partir de pistas semi preparadas. Os C-17 começaram a ser entregues à Força Aérea dos Estados Unidos em 1992. A primeira encomenda foi para 120 unidades a que se juntaram mais 13. Depois de 11 de Setembro de 2001 e com a nova situação internacional, foi feita… Read more »

Baschera
Baschera
11 anos atrás

O Catar usar estes mostros em caso de calamidade ??
Mal levantou vôo e já ultrapassou o território de lada a lado.
Tá certo que os “xeiques” de lá tem muita grana…..acho que compraram estes C-17 para levar a família para as “europas”….rssss.
Sim, estes caras tem umas famílias de 100 ou 150 pessoas….. fora os “brimos”…

Sds.

Nunão
Nunão
11 anos atrás

Hehe, Baschera, as “calamidades” ou “disaster relief” aos quais as autoridades de Catar e o pessoal da Boeing se referem, são pra toda a região, embora esta seja mais pródiga em desastres, digamos, não naturais…

Mas é de bom tom (politicamente correto) eles dizerem que uma compra dessas não é só pra ajudar a transportar equipamento e pessoal militar (e não necessariamente de Catar…) né?

Baschera
Baschera
11 anos atrás

Claro Nunão, estava só brincando…..
Até por que, eles tem o A-380 para passear !!!

Sds.

Jacubao
11 anos atrás

Alguém aí tem um babador… Acabei de babar o meu teclado.

Marcos Pesado
Marcos Pesado
11 anos atrás

Realmente, Baschera, o que “motivou” esta compra por certo não guarda nenhuma relação com qualquer necessidade real.