Home Operações Aéreas O incidente Atlantique

O incidente Atlantique

570
34

br1150-pn-40-1

vinheta-destaque-aereoEm 10 de agosto de 1999, às 10:51h IST, um radar da Força Aérea Indiana (IAF) detectou um avião dentro da região Sind do Paquistão, perto de Badin, aproximando-se da fronteira internacional (IB) Indo-Paquistanesa, no rumo sudeste.

O alvo estava em movimento numa velocidade de 370km/h, mantendo uma altitude de 3.000-3.500 pés. Ele tocou a primeira fronteira internacional (no ponto 68 graus e 48 minutos Leste, 24 graus e 18 minutos Norte) às 10:54h.

Durante os 17-18 minutos seguintes, efetuou uma série de manobras sobre esta área. (Neste processo, o alvo permaneceu dentro ou perto de 10 km da fronteira.)

O acordo aéreo entre a Índia e o Paquistão de 1991 exige que todas as aeronaves (exceto helicópteros) dos dois países precisam manter uma distância mínima de 10 km da fronteira, mas em duas ocasiões, o Atlantique do Paquistão realmente violou o espaço aéreo indiano em dois pontos.

Quando o alvo cruzou a fronteira internacional pela primeira vez às 10:57h, dois caças MiG-21 que estavam em alerta foram acionados, decolando às 10:59h.

mig-45sqn

map-kutch

O controlador aéreo no solo vetorou os caças na proa norte, para levá-los até a área geral em torno das 11:10h (ver mapa). Às 11:12h, o bandido (alvo não-identificado) procedeu inicialmente para o oeste, depois virando para o sul, até a fronteira (no ponto 68º 32 min Leste, 23º 58 min Norte), depois curavando para o oeste. Neste momento, os MiG-21 da IAF também foram direcionados para o sul pelo controlador de radar, mantendo-se a par do inimigo e do lado indiano da fronteira.

O bandido virou-se novamente para o sul e entrou no espaço aéreo indiano pela terceira vez às 11:14h e penetrou 10km dentro do território indiano, antes de curvar para o oeste. Neste momento, o controlador de radar vetorou os MiG-21 de modo a colocar o avião líder pilotado pelo líder de esquadrão P.K. Bundela, entre a fronteira e o intruso (para impedir que ele escapasse), enquanto o ala S. Narayanan acelerava para ficar bem atrás do bandido, do outro lado, num movimento em pinça.

A interceptação

mig21bis-2210-1

O líder Bundela fez contato radar com o bandido entre 10 e 15km de distância. Ambos os MiG-21 obtiveram contato visual com o intruso e o identificaram como uma aeronave de patrulha marítima Atlantique, da Marinha do Paquistão.

Bundela chegou a 300m do Atlantique, pela esquerda, com a intenção de escoltá-lo e sinalizar visualmente ao seu piloto e, se possível, comunicar-se pelo rádio para dirigí-lo à base aérea indiana mais próxima.

Naquele momento, os interceptadores já tinham identificado o tipo de aeronave, bem como suas marcações. Enquanto o comandante Bundela se posicionava, o Atlantique fez uma curva em sua direção, numa agressiva tentativa de evasão. A manobra foi considerada um ato hostil.

Pelas normas internacionais, o Atlantique deveria manter seu curso e altitude e baixado seu trem de pouso, como um sinal de submissão às regras de engajamento.

O Atlantique já tinha sido declarado hostil depois de identificado, como mandam os procedimentos. E uma aeronave hostil não tem a opção de retornar para casa. Ele só tem duas opções: seguir as instruções para pousar numa base indicada ou ser derrubado.

Quando o intruso jogou sua aeronave para cima do líder Bundela numa tentativa de avariá-lo e fugir em direção ao seu espaço aéreo, o controlador de radar deu ao líder Bundela a permissão para manobrar seu caça e disparar um míssil a fim de impedí-lo de escapar.

Assim que foi liberado pelo controle do solo para o fogo, Bundela disparou um míssil ar-ar R-60 guiado por calor (IR). O míssil acertou o Atlantique no motor esquerdo, que imediatamente pegou fogo e começou a soltar fumaça.  Isto aconteceu às 11:17h aproximadamente, quando o Atlantique estava a 5km ao sul da fronteira, do lado indiano.

atlantique-kill

Os interceptadores receberam a ordem de curvar imediatamento para a direita a fim de garantir que eles permanecessem sobre o território indiano. O Atlantique continuou sendo acompanhado pelos radares indianos depois de ter sido atingido. Ele entrou numa espiral para a esquerda, queimando e soltando partes. No processo, ele descreveu um arco de 5km dentro do território paquistanês, até sumir dos radares indianos.

O comportamento do intruso, enquanto operou deliberadamente por 18 minutos na parte inicial da sortida, confirma que ele não estava perdido nem violou a fronteira inadvertidamente. A possibilidade de que estava numa missão de treinamento também pode ser excluída, por causa do perfil de voo.

bundela-e-narayananO fato relevante é que o Atlantique da Marinha do Paquistão era uma aeronave militar classificada como hostil, que deliberadamente violou o espaço aéreo indiano numa missão operacional.
Nessa situação, as regras de engajamento ditam o abate da aeronave depois da liberação do controle radar.

Quando o interceptador da IAF aproximou-se do Atlantique, mostrando sua intenção de emparelhar a fim de comunicar-se com ele, o intruso não respondeu e ainda agiu de forma hostil, curvando agressivamente para cima do interceptador. Não havia alternativa a não ser derrubar o intruso para evitar que ele fugisse depois de ser pego operando ilegalmente dentro de território indiano.

Numa análise final, a IAF agiu de forma profissional como mandam as regras de engajamento, dando uma chance de sobrevivência ao invasor, que foi rejeitada.
A IAF continua a manter seu alto estado de vigilância e está confiante que qualquer invasão futura, será tratada da mesma maneira firme.

FT0016883

FONTE: IAF

NOTA do BLOG: Na foto acima, os restos do Atlantique em solo paquistanês. Morreram os 16 tripulantes da aeronave, que provavelmente estava numa missão de ELINT/SIGINT.

34
Deixe um comentário

avatar
34 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
16 Comment authors
EUA acusam Paquistão de modificar mísseis HarpoonlucianoarjunaAMXwilliam Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
madvad
Visitante
madvad

muito legal o artigo!

madvad
Visitante
madvad

muito legal o artigo!

Angelo Nicolaci
Visitante
Angelo Nicolaci

As vezes é preciso analisar bem antes de uma decisão, eu acho que eu no lugar deles teria seguido as diretrizes dos migs afinal o que um atlantique poderia fazer???
Na melhor das hipoteses pousaria no meio do nada e salvaria minha guarnição

Angelo Nicolaci
Visitante
Angelo Nicolaci

As vezes é preciso analisar bem antes de uma decisão, eu acho que eu no lugar deles teria seguido as diretrizes dos migs afinal o que um atlantique poderia fazer???
Na melhor das hipoteses pousaria no meio do nada e salvaria minha guarnição

luciano
Visitante
luciano

Os Mig-21 são muito legais.

luciano
Visitante
luciano

Os Mig-21 são muito legais.

Giovani
Visitante
Giovani

Os invasores tiveram sua chance e ao invés disso decidiram reagir, contra os interceptadores. Talvez o tiro de missil tenha sido exagero eles poderia ter usado apenas o canhão para avariar parcialmente o atlantique,e mostra sua intensão.

A coisa lá continua tensa até hoje.

Giovani
Visitante
Giovani

Os invasores tiveram sua chance e ao invés disso decidiram reagir, contra os interceptadores. Talvez o tiro de missil tenha sido exagero eles poderia ter usado apenas o canhão para avariar parcialmente o atlantique,e mostra sua intensão.

A coisa lá continua tensa até hoje.

Marco Carvalho
Visitante
Marco Carvalho

foi moleza abater o atlantic, mas a verdade é que esse mig 21 é porreta. um dos melhores produzidos até hoje.

Marco Carvalho
Visitante
Marco Carvalho

foi moleza abater o atlantic, mas a verdade é que esse mig 21 é porreta. um dos melhores produzidos até hoje.

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Pode ser que o Atlantic tivesse a intenção de curvar antes que o Mig-21 empalheirasse com ele. Pode ser que ele não tivesse visto o Mig ao iniciar as manobras. Pode ser que ele estivesse perdido… Já por essas bandas, aviões de reconhecimento americanos (como o P-3) várias vezes violaram o espaço aéreo brasileiro, mas para não criar encrencas com o “big brother”, deixasse o intruso dar a desculpa de problemas de navegação e ele sai do nosso espaço aéreo sem ser forçado a pousar. Quem disse isso foi um piloto da FAB em uma entrevista, se eu não me… Read more »

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Pode ser que o Atlantic tivesse a intenção de curvar antes que o Mig-21 empalheirasse com ele. Pode ser que ele não tivesse visto o Mig ao iniciar as manobras. Pode ser que ele estivesse perdido… Já por essas bandas, aviões de reconhecimento americanos (como o P-3) várias vezes violaram o espaço aéreo brasileiro, mas para não criar encrencas com o “big brother”, deixasse o intruso dar a desculpa de problemas de navegação e ele sai do nosso espaço aéreo sem ser forçado a pousar. Quem disse isso foi um piloto da FAB em uma entrevista, se eu não me… Read more »

Jaique Sparro
Visitante
Jaique Sparro

Uso desnecesário da força,mas com são duas nações que se”amam”deve- se entender como uma mensagem pra não ocorrer novamente.

Jaique Sparro
Visitante
Jaique Sparro

Uso desnecesário da força,mas com são duas nações que se”amam”deve- se entender como uma mensagem pra não ocorrer novamente.

Sergio
Visitante
Sergio

Para sua época foi um ótimo avião, principalmente por sua resistencia e robustez!

Sergio
Visitante
Sergio

Para sua época foi um ótimo avião, principalmente por sua resistencia e robustez!

arjuna
Visitante
arjuna

Sds.
A historia nao é bem assim como está. O aviao paquistanes não se jogou em cima do mig-21. Ele continuou na sua rota e os mig-21 acompanharam, eles atiraram com o canhão para avisar antes de usar o r-60. Como o aviao paquistanes estava perto da fronteira acharam que o mig-21 nao ia ir atras, porque menos de 10km de distancia é um tempo rapido de voo. O mig-21 continuou e atirou o r-60 fazendo o aviao paquistanes cair do lado paquistanês.Att.
Atkinson.

arjuna
Visitante
arjuna

Sds.
A historia nao é bem assim como está. O aviao paquistanes não se jogou em cima do mig-21. Ele continuou na sua rota e os mig-21 acompanharam, eles atiraram com o canhão para avisar antes de usar o r-60. Como o aviao paquistanes estava perto da fronteira acharam que o mig-21 nao ia ir atras, porque menos de 10km de distancia é um tempo rapido de voo. O mig-21 continuou e atirou o r-60 fazendo o aviao paquistanes cair do lado paquistanês.Att.
Atkinson.

Andre Luiz
Visitante
Andre Luiz

Que tipo de informaçao que o aviao paquistanes poderia ter obtido?

Frequencias, assinaturas, estas coisas?

Andre Luiz
Visitante
Andre Luiz

Que tipo de informaçao que o aviao paquistanes poderia ter obtido?

Frequencias, assinaturas, estas coisas?

Marcelo Tadeu
Visitante
Marcelo Tadeu

Tb acho que usar logo o míssil foi excessivo. Mas a interceptação foi bem feita e as conseqüencias fazem parte do jogo, quem não se lembra do EP-3C americano que teve de aterrizar na China, o destino dele seria o mesmo, caso não aceitasse a ordem?.

Esta notícia foi dada pela India ou Pasquistão? Eu gostaria de ouvir o outro lado, tb.

sds

Marcelo Tadeu
Visitante
Marcelo Tadeu

Tb acho que usar logo o míssil foi excessivo. Mas a interceptação foi bem feita e as conseqüencias fazem parte do jogo, quem não se lembra do EP-3C americano que teve de aterrizar na China, o destino dele seria o mesmo, caso não aceitasse a ordem?.

Esta notícia foi dada pela India ou Pasquistão? Eu gostaria de ouvir o outro lado, tb.

sds

Skyrider
Visitante
Skyrider

ARE BABA!

Skyrider
Visitante
Skyrider

ARE BABA!

Raphael Barros
Visitante
Raphael Barros

Quem manda eles chegarem perto demais de casa de marimbondo. A India fez certo não pode dar moral para outros países não senão eles trepam em cima e nunca mais sai. Se o Brasil fosse assim…..

Raphael Barros
Visitante
Raphael Barros

Quem manda eles chegarem perto demais de casa de marimbondo. A India fez certo não pode dar moral para outros países não senão eles trepam em cima e nunca mais sai. Se o Brasil fosse assim…..

AMX
Visitante
AMX

Esse e outros artigos interessantíssimos estão no site http://www.bharat-rakshak.com (ou bharaK, não lembro).
Recomendo a parte de história da IAF, onde há muitos detalhes sobre as guerras de 1965 e 1971, travadas com o Paquistão; entre outras.

Marcelo Tadeu:
O site é indiano mesmo. Não é oficial, mas dá muitas informações sobre as FAs indianas.
Um exemplo, é sobreo Mohamed Alam, um piloto paquistanês de F-86 Sabre que abateu 5 jatos num único dia (Hawker Hunter), em 1965. No entanto, segundo o site, há evidências de que ele não obteve todas elas.
É ler para crer, hehe

Abraços.

Abraços.

Giovani
Visitante
Giovani

Se não me engano em 1997 houve um caso tmb no Equador, um EP-3 da US Navy que supostamente estaria fazendo uma operação Anti-Drogas na região, e teria sido atacado por um Mirage F1 Equatoriano.
O EP-3 Americano teria violado o espaço Aéreo do Equador.

Giovani
Visitante
Giovani

Se não me engano em 1997 houve um caso tmb no Equador, um EP-3 da US Navy que supostamente estaria fazendo uma operação Anti-Drogas na região, e teria sido atacado por um Mirage F1 Equatoriano.
O EP-3 Americano teria violado o espaço Aéreo do Equador.

GHz
Visitante
GHz

Marcelo Tadeu,

No incidente de 2001 do EP-3E Aries II da USN, o avião americano só procedeu para pouso na China por estar em emergência após colisão com um interceptador J-8 chinês.

Alexandre Galante,

Seria interessante, a título de comparação, uma matéria sobre esse evento, muito mais polêmico que o do Atlantique paquistanês.

[[ ]]
GHz

GHz
Visitante
GHz

Marcelo Tadeu,

No incidente de 2001 do EP-3E Aries II da USN, o avião americano só procedeu para pouso na China por estar em emergência após colisão com um interceptador J-8 chinês.

Alexandre Galante,

Seria interessante, a título de comparação, uma matéria sobre esse evento, muito mais polêmico que o do Atlantique paquistanês.

[[ ]]
GHz

william
Visitante

seria muito bom saber sobre essa historia do lado paquistanês

william
Visitante

seria muito bom saber sobre essa historia do lado paquistanês

trackback

[…] O incidente Atlantique […]